ENSINAMENTOS DE JESUS PARA UM CURSO EM MILAGRES





ENSINAMENTOS DE JESUS

LIÇÃO 172 - 21/06/2018

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

1. (153) A minha segurança está em ser sem defesas.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

2. (154) Eu estou entre os ministros de Deus.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

REVISÃO V

Introdução

1. Agora, revisamos mais uma vez. Dessa vez, estamos prontos para fazer mais esforço e dar mais tempo ao que empreendemos. Reconhecemos que estamos nos preparando para outra fase da compreensão. Queremos dar esse passo sem restrições para que possamos continuar com mais certeza, mais sinceridade, e com a fé mantida de forma mais segura. Nossos passos não têm sido firmes e as dúvidas nos fizeram caminhar hesitantes e lentos pela estrada que esse curso estabelece. Mas agora nos apressamos pois estamos nos aproximando de uma certeza maior, de um propósito mais firme e de uma meta mais garantida.

2. Pai Nosso, firma os nossos pés. Que as nossas dúvidas se aquietem e que as nossas mentes santas tenham serenidade, e fala conosco. Nós não temos palavras para dar a Ti. Queremos apenas escutar o Teu Verbo, e fazê-lo nosso. Conduz a nossa prática como um pai conduz uma criança pequena ao longo de um caminho que ela não compreende. Mas ela segue, certa de que está a salvo porque o seu pai lhe mostra o caminho.

3. Assim trazemos a Ti a nossa prática. E se tropeçarmos, Tu nos erguerás. Se esquecermos o caminho, contamos com a Tua lembrança que não falhará. Nós nos desviaremos, mas Tu não esquecerás de nos chamar de volta. Apressa os nossos passos, agora, para que possamos andar em direção a Ti com maior certeza e rapidez. E aceitamos o Verbo que nos ofereces para unificar a nossa prática à medida que revisamos os pensamentos que nos tens dado.

4. Esse é o pensamento que deve preceder os pensamentos que revisamos. Cada um deles apenas esclarece algum aspecto deste pensamento, ou ajuda a torná-lo mais significativo, mais pessoal e verdadeiro e mais descritivo do Ser santo que compartilhamos e que agora nos preparamos para conhecer novamente:

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

Só esse Ser conhece o amor. Só esse Ser é perfeitamente consistente em Seus pensamentos, conhece o Seu Criador, compreende a Si Mesmo, é perfeito em Seu conhecimento e no Seu amor e nunca muda o Seu constante estado de união com o Seu Pai e Consigo Mesmo.

5. E é Isso Que espera para nos encontrar no final da jornada. Cada passo que damos nos aproxima um pouco mais. Essa revisão reduzirá o tempo de forma imensurável, se mantivermos em mente que Essa continua sendo a nossa meta e que ao praticarmos, é Disso Que nos aproximamos. Erguemos os nossos corações do pó para a vida, ao lembrarmo-nos de que Isso nos foi prometido e de que esse curso foi mandado para abrir-nos o caminho da luz e ensinar-nos, passo a passo, a voltarmos para o Ser eterno que pensamos ter perdido.

6. Eu faço a jornada contigo. Pois compartilho das tuas dúvidas e medos por algum tempo, para que possas vir a mim que reconheço a estrada pela qual todos os medos e dúvidas são vencidos. Nós caminhamos juntos. Eu tenho que compreender a incerteza e a dor, embora saiba que não têm significado. Mas um salvador tem que permanecer com aqueles a quem ensina, vendo o que vêem, mas conservando em sua mente o caminho que o conduziu para fora e que agora também te conduzirá junto com ele. O Filho de Deus é crucificado até que caminhes ao longo da estrada comigo.

7. A minha ressurreição vem novamente a cada vez que conduzo um irmão em segurança para o lugar em que a jornada acaba e é esquecida. Eu sou renovado a cada vez que um irmão aprende que há um caminho para fora da miséria e da dor. Renasço a cada vez que a mente de um irmão volta-se para a luz em si mesmo e procura por mim. Eu não esqueci ninguém. Ajuda-me agora a conduzir-te de volta para onde a jornada começou,  para que faças outra escolha comigo.

8. Liberta-me ao praticar mais uma vez os pensamentos que eu te trouxe Daquele Que vê a tua amarga necessidade e conhece a resposta que Deus deu a Ele. Juntos revisamos estes pensamentos. Juntos lhes dedicamos o nosso tempo e esforço. E juntos os ensinaremos aos nossos irmãos. Deus não quer o Céu incompleto. O Céu espera por ti assim como eu. Sou incompleto sem a tua parte em mim. E, à medida que sou integrado, vamos juntos à nossa antiga morada, preparada para nós antes que o tempo fosse e mantida inalterada pelo tempo, imaculada e segura, tal como será, enfim, quando o tempo tiver terminado.

9. Que essa revisão seja, então, a tua dádiva para mim. Pois é só disso que preciso, que ouças as palavras que digo e as dês ao mundo. Tu és a minha voz, os meus olhos, os meus pés, as minhas mãos, através das quais eu salvo o mundo. O Ser do Qual eu te chamo é apenas o teu próprio Ser. Juntos vamos a Ele. Toma a mão do teu irmão, pois esse não é um caminho que percorremos sozinhos. Nele, eu caminho contigo e tu comigo. É Vontade do nosso Pai que o Seu Filho seja um com Ele. Assim sendo, o que vive não tem que ser um contigo?

10. Que essa revisão venha a ser um momento em que compartilhamos uma experiência nova para ti, embora seja velha como o tempo e mais velha ainda. Santificado seja o teu nome. A tua glória para sempre imaculada. E a tua integridade agora completa, tal como Deus a estabeleceu. Tu és o Seu Filho, completando a Sua extensão na tua própria. Praticamos apenas uma verdade antiga que conhecíamos antes que a ilusão parecesse reivindicar o mundo. E estamos lembrando ao mundo que ele está livre de todas as ilusões, a cada vez que dizemos:

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

11. Com isso iniciamos cada dia da nossa revisão. Com isso iniciamos e terminamos cada período de prática. E com esse pensamento adormecemos, para despertarmos mais uma vez com estas mesmas palavras em nossos lábios para saudarmos mais um dia. Envolveremos cada ideia que revisarmos com apenas esse pensamento e as usaremos para mantê-lo em nossas mentes e claro em nossa memória ao longo do dia. E assim, quando tivermos terminado essa revisão, teremos reconhecido que as palavras que dizemos são verdadeiras.

12. Entretanto, as palavras são apenas recursos para serem usados com exceção do começo e do fim dos períodos de prática, apenas para chamar a mente de volta ao seu propósito conforme seja necessário. Colocamos a nossa fé na experiência que vem da prática e não nos meios que usamos. Esperamos pela experiência e reconhecemos que só nela está a convicção. Usamos as palavras e tentamos uma e outra vez ir além delas até o seu significado, que está muito além do seu som. O som se torna indistinto e desaparece à medida que nos aproximamos da Fonte do significado. É Aqui que achamos descanso.

LIÇÃO 171 - 20/06/2018

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

1. (151) Todas as coisas são ecos da Voz por Deus.

Deus é só Amor e, portanto, eu também

2. (152) O poder de decisão é meu.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.


LIÇÃO 170 - 19/06/2018

Não há crueldade em Deus e nem em mim.

1. Ninguém ataca sem a intenção de ferir. Isso não pode ter exceção. Quando pensas que atacas em auto-defesa, queres dizer que ser cruel é uma proteção, que estás a salvo por causa da crueldade. Queres dizer que acreditas que ferir o outro te traz liberdade. E queres dizer que atacar é trocar o estado em que te encontras por algo melhor, mais seguro e protegido de invasões perigosas e do medo.

2. Como é inteiramente insana a ideia de que defender-se do medo é atacar! Pois é assim que o medo é procriado e alimentado com sangue, para fazê-lo crescer, inchar e enfurecer-se. Assim o medo é protegido e é impossível escapar. Hoje aprendemos uma lição que pode poupar-te mais atrasos e misérias desnecessárias do que podes imaginar. É isso:

Fazes aquilo contra o qual te defendes e, pela tua própria defesa, fazes com que seja real e inescapável. Abaixa as tuas armas, e só então perceberás que é falso.

3. Parece que atacas o inimigo que está do lado de fora. Mas a tua defesa estabelece um inimigo do lado de dentro, um pensamento alheio lutando contra ti mesmo, privando-te de paz e dividindo a tua mente em dois campos que parecem ser totalmente irreconciliáveis. Pois agora o amor tem um "inimigo", um oposto; e o medo, o estranho, precisa agora da tua defesa contra a ameaça do que realmente és.

4. Se considerares cuidadosamente os meios pelos quais a tua auto-defesa inventada procede em seus caminhos imaginários, perceberás as premissas em que se baseia a ideia. Primeiro, é óbvio que as ideias têm que deixar a sua fonte, pois és aquele que faz o ataque e não podes deixar de tê-lo concebido antes. Mas atacas o que está fora de ti e separas a tua mente daquele que deverá ser atacado, com fé perfeita de que a divisão que fizeste é real.

5. Em seguida, os atributos do amor são conferidos ao "inimigo" do amor. Pois o medo vem a ser a tua segurança e o protetor da tua paz, ao qual te voltas esperando consolo, e procurando escapar das dúvidas em relação à tua força, e buscando a esperança do repouso numa quietude sem sonhos. E, ao despojares o amor do que pertence a ele, e só a ele, o amor é dotado dos atributos do medo. Pois o amor te despojasses de todas as tuas defesas como mera tolice. E as tuas armas na verdade se desfariam em pó. Pois é o que são.

6. Com o amor como inimigo, a crueldade tem que vir a ser um deus.  E os deuses exigem que aqueles que os adoram obedeçam aos seus ditames e recusem-se a questioná-los. A punição severa é o quinhão inexorável daqueles que perguntam se as exigências são razoáveis ou até mesmo sãs. Seus inimigos, sim, são insensatos e insanos, mas eles próprios são sempre misericordiosos e justos.

7. Hoje contemplamos sem emoção esse deus cruel. E observamos que, embora os seus lábios estejam manchados de sangue e embora pareça lançar chamas de fogo, é apenas feito de pedra. Não pode fazer nada. Não precisamos desafiar o seu poder. Ele não tem nenhum. E aqueles que vêem nele a sua segurança, não têm nenhum guardião, nem força para invocar em momentos de perigo e nenhum guerreiro poderoso para lutar por eles.

8. Esse momento pode ser terrível. Mas pode também ser o momento da tua liberação da escravidão abjeta. Fazes uma escolha, de pé diante desse ídolo, vendo-o exatamente como é. Devolverás tu ao amor o que tens buscado arrancar dele para depositar diante desse pedaço de pedra irracional? Ou farás outro ídolo para substituí-lo? Pois o deus da crueldade toma muitas formas. Pode-se achar outra.

9. Contudo não penses que o medo é o modo de escapar do medo. Lembremo-nos do que o livro texto enfatizou a respeito dos obstáculos à paz. O obstáculo final, o mais difícil de se acreditar que não seja nada, um obstáculo com a aparência de um bloco sólido, impenetrável, amedrontador e além do conquistável, é o medo do próprio Deus. Aqui está a premissa básica que entroniza o pensamento do medo como deus. Pois o medo é amado por aqueles que o idolatram e o amor agora aparenta revestir-se de crueldade.

10. De onde vem a crença totalmente insana em deuses de vingança? O amor não confundiu os seus atributos com os do medo. Mesmo assim os adoradores do medo não podem deixar de perceber a própria confusão no "inimigo" do medo e a sua crueldade é agora uma parte do amor. E o que poderia ser mais amedrontador agora do que o próprio Coração do Amor? O sangue parece estar em Seus Lábios, o fogo vem Dele. Ele é mais terrível do que tudo, mais cruel do que qualquer coisa que se possa conceber e fulmina todos aqueles que O reconhecem como seu Deus.

11. A escolha que fazes hoje é certa. Pois olhas pela última vez para esse pedaço de pedra esculpida que fizeste e não mais o chamas de deus. Já alcançaste esse lugar antes, mas escolheste que esse deus cruel permanecesse contigo sob outra forma. E assim , o medo de Deus retornou contigo. Dessa vez, tu o deixas lá. E retornas a um novo mundo, sem a carga desse peso, um mundo contemplado, não através dos olhos do medo que não vêem, mas da visão que a tua escolha devolveu a ti.

12. Agora os teus olhos pertencem a Cristo e Ele olha através deles. Agora a tua voz pertence a Deus e ecoa a Sua. E, agora, o teu coração permanece em paz para sempre. Tu O escolheste no lugar de ídolos e os teus atributos, dados pelo teu Criador, te são enfim devolvidos, O Chamado a Deus foi ouvido e respondido. Agora, o medo dá lugar ao amor, enquanto o próprio Deus substitui a crueldade.

13. Pai, somo como Tu és. a crueldade não habita em nós, pois ela não existe em Ti. A Tua paz é a nossa. E abençoamos o mundo com o que recebemos só de Ti. Escolhemos outra vez e fazemos a nossa escolha por todos os nossos irmãos, sabendo que são um conosco. Trazemos a eles Tua salvação assim como a recebemos agora. E agradecemos por ele, que nos tornam completos. Neles vemos a Tua glória e achamos a nossa paz. Somos santos porque a Tua santidade nos libertou. E damos graças. Amém.

LIÇÃO 169 - 18/06/2018

Pela graça vivo. Pela graça sou liberado.

1. A graça é o aspecto do Amor de Deus que mais se assemelha ao estado que prevalece na unidade da verdade. É a aspiração mais elevada do mundo, pois nos conduz para além do mundo inteiramente. Ela está depois do aprendizado, no entanto, constitui a meta do aprendizado, pois a graça não pode vir até que a mente se prepare para a verdadeira aceitação. A graça vem a ser instantaneamente inevitável naqueles que tiverem preparado uma mesa em que ela possa ser gentilmente colocada e recebida voluntariamente, um altar limpo e santo para a dádiva.

2. A graça é a aceitação do Amor de Deus dentro de um mundo de aparente ódio e medo. Unicamente pela graça, o ódio e o medo se vão, pois a graça apresenta um estado tão oposto a tudo o que o mundo contém, que aqueles cujas mentes são iluminadas pela dádiva da graça não podem acreditar que o mundo do medo seja real.

3. A graça não é aprendida. O passo final tem que ir além de todo aprendizado. A graça não é a meta que esse curso aspira atingir. Mas nos preparamos para a graça já que a mente aberta pode ouvir o Chamado para o despertar. Não está hermeticamente fechada contra a Voz de Deus. Veio a estar ciente de que há coisas que não sabe e, assim, está pronta para aceitar um estado completamente diferente do tipo de experiência com a qual está familiarizado.

4. Talvez pareça que contradizemos a nossa declaração de que a revelação do Pai e do Filho como um só já foi estabelecida. Mas também dissemos que a mente determina quando será esse momento e já o determinou. Insistimos, porém, que dês testemunho do Verbo de Deus para apressar a experiência da verdade e acelerar o seu advento a todas as mente que reconhecem os efeitos da verdade em ti.

5. A Unicidade é simplesmente a ideia de que Deus é. E no Que Ele É, ele abrange todas as coisas. Não há mente que contenha algo que não seja Ele. Dizemos: "Deus é" e então deixamos de falar, pois nesse conhecimento as palavras são sem significado. Não há lábios para pronunciá-las e nenhuma parte da mente é distinta o suficiente para sentir que agora está ciente de algo que não seja ela mesma. Ela se uniu à sua Fonte. E, como a própria Fonte, meramente é.

6. Não podemos falar, escrever ou mesmo pensar sobre isso de modo algum. Vem a cada mente quando o reconhecimento total de que a sua vontade é a Vontade de Deus tiver sido completamente dado e completamente recebido. Isso devolve a mente ao presente infinito, em que nem o passado nem o futuro podem ser concebidos. Está além da salvação, depois de todo pensamento de tempo, de perdão e da santa face de Cristo. O Filho de Deus, meramente desapareceu em seu Pai, assim como seu Pai nele. O mundo absolutamente nunca foi. A eternidade permanece um estado constante.

7. Isso está além da experiência que tentamos apressar. Entretanto o perdão, ensinado e aprendido, traz consigo as experiências que dão testemunha de que está próximo o momento em que a própria mente determinou abandonar tudo, menos isso. Nós não o apressamos, pois o que então vais oferecer estava oculto Daquele Que ensina o que significa o perdão.

8. Todo o aprendizado já estava na Sua Mente, realizado e completo. Ele reconheceu tudo o que o tempo contém e o deu a todas as mentes para que cada uma pudesse determinar, de um ponto em que o tempo estava acabado, quando estaria liberada para a revelação e a eternidade. Já repetimos várias vezes antes que apenas fazes uma jornada que já terminou.

9. Pois a unicidade tem que estar aqui. Qualquer que seja o momento que a mente tenha estabelecido para a revelação, ele é inteiramente irrelevante para o que tem que ser um estado constante, para sempre como sempre foi; permanecendo para sempre como é agora. Nós apenas aceitamos o papel há muito tempo designado e reconhecido plenamente como já tendo sido realizado com perfeição por Aquele Que escreveu o roteiro da salvação em Nome do Seu Criador e em nome do filho do Seu Criador.

10. Não há mais necessidade de esclarecer o que ninguém no mundo pode compreender. Quando vem a revelação da tua unicidade, ela será conhecida e inteiramente compreendida. Agora temos um trabalho a fazer, pois aqueles que estão no tempo podem falar das coisas que estão além e escutar as palavras que explicam que aquilo que está por vir, já passou. Mas o que podem significar as palavras para aqueles que ainda contam as horas, que amanhecem e trabalham e vão dormir de acordo com elas?

11. Basta, então, que tenhas trabalho a fazer para desempenhar a tua parte. O fim terá que permanecer obscuro para ti até que seja feita a tua parte. Isso não importa. Pois a tua parte ainda é aquilo de que depende todo o resto. Ao aceitares o papel que te foi designado, a salvação vem a estar um pouco mais perto de cada coração incerto que ainda não bate sintonizado com Deus.

12. O perdão é o tema central que corre por toda a salvação, mantendo todas as suas partes em relacionamentos significativos, tendo o curso que ela segue direcionado e o seu resultado seguro. E agora pedimos a graça, a dádiva final que a salvação pode conceder. A experiência que a graça proporciona terá fim no tempo, pois a graça prenuncia o Céu, ainda que não substitua o pensamento do tempo a não ser por um breve período.

13. O intervalo basta. Nele são colocados os milagres para serem devolvidos por ti, dos instantes santos que recebes através da graça na tua experiência, a todos que vêem a luz remanescente na tua face. O que é a face de Cristo, senão a daquele que foi por um momento para a intemporalidade e trouxe, para abençoar o mundo, um claro reflexo da unidade que sentiu há apenas um instante? Como poderias enfim atingi-la para sempre, enquanto uma parte de ti mesmo permanece do lado de fora, sem saber, sem despertar e precisando de ti como testemunha da verdade?

14. Sê grato por retornar, assim como ficaste contente em ir por um instante e aceitar as dádivas que a graça te proveu. Tua as carregas de volta para ti mesmo. E a revelação não está muito atrás. A sua vinda está assegurada. Pedimos a graça e a experiência que vem da graça. Damos as boas-vindas à liberação que ela oferece a todos. Não pedimos o que não pode ser pedido. Não olhamos para o que está além do que a graça pode dar. Pois isso podemos dar na graça que nos foi dada.

15. A meta do nosso aprendizado de hoje não excede essa oração. No entanto, no mundo, o que poderia ser mais do que aquilo que pedimos nesse dia Àquele Que dá a graça que pedimos, como ela Lhe foi dada?

Pela graça vivo. Pela graça sou liberado. Pela graça dou. Pela graça vou liberar.

LIÇÃO 168 - 17/06/2018

A Tua graça me é dada. Eu a reivindico agora.

1. Deus fala conosco. E nós, não falaremos com Ele? Ele não está distante. Ele não faz nenhuma tentativa de esconder-Se de nós. Tentamos esconder-nos de Deus e sofremos com o engano. Ele permanece inteiramente acessível. Ele ama Seu Filho. Não há outra certeza além dessa, entretanto essa é suficiente. Ele amará Seu Filho para sempre. Mesmo quando a sua mente permanece adormecida, Ele ainda o ama. E quando ela desperta, Ele o ama com um Amor imutável.

2. Se apenas soubesses o significado do Seu Amor, a esperança e o desespero seriam impossíveis. Pois a esperança seria para sempre satisfeita e qualquer tipo de desespero impensável. A Sua graça é a Sua resposta a todo desespero, pois nela está a lembrança do Seu Amor. Não daria Ele com contentamento os meio pelos quais a Sua Vontade é reconhecida? A Sua graça é tua através do teu reconhecimento. E a memória de Deus desperta na mente que Lhe pede os meios pelos quais o seu sono chega ao fim.

3. Hoje, pedimos a Deus a dádiva que Ele preservou com o maior cuidado em nossos corações, esperando para ser reconhecida. É a dádiva pela qual Deus Se inclina para nós e nos eleva, dando Ele próprio o passo final da salvação. Instruídos pela sua Voz, aprendemos todos os passos, exceto esse. Mas Ele próprio finalmente vem, nos toma em Seus Braços e varre as teias de aranha do nosso sono. A dádiva da Sua graça é mais do que uma simples resposta. Ela restaura todas as memórias que a mente adormecida esqueceu, toda a certeza a respeito de qual é o significado do amor.

4. Deus ama Seu Filho. Pede-Lhe agora que Ele te dê os meios pelos quais esse mundo desaparecerá; primeiro virá a visão e apenas um instante mais tarde o conhecimento. Pois a graça vês uma luz que cobre o mundo todo de amor e observas o medo desaparecer de cada rosto à medida que os corações se erguem e reivindicam a luz como o que lhes pertence. O que permanece agora que poderia atrasar a vinda do Céu ainda que por um instante? O que ainda está por fazer, quando o teu perdão descansa em todas as coisas?

5. Esse é um dia novo e santo, pois recebemos o que nos tem sido dado. A nossa fé está no Doador e não na nossa própria aceitação. Admitimos os nossos equívocos nas Aquele que desconhece o erro ainda é Aquele Que responde aos nossos equívocos, dando-nos meios para deixarmos de carregá-los e para nos erguermos até Ele em gratidão e amor.

6. E Ele desce para nos encontrar quando vamos a Ele. Pois o que Ele preparou para nós, Ele nos dá e nós recebemos. Assim é a Sua Vontade porque Ele ama Seu Filho. Hoje oramos a Ele, apenas devolvendo a palavra que nos foi dada por Ele através da Sua própria Voz, Seu Verbo, Seu Amor:

A Tua graça me é dada. Eu a reivindico agora. Pai, venho a Ti. E Tu virás a mim que peço. Eu sou o Filho que Tu amas.

LIÇÃO 167 - 16/06/2018

Só existe uma vida e eu a compartilho com Deus.

1. Não existem tipos diferentes de vida, pois a vida é como a verdade. Não tem graduação. É a única condição na qual tudo o que Deus criou compartilha. Como todos os Seus Pensamentos, a vida não tem oposto. A morte não existe, porque o que Deus criou compartilha da sua Vida. A morte não existe, porque não existe um oposto para Deus. A morte não existe, porque o Pai e o Filho são um.

2. Nesse mundo, parece haver um estado que é o oposto da vida. Tu o chamas de morte. Mas aprendemos que a ideia da morte toma muitas formas. É a única ideia subjacente a todos os sentimentos que não são supremamente felizes. É o alarme ao qual respondes quando não reages com perfeita alegria. Todo pesar, toda perda, ansiedade, sofrimento e dor, até mesmo um pequeno suspiro de cansaço, um leve desconforto ou o menor olhar de reprovação estão admitindo a morte. E assim, negam que tu vives.

3. Pensas que a morte é do corpo. No entanto, é apenas uma ideia irrelevante ao que é visto como físico. Um pensamento está na mente. Pode então ser aplicado segundo a direção da mente. Mas, para haver mudança, é na sua origem que o pensamento tem que ser mudado. As ideias não deixam a sua fonte. A ênfase que esse curso dá a essa ideia se deve à sua centralidade nas nossas tentativas de mudar a tua mente sobre ti mesmo. É a razão pela qual podes curar. É a causa da cura. É por isso que não podes morrer. A verdade dessa ideia te estabeleceu uno com Deus.

4. A morte é o pensamento de que estás separado do teu Criador. É a crença segundo a qual as condições mudam, as emoções se alternam devido à causas que não podes controlar, que não fizeste e nunca podes mudar. É a crença fixa segundo a qual as ideias podem deixar a sua fonte e adquirir qualidades que a fonte não contém, tornando-se diferentes de sua própria origem, à parte dela em espécie, assim como em distância, tempo e forma.

5. A morte não pode vir da vida. As ideias permanecem unidas à sua fonte. Podem estender tudo o que a sua fonte contém. Nisso podem ir muito além de si mesmas. Mas não podem dar origem ao que nunca lhes foi dado. Assim como foram feitas será o que vierem a fazer. Assim como nasceram, farão nascer. E de onde vieram, para lá retornarão.

6. A mente pode pensar que dorme, mas isso é tudo. Não pode fazer um corpo, nem habitar no interior de um corpo. Aquilo que é alheio à mente não existe, porque não tem fonte. Pois a mente cria todas as coisas que são e não pode lhes dar atributos que lhe faltem e nem modificar o seu próprio estado mentalmente ciente e eterno. Não pode fazer o físico. O que parece morrer é apenas o sinal da mente adormecida.

7. O oposto da vida só pode ser outra forma de vida. Como tal, pode ser reconciliada com o que a criou porque, na verdade, não é um oposto. A sua forma pode mudar, pode parecer ser o que não é. Mas a mente é mente, desperta ou adormecida. Não é o seu oposto em nada que tenha sido criado e tampouco naquilo que ela parece fazer quando acredita estar dormindo.

8. Deus só cria a mente desperta. Ele não dorme e as Suas criações não podem compartilhar o que Ele não lhes dá, nem dar lugar a condições que Ele não compartilha com elas. O pensamento da morte não é o oposto dos pensamentos de vida. Para sempre sem qualquer tipo de oposição, os Pensamentos de Deus permanecem eternamente imutáveis, com o poder de estenderem-se por toda a eternidade imutavelmente, porém ainda dentro de si mesmos, pois estão em toda parte.

9. O que parece ser o oposto da vida está apenas dormindo. Quando a mente opta por ser o que não é, e por assumir um poder alheio que não tem, um estado estranho no qual não pode entrar, ou uma condição falsa que não esteja dentro da sua Fonte, ela apenas parece ir dormir um pouco. Sonha com o tempo, um intervalo em que o que parece acontecer nunca ocorreu, em que as mudança forjadas são sem substância e em que todos os eventos não estão em parte alguma. Quando a mente desperta, apenas continua tal como sempre foi.

10. Hoje, sejamos as crianças da verdade e não neguemos a nossa santa herança. A nossa vida não é como a imaginamos. Quem pode mudar a vida por fechar os olhos, ou fazer de si mesmo o que não é porque está dormindo, vendo em sonhos o oposto do que é? Hoje não pediremos a morte sob nenhuma forma. Tampouco deixaremos que opostos imaginários da vida habitem um só instante onde o próprio Deus estabeleceu o Pensamento da vida eterna.

11. Hoje, nos esforçamos para manter  o lar santo de Deus tal como Ele o estabeleceu e tal como a Vontade de Deus determina que seja para todo o sempre. Ele é o Senhor do que pensamos hoje. E nos Seus Pensamentos que não têm opostos, compreendemos que há uma só vida e essa compartilhamos com Ele, com toda a criação e também com seus pensamentos, aos quais Ele criou numa unidade de vida que não pode se separar na morte e deixar a Fonte de vida de onde veio.

12. Nós compartilhamos uma vida porque temos uma só fonte, uma Fonte da qual nos vem a perfeição que permanece sempre nas mentes santas que Ele criou perfeitas. Como éramos, agora somos e sempre seremos. A mente adormecida tem que despertar ao ver  a sua própria perfeição espelhando tão perfeitamente o Senhor da Vida, que ela se desvanece no que lá está refletido. E agora não é mais um mero reflexo. Vem a ser aquilo que é refletido e a luz que faz com que o reflexo seja possível. Agora nenhuma visão é necessária. Pois a mente desperta é aquela que conhece a sua Fonte, o seu Ser e a sua Santidade.

LIÇÃO 166 - 15/06/2018

As dádivas de Deus me são confiadas

1. Todas as coisas te são dadas. A confiança de Deus em ti é sem limites. Ele conhece o Seu Filho. Ele dá sem exceções, sem nada guardar que possa contribuir para a tua felicidade. E, no entanto, a menos que a tua vontade seja una com a Sua, as Suas dádivas não são recebidas. Mas o que te faria pensar que há outra vontade que não A de Deus?

2. Aqui está o paradoxo sobre o qual se baseia a feitura do mundo. Esse mundo não é a Vontade de Deus e assim não é real. Entretanto, aqueles que pensam ele que é real, ainda não podem deixar de acreditar que existe outra vontade que conduz a efeitos opostos àqueles que são a Sua Vontade. Isso, na verdade, é impossível, mas toda mente que contempla o mundo e o julga como certo, sólido, digno de confiança e verdadeiro, acredita em dois criadores ou em um só: ele próprio sozinho. Mas nunca em um único Deus.

3. As dádivas de Deus não são aceitáveis para ninguém que mantenha essas estranhas crenças. ele não pode deixar de acreditar que aceitar a dádivas de Deus, por mais evidentes que venham a ser, por maior que seja a urgência com que é chamado a reivindicá-las como suas, é ser pressionado à traição de si mesmo. Ele tem que negar a sua presença, contradizer a verdade e sofrer para preservar o mundo que fez.

4. Aqui está o único lar que ele pensa que conhece. Aqui está a única segurança que acredita poder achar. Sem o mundo que fez, ele é um proscrito, sem lar e cheio de medo. Não reconhece que é aqui que ele é, de fato, cheio de medo e também sem lar; um pária vagando tão longe de casa, há tanto tempo fora que não reconhece que esqueceu-se de onde veio, para onde vai e até mesmo quem realmente é.

5. Entretanto, nas suas divagações solitárias e sem sentido, as dádivas de Deus vão com ele, desconhecidas para ele. Ele não pode perdê-las. Mas não olhará para o que lhe é dado. Continua a vagar, ciente da futilidade que vê em toda parte à sua volta, percebendo o quanto a sua pouca sorte definha à medida que avança para ir a lugar nenhum. Mesmo assim, continua a vagar na miséria e na pobreza, sozinho embora Deus esteja com ele, com um tesouro tão grande que tudo o que o mundo contém é sem valor diante da sua magnitude.

6. Ele parece uma figura lamentável: exaurida, cansada, em farrapos, cujos pés sangram um pouco devido à estrada pedregosa em que caminha. Não há ninguém que não tenha se identificado com ele, pois todos aqueles que aqui vêm perseguiram a rota que ele segue e sentiram a derrota e a desesperança como ele as está sentindo. Mas, seria ele realmente trágico, quando vês que ele está seguindo o caminho que escolheu e que precisa apenas reconhecer Quem caminha com ele e abrir os seus próprios tesouros para ser livre?

7. Esse é o ser que tu escolheste, aquele que fizeste como uma substituição da realidade. Esse é o ser que defendes com fúria contra razão, toda evidência e todos os testemunhos comprovados que mostram e todos os testemunhos comprovados que mostram que esse não é o que tu és. Tu não lhes dás ouvidos. continuas no caminho designado por ti, com os olhos baixos porque tens medo de captar um vislumbre da verdade ser liberado do auto-engano e posto em liberdade.

8. Tu te encolhes medrosamente com receio de sentir o toque de Cristo no teu ombro e perceber a sua mão gentil dirigindo-te para contemplar as tuas dádivas. Como, então, poderias proclamar a tua pobreza no exílio? Ele te faria rir dessa percepção de ti mesmo. Então, onde estaria a auto-piedade? E o que aconteceria com toda a tragédia que buscaste trazer àquele a quem Deus só tencionava alegrias?

9. O teu antigo medo veio a ti agora e a justiça, enfim, te alcançou. A mão de Cristo tocou o teu ombro e sentes que não estás sozinho. Pensas até que o ser miserável que acreditaste ser o que tu és, possa não ser a tua Identidade. Talvez o Verbo de Deus seja mais verdadeiro do que o teu. Talvez as Suas dádivas para contigo sejam reais. Talvez Deus não tenha sido totalmente ludibriado pelo teu plano de manter o Seu Filho em profundo esquecimento e seguir o caminho que escolheste sem o teu Ser.

10. A Vontade de Deus não se opõe. Meramente é. Não é a Deus que aprisionaste no teu plano para perder o teu Ser. Ele desconhece um plano tão alheio à Sua Vontade. Houve uma necessidade que Ele não compreendeu, à qual deu uma Resposta. Isso é tudo. E tu, que tens a Resposta que te foi dada, não tens necessidade de mais nada além Disso.

11. Agora vivemos pois agora não podemos morrer. O desejo de morte foi respondido e o olhar que o contemplava foi substituído pela visão que percebe que tu não és o que pretendes ser. Alguém anda contigo, Que responde gentilmente a todos os teus medos com essa única réplica misericordiosa: "Isso não é assim." Ele aponta para todas as dádivas que tens toda vez que o pensamento da pobreza te oprime e fala do Seu Companheirismo quando te percebes solitário e amedrontado.

12. Entretanto, ele ainda te lembra de mais uma coisa que havias esquecido. Pois o Seu toque fez co que sejas igual a Ele. As dádivas que tens, não são só para ti. O que Ele veio te dar, agora tu tens que aprender a dar. Essa é a lição que a Sua doação contém, pois Ele te salvou da solidão que buscaste fazer para esconder-te de Deus. ele te lembrou de todas as dádivas que Deus te tem dado. Ele também fala do que vem a ser a tua vontade quando aceitas estas dádivas e reconheces que são tuas.

13. As dádivas são tuas, confiadas aos teus cuidados para dar a todos aqueles que escolheram a estrada solitária da qual escapaste. Eles não compreendem que apenas perseguem os seus próprios desejos. Agora és tu quem lhes ensina. Pois aprendeste com Cristo que há outro caminho para que sigam. Ensina a eles, mostrando-lhes a felicidade que vem àqueles que sentem o toque de Cristo e reconhecem as dádivas de Deus. Não deixes o pesar te tentar a ser infiel para com a tua confiança.

14. Os teus suspiros passarão agora a trair as esperanças daqueles que olham para ti em busca da sua liberação. As tuas lágrimas são as suas. Se estás doente, estás apenas recusando-lhes a sua cura. Aquilo de que tens medo apenas lhes ensina que seus medos são justificados. A tua mão vem a ser aquela que dá o toque de Cristo; a mudança da tua mente vem a ser a prova de que aquele que aceita as dádivas de Deus jamais pode sofrer coisa alguma. A função de liberar o mundo da dor te foi confiada.

15. Não a traias. Passa a ser a prova viva do que o toque de Cristo pode oferecer a todos. Deus confiou todas as Suas dádivas a ti. Na tua felicidade, sê tu a testemunha de como vem a ser transformada a mente que escolhe aceitar as Suas dádivas e sentir o toque de Cristo. Essa é a tua missão agora. Pois Deus confia a doação das Suas dádivas a todos aqueles que as receberam. Ele compartilhou a sua alegria contigo. E agora vais compartilhá-la com o mundo.

LIÇÃO 165 - 14/06/2018

Que minha mente não negue o Pensamento de Deus.

1. O que faz com que esse mundo pareça ser real, senão a tua própria negação da verdade que está além? O que, senão os teus pensamentos de miséria e morte, obscurece a felicidade perfeita e a vida eterna que é a Vontade do teu Pai para ti? E o que poderia esconder o que não pode ser ocultado, exceto uma ilusão? O que poderia manter-te longe do que já tens, senão a tua escolha de não ver isso, negando que esteja presente? 

2. O Pensamento de Deus te criou. Esse Pensamento não te deixou e nunca estiveste à parte dele por um instante. Ele te pertence. Através dele vives. É a tua Fonte de vida, mantendo-te uno com ela e tudo é uno contigo pois ela não te deixou. O Pensamento de Deus te protege e cuida de ti, torna macio o teu lugar de descanso e plácido o teu caminho, iluminando a tua mente com felicidade e amor. A eternidade e a vida que dura para sempre brilham em tua mente, porque o Pensamento de Deus não te deixou e ainda habita contigo.

3. Quem negaria a sua segurança e a sua paz, sua alegria, sua cura, a paz da sua mente, seu sereno descanso, seu calmo despertar, se apenas reconhecesse onde habitam? Não se prepararia no mesmo instante para ir aonde são achados, abandonando todo o resto como sem valor em comparação a eles? E tendo-os achado, não se certificaria de conservá-los e de permanecer com eles?

4. Não negues o Céu. Ele é teu hoje, se apenas pedires. Tampouco será preciso que percebas quão grande é a dádiva e o quanto a tua mente terá mudado antes que ele venha a ti. Pede para receber e te é dado. A convicção está nele. Até que lhe dês as boas-vindas como teu, a incerteza permanece. Entretanto, Deus é justo. A certeza não é exigida para receberes aquilo que apenas a tua aceitação pode conceder.

5. Pede com desejo. Não é preciso teres certeza de que o teu pedido é a única coisa que queres. Mas, quando tiveres recebido, terás certeza de que tens o tesouro que sempre buscaste. E então o que poderias trocar por ele? O que te induziria, agora, a deixá-lo desvanecer-se de tua visão extasiada? Pois ver isso prova que trocaste a cegueira pelos olhos de Cristo que são capazes de ver, que a tua mente veio a deixar de lado a negação e aceitou o Pensamento de Deus como tua herança.

6. Agora todas as dúvidas passaram, o fim da jornada é certo e te foi dada a salvação. Agora, o poder de Cristo está na tua mente, para curar como foste curado. Pois agora estás entre os salvadores do mundo. Lá está o teu destino e em nenhum outro lugar. Deus consentiria em deixar o Seu Filho eternamente faminto porque ele nega o alimento de que precisa para viver? A abundância habita nele e a privação não pode isolá-lo do amor alentador de Deus e do seu lar.

7. Pratica com esperança hoje. Pois, de fato, a esperança é justificada. As tuas dúvidas são sem significado, pois Deus é certo. E o Pensamento de Deus nunca está ausente. A certeza tem que habitar dentro de ti, que és o anfitrião de Deus. Esse curso remove todas as dúvidas que interpuseste entre Deus e a tua certeza em relação a Ele.

8. Contamos com Deus e não conosco para nos dar a certeza. E praticamos em Seu Nome, como o Seu Verbo nos dirige a fazer. A Sua certeza está além de toda a dúvida. O Seu Amor permanece além de todo o medo. O Pensamento de Deus ainda está além de todos os sonhos e nas nossas mentes de acordo com a Sua Vontade.

LIÇÃO 164 - 13/06/2018

Agora somos um com Aquele Que é a nossa Fonte.

1. Em que momento, senão agora, pode a verdade ser reconhecida? O presente é o único tempo que existe. E assim, hoje, nesse instante, agora, vimos contemplar o que está para sempre presente, não na nossa vista, mas aos olhos de Cristo. Ele olha para o que vem depois do tempo e vê a eternidade tal como é lá representada. Ele ouve os sons que o mundo sem sentido e agitado engendra, mas os ouve vagamente. Isso é assim porque além de todos, Ele ouve a canção do Céu e a Voz por Deus mais clara, mais significativa e mais próxima.

2. O mundo se desvanece facilmente diante da Sua vista. Seus ruídos tornam-se longínquos. Uma melodia vinda de muito além do mundo torna-se cada vez mais distinta, um Chamado antigo ao Qual Ele dá uma resposta antiga. Reconhecerás ambos, pois são apenas a tua resposta ao Chamado do teu Pai a ti. Cristo responde por ti ecoando o teu Ser, usando a tua voz para dar o Seu feliz consentimento, aceitando a tua liberação por ti.

3. Quão santa é a tua prática de hoje, quando Cristo te dá a Sua vista e ouve por ti e responde em teu nome ao Chamado que Ele ouve! Quão quieto é o tempo que dedicas a passar com Ele além do mundo. Quão facilmente todos os teus pecados aparentes são esquecidos e todos os teus pesares não são lembrados. Nesse dia as aflições são deixadas de lado, pois as cenas e os sons vindos de um ponto mais próximo do que o mundo são claros para ti, que hoje aceitarás as dádivas que Ele te dá.

4. Há um silêncio no qual o mundo não pode se intrometer. Há uma paz antiga que carregas no teu coração e não perdeste. Há uma sensação de santidade em ti que o pensamento do pecado nunca tocou. Lembrar-te-ás de tudo isso hoje. A fidelidade na prática de hoje trará recompensas tão grandes e tão completamente diferentes de todas as coisas que buscavas antes, que saberás que aqui está o teu tesouro e o teu descanso.

5. Esse é o dia em que vãs imaginações se abrem como uma cortina para revelar o que está além de todas elas. Agora, se faz visível o que realmente existe, enquanto todas as sombras que pareciam escondê-lo simplesmente submergem. Agora, o equilíbrio é acertado e a balança do julgamento entregue Aquele Que julga verdadeiramente. E no Seu julgamento se revelará um mundo de perfeita inocência diante dos teus olhos. Agora tu o verás com os olhos de Cristo. Agora a sua transformação está clara para ti.

6. Irmão, esse dia é sagrado para o mundo. A tua visão, que te foi dada de muito além de todas as coisas nesse mundo, volve o olhar para elas sob uma nova luz. E o que vês vem a ser a cura e a salvação do mundo. O que é valioso e o que não tem valor são ambos percebidos e reconhecidos pelo que são. E o que é digno do teu amor recebe o teu amor e nada que possa ser temido permanece.

7. Não julgaremos hoje. Receberemos apenas o que nos é dado pelo julgamento feito além desse mundo. A nossa prática de hoje vem a ser a nossa dádiva de gratidão pela nossa liberação da cegueira e da miséria. Tudo o que vemos só aumentará a nossa alegria, pois a sua santidade reflete a nossa. Estamos perdoados aos olhos de Cristo, com o mundo inteiro perdoado aos nossos olhos. Abençoamos o mundo ao contemplá-lo à luz em que o nosso Salvador nos olha e lhe oferecemos a liberdade que nos é dada através da Sua visão que nos perdoa e não da nossa.

8. Abre as cortinas na tua prática meramente soltando todas as coisas que pensas querer. Põe os teus tesouros insignificantes de lado e deixa um espaço limpo e aberto no interior da tua mente ao qual Cristo possa vir te oferecer o tesouro da salvação. Ele precisa da tua mente mais santa para salvar o mundo. Não é esse propósito digno de ser teu? Não é a visão de Cristo digna de ser buscada acima das metas insatisfatórias do mundo?

9. Não deixes que o dia de hoje passe sem que as dádivas que contém para ti recebam teu consentimento e a tua aceitação. Podemos mudar o mundo, se tu as reconheceres. Talvez não vejas o valor que a tua aceitação dá ao mundo. Mas certamente queres isso: poder trocar todo sofrimento por alegria hoje mesmo. Pratica com afinco e a dádiva é tua. Deus te enganaria? Pode a Sua promessa falhar? Podes recusar tão pouco, quando a Sua Mão oferece ao Seu Filho a salvação completa?


LIÇÃO 163 - 12/06/2018

Não há morte. O Filho de Deus é livre.

1. Morte é um pensamento que toma muitas formas, frequentemente não reconhecidas. Pode aparecer como tristeza, medo, ansiedade ou dúvida, como raiva, ausência de fé e falta de confiança, preocupação com os corpos, inveja, e todas as formas em que o desejo de ser como tu não és possa vir tentar-te. Todos esses pensamentos não passam de reflexos da adoração da morte como salvador e doador da liberação.

2. Encarnação do medo, anfitrião do pecado, deus dos culpados e senhor de todas as ilusões e enganos, de fato, o pensamento da morte parece poderoso. Pois parece manter todas as coisas vivas dentro de sua mão ressequida, todas as esperanças e desejos no seu domínio maléfico, todas as metas percebidas somente por seus olhos que não vêm. Os fracos, os impotentes e os doentes curvam-se diante de sua imagem, acreditando que só ele é real, inevitável, digno da sua confiança. Pois somente ele virá com certeza.

3. Todas as coisas, com exceção da morte, são vistas como incertas, rapidamente perdidas por mais difícil que tenha sido obtê-las, inseguras em seus resultados, aptas a falhar às esperanças que outrora geraram e a deixar um gosto de pó e cinzas em seu rastro ao invés de aspirações e sonhos. Mas, pode-se contar com a morte. Pois ela virá com passos certos quando tiver vindo o momento da sua chegada. Nunca falhará em tomar toda a vida como refém para si mesma.

4. Tu te curvarias diante de ídolos como esse? Aqui, a força e o poder do próprio Deus são percebidos em um ídolo feito de pó. Aqui, o oposto de Deus é proclamado senhor de toda a criação mais forte do que a Vontade de Deus pela vida, do que o amor infindável e a perfeita e imutável constância do Céu. Aqui, a Vontade do Pai e do Filho é enfim derrotada e enterrada sob a lápide que a morte erigiu sobre o corpo do Filho santo de Deus.

5. Sem santidade na derrota, ele veio a ser o que a morte quis que ele fosse. O seu epitáfio, escrito pela própria morte, não lhe dá nome, pois passou ao pó. Diz apenas isso: "Aqui jaz um testemunho de que Deus está morto." E ela escreve isso muitas e muitas vezes e, durante todo o tempo, os seus adoradores concordam e ajoelhando-se com as cabeças voltadas para o chão, sussurram medrosamente que é assim.

6. É impossível adorar a morte sob qualquer forma e ainda escolher algumas que não apreciarias e ainda queres evitar, embora acredites nas demais. Pois a morte é total. Ou todas as coisas morrem ou elas vivem e não podem morrer. Nenhuma transigência é possível. Pois aqui, mais uma vez, vemos uma posição óbvia que temos que aceitar se quisermos ser sãos: o que contradiz inteiramente um pensamento não pode ser verdadeiro a menos que se prove que o seu oposto é falso.

7. A ideia da morte de Deus é tão absurda que mesmo os insanos têm dificuldade de acreditar nela. Pois implica que Deus outrora vivia e, de alguma forma, pereceu; morto aparentemente por aqueles que não queriam que Ele sobrevivesse. Sua vontade mais forte conseguiu vencer a Vontade de Deus e, assim, a vida eterna deu lugar à morte. E, com o Pai, morreu também o Filho.

8. Os adoradores da morte podem ter medo. E, no entanto, podem pensamentos como esses serem amedrontadores? Se eles vissem que o que acreditam é apenas isso, seriam instantaneamente liberados. E hoje tu lhes mostrarás isso. Não há morte e renunciamos a ela sob todas as suas formas agora para a tua salvação e a nossa também. Deus não fez a morte. Portanto, qualquer que seja a forma que assuma, ela tem que ser uma ilusão. Essa é a posição que adotamos hoje. E nos é dado olhar para o que vem depois da morte e ver a vida que está além.

9. Pai nosso, abençoa os nossos olhos hoje. Somos os Teus mensageiros e queremos contemplar o glorioso reflexo do Teu Amor que brilha em todas as coisas. Vivemos e nos movemos só em Ti. Não estamos separados da Tua vida eterna. Não há morte, pois a morte não é Tua Vontade. E nós habitamos onde nos colocaste, na vida que compartilhamos Contigo e com todas as coisas vivas, para sermos como Tu és e parte de Ti para sempre. Aceitamos os Teus Pensamentos como nossos e a nossa vontade é una com a Tua eternamente. Amém.


LIÇÃO 162 - 11/06/2018

Eu sou como Deus me criou.

1. Esse único pensamento mantido em mente com firmeza salvaria o mundo. Nós o repetiremos de vez em quando, à medida que alcançarmos um outro estádio no aprendizado. Ele significará muito mais para ti à medida que avançares. Estas palavras são sagradas, pois são as palavras que Deus deu em reposta ao mundo que fizeste. Através delas, ele desaparece e, ao serem pronunciadas, todas as coisas que são vistas dentro das nuvens sombrias e ilusões nebulosas somem. Pois elas vêm de Deus.

2. Eis aqui o Verbo pelo qual o Filho veio a ser a felicidade de Seu Pai, o Seu Amor e a Sua completeza. Aqui a criação é proclamada e honrada tal como é. Não há sonhos que estas palavras não dissipem, não há pensamento de pecado e nenhuma ilusão que o sonho contenha que não se desvaneça diante do seu poder. São as trombetas do despertar que ressoam pelo mundo. Os mortos despertam em resposta ao seu chamado. E aqueles que vivem e ouvem esse som jamais olharão para a morte.

3. Na verdade, santo é aquele que faz com que estas palavras sejam suas, despertando com elas em mente, lembrando-se delas ao longo do dia e trazendo-as consigo à noite quando vai dormir. Os seus sonhos são felizes e o seu descanso seguro, a sua segurança certa e o seu corpo curado, porque adormece e acorda com a verdade sempre diante de si. Ele salvará o mundo, pois dá ao mundo o que recebe a cada vez que pratica as palavras da verdade.

4. Hoje praticamos de modo simples. Pois as palavras que usamos são poderosas e não necessitam de outros pensamentos além de si mesmas para mudar a mente daquele que as usa. Essa mente está tão integralmente mudada que ela é agora o tesouro no qual Deus deposita todas as Suas dádivas e todo o Seu Amor para serem distribuídos a todo o mundo, aumentados ao serem dados e assim se mantêm completos porque o seu compartilhar é ilimitado. E assim aprendes a pensar com Deus. A visão de Cristo restaurou a tua vista resgatando a tua mente.

5. Nós te honramos hoje. É teu o direito à perfeita santidade que tu agora aceitas. Com essa aceitação, a salvação é trazida a todos, pois quem poderia apreciar o pecado quando uma santidade como essa abençoou o mundo? Quem poderia se desesperar quando a alegria perfeita é tua, acessível a todos como um remédio para a aflição e a miséria, para todo o sentimento de perda e o escape completo do pecado e da culpa?

6. E quem não gostaria de ser um irmão para contigo agora, tu, que és seu redentor e salvador. Quem poderia falhar em dar-te as boas-vindas no próprio coração com um convite amoroso, ansiando por unir-se com alguém que é tão santo quanto ele mesmo? Tu és como Deus te criou. Estas palavras dissipam a noite e a escuridão deixa de ser. A luz veio hoje para abençoar o mundo. Pois reconheceste o Filho de Deus e nesse reconhecimento está o mundo.


LIÇÃO 161 - 10/06/2018

Dá-me a tua bênção, Filho santo de Deus.

1. Hoje praticamos de modo diferente  e nos posicionamentos contra a nossa raiva para que os nossos medos possam desaparecer e oferecer espaço ao amor. Aqui está a salvação nas simples palavras com que praticamos a ideia de hoje. Aqui está a resposta para a tentação que nunca falha em acolher com boas-vindas ao Cristo aonde o medo e a raiva antes prevaleciam. Aqui a Expiação se completa, o mundo é deixado para trás com toda a segurança e o Céu é agora restaurado. Aqui está a resposta da Voz por Deus.

2. A completa abstração é a condição natural da mente. Mas parte dela agora não é natural. Ela não olha para tudo como um só. Ao invés disso, vê fragmentos do todo, pois só assim poderia inventar o mundo parcial que tu vês. O propósito de tudo o que vês é o de te mostrar o que desejas ver. A audição só traz à tua mente os sons que ela quer ouvir.

3. Assim foi feita a especificidade. E agora, é a especificidade que temos que usar na nossa prática. Nós a damos ao Espírito Santo, para que Ele possa empregá-la com um propósito que é diferente daquele que lhe demos. Contudo, ele não pode usar nada além do que fizemos para ensinar-nos de um ponto de vista diferente, para que possamos ver uma utilidade diferente em tudo.

4. Um irmão é todos os irmãos. Cada mente contém todas as mentes, pois todas as mentes são uma só. Tal é a verdade. Mas estes pensamentos fazem com que o significado da criação fique claro? Estas palavras trazem com elas perfeita clareza para ti? O que podem aparentar ser senão sons vazios, belos talvez, corretos em sentimento, mas fundamentalmente incompreendidos e incompreensíveis. A mente que ensinou a si mesma a pensar de modo específico não pode mais apreender a abstração no sentido de que ela abrange todas as coisas. Precisamos ver um pouco para aprendermos muito.

5. Sentimos que parece ser o corpo que limita a nossa liberdade, que nos faz sofrer e que no final apaga a nossa vida. Entretanto, corpos não passam de símbolos de uma forma concreta de medo. O medo sem símbolos não exige nenhuma resposta, pois símbolos podem representar o que não tem significado. O amor não precisa de símbolos, sendo verdadeiro. Mas o medo, sendo falso, se prende às especificidades.

6. Os corpos atacam, mas as mente não. Esse pensamento com certeza evoca o nosso livro texto, onde isso é enfatizado com frequência. Essa é a razão pela qual os corpos tão facilmente vêm a ser símbolos do medo. Muitas vezes te foi exortado que olhasses além do corpo, pois a vista do corpo te apresenta o símbolo do "inimigo" do amor, que a visão de Cristo não vê. O corpo é o alvo do ataque, pois ninguém pensa que odeia a mente. No entanto, o que mais, senão a mente, dirige o corpo ao ataque? O que mais poderia ser a sede do medo senão aquilo que pensa no medo?

7. O ódio é específico. Tem que haver algo para ser atacado. Um inimigo tem que ser percebido de tal forma que possa ser tocado, visto e ouvido e, em última instância, morto. Quando o ódio pára sobre alguma coisa, exige a morte com tanta certeza quanto a Voz de Deus proclama que não há morte. O medo é insaciável, consumindo todas as coisas que os seus olhos contemplam, vendo-se em tudo, compelido a voltar-se contra si mesmo e a destruir.

8. Aquele que vê um irmão como um corpo, o vê como um símbolo do medo. E ele atacará, porque o que contempla é o seu próprio medo fora de si mesmo, pronto para atacar, mas pedindo aos gritos para se unir a ele novamente. Não te equivoques quanto à intensidade da raiva que o medo projetado tem que gerar. Irado, ele urra e arranha o ar na frenética esperança de poder alcançar aquele que o fez e devorá-lo.

9. É isso o que os olhos do corpo contemplam naquele que o Céu estima, que os anjos amam e que Deus criou perfeito. Essa é a sua realidade. E na visão de Cristo a sua beleza se reflete em uma forma tão santa e tão bonita que dificilmente poderias resistir a a ajoelhar-te aos teus pés. Entretanto, ao invés disso, tomarás a sua mão, pois és como ele na vista que o vê assim. O ataque contra ele é teu inimigo, pois não perceberás que nas suas mão está a tua salvação. Pede-lhe apenas isso e ele a dará a ti. Não lhe peças que simbolize o teu medo. Pedirias que o amor destruísse a si mesmo? Ou queres que ele seja revelado a ti e te liberte?

10. Hoje praticamos de uma forma que já tentamos antes. A tua prontidão está mais perto agora e hoje virás para mais perto ainda da visão de Cristo. Se estiveres comprometido em alcançá-la, terás sucesso hoje. E uma vez que tiveres tido sucesso, a tua vontade não estará mais disposta a aceitar as testemunhas que os olhos do teu corpo convocam. O que verás cantar-te-á antigas melodias que lembrarás. Tu não foste esquecido no Céu. Não queres lembrar-te dele?

11. Escolhe um irmão, símbolo do resto e pede-lhe a salvação. Primeiro, que o vejas com a maior clareza possível, daquela mesma forma com que já estás acostumado. Vé o seu rosto, suas mãos, seus pés, as suas roupas. Observa-o sorrir e vê os gestos familiares que ele faz tão frequentemente. Então pensa nisso: o que estás vendo agora te oculta a vista de alguém que pode perdoar todos os teus pecados, cujas mãos sagradas podem remover os cravos que atravessam as tuas e retirar a coroa de espinhos que colocaste sobre a tua cabeça ensanguentada. Pede-lhe isso para que ele possa libertar-te:

Dá-me a tua bênção, Filho santo de Deus. Quero contemplar-te com os olhos de Cristo e ver a minha perfeita impecabilidade em ti.

12. E Aquele Que convocaste, responderá. Pois Ele ouvirá a Voz por Deus em ti e responderá na tua própria voz. Contempla-o agora, aquele que viste apenas como carne e osso e reconhece que Cristo veio a ti. A ideia de hoje é o modo de escapares com segurança da raiva e do medo. Certifica-te de usá-la imediatamente, se fores tentado a atacar um irmão e aperceber nele o símbolo do teu medo. E o verás subitamente transformado de inimigo em salvador, do demônio em Cristo.


LIÇÃO 160 - 09/06/2018

Estou em casa. O medo é o estranho aqui.

1. O medo é um estranho para os caminhos do amor. Identifica-te com o medo e serás um estranho para ti mesmo. E assim és desconhecido para ti mesmo. O que é o teu Ser permanece alheio para aquela parte de ti que pensa que é real, mas diferente de ti mesmo. Quem poderia ser são em tal circunstância? Quem, senão um louco, poderia acreditar que é o que não é e julgar contra si próprio?

2. Existe um estranho em nosso meio, vindo de uma ideia tão estranha à verdade que fala uma língua diferente, olha para um mundo que a verdade desconhece e compreende o que a verdade considera sem sentido. Ainda um estranho, ele vem sem reconhecer a quem vem, mas ainda afirma que a sua casa lhe pertence, enquanto aquele que está em casa é agora o estranho. No entanto, como seria fácil dizer: "Essa é a minha casa. Aqui é o meu lugar e não partirei porque um louco me diz que tenho que ir."

3. Que razão haverá para não dizeres isso? Qual poderia ser a razão, exceto que convidaste esse estranho a tomar o teu lugar e permitiste que fosses um estranho para ti mesmo? Ninguém se deixaria desapossar tão desnecessariamente, a menos que pensasse que existe outro lar mais adequado ao seu gosto.

4. Quem é o estranho? É o medo, ou és tu, que é tão inadequado ao lar que Deus proveu para o Seu Filho? Acaso o medo é próprio de Deus, criado à Sua semelhança? Acaso é o medo que o amor completa e pelo qual é completado? Não há nenhum lar que possa abrigar o amor e o medo. Não podem coexistir. Se tu és real, então o medo tem que ser uma ilusão. E se o medo é real, então tu absolutamente não existes.

5. Nesse caso, com que simplicidade a questão é resolvida. Aquele que tem medo apenas negou a si mesmo e disse: "sou o estranho aqui. E assim, deixo o meu lar a alguém que se parece mais comigo do que eu mesmo e dou-lhe tudo o que eu pensava me pertencer." Agora ele é exilado por necessidade, sem saber quem é, incerto de todas as coisas exceto disso: de que ele não é ele mesmo e que o seu lar lhe foi negado.

6. E agora, o que procura ele? O que pode achar? Um estranho para si mesmo não pode achar um lar onde quer que o procure, pois ele mesmo fez com que o retorno fosse impossível. O seu caminho está perdido, a não ser que um milagre venha buscá-lo e lhe mostre que agora já não é um estranho. O milagre virá. Pois o seu Ser permanece no seu lar. Não convidou nenhum estranho a entrar e não Se tomou por nenhum pensamento alheio. E Ele chamará o que é Seu para Si Mesmo em reconhecimento do que Lhe pertence.

7. Quem é o estranho? Não será aquele por quem o teu Ser não chama? És incapaz de reconhecer esse estranho no teu meio agora, pois deste a ele o teu lugar de direito. Entretanto o teu Ser tem tanta certeza do Lhe é próprio, quanto Deus de Seu Filho. Ele não pode estar confuso a respeito da criação. Tem certeza do que Lhe pertence. Nenhum estranho pode ser interposto entre o Seu conhecimento e a realidade de Seu Filho. Ele desconhece estranhos. Tem certeza acerca do Seu Filho.

8. A certeza de Deus é suficiente. Aquele Que Ele conhece como o Seu Filho pertence ao lugar no qual Ele O estabeleceu para sempre. Ele respondeu a ti que perguntas: "Quem é o estranho?" Ouve a Sua Voz te assegurar, de modo quieto e seguro, que não és um estranho para o teu Pai e nem o teu Criador se fez um estranho para ti. Aqueles a quem Deus uniu permanecem para sempre um só, em casa com Ele e não um estranho para Si Mesmo.

9. Hoje damos graças por Cristo ter vindo procurar no mundo pelo que Lhe pertence. A Sua visão não vê estranhos, mas contempla os Seus e alegremente Se une a eles. Eles O vêem como um estranho, pois não reconhecem a si mesmos. Mas, ao dar-Lhe as boas-vindas, se lembra. E Ele os conduz gentilmente de volta ao lar, que é o lugar que lhes é próprio.

10. Cristo não esquece ninguém. Não falha em te dar nem um só dos teus irmãos para que te lembres, para que o teu lar possa ser completo e perfeito tal como foi estabelecido. Ele não te esqueceu. Mas tu não te lembrarás de Cristo até olhares para tudo como Ele o faz. Todo aquele que nega o seu irmão está negando a Ele e recusando-se, assim, a aceitar a dádiva da vista através da qual vem a salvação, o seu Ser é claramente reconhecido e o seu lar relembrado.

LIÇÃO 159 - 08/06/2018

Dou os milagres que tenho recebido.

1. Ninguém pode dar o que não recebeu. Para dar alguma coisa é preciso que a tenhas primeiro. Aqui, as leis do Céu e do mundo estão de acordo. Mas aqui elas também se separam. O mundo acredita que para possuir uma coisa é necessário guardá-la. A salvação ensina o contrário. Dar é a forma de reconhecer o que tens recebido. É a prova de que o que tens é teu.

2. Compreendes que estás curado quando dás a cura. Aceitas o perdão como algo realizado em ti mesmo quando perdoas. Reconheces o teu irmão como tu mesmo e assim percebes que és íntegro. Não  há milagre que não possas dar, pois todos te são dados. Recebe-os agora abrindo o tesouro da tua mente onde estão guardados e dando-os aos outros.

3. A visão de Cristo é um milagre. Vem de muito além de si mesma, pois reflete o Amor Eterno e o renascimento do amor que nunca morre, mas tem sido mantido obscuro. A visão de Cristo retrata o Céu, pois vê um mundo tão semelhante ao Céu que o que Deus criou perfeito pode ser lá espelhado. O vidro escurecido que o mundo apresenta só mostra imagens distorcidas em pedaços quebrados. O mundo real retrata a inocência do Céu.

4. A visão de Cristo é o milagre no qual nascem todos os milagres. É a sua fonte, ela permanece com cada milagre que dás e ainda continua sendo tua. É o laço pelo qual o doador e o receptor são unidos em extensão aqui na terra, assim como são um só no Céu. Cristo não contempla nenhum pecado em ninguém. E, em Sua vista, os isentos de pecado são um só. A sua santidade foi dada pelo Seu Pai e por Ele próprio.

5. A visão de Cristo é a ponte entre os mundos. E podes confiar seguramente no seu poder para carregar-te desse mundo ao outro, aquele que foi santificado  pelo perdão. Coisas que aqui parecem ser bem sólidas, lá são meras sombras: transparentes, vagamente vistas, por vezes esquecidas e nunca capazes de obscurecer a luz que brilha no que está além delas. A santidade foi restaurada à visão e os cegos podem ver.

6. Essa é a dádiva única do Espírito Santo, a casa do tesouro à qual podes apelar com perfeita certeza à procura de todas as coisas que possam contribuir para a tua felicidade. Já está tudo aqui. Tudo pode ser recebido, basta pedir. Aqui a porta nunca está trancada e a ninguém é recusado o menor pedido ou a mais urgente necessidade. Não há doença que já não esteja curada, nenhuma carência insatisfeita, nenhuma necessidade que não esteja preenchida dentro deste tesouro dourado de Cristo.

7. Aqui o mundo relembra o que se perdeu quando ele foi feito. Pois aqui ele é reparado, feito de novo, mas sob uma luz diferente. O que se destinava a ser a casa do pecado vem a ser o centro da redenção e o lar da misericórdia, onde os sofredores são curados e bem-vindos. Ninguém será mandado embora deste novo lar, onde a sua salvação o espera. Ninguém é um estranho para ele. Ninguém lhe pede coisa alguma exceto a dádiva de aceitar as suas boas-vindas.

8. A visão de Cristo é a terra santa em que os lírios do perdão fincam as suas raízes. Esse é o seu lar. Podem ser levados daqui de volta para o mundo, mas nunca poderão crescer no seu solo desnutrido e de pouca profundidade. Precisam da luz, do calor e dos benignos cuidados que a caridade de Cristo provê. Precisam do amor com que Ele os contempla. E vêm a ser os Seus mensageiros, que dão como receberam.

9. Tira do Seu estoque para que os tesouros possam aumentar. Seus lírios não deixam o seu próprio lar quando são carregados de volta para o mundo. As suas raízes permanecem. Não deixam a sua fonte, mas carregam consigo a sua beneficência, transformando o mundo num jardim como aquele de onde vieram e ao qual retornam com mais fragrância. Agora, são duplamente bem-aventurados. As mensagens que trouxeram de Cristo foram entregues e devolvidas a eles. E eles as devolvem a Cristo com contentamento.

10. Contempla a provisão de milagres preparada para dares. Não és digno da dádiva, quando Deus designou que essa te fosse dada? Não julgues o Filho de Deus, mas segue no caminho que Ele estabeleceu. Cristo teve o sonho de um mundo perdoado. É Sua a dádiva pela qual pode ser feita uma doce transição da morte para a vida, da desesperança para a esperança. Vamos nos permitir sonhar com Cristo por um instante. O Seu sonho nos desperta para a verdade. A Sua visão nos dá os meios para o retorno à nossa eterna santidade em Deus, que nunca foi perdida.


LIÇÃO 158 - 07/06/2018

Hoje aprendo a dar como recebo.

1. O que te foi dado? O conhecimento de que és uma mente, na Mente e apenas uma mente, isento de pecado para sempre, totalmente sem medo, porque foste criado a partir do amor. Tampouco deixaste a tua Fonte, permanecendo tal como foste criado. Isso te foi dado como conhecimento que não podes perder. Isso também foi dado a cada coisa viva, pois só se vive através deste conhecimento.

2. Recebeste tudo isso. Ninguém que caminhe pelo mundo deixou de receber isso. Não é esse o conhecimento que dás, pois ele foi dado pela criação. Tudo isso não pode ser aprendido. Então,  o que vais aprender a dar hoje? A nossa lição de ontem evocou um tema que se acha bem no início do livro texto. A experiência não pode ser compartilhada diretamente da forma que a visão pode. A revelação de que o Pai e o Filho são um só virá a seu tempo a cada mente. No entanto, esse momento é determinado pela própria mente, não é ensinado.

3. Esse momento já está estabelecido. Parece ser bastante arbitrário. Mas não há nenhum passo que alguém possa dar nesta estrada que seja apenas por acaso. Esse passo já foi dado por ele, embora ele ainda não tenha embarcado nisso. Pois o tempo apenas parece ir em uma direção. Estamos apenas empreendendo uma jornada que já chegou ao fim. Todavia, parece reservar um futuro que ainda nos é desconhecido.

4. O tempo é um truque, um passe de mágica, uma vasta ilusão em que figuras vem e vão como por magia. Mas há um plano por trás das aparências que não muda. O roteiro está escrito. O momento em que a experiência vem para dar fim à tua dúvida já foi estabelecido. Pois nós vemos a jornada apenas do ponto em que ela terminou, olhando em retrospectiva, imaginando que a empreendemos novamente, revisando mentalmente o que já se foi. 

5. Um professor não pode dar a experiência, pois não a aprendeu. Essa revelou-se a ele no momento indicado. Mas a visão é a sua dádiva. Isso ele pode dar diretamente, pois o conhecimento de Cristo não está perdido porque Ele tem uma visão que pode dar a todo aquele que pede. A Vontade do Pai e A Sua estão unidas no conhecimento. No entanto, há uma visão que o Espírito Santo vê, porque a mente de Cristo também a contempla.

6. Aqui se faz a união do mundo de dúvidas e sombras com o intangível. Aqui um lugar quieto dentro do mundo se faz santo pelo perdão e pelo amor. Aqui todas as contradições são reconciliadas, pois a jornada chega ao fim. A experiência - não aprendida, não ensinada e não vista - apenas está presente. Isso está além da nossa meta, pois transcende o que precisa ser realizado. O que nos concerne é a visão de Cristo. Isso nós podemos atingir.

7. A visão de Cristo tem uma só lei. Ela não contempla um corpo e o toma por engano pelo Filho que Deus criou. Contempla uma luz além do corpo, uma ideia além do que pode ser tocado, uma pureza não obscurecida por erros, equívocos lamentáveis e pensamentos amedrontadores de culpa que vêm dos sonhos de pecado. Ela não vê separação. E olha para todas as pessoas, todas as circunstâncias, todos os acontecimentos e todos os eventos, sem que a luz que ela contempla diminua de intensidade de forma alguma.

8. Isso pode ser ensinado e tem que ser ensinado por todos aqueles que querem alcançá-la. Requer apenas o reconhecimento de que o mundo nada pode dar que remotamente possa comparar-se a isso em valor, nem estabelecer uma meta que não desapareça simplesmente, quando isso tiver sido percebido. E é isso que dás nesse dia: não vejas ninguém como um corpo. Cumprimenta cada um como o Filho de Deus que ele é, reconhecendo que ele é um contigo em santidade.

9. Assim, os seus pecados são perdoados, pois a visão de Cristo tem o poder de não vê-los. Desaparecem no perdão de Cristo. Sem ser vistos pelo Uno, desaparecem simplesmente porque a visão da santidade, que está além deles, vem para tomar o seu lugar. Não importa a forma que tomaram, nem quão enormes aparentaram ser, nem quem pareceu ser ferido por eles. Os pecados deixaram de ser. E todos os efeitos que pareciam ter desapareceram com eles, desfeitos, para jamais serem refeitos.

10. Assim aprendes a dar como recebes. E assim a visão de Cristo também olha  para ti. Essa lição não é difícil de aprender, se lembrares que no teu irmão estás apenas vendo a ti mesmo. Se ele estiver perdido no pecado, tu também tens que estar; se ele vires a luz, os teus pecados terão sido perdoados por ti mesmo. Cada irmão que encontrares hoje te proporciona mais uma oportunidade para deixar que a visão de Cristo brilhe sobre ti e te ofereça a paz de Deus.

11. Não importa quando vem a revelação, pois ela não está no tempo. Mas o tempo tem ainda uma dádiva a dar na qual o verdadeiro conhecimento se reflete de um modo tão preciso que a sua imagem compartilha da sua santidade invisível; o que lhe é semelhante brilha com seu amor imortal. Hoje praticamos ver com os olhos de Cristo. E, pelas santas dádivas que damos, a visão de Cristo também nos contempla.

LIÇÃO 157 - 06/06/2018

Quero entrar na Sua Presença agora.

1. Esse é um dia de silêncio e de confiança. É um tempo especial, muito promissor no calendário dos teus dias. É um tempo que o Céu reservou para iluminar e lançar uma luz intemporal sobre esse dia em que se ouvem os ecos da eternidade. Esse dia é santo, pois introduz uma nova experiência, um tipo diferente de sentimento e consciência. Passaste longos dias e noites celebrando a morte. Hoje, aprende a sentir a alegria da vida.

2. Esse é outro momento crucial de decisão no currículo. Agora, acrescentamos uma nova dimensão, uma nova experiência que irradia luz a tudo o que já aprendemos e nos prepara para o que ainda temos que aprender. Ela nos traz à porta onde cessa o aprendizado e captamos um vislumbre daquilo que vem depois dos cumes mais altos que ele pode atingir. Ela nos deixa aqui por um instante e nós vamos além, certos da nossa direção e da nossa única meta.

3. Hoje te será dado sentir um toque do Céu, embora retornes às rotas do aprendizado. Mas vieste de longe e já andaste o suficiente ao longo do caminho para alterar o tempo o bastante para elevar-te além das suas leis e caminhar um pouco para a eternidade. Aprenderás a fazer isso cada vez mais, à medida que cada lição, fielmente treinada, te traz com mais rapidez a esse santo lugar e te deixa, por um momento, com o teu Ser.

4. Ele dirigirá a tua prática de hoje, pois o que pedes agora é a Sua Vontade. E tendo unido a tua vontade com a Sua nesse dia, o que estás pedindo tem que ser dado a ti. Além da ideia de hoje, nada mais é necessário para iluminar a tua mente e deixá-la descansar em serena expectativa e na alegria quieta na qual rapidamente deixas o mundo para trás.

5. A partir deste dia, o teu ministério se reveste de uma devoção genuína e de um brilho que passa da ponta dos teus dedos àqueles que tocas e abençoa todos aqueles que contemplas. Uma visão alcança todos aqueles que encontras e todos aqueles em quem pensas, ou que pensam em ti. Pois a tua experiência de hoje transformará a tua mente de tal modo que ela vem a ser a pedra de toque para os santos Pensamentos de Deus.

6. Hoje, teu corpo será santificado, tendo agora como único propósito trazer a visão da tua experiência de hoje para iluminar o mundo. Não podemos dar experiências como essa diretamente. Mas ela deixa uma visão em nossos olhos que podemos oferecer a todos para que cada um possa vir mais rápido a essa mesma experiência em que o mundo é esquecido em quietude e o Céu é lembrado por algum tempo.

7. À medida que essa experiência aumenta e todas as metas, com exceção dessa, vêm a ser pouco valorizadas, o mundo ao qual retornarás aproximar-se um pouco mais do fim dos tempos; torna-se um pouco mais parecido com o Céu nos seus caminhos e um pouco mais próximo da sua liberação. E tu, que lhe trazes a luz, passarás a ver a luz com mais certeza, a visão mais distinta. O momento virá em que não retornarás sob a mesma forma em que apareces agora, pois não terás nenhuma necessidade dela. Mas, agora ela tem um propósito e te servirá bem.

8. Hoje, embarcaremos num curso com o qual nunca sonhaste. Mas, o Santo, o Doador dos sonhos felizes da vida, o Tradutor da percepção em verdade, o Guia santo para o Céu que te foi dado, sonhou para ti essa jornada que fazes e que começa hoje com a experiência que esse dia te oferece para que seja tua.

9. Entraremos agora na presença de Cristo, serenamente e sem estarmos cientes de nada, com exceção de Sua face resplandecente e do Seu Amor perfeito. A visão da Sua face resplandecente e do Seu Amor perfeito. A visão da Sua face ficará contigo, mas haverá um instante que transcende toda visão, até mesmo essa, a mais santa. Isso nunca ensinarás, pois não o atingiste através do aprendizado. No entanto, a visão fala da tua lembrança do que conheceste naquele instante e com certeza conhecerás novamente.


LIÇÃO 156 - 05/06/2018

Caminho com Deus em perfeita santidade.

1. A ideia de hoje apenas declara a simples verdade e faz com que seja impossível o pensamento do pecado. Promete que não há causa para a culpa e, sendo sem causa, ela não existe. Ela decorre com segurança do pensamento básico tão frequentemente mencionado no livro texto: ideias não deixam a sua fonte. Se isso é verdadeiro, como podes estar à parte de Deus? Como poderias caminhar pelo mundo sozinho e separado de tua Fonte?

2. Não somos inconsistentes nos pensamentos que apresentamos em nosso currículo. Para ser verdadeira, a verdade tem que ser verdadeira do início ao fim. Não pode contradizer-se, nem dividir-se em partes certas e incertas. Não podes caminhar pelo mundo à parte de Deus, porque não podes ser sem Ele. Ele é o que é a tua vida. Onde estás, Ele está. Existe uma única vida. Essa vida tu compartilhas com Ele. Nada pode existir à parte Dele e viver.

3. No entanto, onde Ele está, também tem que haver santidade assim como vida. Nenhum dos Seus atributos permanece sem ser compartilhado por tudo o que vive. Tudo o que vive é santo como Ele, porque tudo o que compartilha a Sua vida é parte da Santidade e não poderia ser pecaminoso, assim como o sol não poderia escolher ser feito de gelo, o mar optar por estar à parte da água, ou a relva crescer com as raízes suspensas no ar.

4. Há em ti uma luz que não pode morrer, cuja presença é tão santa que o mundo é santificado por tua causa. Todas as coisas que vivem trazem dádivas a ti e as ofertam aos teus pés com gratidão e júbilo. O perfume das flores é a dádiva que te oferecem. As ondas curvam-se diante de ti, as árvores estendem seus braços para proteger-te do calor e depositam as suas folhas no chão diante de ti para que possas caminhar no macio, enquanto o vento amaina e vem a ser o sussurro em torno da tua santa cabeça.

5. A luz em ti é o que o universo almeja contemplar. Todas as coisas vivas estão imóveis diante de ti, pois reconhecem Aquele que caminha contigo. A luz que trazes é delas. E assim, vêem em ti a sua própria santidade, saudando-te como salvador e como Deus. Aceita a sua reverência, pois essa se deve à Santidade em Si Mesma, Que caminha contigo, transformando em Sua Luz gentil todas as coisas à Sua semelhança e pureza.

6. Esse é o modo como funciona a salvação. Quando recuas a luz em ti se adianta e abrange o mundo. Ela não anuncia o fim do pecado no castigo e na morte. O pecado se vai na leveza e no riso, pois o seu absurdo antiquado é visto. É um pensamento bobo, um sonho tolo, nada amedrontador, talvez ridículo, mas quem desperdiçaria um só instante da aproximação do próprio Deus por um capricho tão sem sentido?

7. No entanto, tens desperdiçado muitos e muitos anos justamente com esse pensamento tolo. O passado se foi, com todas as suas fantasias. Essas já não te mantêm mais preso. A aproximação de Deus está próxima. E no pequeno intervalo de dúvida que ainda permanece, talvez possas vir a perder de vista o teu Companheiro e tomá-Lo equivocadamente pelo antigo sonho sem sentido que agora é passado.

8. "Quem caminha comigo?" Essa questão deveria ser feita mil vezes por dia, até que a certeza tenha posto um fim à dúvida e estabelecido a paz. Deixa que a dúvida cesse no dia de hoje. Deus fala por ti, respondendo à tua pergunta com estas palavras:

Caminho com Deus em perfeita santidade. Eu ilumino o mundo, ilumino a minha mente e todas as mentes que Deus criou unas comigo.


LIÇÃO 155 - 04/06/2018

Recuarei e permitirei que Ele me mostre o caminho.

1. Há uma maneira de viver no mundo que não está aqui, embora pareça estar. Tu não mudas de aparência, embora sorrias mais frequentemente. A tua fronte é serena, os teus olhos tranquilos. E aqueles que caminham pelo mundo como tu, te reconhecem como um deles. No entanto, aqueles que ainda não perceberam o caminho também te reconhecerão e acreditarão que és igual a eles, como era antes.

2. O mundo é uma ilusão. Aqueles que escolhem vir aqui estão em busca de um lugar onde possam ser ilusões e evitar a sua própria realidade. Todavia, quando descobrem que a sua própria realidade está até mesmo aqui, recuam e permitem que ela mostre o caminho. Que outra escolha têm a fazer realmente? Deixar que ilusões caminhem diante da verdade é loucura. Mas deixar a ilusão submergir atrás da verdade e deixar a verdade se erguer à sua frente tal como é, é meramente sanidade.

3. Essa é a escolha simples que fazemos hoje. A louca ilusão ainda permanecerá em evidência por algum tempo para que seja contemplada por aqueles que escolhem vir e que ainda não se regozijaram ao descobrir que estavam equivocados na sua escolha. Eles não podem aprender diretamente da verdade, pois negaram que seja assim. Por isso precisam de um Professor Que perceba a sua loucura, mas Aquele que ainda assim possa olhar além da ilusão para a simples verdade que há neles.

4. Se a verdade exigisse que desistissem do mundo, pareceria a eles que estaria pedindo o sacrifício de algo que é real. Muitos escolheram renunciar ao mundo, enquanto ainda acreditavam na sua realidade. E sofreram uma sensação de perda e consequentemente não se liberaram. Outros não escolheram nada além do mundo e sofreram com um sentimento de perda ainda mais profundo, que não entenderam.

5. Entre esses dois rumos há anda uma outra estrada que conduz para longe de qualquer tipo de perda, pois tanto o sacrifício quanto a privação são rapidamente deixados para trás. Esse é o caminho designado para ti agora. Andas por esse caminho como os outros e também não pareces ser distinto deles, embora de fato o sejas. Assim podes servi-los enquanto serves a ti mesmo e podes guiar os seus passos no caminho que Deus abriu para ti e para eles através de ti.

6. A ilusão ainda parece se apegar a ti, para que possas alcançá-los. Mas ela recuou. E não é de ilusões que eles te ouvem falar e nem é ilusão o que trazes para que os seus olhos contemplem e suas mentes apreendam. A verdade, que anda na tua frente, tampouco pode lhes falar através de ilusões, pois agora a estrada conduz para o que está depois das ilusões e, ao longo do caminho, tu os chamas para que possam seguir-te.

7. No final, todas as estradas conduzem a essa. Pois o sacrifício e a privação são rotas que não levam a lugar nenhum, escolhas de derrota e objetivos que permanecerão impossíveis. Tudo isso recua quando a verdade vem à tona em ti, para conduzires os teus irmãos para longe dos caminhos da morte, colocando-os no caminho da felicidade. O seu sofrimento não passa de ilusão. Todavia, precisam de um guia para conduzi-los para fora disso, pois tomam a ilusão equivocadamente pela verdade.

8. Tal é o chamado da salvação e nada mais. Pede que aceites a verdade, e deixes que ela vá diante de ti, iluminando a rota do resgate da ilusão. Não é um resgate que tenha preço. Não há nenhum custo, apenas ganho. A ilusão só pode parecer manter o Filho santo de Deus acorrentado. Ele é salvo apenas de ilusões. Quando elas recuam, ele se encontra novamente.

9. Caminha com segurança, agora, mas com cuidado, pois essa rota é nova para ti. E poderás achar que ainda és tentado a andar na frente da verdade e a deixar as ilusões serem o teu guia. Os teus irmãos santos te foram dados para seguir-te em teus passos, à medida que caminhas com certeza de propósito até a verdade. Ela vai diante de ti agora para que possam ver algo com que possam identificar-se, algo que compreendam para conduzi-los no caminho.

10. Entretanto, no final da jornada não haverá nenhuma brecha, nenhuma distância entre a verdade e ti. E todas as ilusões que andavam no caminho por onde viajavas também se afastarão de ti e não sobrará nada para manter a verdade à parte da completeza de Deus, tão santa quanto Ele. Recua com fé e deixa a verdade te mostrar o caminho. Não sabes aonde vais. Mas Aquele Que sabe vai contigo. Deixa-O conduzir-te junto com os outros.

11. Quando os sonhos chegarem ao fim, o tempo tiver fechado a porta sobre todas as coisas que passam e os milagres tiverem deixado de ter um propósito, o Filho santo de Deus não fará mais jornadas. Não haverá nenhum desejo de ser uma ilusão ao invés da verdade. E estamos nos encaminhando para isso à medida que progredimos ao longo do caminho que a verdade nos indica. Essa é a nossa jornada final, que fazemos por todos. É necessário que não percamos o nosso caminho. Pois, assim como a verdade vai diante de nós, ela também vai na frente de nossos irmãos que nos seguirão.

12. Caminhamos para Deus. Faze uma pausa e reflete sobre isso. Poderia outro caminho ser mais santo ou mais digno do teu esforço, do teu amor e de toda a tua intenção? Que caminho poderia te dar mais do que tudo ou oferecer menos e ainda contentar o Filho santo de Deus? Caminhamos para Deus. A verdade que caminha diante de nós agora é una com Ele e nos conduz para onde Ele sempre esteve. Que caminho senão esse poderia ser uma rota que tu escolherias?

13. Os teus pés estão plantados com segurança na estrada que conduz o mundo a Deus. Não procures caminhos que pareçam conduzir-te a outro lugar. Sonhos não são guias dignos de ti, que és o Filho de Deus. Não esqueças que Ele colocou a Sua Mão na tua e te deu os teus irmãos em Confiança, pois tu és digno da Sua Confiança em ti. Ele não pode ser enganado. A Sua Confiança fez com que a rota pela qual caminhas seja certa e a tua meta segura. Não falharás para com os teus irmãos nem para com o teu Ser. 

14. E agora Ele pede apenas que penses Nele por um momento a cada dia, para que Ele possa te falar e te contar do Seu Amor, lembrando-te quão grande é a Sua Confiança em ti, quão ilimitado o Seu Amor. Em teu nome e no Seu, que são o mesmo, nós praticamos com contentamento esse pensamento no dia de hoje:

Recuarei e permitirei que Ele me mostre o caminho, pois quero caminhar ao longo da estrada que conduz a Ele.


LIÇÃO 154 - 03/06/2018

Eu estou entre os ministros de Deus.

1. Que hoje não sejamos nem arrogantes nem falsamente humildes. Já somos além de tais tolices. Não podemos nos julgar e nem precisamos fazê-lo. Essas são apenas tentativas de evitar a decisão e adiar o comprometimento com a nossa função. A nossa parte não é julgar o nosso valor, nem podemos saber qual é o melhor papel para nós; o que podemos fazer dentro de um plano maior, nós não podemos ver inteiramente. O nosso papel é definido no Céu, não no inferno. E o que pensamos ser fraqueza pode ser força, o que acreditamos ser a nossa força frequentemente é arrogância.

2. Qualquer que seja o papel que te foi designado, foi selecionado pela Voz por Deus, Cuja função é a de falar por ti também. Vendo as tuas forças exatamente como são e também ciente de onde podem ser melhor aplicadas, para quê, para quem e quando, Ele escolhe e aceita o teu papel por ti. Ele não trabalha sem o teu próprio consentimento. Mas não Se engana quanto ao que tu és e só escuta a Sua Voz em ti.

3. É através da Sua capacidade de ouvir uma única Voz Que é a Sua própria, que tu vens a ser enfim ciente de que há uma única Voz em ti mesmo. E aquela única Voz te designa a tua função e a entrega a ti, dando-te forças para compreendê-la, fazer o que ela acarreta e ter sucesso em tudo o que fazes que seja relacionado com ela. Deus uniu-Se ao Seu Filho nisso e assim o Seu Filho vem a ser o Seu mensageiro, o mensageiro da unidade com Ele.

4. É essa união do Pai e do Filho, através da Voz por Deus, que coloca a salvação à parte do mundo. É essa Voz Que fala de leis que o mundo não obedece, Que promete a salvação de todo pecado abolindo a culpa na mente que Deus criou sem pecado. Agora essa mente vem a ser outra vez ciente Daquele que a criou e da Sua união duradoura consigo mesma. Assim, o seu Ser é a única realidade  em Que a sua vontade e a Vontade de Deus estão unidas.

5. Um mensageiro não é aquele que escreve a mensagem que entrega. Tampouco questiona o direito daquele que o faz ou pergunta por que escolheu aqueles que receberão a mensagem que traz. Basta que a aceite, a dê àqueles a quem se destina e cumpra o seu papel na entrega da mensagem. Se determina quais devem ser as mensagens ou a que propósito sevem ou para onde devem ser levadas, está falhando em desempenhar o seu papel como portador do Verbo.

6. Há uma diferença principal no papel dos mensageiros do Céu, que os distingue daqueles designados pelo mundo. As mensagens que entregam são dirigidas em primeiro lugar a eles mesmos. E é só na medida em que possam aceitá-las para si mesmos, que vêm a ser capazes de levá-las adiante e dá-las em todos os lugares a que eram destinadas. Como os mensageiros terrestres, eles não escreveram as mensagens que trazem consigo, mas vêm a ser os seus primeiros destinatários no sentido mais verdadeiro, recebendo a fim de prepararem-se para dar.

7. Um mensageiro terrestre cumpre o seu papel dando todas as suas mensagens. Os mensageiros de Deus desempenham o seu papel com a própria aceitação das Suas mensagens para si mesmos e mostram que as compreendem dando-as aos outros. Eles não escolhem papéis que não lhes tenham sido dados por Sua autoridade. E assim ganham com cada mensagem que dão.

8. Tu queres receber as mensagens de Deus? Pois é assim que vens a ser o Seu mensageiro. Tu és designado agora. No entanto, esperas para dar as mensagens que tens recebido. E assim não sabes que são tuas e não as reconheces. Ninguém pode receber e compreender que recebeu até que tenha dado. Pois no ato de dar está a sua própria aceitação do que recebeu.

9. Vós, que sois agora os mensageiros de Deus, recebei as Suas mensagens. Pois isso faz parte do papel que vos foi designado. Deus não falhou em oferecer o que vós precisais e nem isso deixou de ser aceito. entretanto, uma outra parte da tarefa que vos foi designada ainda está por ser realizada. Aquele Que recebeu as mensagens de Deus por vós, quer que elas sejam recebidas também por vós. Pois assim vós vos identificais com Ele e reivindicais o que vos pertence.

10. É o reconhecimento dessa união que empreendemos hoje. Não buscaremos manter as nossas mentes à parte Daquele Que fala por nós, pois é apenas a nossa voz que ouvimos ao prestarmos atenção a Ele. Só Ele pode falar a nós e por nós, unindo em uma única Voz o ato de receber e dar o Verbo de Deus, o dar e receber a Sua Vontade.

11. Praticamos dar a Ele o que Ele quer ter para que possamos reconhecer as Suas dádivas para nós. Ele precisa da nossa voz para que possa falar através de nós. Precisa de nossas mãos para portar as Suas mensagens e levá-las àqueles que Ele designa. Precisa de nossos pés para nos trazer para onde é Sua Vontade que estejamos, para que aqueles que esperam na miséria possam enfim ser libertados. E Ele precisa das nossas vontades unidas à Sua, para que possamos ser os verdadeiros receptores das dádivas que Ele nos dá.

12. Aprendamos hoje apenas essa lição: nós não reconheceremos aquilo que recebemos até que o tenhamos dado. Já ouviste isso ser dito em centenas de maneiras, centenas de vezes e, no entanto, a tua crença ainda está faltando. Mas isso é certo: até que venhas a acreditar nisso, receberás mil milagres e depois mais mil, mas não saberás que o próprio Deus não guardou nenhuma dádiva além daquelas que já tens e tampouco negou a menor das bênçãos ao Seu Filho. O que isso pode significar para ti, enquanto não tiveres te identificado com Ele e com o que Lhe é próprio?

13. A nossa lição para o dia de hoje é declarada assim:

Eu estou entre os ministros de Deus, e sou grato por ter os meios de reconhecer que sou livre.

14. O mundo retrocede à medida que iluminamos nossas mentes e reconhecemos que estas santas palavras são verdadeiras. Elas são a mensagem que nos foi enviada hoje pelo nosso Criador. Agora, demonstramos como elas mudaram as nossas mentes a respeito de nós mesmos e de qual é a nossa função. Pois, ao provarmos que não aceitamos nenhuma vontade da qual não compartilhamos, as muitas dádivas do nosso Criador surgirão à nossa vista e saltarão às nossas mãos e nós reconheceremos o que recebemos.


LIÇÃO 153 - 02/06/2018

A minha segurança está em ser sem defesas.

1. Tu, que te sentes ameaçado por esse mundo em mutação, pelas viradas do destino e suas amargas brincadeiras, seus breves relacionamentos e todas as "dádivas" que ele apenas te empresta para tomar de volta, presta bem atenção nesta lição. O mundo não oferece segurança. Ele tem as suas raízes no ataque e todas as suas "dádivas" de segurança aparente são decepções ilusórias. Ele ataca para em seguida atacar novamente. Nenhuma paz é possível para a mente onde o perigo ameaça dessa forma.

2. O mundo faz surgir apenas defensividade. Pois a ameaça traz a raiva, a raiva faz com que o ataque pareça razoável, honestamente provocado e justo em nome da auto-defesa. Entretanto, a defensividade é uma ameaça dupla. Pois ela testemunha a fraqueza e estabelece um sistema de defesa que não pode funcionar. Agora são os fracos ainda mais debilitados, pois há traição do lado de fora e traição ainda maior do lado de dentro. A mente está agora confusa e não sabe para onde se voltar para achar um modo de escapar das suas fantasias.

3. É como se ela estivesse apertada dentro de um círculo, no qual houvesse outro círculo que a mantivesse presa e ainda um outro dentro desse, até que não seja mais possível escapar nem ter esperanças de fazê-lo. Ataque, defesa; defesa, ataque, vêm a ser os círculos das horas e dos dias que amarram a mente com tiras pesadas de aço revestidas de ferro, que vão e voltam penas para começar outra vez. Parece não haver nenhuma quebra, nem fim na garra cada vez mais apertada daquilo que aprisiona a mente.

4. As defesas são o preço mais alto que o ego quer extorquir. Nelas reside a loucura, sob uma forma tão miserável que a esperança da sanidade parece ser apenas um sonho vão, além do possível. O senso de ameaça que o mundo encoraja é tão mais profundo e tão além do que podes conceber em termos de loucura e intensidade, que não tens ideia de toda a devastação que isso tem forjado.

5. Tu és seu escravo. Não sabes o que fazes por medo disso. Tu, que sentes as suas garras de ferro sobre o teu coração, não compreendes o quanto te fizeram sacrificar. Não reconheces o que já fizeste para sabotar a santa paz de Deus pela tua defensividade. Pois contemplas o Filho de Deus apenas como uma vítima a ser atacada por fantasias, sonhos e ilusões que ele mesmo fez; apesar de ser indefeso na presença de tudo isso, necessita apenas de defesas por meio de mais fantasias e sonhos, nos quais ilusões da sua própria segurança o confortam.

6. Ser sem defesas é força. Testemunha o reconhecimento de Cristo em ti. Talvez te lembres que o livre texto afirma que a escolha é sempre feita entre a força de Cristo e a tua própria fraqueza, vista à parte Dele. Aquele que é sem defesas não pode ser atacado porque reconhece uma força tão grande que o ataque é loucura ou um jogo tolo que uma criança cansada poderia jogar quando fica sonolenta demais para lembrar-se do que quer.

7. Defensividade é fraqueza. Proclama que negaste o Cristo e passaste a ter medo da raiva do Pai. O que pode salvar-te agora da tua delusão de um Deus irado, cuja imagem amedrontadora acreditas ver agindo em todos os males do mundo? O que mais, senão ilusões, poderiam defender-te agora, quando o que estás combatendo são apenas ilusões?

8. Hoje, não brincaremos com tais jogos infantis. Pois o nosso propósito verdadeiro é o de salvar o mundo e não queremos trocar por tolices a infinita alegria que a nossa função nos oferece. Não queremos deixar a nossa felicidade nos escapar porque um fragmento de um sonho insensato atravessou por acaso as nossas mentes e tomamos por engano as figuras do sonho pelo Filho de Deus e o seu instante fugaz pela eternidade.

9. Hoje olhamos para o que vem depois dos sonhos e reconhecemos que não precisamos de defesas porque fomos criados inatacáveis, sem qualquer pensamento, desejo ou sonho no qual o ataque tenha qualquer significado. Agora não podemos ter medo, pois deixamos todos os pensamentos amedrontadores para trás. E, sendo sem defesas estamos seguros, agora serenamente certos de nossa segurança e da salvação; certos de que cumpriremos o propósito que escolhemos à medida que o nosso ministério estende a sua bênção santa através do mundo.

10. Fica imóvel por um momento e em silêncio pensa no quanto é santo o teu propósito, como descansas em segurança, intocável no interior da luz do teu propósito. Os ministros de Deus escolheram que a verdade esteja com eles. Quem é mais santo do que eles? Quem poderia estar mais certo de que a sua felicidade está inteiramente garantida? E quem poderia estar mais fortemente protegido? De que defesas poderiam necessitar aqueles que estão entre os escolhidos de Deus, pela Sua eleição e também pela sua própria?

11. A função dos ministros de Deus é ajudar os seus irmãos a escolherem como eles o fizeram. Deus elegeu a todos, mas poucos vieram a reconhecer que a Vontade de Deus é apenas a sua própria. E enquanto falhas em ensinar o que tens aprendido, a salvação espera e a escuridão mantém o mundo numa prisão miserável. Tampouco aprenderás que a luz veio a ti e que, de fato, escapaste. Pois não verás a luz até oferecê-la a todos os teus irmãos. À medida que eles a tomam das tuas mãos, tu a reconhecerás como tua.

12. Pode-se pensar na salvação como um jogo com o qual crianças felizes brincam. Ela foi planejada por Aquele Que ama as Suas crianças e quer substituir os seus brinquedos amedrontadores por jogos felizes que lhes ensinam que o jogo do medo se foi. O Seu jogo instrui com felicidade porque não há perdedor. Todos os que jogam não podem deixar de ganhar e na vitória de cada um está assegurado o ganho de todos. O jogo do medo é posto de lado com contentamento quando as crianças chegam a ver os benefícios que a salvação traz.

13. Tu, que brincaste de estar perdido para a esperança, abandonado por teu Pai, deixado só no terror de um mundo amedrontador enlouquecido pelo pecado e pela culpa, sê feliz agora. Aquele jogo acabou. Agora veio um tempo de quietude, em que deixamos os brinquedos da culpa e trancamos para sempre os nossos estranhos e infantis pensamentos de pecado fora das mentes santas e puras das crianças do Céu e do Filho de Deus.

14. Fazemos uma pausa apenas por um momento para jogarmos o nosso jogo final e feliz sobre essa terra. E então iremos ocupar o nosso lugar de direito, onde habita a verdade e os jogos são sem significado. E assim termina a estória. Deixa que esse dia antecipe para o mundo a chegada do último capítulo para que todos possam aprender que o conto que lêem sobre um destino aterrorizante, a derrota das suas esperanças, a sua lamentável defesa contra uma vingança da qual não podem escapar não possa da sua própria fantasia delusória. Os ministros de Deus vieram para despertá-los dos sonhos escuros que essa estória evocou em sua recordação confusa e perplexa desse conto distorcido. O Filho de Deus pode enfim sorrir ao aprender que isso não é verdadeiro.

15. Hoje praticamos de uma forma que manteremos ainda por algum tempo. Começaremos cada dia dando a nossa atenção ao pensamento diário durante o maior período de tempo possível. Agora, cinco minutos são o mínimo que daremos à preparação de um dia em que a salvação é a única meta que temos. Dez minutos seriam melhor, quinze, melhor ainda. E, à medida em que a distração deixa de surgir para tirar-nos de nosso propósito, acharemos que meia hora é muito pouco tempo para se passar com Deus. Tampouco teremos vontade de dar menos à noite, em gratidão e alegria.

16. Cada hora adiciona à nossa paz crescente ao lembrarmos de sermos fiéis à Vontade que compartilhamos com Deus. Por vezes, talvez, um minuto ou até menos, será o máximo que podemos oferecer ao soar de cada hora. Algumas vezes, esqueceremos. Em outras, as atividades do mundo nos cercarão e seremos incapazes de nos retirarmos um pouco para voltarmos os nossos pensamentos para Deus.

17. No entanto, quando pudermos, manteremos a nossa confiança como ministros de Deus, lembrando a cada hora da nossa missão e do Seu Amor. E nos sentaremos em quietude, esperaremos por Ele, escutaremos a Sua Voz e aprenderemos o que Ele quer que façamos na hora que ainda está por vir, agradecendo-Lhe ao mesmo tempo por todas as dádivas que Ele nos deu naquela que se foi.

18. Em tempo, com prática, nunca deixarás de pensar Nele e de ouvir a sua amorosa Voz guiando os teus passos por caminhos quietos, onde caminharás verdadeiramente sem defesas. Pois saberás que o Céu vai contigo. Tampouco queres manter a tua mente afastada da mente de Deus nem por um momento sequer, embora passes o teu tempo oferecendo a salvação ao mundo. Pensas que Ele não fará com que isso seja possível para ti, que escolheste cumprir o Seu plano para a salvação do mundo e a tua?

19. Ser sem defesas é o nosso tema hoje. Nós nos vestimos com ele, ao nos prepararmos para enfrentar o dia. Erguemo-nos fortes em Cristo e deixamos a nossa fraqueza desaparecer ao lembrarmos que a Sua força habita em nós. Lembrar-nos-emos que Cristo permanece ao nosso lado ao longo do dia e nunca deixa a nossa fraqueza sem o apoio da Sua força. Invocamos a Sua força a cada vez que sentimos a ameaça das nossas defesas minar a certeza do nosso propósito. Faremos uma pausa, por um momento, enquanto Ele nos diz: "Eu estou aqui."

20. A tua prática começará a tomar a intensidade do amor, para ajudar-te a evitar que a tua mente se afaste da sua intenção. Não temas nem sejas tímido. Não há dúvida de que alcançarás a tua meta final. Os ministros de Deus nunca podem falhar, porque o amor, a força e a paz que brilham à partir deles para todos os seus irmãos vêm Dele. Estas são as Suas dádivas para ti. Ser sem defesas é tudo o que precisas Lhe dar em retorno. Deixas de lado apenas o que nunca foi real para contemplar Cristo e ver a sua impecabilidade.

LIÇÃO 152 - 01/06/2018

O poder de decisão é meu.

1. Ninguém pode sofrer a perda a menos que seja por sua própria decisão. Ninguém pode sofre dor, exceto que a sua própria escolha opte por esse estado. Ninguém pode ter aflição, nem medo, nem pensar que está doente, a menos que esses sejam os resultados que quer. E ninguém morre sem o próprio consentimento. Nada ocorre que não represente o teu desejo e nada do que escolhes é omitido. Eis aqui o teu mundo, completo em todos os detalhes. Eis aqui toda a sua realidade para ti. E é só aqui que está a salvação.

2. Podes acreditar que essa posição seja extrema e por demais abrangente para ser verdadeira. Mas, pode a verdade ter exceções? Se tens a dádiva de tudo, pode a perda ser real? Pode a dor ser parte da paz ou o pesar parte da alegria? Podem o medo e a doença entrar na mente onde habitam o amor e a santidade  perfeita? A verdade tem que abranger tudo, se é que é a verdade. Não aceites opostos ou exceções, pois fazê-lo é contradizer inteiramente a verdade.

3. A salvação é o reconhecimento de que a verdade é verdadeira e de que nada mais é verdadeiro. Isso já ouviste antes, mas podes ainda não aceitar ambas as partes. Sem a primeira, a segunda não tem significado. Mas sem a segunda, a primeira já não é verdadeira. A verdade não pode ter opostos. Nunca é demais dizer e pensar nisso. Pois, se aquilo que não é verdade for tão verdadeiro quanto aquilo que é verdadeiro, então, uma parte da verdade é falsa. E a verdade perdeu o seu significado. Nada além da verdade é verdadeiro e aquilo que é falso é falso.

4. Essa é a mais simples das distinções e, no entanto, a mais obscura. Mas não porque seja uma distinção difícil de ser percebida. Ela está oculta por trás de um vasto conjunto de escolhas que não aparentam ser inteiramente tuas. E, assim, a verdade aparenta ter alguns aspectos que negam a coerência, mas que não parecem ser apenas contradições introduzidas por ti.

5. Como Deus te criou, tens que permanecer imutável, com estados transitórios que são falsos por definição. E isso inclui todas as variações de sentimento, as alterações das condições do corpo e da mente, de toda a consciência e de todas as reações. Essa é a abrangência total que coloca a verdade à parte da falsidade e pela qual o que é falso se mantém separado da verdade, tal como é.

6. Não é estranho que acredites que pensar que fizeste o mundo que vês seja arrogância? Deus não o fez. Disso podes estar certo. O que pode Ele saber do efêmero, do pecador e do culpado, do amedrontado, do sofredor e solitário, e da mente que vive dentro de um corpo que não pode deixar de morrer? Estás apenas acusando-O de insanidade ao pensar que Ele tenha feito um mundo em que tais coisas pareçam ter realidade. Ele não é louco. No entanto, só a loucura faz um mundo como esse.

7. Pensar que Deus fez o caos, que Ele contradiz a sua Vontade, que inventou opostos para a verdade e permite, mesmo com sofrimento, que a morte triunfe sobre a vida, tudo isso é arrogância. A humildade veria imediatamente que essas coisas não são Sua. E podes ver o que Ele não criou? Pensar que podes é meramente acreditar que podes perceber aquilo que a Vontade de Deus determinou que não fosse. E o que poderia ser mais arrogante do que isso?

8. Sejamos verdadeiramente humildes hoje e aceitemos o que temos feito tal como é. O poder de decisão é nosso. Decide apenas aceitar o teu lugar de direito como co-criador do universo e tudo o que pensas ter feito desaparecerá. Então, o que surgir na tua consciência será tudo o que sempre foi, eternamente como é agora. E isso tomará o lugar dos auto-enganos feitos apenas para usurpar o altar ao Pai e ao Filho.

9. Hoje, praticamos a verdadeira humildade, abandonando a falsa pretensão com a qual o ego busca provar que ela é arrogante. Só o ego pode ser arrogante. Mas a verdade é humilde ao admitir o seu poder, a sua imutabilidade e a sua integridade eterna que tudo abrange, a dádiva perfeita de Deus para o Seu filho amado. Deixamos de lado a arrogância que nos diz  que somos pecadores, culpados, amedrontados e envergonhados do que somos; e, ao invés disso, ergamos os nossos corações em verdadeira humildade para Aquele Que nos criou imaculados como Ele próprio, no poder e no amor.

10. O poder de decisão é nosso. E aceitamos Dele aquilo que somos e humildemente reconhecemos o Filho de Deus. Reconhecer o Filho de Deus implica também em que todos os nossos auto-conceitos tenham sido postos de lado e reconhecidos como falsos. A arrogância de cada um deles foi percebida. E, na humildade, a radiância do Filho de Deus, a sua gentileza, a sua perfeita impecabilidade, o Amor de seu Pai, o seu direito ao Céu e a liberação do inferno, são alegremente aceitos como nossos.

11. Agora nos unimos reconhecendo com contentamento que as mentiras são falsas e só a verdade é  verdadeira. Pensamos apenas na verdade ao levantarmos e passarmos cinco minutos praticando os seus caminhos, encorajando as nossas mentes assustadas com o seguinte:

O poder de decisão é meu. Nesse dia aceitarei a mim mesmo como aquilo que a Vontade do meu Pai me criou para ser.

Em seguida aguardaremos em silêncio, desistindo de todos os auto-enganos, enquanto pedimos humildemente ao nosso Ser que Se revele a nós. E Aquele Que jamais partiu virá novamente à nossa consciência, grato por restaurar o Seu Lar em Deus, como Lhe era destinado.

12. Espera por Ele pacientemente ao longo do dia e convida-O a cada hora com as palavras com que começaste o dia, concluindo com esse mesmo convite para o teu Ser. A Voz de Deus responderá, pois Ela fala por ti e pelo teu Pai. Ela substituirá todos os teus pensamentos frenéticos pela paz de Deus, os auto-enganos pela verdade de Deus e as tuas ilusões de ti mesmo pelo Filho de Deus.


LIÇÃO 151 - 31/05/2018

Todas as coisas são ecos da Voz por Deus.

1. Ninguém pode julgar com base em evidência parcial. Isso não é julgamento. É apenas uma opinião baseada na ignorância e na dúvida. A sua aparente certeza não passa de um disfarce para a incerteza que quer ocultar. Ela precisa de uma defesa irracional, porque é irracional. E a sua defesa parece ser forte, convincente e indubitável devido a todas as dúvidas subjacentes.

2. Tu não pareces duvidar do mundo que vês. Não questionas realmente o que te é mostrado através dos olhos do corpo. Tampouco te perguntas por que acreditas nele, embora já tenhas aprendido há muito tempo que os teus sentidos, de fato, enganam. Acreditares nos teus sentidos até o último detalhe que te reportam é ainda mais estranho quando fazes uma pausa para recordar com que frequência, de fato, eles têm sido testemunhas falhas! Por que razão, senão pela dúvida subjacente, que queres esconder fazendo da certeza um espetáculo?

3. Como podes julgar? Teu julgamento baseia-se no testemunho que te oferecem os teus sentidos. No entanto, jamais houve testemunho mais falso do que esse. Mas, de que outra forma julgas o mundo que vês? Depositas uma fé patética no que os teus olhos e ouvidos reportam. Pensas que os teus dedos tocam a realidade e se fecham sobre a verdade. Essa é a consciência que compreendes e pensas ser mais real do que o que é testemunhado pela eterna Voz pelo próprio Deus.

4. Isso pode ser um julgamento? A ti pedido com frequência que te abstivesses de julgar, não que isso seja um direito que te é recusado. Não podes julgar. Podes meramente acreditar nos julgamentos do ego que são todos falsos. Ele guia cuidadosamente os teus sentidos para provar o quanto és fraco, o quanto és indefeso e amedrontado, o quanto vives apreensivo com a punição justa, o quanto és negro pelo pecado e miserável na tua culpa.

5. Essa coisa da qual ele fala e que ainda quer defender, ele te diz que é o que tu és. E acreditas que isso é assim com uma certeza obstinada. No entanto, lá no fundo permanece a dúvida oculta de que ele próprio não acredite no que te mostra com tanta convicção como se fosse a realidade. Ele só condena a si mesmo. É dentro de si próprio que vê a culpa. É o seu próprio desespero que ele vê em ti.

6. Não dês ouvidos à voz do ego. Os testemunhos que ele te envia para te provar que o mal que está nele é teu são falsos e falam com certeza de algo que não conhecem. A fé que tens neles é cega, porque não queres compartilhar as dúvidas que o próprio senhor desses testemunhos não consegue subjugar completamente. Acreditas que duvidar dos seus vassalos é duvidar de ti mesmo.

7. No entanto, tens que aprender a duvidar que a evidência que te trazem desobstruirá o caminho para que reconheças a ti mesmo, e a deixar que apenas a Voz por Deus seja o Juiz do que é digno da tua própria crença. Ele não te dirá que o teu irmão deve ser julgado pelo que teus olhos contemplam, nem pelo que a boca do corpo do teu irmão diz aos teus ouvidos, nem pelo que o toque dos teus dedos te reporta sobre ele. Ele ignora esses vãos testemunhos, que apenas dão falso testemunho do filho de Deus. Ele só reconhece o que Deus ama e, à santa luz do que ele vê, todos os sonhos do ego sobre o que tu és se desvanecem diante do esplendor que Ele contempla.

8. Deixa que ele seja o Juiz do que tu és, pois Ele tem a certeza na qual não há dúvidas, já que se baseia em Certeza tão grande que qualquer dúvida fica sem significado diante da Sua face. Cristo não pode duvidar de Si Mesmo. A Voz por Deus só pode honrá-Lo, regozijando-Se na Sua perfeita e eterna impecabilidade. Aquele que Ele julgou só pode rir da culpa, agora sem vontade de brincar com os brinquedos do pecado, ignorando as testemunhas do corpo diante do êxtase da santa face de Cristo.

9. E assim Ele te julga. Aceita o Seu Verbo quanto ao que tu és, pois Ele dá testemunho da tua bela criação e da Mente Cujo Pensamento criou a tua realidade. O que pode o corpo significar para Aquele Que conhece a glória do Pai e do Filho? Que sussurros do ego pode Ele ouvir? O que poderia convencê-Lo de que os teus pecados são reais? Deixa que Ele também seja o Juiz de tudo o que parece te acontecer nesse mundo. As Suas lições te permitirão construir uma ponte sobre a brecha entre as ilusões e a verdade.

10. Ele removerá toda a fé que tens depositado na dor, no desastre, no sofrimento e na perda. Ele te dá a visão que pode olhar para o que está além dessas sombrias aparências e contemplar a gentil face de Cristo em todas elas. Não mais duvidarás de que só o bem pode vir a ti que és amado por Deus, pois ele julgará todos os acontecimentos e te ensinará a lição única que todos contêm.

11. Ele selecionará os elementos que representam a verdade e ignorará todos os aspectos que refletem apenas sonhos vãos. E Ele re-interpretará tudo o que vês, todas as ocorrências, cada circunstância e cada acontecimento que parece te tocar de algum modo a partir do Seu referencial único, totalmente unificado e seguro. E verás o amor além do ódio, a constância na mudança, da pureza no pecado e apenas a bênção do Céu sobre o mundo.

12. Tal é a tua ressurreição, pois a tua vida não faz parte de coisa alguma que vês. Ela está além do corpo e do mundo, depois de todo testemunho do profano, no interior Daquele que é Santo, tão santo quanto Ele Mesmo. Em todos e em tudo a Sua Voz não quer te falar de nada, exceto do teu Ser e do teu Criador, Que é um com Ele. E assim, verás a santa face de Cristo em tudo e em tudo não ouvirás som algum exceto o eco da Voz de Deus.

13. Hoje praticamos sem palavras, com exceção do início do tempo que passamos com Deus. Introduzimos estes momentos apenas com uma única lenta repetição do pensamento com o qual o dia começa. E, então, observamos os nossos pensamentos, apelando silenciosamente para Aquele Que neles vê os elementos da verdade. Deixa-O avaliar cada pensamento que te vem à mente, retirar os elementos de sonho e devolvê-los outra vez como ideias limpas que não contradizem a Vontade de Deus.

14. Dá-Lhe os teus pensamentos e Ele os devolverá como milagres que proclamam alegremente a integridade e a felicidade que é a Vontade de Deus para o Seu Filho, como prova do Seu eterno Amor. E, à medida que cada pensamento é assim transformado, assume o poder curativo da Mente Que nele viu a verdade e não Se deixou enganar pelo que lhe foi falsamente acrescentado. Todos os fios da fantasia se foram. E o que permanece é unificado num pensamento perfeito que oferece a sua perfeição em toda parte.

15. Passa quinze minutos assim ao acordar e dá mais quinze minutos com alegria antes de ires dormir. O teu ministério começa à medida em que todos os teus pensamentos são purificados. E assim te é ensinado a ensinar ao filho de Deus a santa lição da sua santidade. Ninguém pode falhar em escutar, quando ouves a Voz por Deus honrar o Filho de Deus. E todos compartilharão contigo os pensamentos que Ele re-traduziu na tua mente.

16. Tal é a tua Páscoa. E assim depositas a tua dádiva de lírios brancos como a neve sobre o mundo, substituindo as testemunhas do pecado e da morte. Através da tua transfiguração, o mundo é redimido e alegremente se libera da culpa. Agora erguemos as nossas mentes ressuscitadas em contentamento e gratidão para com Aquele Que restaurou a nossa sanidade para nós.

17. E, a cada hora, nos lembraremos Daquele Que é salvação e liberação. E, ao darmos graças, o mundo une-se a nós e aceita com alegria os nossos santos pensamentos que o Céu corrigiu e purificou. Agora, enfim, começou o nosso ministério para levar pelo mundo a feliz notícia de que a verdade não tem ilusões e de que a paz de Deus, através de nós, pertence a todos.


LIÇÃO 150 - 30/05/2018

Minha mente contém só o que eu penso com Deus.

(139) Aceitarei a Expiação para mim mesmo.
(140) Pode-se dizer que só a salvação cura.


LIÇÃO 149 - 29/05/2018

Minha mente contém só o que eu penso com Deus.

(137) Quando sou curado, não sou curado sozinho.
(138) O Céu é a decisão que eu tenho que tomar.


LIÇÃO 148 - 28/05/2018

Minha mente contêm só o que eu penso com Deus.

(135) Se eu me defendo, sou atacado.
(136) a doença é uma defesa contra a verdade.


LIÇÃO 147 - 27/05/2018

Minha mente contém só o que eu penso com Deus.

(133) Não darei valor àquilo que não tem valor.

(134) Que eu perceba o perdão tal como é.

LIÇÃO 146 - 26/05/2018

Minha mente contém só o que eu penso com Deus.

(131) Aquele que busca alcançar a verdade não pode falhar.
(132) Libero o mundo de tudo aquilo que eu pensava que fosse.

LIÇÃO 145 - 25/05/2018

Minha mente só contém o que eu penso com Deus.

(129) Além desse mundo há  um mundo que eu quero.

(130) É impossível ver dois mundos.


LIÇÃO 144 - 24/05/2018

Minha mente contém só o que eu penso com Deus.

(127) Não há nenhum amor exceto o de Deus.
(128) O mundo que vejo não contém nada do que eu quero.

LIÇÃO 143 - 23/05/2018

Minha mente contém só o que eu penso com Deus.

(125) Em quietude recebo hoje o Verbo de Deus.
(126) Tudo o que dou é dado a mim mesmo.


LIÇÃO 142 - 22/05/2018

Minha mente contém só o que eu penso com Deus.

(123) Agradeço ao meu Pai por Suas dádivas para mim.
(124) Que eu me lembre que sou um com Deus.


REVISÃO IV

Introdução

1. Agora vamos revisar novamente, dessa vez cientes de que estamos nos preparando para a segunda parte do aprendizado que trata do modo como a verdade pode ser aplicada. Hoje, começaremos a nos concentrar em estarmos prontos para o que virá a seguir. Tal é o nosso objetivo nesta revisão e nas lições que se seguem. Assim, revisamos as lições recentes e os seus pensamentos centrais de tal modo que venha a facilitar o estado de prontidão que queremos conseguir agora.

2. Há um tema central que unifica cada passo na revisão que empreendemos e que pode ser declarado simplesmente nestas palavras:

Minha mente contém só o que eu penso com Deus.

Isso é um fato e representa a verdade do Que tu és e do Que é o teu Pai. É através deste pensamento que o Pai deu a criação ao Filho, estabelecendo o Filho como co-criador com Ele Mesmo. É esse pensamento que garante inteiramente a salvação para o Filho. Pois, na sua mente nenhum pensamento pode habitar, senão aqueles que seu Pai compartilha. A ausência do perdão bloqueia esse pensamento na tua consciência. No entanto, ele é verdadeiro para sempre.

3. Comecemos a nossa preparação com alguma compreensão das muitas formas nas quais a ausência do verdadeiro perdão pode ser cuidadosamente ocultada. Por serem ilusões, não são percebidas pelo que são: defesas que protegem os teus pensamentos que negam o perdão de serem vistos e reconhecidos. O seu propósito é mostrar-te alguma outra coisa e impedir a correção através de auto-enganos feitos para tomar o lugar da correção.

4. E, no entanto, a tua mente só contém o que pensas com Deus. Os teus auto-enganos não podem tomar o lugar da verdade. Assim como uma criança que joga um pedaço de pau no oceano não consegue mudar a subida e a descida das marés, o aquecimento da água pelo sol, o prateado da lua sobre ela à noite. Com isso em mente, iniciamos cada período de prática nesta revisão aprontando as nossas mentes para compreendermos as lições que lemos e vermos o significado que nos oferecem.

5. Começa cada dia com um tempo dedicado à preparação da tua mente para aprender o que cada ideia que revisares naquele dia pode te oferecer em liberdade e em paz. Abre a tua mente e limpa-a de todos os pensamentos que querem enganar, deixando apenas esse pensamento ocupá-la por inteiro e removendo o resto:

Minha mente contém só o que eu penso com Deus.

Cinco minutos com esse pensamento será o suficiente para estabelecer o dia de acordo com as linhas que Deus designou e para colocar a Sua Mente à cargo de todos os pensamentos que receberás naquele dia.

6. Eles não virão só de ti, pois todos serão compartilhados com Ele. E assim, cada um te trará a mensagem do Seu Amor e retornará a Ele com mensagens do teu. Deste modo, a comunhão com o Senhor dos anfitriões será tua, como a Sua Vontade determinou que seja. E à medida que Aquele que o completa se une a Ele, Ele se unirá a ti que estás completo quando te unes a ele e Ele a ti.

7. Após a tua preparação, apenas lê cada uma da duas ideias que te são designadas para revisão naquele dia. Em seguida, fecha os teus olhos e dize-as lentamente para ti mesmo. Não há nenhuma pressa agora, pois estás usando o tempo com o propósito para o qual ele foi destinado. Deixa que cada palavra brilhe com o significado que Deus lhe deu, tal como ela te foi dada através da sua Voz. Deixa que cada ideia que revisares naquele dia te dê a dádiva que Ele depositou nela para que tu a recebas Dele. E não estipularemos nenhum formato para a nossa prática, a não ser isso:

8. A cada hora do dia, traze à tua mente o pensamento com o qual o dia começou e passa com ele um momento quieto. Em seguida, repete as duas ideias que praticas naquele dia, sem pressa, com tempo suficiente para ver as dádivas que contêm para ti e deixa que sejam recebidas lá onde lhes foi designado estar.

9. Não acrescentamos nenhum outro pensamento, mas deixamos que estes sejam as mensagens que são. Não precisamos nada mais do que isso para nos dar felicidade e descanso, quietude sem fim, certeza perfeita e tudo o que é a Vontade do nosso Pai que recebamos como a herança que temos Dele. À medida que revisamos, encerraremos cada dia de prática como começamos, primeiro repetindo o pensamento que fez daquele dia uma ocasião especial de bênção e felicidade para nós, o qual através da nossa fé restabeleceu o mundo da escuridão à luz, da aflição à alegria, da dor à paz, do pecado à santidade.

10. Deus oferece agradecimentos a ti, que praticas assim o cumprimento do Seu Verbo. E, ao dar a tua mente às ideias do dia mais uma vez antes de dormir, a Sua gratidão te cerca na paz onde é a Vontade de Deus que estejas para sempre, a qual agora estás aprendendo a reivindicar mais uma vez como tua herança.


LIÇÃO 141 - 21/05/2018

Minha mente contém só o que eu penso com Deus.

(121) O perdão é a chave da felicidade.

(122) O perdão oferece tudo o que eu quero.


LIÇÃO 140 - 20/05/2018

Pode-se dizer que só a salvação cura.

1. "Cura" é uma palavra que não pode ser aplicada  a nenhum remédio que o mundo aceite como benéfico. O que o mundo percebe como terapêutico não passa de algo que fará com que o corpo esteja "melhor". Quando tenta curar a mente, não vê nenhuma separação entre ela e o corpo, onde pensa que a mente existe. Portanto, as suas formas de cura têm que substituir ilusão por ilusão. Uma crença na doença toma outra forma e assim o paciente agora percebe  a si mesmo como se estivesse bem.

2. Ele não está curado. Apenas teve um sonho de que estava doente e, no sonho achou uma fórmula mágica para fazê-lo sentir-se bem. Mas não despertou e assim a sua mente permanece exatamente como era antes, Ele não viu a luz que o despertaria e poria fim ao sonho. Os Seus sonhos felizes são arauto do despontar da verdade na mente. Eles conduzem do sono ao gentil despertar de modo que os sonhos desaparecem. E assim curam por toda a eternidade.

3. Os sonhos felizes que o Espírito Santo traz são diferentes do sonhar do mundo, nos quais pode-se apenas sonhar que se está acordado. Os sonhos que o perdão deixa a mente perceber não induzem a outra forma de sono, de modo que o sonhador passe a sonhar outro sonho. Os Seus sonhos felizes são arauto do despontar da verdade na mente. Eles conduzem do sono ao gentil despertar de modo que os sonhos desaparecem. E assim curam por toda a eternidade.

4. A Expiação cura com certeza e cura todas as doenças. Pois a mente que compreende que a doença não passa de um sonho, não se deixa enganar pelas formas que o sonho pode tomar. A doença não pode vir aonde a culpa está ausente, pois não passa de uma outra forma de culpa. A Expiação não cura os doentes, pois isso não é uma cura. Ela retira a culpa que faz com que a doença seja possível. E isso é, de fato, a cura. Pois agora a doença se foi e nada resta para que ela possa voltar.

5. Que a paz esteja contigo, que foste curado em Deus e não em sonhos vãos. Pois a cura tem que vir da santidade e a santidade não pode ser achada onde o pecado é apreciado. Deus habita em templos santos. Ele é barrado ali onde entrou o pecado. No entanto, não há lugar onde Ele não esteja. E assim, o pecado não pode ter nenhum lar o qual se esconder da Sua beneficência. Não há lugar onde a santidade não esteja e não há lugar onde pecado e a doença possam habitar.

6. Esse é o pensamento que cura. Ele não faz distinções entre irrealidades. E nem busca curar o que não está doente, sem ter em mente aonde está a necessidade da cura.  Isso não é mágica. Apenas um apelo a verdade, que não pode falhar em curar e curar para sempre. Não é um pensamento que julga uma ilusão por seu tamanho, sua aparente gravidade ou por algo relacionado à forma que tome. Meramente focaliza o que é e sabe que nenhuma ilusão pode ser real.

7. Não tentemos hoje buscar a cura do que não pode sofrer nenhuma doença. A cura tem que ser buscada aonde ela está e então aplicada ao que está doente, para que isso possa ser curado. Não há remédio que o mundo forneça que possa efetuar qualquer mudança em qualquer coisa. A mente que traz ilusões à verdade realmente mudou. Não há nenhuma mudança além dessa. Pois como pode uma ilusão ser diferente de outra, a não ser em atributos que não têm nenhum núcleo e nada que seja verdadeiramente diferente?

8. Hoje buscamos mudar as nossas mentes quanto à fonte da doença, pois buscamos uma cura para todas as ilusões e não mais uma variação entre elas. Hoje, tentaremos achar a fonte da cura que está em nossas mentes,  porque o nosso Pai lá a colocou para nós. Essa não  se acha mais distante de nós do que nós mesmos. Está tão próxima quanto os nossos próprios pensamentos, tão perto, que é impossível perdê-la. Precisamos apenas buscá-la e não pode deixar de ser achada.

9. Não seremos conduzidos equivocadamente hoje pelo que nos parece estar doente. Nesse dia vamos além das aparências e alcançamos a fonte da cura, da qual nada está isento. Teremos sucesso na medida em que reconhecermos que jamais poderá haver uma distinção significativa entre o que não é verdadeiro e o que é igualmente não verdadeiro. Não há graus aqui, nem crenças segundo as quais o que não existe é mais verdadeiro sob algumas formas do que outras. São todas falsas e podem ser curadas porque não são verdadeiras.

10. Assim deixamos de lado os nossos amuletos, nossos talismãs e medicamentos, nossos cânticos e truques mágicos, quaisquer que sejam a suas formas. Nós nos aquietaremos a Voz da cura, Que curará todos os males como um só restaurando a sanidade ao Filho de Deus. Nenhuma Voz senão Essa pode curar. Hoje, ouviremos uma única Voz Que nos fala da verdade em que todas as ilusões terminam e a paz retorna ao lar quieto e eterno de Deus.

11. Nós despertamos ouvindo-O e deixamos que Ele nos fale durante cinco minutos no início do dia, e terminamos o dia escutando-O mais uma vez durante cinco minutos antes de irmos dormir. A nossa única preparação é a de deixarmos de lado os nossos pensamentos que interferem, não separadamente, mas todos como um só. São o mesmo. Não temos necessidade de fazer com que sejam diferentes, protelando assim o momento em que podemos ouvir o nosso Pai nos falar. Estamos ouvindo-O agora. Hoje vimos a Ele.

12. Com nada nas mãos a que nos apegarmos, com os corações elevados e as mentes à escuta, oramos:

Pode-se dizer que só a salvação cura.
Fala conosco, Pai, para que possamos ser curados.

E sentiremos a salvação nos cobrir com suave proteção e com uma paz tão profunda que nenhuma ilusão pode perturbar as nossas mentes, nem oferecer-nos provas de que é real. É isso que aprenderemos hoje. E quando o relógio bater à cada hora, tomaremos um minuto para fazermos a nossa oração de cura e ouvir a resposta à nossa prece nos ser dada, enquanto esperamos no silêncio e na alegria. Esse é o dia em que a cura vem a nós. Esse é o dia em que a separação chega ao fim e nos lembramos Quem realmente somos.


LIÇÃO 139 - 19/05/2018

Aceitarei a Expiação para mim mesmo.

1. Eis o fim da escolha. Pois aqui vimos à decisão de nos aceitarmos tal como Deus nos criou. E o que é a escolha senão a incerteza do que somos? Não há nenhuma dúvida que não esteja enraizada aqui. Não há nenhuma questão que não reflita essa única. Não há nenhum conflito que não acarrete essa única pergunta simples. "O que sou eu?"

2. Mas quem poderia colocar essa questão a não ser aquele que se recusou a reconhecer a si mesmo? Só a recusa de aceitar a si mesmo poderia fazer a pergunta parecer sincera. A única coisa que qualquer coisa viva pode saber com toda a certeza é o que ela é. À partir deste único ponto de certeza, ela olha para as outras coisas com tanta certeza quanto tem de si mesma.

3. A incerteza a respeito do que não podes deixar de ser é um auto-engano numa escala tão vasta, que a sua magnitude dificilmente pode ser concebida. Estar vivo e não conhecer a si mesmo é creditar que tu estás realmente morto. Pois, o que é a vida, senão ser o que és e que outra coisa além de ti pode estar viva em teu lugar? Quem é aquele que duvida? De que ele duvida? A quem estará questionando? Quem pode lhe responder?

4. Ele está apenas declarando que não é ele mesmo e, assim, sendo outra coisa, torna-se um questionador do que vem a ser essa outra coisa. No entanto, jamais poderia estar vivo se não soubesse a resposta. Se pergunta, como se não soubesse, isso apenas mostra que ele não quer ser essa coisa que é. Ele aceitou porque está vivo, fez um julgamento contra ela, negou o seu valor e decidiu que não conhece a única certeza pela qual vive.

5. Assim, ele passa a estar incerto quanto à sua vida, pois o que ela é foi negado por ele. É por causa dessa negação que precisas da Expiação. A tua negação não fez nenhuma mudança no que és. Mas dividiste a tua mente entre o que conhece e o que não conhece a verdade. Tu és tu mesmo. Não há  dúvidas quanto a isso. E, no entanto, duvidas. Mas não perguntas que parte de ti realmente pode estar duvidando de ti mesmo. Na realidade, não pode ser uma parte de ti que coloca essa questão. Pois pergunta àquele que sabe a resposta. Se fosse parte de ti, a certeza impossível.

6. A Expiação remedia a estranha ideia de que é possível duvidar de ti mesmo e não ter certeza do que realmente és. Essa é a profundidade da loucura. No entanto, é a questão universal do mundo. O que isso pode significar, senão que o mundo é louco? Por que compartilhar da sua loucura na triste crença de que o que é universal aqui é verdadeiro?

7. Nada do que o mundo acredita é verdadeiro. É um lugar cujo propósito é o de ser um lar aonde aqueles que declaram não se conhecer podem vir perguntar o que são. E tornarão a vir até o momento em que a Expiação for aceita e aprenderem que é impossível duvidar de si mesmos e não estar cientes do que são.

8. A única coisa que pode ser pedida a ti é a aceitação, pois há certeza quanto ao que tu és. Isso é estabelecido para sempre na santa Mente de Deus e na tua própria. Está tão além de qualquer dúvida ou questionamento, que perguntar o que isso não pode deixar de ser, constitui a prova definitiva de que precisas para mostrar que acreditas na contradição de que não conheces o que não podes deixar de conhecer. Isso é uma pergunta ou uma declaração que nega a si mesma ao ser declarada? Não deixemos as nossas santas mentes ocuparem-se com devaneios tão sem sentido quanto esse.

9. Temos uma missão aqui. Não viemos para reforçar a loucura em que outrora acreditamos. Não nos esqueçamos da meta que aceitamos. Viemos para ganhar mais do que apenas a nossa felicidade. O que aceitamos como o que somos proclama o que todos não podem deixar de ser junto conosco. Não falhe junto aos teus irmãos ou falhas para contigo mesmo. Olha para eles com amor para que possam ter o conhecimento que são parte de ti e tu és parte deles.

10. É isso que a Expiação ensina e demonstra que a unicidade do Filho de Deus é inatacada pela sua crença, segundo a qual ele não sabe o que ele é. Hoje aceita a Expiação não para mudar a realidade, mas apenas para aceitar a verdade sobre ti e seguir o teu caminho alegrando-te no infinito Amor de Deus. É só isso o que nos é pedido. E é só isso que faremos hoje.

11.Reservaremos cinco minutos pela manhã e à noite para dedicar as nossas mentes à nossa tarefa para o dia de hoje. Começaremos com essa revisão do que é a nossa missão:

Aceitarei a Expiação para mim mesmo, pois continuo sendo tal como Deus me criou.

Não perdemos o conhecimento que Deus no deu quando nos criou como Ele próprio. Nós podemos nos lembrar disso por todas as pessoas, pois na criação todas as mentes são uma só. E na nossa memória está a lembrança do quanto os nossos irmãos são queridos para nós na verdade, do quanto cada mente é parte de nós, de quão fiéis eles realmente têm sido conosco e de como o Amor de nosso Pai contém todos eles.

12. Em agradecimento por toda a criação, em Nome do seu Criador e da Sua Unicidade com todos os aspectos da criação, hoje repetimos a nossa fidelidade à nossa causa a cada hora, deixando de lado todos os pensamentos que nos distrairiam do nosso objetivo santo. Por alguns  minutos, deixa que a tua mente seja desembaraçada de todas as tolas teias de aranha que o mundo quer tecer em torno do Filho santo de Deus. E aprende a natureza frágil das correntes que parecem manter o conhecimento de ti mesmo à parte da tua consciência ao dizeres:

Aceitarei a Expiação para mim mesmo, pois continuo sendo tal como Deus me criou.


LIÇÃO 138 - 18/05/2018

O Céu é a decisão que eu tenho que tomar.

1. Nesse mundo, o Céu é uma escolha porque aqui acreditamos que há alternativas entre as quais escolher. Pensamos que todas as coisas têm um oposto e que escolhemos aquilo que queremos. Se o Céu existe, também tem que haver um inferno, pois a contradição é o modo como fazemos o que percebemos e o que pensamos ser real.

2. A criação desconhece opostos. Mas aqui, a oposição é parte do que é "real". É essa estranha percepção da verdade que faz com que escolher o Céu pareça ser a mesma coisa que abandonar o inferno. Isso não é realmente assim. No entanto, o que é verdadeiro na criação de Deus não pode entrar aqui até que seja refletido de alguma forma que o mundo possa compreender. A verdade não pode vir aonde só poderia ser percebida com medo. Pois isso seria o erro de que a verdade pode ser trazida  às ilusões. A oposição faz com que a verdade não seja bem-vinda e ela não pode vir.

3. Escolher é obviamente o modo de escapar do que os opostos parecem ser. A decisão permite que uma das metas conflitantes venha a ser alvo do esforço e do dispêndio do tempo. Sem decisão, o tempo é apenas um desperdício e o esforço é dissipado. Gasto sem nenhum retorno, o tempo passa sem resultados. Não há nenhum senso de ganho, pois nada é realizado, nada é aprendido.

4. Tu precisas ser lembrado de que pensas que mil escolhas te confrontam, quando realmente há apenas uma. E mesmo essa, apenas parece ser uma escolha. Não te confundas com todas as dúvidas que milhares de decisões iriam induzir. Só fazes uma escolha. E, uma vez feita, perceberás que não havia absolutamente nenhuma. Pois a verdade é verdadeira e nada mais é verdadeiro. Não há nenhum oposto a ser escolhido em seu lugar. Não há nenhuma contradição para a verdade.

5. A escolha depende do aprendizado. E a verdade não pode ser aprendida, só reconhecida. A sua aceitação está em reconhecê-la e ao ser aceita, ela é conhecida. Mas o conhecimento está além das metas que buscamos ensinar no escopo deste curso. As nossas são metas de ensino a serem atingidas através do aprendizado de como é possível alcançá-las, do que são e do que te oferecem. As decisões são o resultado do teu aprendizado, pois se baseiam no que aceitaste como a verdade do que és e de quais são as tuas necessidades.

6. Nesse mundo insanamente complicado, o Céu parece tomar a forma de uma escolha ao invés de ser simplesmente o que é. De todas as escolhas que tentaste fazer, essa é a mais simples, a mais definitiva e o protótipo de todo o resto; aquela que resolve todas as decisões. Se pudesses decidir o resto, essa permaneceria sem solução. Mas, ao resolvê-la, todas as outras são resolvidas com ela, pois todas as decisões apenas única e final em que a verdade é aceita ou negada.

7. Assim, hoje começamos considerando a escolha para a qual o tempo foi feito a fim de nos ajudar a fazê-la. Tal é o seu propósito santo, agora transformado, pois não tem mais a intenção que tu lhe deste: de que fosse um meio para demonstrar que o inferno é real, que a esperança vem a ser desespero e que a própria vida, no fim, não pode deixar de ser vencida pela morte. Só na morte é possível dar solução aos opostos, pois acabar com as oposições é morrer. E, assim, a salvação tem que ser vista como morte, pois a vida é vista como conflito. Resolver o conflito é pôr um fim à tua vida também.

8. Essas crenças loucas podem ganhar um domínio inconsciente de grande intensidade e a mente pode ser tomada por um terror e uma ansiedade tão fortes que ela não renunciará às suas ideias sobre a sua própria proteção. Ela tem que ser salva da salvação, ameaçada para estar segura e magicamente armada contra a verdade. E essas decisões são feitas sem que se esteja ciente, a fim de mantê-las em segurança e sem que se esteja ciente, a fim de mantê-las em segurança e sem perturbações, à parte do questionamento, da razão e da dúvida.

9. O Céu é escolhido conscientemente. A escolha não pode ser feita enquanto as alternativas não forem cuidadosamente vistas e compreendidas. Tudo o que está velado nas sombras tem que ser erguido à compreensão, para ser novamente julgado e, dessa vez, com o auxílio do Céu. E todos os equívocos de julgamento que a mente tenha cometido antes são abertos à correção, à medida em que a verdade os descarta por carecerem de causa. Agora não têm efeitos. Não podem ser ocultados, pois o fato de que eles não são nada é reconhecido.

10. A escolha consciente do Céu é tão certa quanto o fim do medo do inferno, quando esse é retirado do escudo protetor da inconsciência e é trazido à luz. Quem pode decidir entre o que é visto claramente e o que não é reconhecido? No entanto, quem pode falhar em fazer uma escolha entre alternativas, se apenas uma é vista como valiosa e a outra como uma coisa inteiramente sem valor, que não passa de uma fonte imaginária de culpa e dor? Quem hesita em fazer uma escolha como essa? E nós hesitaremos em escolher hoje?

11. Escolhemos o Céu ao acordarmos e passamos cinco minutos nos assegurando de que fizemos a única escolha sã. Reconhecemos que estamos fazendo uma escolha consciente entre o que tem existência e o que nada tem, a não ser uma aparência de verdade. O seu pseudo-ser, ao ser trazido ao que é real, mostra-se inconsistente e transparente na luz. Agora, ele não contém nenhum terror, pois o que foi feito para ser enorme, vingativo, impiedoso por estar cheio de ódio, exige a obscuridade para que o medo possa ser investido nele. Agora, é reconhecido como apenas um equívoco tolo e trivial.

12. Antes de fecharmos os olhos para dormir essa noite, reafirmamos a escolha que temos feito a cada hora do dia. E agora damos os últimos cinco minutos do nosso dia à decisão com a qual acordamos. A cada hora que passou, declaramos mais uma vez a nossa escolha num breve momento de quietude dedicado a manter a sanidade. E, finalmente, encerramos o dia com isso, reconhecendo que só escolhemos o que queremos:

O Céu é a decisão que eu tenho que tomar. Vou tomá-la agora e não mudarei a minha mente, pois é a única coisa que eu quero.


LIÇÃO 137 - 17/05/2018

Quando sou curado, não sou curado sozinho.

1. A ideia de hoje continua sendo o pensamento central em que se baseia a salvação. Pois a cura é o oposto de todas as ideias do mundo que se fixam na doença e em estados separados. A doença é um afastamento dos outros, um fechamento contra a união. Vem a ser uma porta que se fecha sobre um ser separado e o mantém isolado e sozinho.

2. A doença é isolamento. Parece manter um ser à parte de todos os demais para sofrer o que os outros não sentem. Dá ao corpo o poder final para fazer com que a separação seja real e manter a mente em uma prisão solitária, dividida ao meio e mantida em pedaços por uma sólida parede de carne doente que ela não pode superar.

3. O mundo obedece às leis que a doença serve, mas a cura opera à parte delas. É impossível que alguém seja curado sozinho. Na doença a pessoa tem que estar à parte e separada. Mas a cura é a própria decisão de ser uno novamente e de aceitar o próprio Ser com todas as suas partes intactas e incólumes. Na doença, o Ser parece estar desmembrado e sem a unidade que Lhe dá vida. Mas a cura é realizada quando a pessoa vê que o corpo não tem poder de atacar a unicidade universal do Filho de Deus.

4. A doença quer provar que as mentiras têm que ser a verdade. Mas a cura demonstra que a verdade é verdadeira. A separação que a doença quer impor nunca ocorreu realmente. Ser curado é apenas aceitar o que sempre foi a simples verdade e sempre permanecerá exatamente tal como sempre foi. No entanto, é necessário mostrar aos olhos acostumados às ilusões que o que contemplam é falso. Assim a cura, que nunca foi necessária à verdade, tem que demonstrar que a doença não é real.

5. Portanto, a cura poderia ser chamada de um "contra-sonho" que cancela o sonho da doença em nome da verdade, mas não na verdade em si mesma. Assim como o perdão não vê todos os pecados que nunca foram cometidos, a cura apenas remove as ilusões que nunca ocorreram. Assim como o mundo real surgirá para ocupar o lugar daquilo que absolutamente nunca foi, a cura apenas oferece uma reparação pelos estados imaginários e as falsas ideias que os sonhos bordam em retratos da verdade.

6. Mas não penses que a cura não seja digna da tua função aqui. Pois o anti-Cristo passa a ser mais poderoso do que o Cristo para aqueles que sonham que o mundo é real. O corpo parece ser mais sólido e mais estável do que a mente. E o amor vem a ser um sonho, enquanto o medo permanece a única realidade que pode ser vista, justificada e inteiramente compreendida.

7. Da mesma forma que o perdão ofusca todo pecado e o mundo real virá a ocupar o lugar do que fizeste, a cura tem que substituir as fantasias de doenças que manténs diante da simples verdade. Quando se tiver visto que a doença desapareceu, apesar de todas as leis que asseguram que ela não pode deixar de ser real, as perguntas terão sido respondidas. E as leis não mais poderão ser apreciadas nem obedecidas.

8. A cura é liberdade. Demonstra que os sonhos não prevalecerão contra a verdade. A cura é compartilhada. E, por esse atributo, prova que as leis que não são como aquelas que asseveram que a doença é inevitável são mais poderosas do que os seus opostos doentios. A cura é força. Pela sua mão gentil a fraqueza é superada e as mente que se achavam emparedadas no interior de um corpo são postas em liberdade para unirem-se a outras mente e para serem eternamente fortes.

9. A cura, o perdão e a feliz troca de todo o mundo de pesares por um mundo em que a tristeza não pode entrar, são os meios pelos quais o Espírito Santo te pede insistentemente para que O sigas. As Suas lições gentis ensinam com que facilidade a salvação pode ser tua, quão pouca prática precisas empreender para deixar que as Suas leis substituam aquelas que fizeste para continuares sendo um prisioneiro da morte. A Sua vida vem a ser a tua assim que tu Lhe estendes a pouca ajuda que Ele pede para libertar-te de tudo o que jamais te causou dor.

10. E, ao te deixares curar, vês todos aqueles à tua volta ou aqueles que passam pela tua mente ou aqueles em quem tocas ou com quem pareces não ter contato, todos curados junto contigo. Talvez não os reconheças a todos, nem te dês conta do quanto é grande o teu oferecimento ao mundo inteiro, quando deixas a cura vir a ti. Mas nunca és curado sozinho. E legiões e legiões receberão a dádiva que recebes quando és curado.

11. Aqueles que são curados vêm a ser os instrumentos da cura. E nenhum tempo passa entre o instante em que são curados e o instante em que toda a graça da cura lhes é dada para dar. Aquilo que se opõe a Deus não existe e aquele que não aceita isso em sua mente vem a ser o porto aonde os fatigados podem permanecer para descansar. Pois aqui a verdade lhes é concedida e todas as ilusões são trazidas à verdade.

12. Tu não oferecerias abrigo à Vontade de Deus? Com isso apenas convidas o teu Ser a estar em casa. E pode esse convite ser recusado? Pede que o inevitável aconteça e nunca falharás. A outra escolha é apenas a de pedir ao que não pode ser para que seja e isso não pode ter sucesso. Hoje, pedimos que só a verdade venha a ocupar as nossas mente, que nesse dia os pensamentos de cura passem daquilo que está curado àquilo que ainda precisa sê-lo, cientes de que ambas as coisas ocorrerão como uma só.

13. Lembrar-nos-emos, ao soar de cada hora, de que a nossa função é a de deixar que as nossas mentes sejam curadas para que possamos levar a cura ao mundo, trocando a maldição pela benção, a dor pela alegria e a separação pela paz de Deus. Não vale a pena dar um minuto de cada hora para receber uma dádiva como essa? Um pouco de tempo não é um custo pequeno a ser oferecido pela dádiva de tudo?

14. Entretanto, é necessário que estejamos preparados para tal dádiva. Assim, iniciaremos o dia com isso, dando dez minutos a estes pensamentos, com os quais também concluiremos à noite:

Quando sou curado, não sou curado sozinho. E quero compartilhar minha cura com o mundo para que a doença possa ser banida da mente do Filho único de Deus, que é o meu único Ser.

15. Permite que a cura se dê através de ti nesse dia mesmo. E enquanto descansas em quietude, estejas preparado para dar assim como recebes, para só guardar o que dás e receber o Verbo de Deus para que ele tome o lugar de todos os tolos pensamentos que jamais formam imaginados. Nós nos reunimos agora para fazer com que tudo que estava doente fique bom e para oferecer a bênção aonde havia ataque. E tampouco deixaremos que essa função seja esquecida à medida em que passa cada hora do dia, lembrando-nos do nosso propósito com esse pensamento:

Quando sou curado, não sou curado sozinho. E quero abençoar os meus irmãos, pois quero ser curado com eles assim como são curados comigo.


LIÇÃO 136 - 16/05/2018

A doença é uma defesa contra a verdade.

1. Ninguém pode curar a menos que compreenda a que propósito a doença parece servir. Pois só então compreende também que o seu propósito não tem significado. Não tendo causa ou qualquer intenção significativa, a doença não pode existir de forma alguma. Uma vez que isso é visto, a cura é automática. Ela dissipa todas as ilusões à verdade e simplesmente as deixa lá para que desapareçam.

2. A doença não é um acidente. Como todas as defesas, é um instrumento insano para o auto-engano. E como todas as demais, o seu propósito é esconder a realidade. Atacá-la, modificá-la, torná-la inepta, deturpá-la, distorcê-la ou reduzí-la a uma pequena pilha de partes desagrupadas. O objetivo de todas as defesas é o de impedir que a verdade seja íntegra. As partes são vistas como se cada uma fosse íntegra dentro de si mesma.

3. As defesa não são involuntárias, nem são feitas sem consciência. São varas de condão mágicas e secretas que manipulas quando a verdade parece ameaçar aquilo em que queres acreditar. Só parecem ser inconscientes por causa da rapidez com que escolhes usá-las. Naquele segundo, ou até menos, em que a escolha é feita, reconheces exatamente o que queres tentar fazer e passas, então, a pensar que já está feito.

4. Quem mais, senão tu mesmo, avalia a ameaça, decide que é necessário escapar e estabelece uma série de defesas para reduzir a ameaça que foi julgada real? Tudo isso não pode ser feito inconscientemente. Mas depois o teu plano requer que esqueças tua própria intenção, um acontecimento além do teu estado mental, um resultado com efeitos reais sobre ti, ao invés de efetuado por ti mesmo.

5. É esse rápido esquecimento do papel que desempenhas em fazer a tua "realidade" que faz com que as defesas pareçam estar além do teu próprio controle. Mas o que tens esquecido pode ser lembrado, se estiveres disposto a reconsiderar a decisão duplamente oculta pelo esquecimento. Não lembrar-te disso é apenas um sinal de que essa decisão ainda está em vigor no que concerne aos teus desejos. Não te equivoques a esse respeito, tomando isso por fato. As defesas não podem deixar de fazer com que os fatos sejam irreconhecíveis. É o seu objetivo ao fazer isso e é o que fazem.

6. Toda defesa toma os fragmentos do todo, reúne-os sem considerar todos os seus relacionamentos verdadeiros e assim constrói ilusões de um todo que não existe. É esse processo que constitui a ameaça e não qualquer resultado que possa vir em decorrência. Quando as partes são arrancadas do todo, vistas como separadas e íntegras em si mesmas, vêm a ser símbolos que representam o ataque ao todo; seu efeito é bem-sucedido e elas jamais serão vistas como um todo novamente. E, no entanto, tu esqueceste que representam apenas a tua própria decisão do que deveria ser real para tomar o lugar do que é real.

7. A doença é uma decisão. Não é uma coisa que te acontece, que absolutamente não buscaste, que faz com que fiques fraco e te traz sofrimento. É uma escolha que fazes, um plano que traças quando por um instante a verdade surge na tua mente iludida e todo o teu mundo parece vacilar e se preparar para cair. Agora estás doente, para que a verdade possa ir embora e parar de ameaçar aquilo que estabeleceste.

8. Como pensas que a doença pode ter sucesso em proteger-te da verdade? Porque ela prova que o corpo não é separado de ti e assim tens que estar separado da verdade. Sofres dor porque o corpo sofre e nessa dor te fazes um com ele. Assim, a tua "verdadeira" identidade é preservada e o estranho pensamento que te persegue de que possas ser algo além desse pequeno monte de pó é silenciado e pára. Pois vejas, esse pó pode fazer-te sofrer, torcer os teus membros e parar o teu coração, ordenando-te que morras e deixes de ser.

9.Assim o corpo é mais forte do que a verdade que te pede que vivas, mas que não pode superar a tua escolha de morrer. E, desse modo, o corpo é mais poderoso do que a vida eterna, o Céu mais frágil do que o inferno e ao desígnio de Deus para a salvação do Seu Filho se opõe uma decisão mais forte do que a Sua Vontade. O Filho de Deus é pó, o Pai incompleto e o caos senta-se em triunfo no trono de Deus.

10. Tal é o teu plano para a tua própria defesa. E acreditas que o Céu recua diante de ataques loucos como esses, que Deus se torna cego pelas tuas ilusões, que a verdade é transformada em mentiras e que todo o universo é feito escravo de leis que as tuas defesas querem lhe impor. Mas quem acredita em ilusões, senão aqueles que as inventou? Quem mais pode vê-las e reagir a elas como se fossem a verdade?

11. Deus desconhece os teus planos para mudar a Sua Vontade. O universo continua a não ver as leis com as quais pensavas governá-lo. E o Céu não se curvou ao inferno, nem a vida à morte. Tu só podes escolher pensar que morres, sofres doenças ou deturpas a verdade de qualquer forma que seja. O que foi criado está à parte de tudo isso. Defesas são planos para derrotar o que não pode ser atacado. O que é inalterável não pode mudar. E o que é totalmente impecável não pode pecar.

12. Tal é a simples verdade. Ela não faz apelos para o poder ou para o triunfo. Não ordena a obediência, nem busca provar quão deploráveis e fúteis são as tuas tentativas de planejar defesas que querem alterá-la. A verdade quer apenas te dar felicidade, pois tal é o seu propósito. Talvez ela suspire um pouco quando jogas fora as suas dádivas, mas sabe, com perfeita certeza, que aquilo que é a Vontade de Deus para ti tem que ser recebido.

13. É esse fato que demonstra que o tempo é uma ilusão. Pois o tempo permite que penses que o que Deus tem te dado não é a verdade agora, como tem que ser. Os Pensamentos de Deus estão bem à parte do tempo. Pois o tempo não passa de mais uma defesa sem sentido que fizeste contra a verdade. No entanto, o que é a Sua Vontade está aqui e tu permaneces tal como Ele te criou.

14. A verdade tem um poder que vai muito além das defesas, pois nenhuma ilusão pode permanecer onde foi permitido à verdade entrar. E ela vem a cada mente que queira abaixar as armas e parar de brincar com a loucura. Ela pode ser encontrada em qualquer momento, hoje, se escolheres praticar dar boas-vindas à verdade.

15. Esse é o nosso objetivo hoje. E daremos duas vezes quinze minutos para pedir à verdade que venha a nós e nos liberte. E a verdade virá, pois nunca esteve à parte de nós. Ela espera apenas esse convite que lhe fazemos hoje. Nós a introduzimos através de uma prece de cura, para que nos ajude a erguermo-nos acima da defensividade e a deixamos a verdade ser como sempre foi:

A doença é uma defesa contra a verdade. Aceitarei a verdade do que sou, e hoje deixarei minha mente ser totalmente curada.

16. A cura brilhará através da tua mente aberta, à medida que a paz e a verdade surgirem para tomar o lugar da guerra e das imaginações vãs. Não haverão cantos escuros que a doença possa ocultar e manter defendidos da luz da verdade. Não haverão mais figura vagas procedentes dos teus sonhos, nem tampouco as perseguições obscuras e sem significado com seus propósitos duplos que são buscados de forma insana; nada disso permanecerá na tua mente. A tua mente será curada de todos os desejos doentios que tentou autorizar o corpo a obedecer.

17. Agora o corpo está curado, porque a fonte da doença foi aberta para o alívio. E reconhecerás que praticaste bem por isso: o corpo não deve sentir nada. Se tiveres tido êxito, não haverá nenhuma sensação de mal ou bem-estar, de dor ou de prazer. Não há absolutamente nenhuma resposta na mente para o que o corpo faz. Só a sua utilidade permanece e nada mais.

18. Talvez não reconheças que isso remove os limites que havias imposto ao corpo através dos propósitos que lhe deste. Ao deixares esse propósitos de lado, a força que o corpo tem será sempre suficiente para servir a todos os propósitos verdadeiramente úteis. A saúde do corpo está inteiramente garantida, pois não é limitada pelo tempo, pelo clima ou pelo cansaço; pela comida ou pela bebida ou por qualquer lei que o tenhas feito obedecer anteriormente. Agora não precisas fazer nada para deixá-lo bem, pois a doença veio a ser impossível.

19. Mas essa proteção necessita ser preservada por uma vigilância cuidadosa. Se deixares a tua mente nutrir pensamentos de ataque, ceder ao julgamento ou fazer planos contra as incertezas porvir, mais uma vez terás posto a ti mesmo no lugar errado e feito um identidade corporal que atacará o corpo, pois a mente está doente.

20. Dá-lhe remédio imediato se isso ocorrer, não deixando que a tua defensividade te fira mais. Não confundas o que tem que ser curado, mas dize a ti mesmo:

Esqueci-me do que realmente sou, pois confundi o meu corpo comigo mesmo. A doença é uma defesa contra a verdade. Mas eu não sou um corpo. E a minha mente não pode atacar. Portanto, não posso estar doente.

LIÇÃO 135 - 15/05/2018

Se eu me defendo, sou atacado.

1. Quem se defenderia a menos que pensasse que foi atacado, que o ataque foi real e que a sua própria defesa poderia salvá-lo? E nisso está a loucura da defesa: dá plena realidade à ilusões e depois tenta lidar com elas como se fossem reais. Acrescenta ilusões às ilusões, assim fazendo com que a correção seja duplamente difícil. É isso que fazes quando tentas planejar o futuro, ativar o passado ou organizar o presente como desejas.

2. Tu operas a partir da crença em que tens que te proteger do que está acontecendo, porque algo ali não pode deixar de conter o que te ameaça. Um senso de ameaça é um reconhecimento de uma fraqueza inerente, uma crença segundo a qual há um perigo que tem o poder de convocar-te para fazer uma defesa apropriada. O mundo está baseado nessa crença insana. E todas as suas estruturas, os seus pensamentos e dúvidas, as suas penalidades e armamentos pesados, as suas definições legais e o seus códigos, a sua ética, os seus líderes e os seus deuses, tudo serve apenas para preservar o senso de ameaça do mundo. Pois ninguém caminha pelo mundo em uma armadura sem que o terror esteja golpeando-lhe o coração.

3. A defesa é assustadora. Brota do medo, o qual aumenta a cada vez que uma defesa é feita. Pensas que ela oferece segurança. No entanto, ela fala do medo que se faz real e do terror justificado. Não é estranho que ao elaborares os teus planos, fortaleceres a tua armadura e apertares as tuas fechaduras, não pares para perguntar a ti mesmo o que estás defendendo, e como, e contra o quê?

4. Primeiro, vamos considerar o que defendes. Não pode deixar de ser algo muito fraco, fácil de ser assaltado. Não pode deixar de ser uma presa fácil, incapaz de se proteger e que precisa da tua defesa. O que mais, senão o corpo, tem tal fragilidade que necessita de cuidados constantes e atentos, de uma preocupação profunda para proteger a sua pequena vida? O que mais, senão o corpo, vacila e não pode deixar de falhar em servir ao Filho de Deus como um digno anfitrião?

5. No entanto, não é o corpo que pode ter medo, nem ser um objeto do medo. Ele não tem necessidades, senão aquelas que tu lhe atribuis. Não precisa de estruturas complicadas para a sua defesa, de medicamentos para torná-lo saudável, de absolutamente nenhum cuidado e nenhuma preocupação. Defende a sua vida, ou oferecer-lhe dádivas para fazer com que fique bonito ou muros para colocá-lo a salvo, e estarás dizendo que o teu lar está aberto ao assalto do tempo, que é corruptível, que está desmoronando, que é inseguro ao ponto de precisar ser guardado com a tua própria vida.

6. Esse retrato não é amedrontador? Podes estar em paz com tal conceito acerca do teu lar. E, no entanto, quem dotou o corpo com o direito de servir-te dessa forma senão a tua própria crença? Foi a tua mente que deu ao corpo todas as funções que vês nele e que estabeleceu o seu valor bem além de um pequeno monte de pó e água. Quem defenderia algo que reconhecesse ser assim?

7. O corpo não precisa de nenhuma defesa. Nunca é demais enfatizar isso. Ele será forte e saudável se a mente não abusar dele, conferindo-lhe papéis que ele não pode cumprir, propósitos além do seu alcance e objetivos exaltados que não pode realizar. Tais tentativas, ridículas mas profundamente apreciadas, são as fontes de muitos dos teus ataques loucos contra ele. Pois ele parece desapontar as tuas esperanças, as tuas necessidades, teus valores e teus sonhos.

8. O "ser" que precisa de proteção não é real. O corpo, que não tem valor e dificilmente merece a menor defesa, precisa apenas ser percebido como algo bem à parte de ti e aí vem a ser um instrumento saudável e útil, através do qual a mente pode operar até que a sua utilidade chegue ao fim. Quem desejaria conservá-lo quando a sua utilidade tiver terminado?

9. Defende o corpo e terás atacado a tua mente. Pois terás visto nela os defeitos, as fraquezas, as limitações e as falhas das quais pensas que o corpo tem que ser salvo. Não verás a mente como algo separado das condições do corpo. E imporás a ele toda a dor que vem da concepção da mente como limitada e frágil, à parte das outras mentes e separada de sua Fonte.

10. Esses são só pensamentos que precisam de cura e o corpo responderá com saúde quando tiverem sido corrigidos e substituídos pela verdade. Essa é a única defesa real do corpo. Mas, é aqui que procuras a sua defesa? Tu lhe ofereces um tipo de proteção do qual ele não ganha nenhum benefício, apenas acrescenta à aflição da tua mente. Não curas, apenas eliminas a esperança da cura, pois falhas em ver aonde a esperança tem que estar para ser significativa.

11. A mente curada não faz planos. Executa os planos que recebe ouvindo a Sabedoria que não lhe é própria. Espera até que lhe seja ensinado o que deve ser feito e, então, começa a fazê-lo. Não depende de si mesma para coisa alguma, a não ser para a sua adequação em cumprir os planos que foram designados para ela. É segura na certeza de que obstáculos não podem impedir o seu progresso em realizar qualquer uma das metas que servem ao plano maior estabelecido para o bem de todos.

12. A mente curada está livre da crença de quem tem que fazer planos, mesmo sem poder saber qual o melhor resultado, quais os meios para consegui-los, ou como reconhecer o problema que o plano pretende solucionar. Ela tem que fazer um uso equivocado do corpo nos seus planos até que reconheça que isso é assim. Mas, quando aceita isso como verdadeiro, então está curada e libera o corpo.

13. A escravidão do corpo aos planos que a mente não-curada estabelece para salvar-se tem que fazer o corpo adoecer. Ele não está livre para ser o meio de ajudar em um plano que excede em muito a sua própria proteção e que precisa dos seus serviços por pouco tempo. Nesta capacidade, a saúde é assegurada. Pois tudo o que a mente emprega para isso funcionará perfeitamente, com a força que lhe foi dada e não pode falhar.

14. Talvez não seja fácil perceber que planos iniciados por nós mesmos não passam de defesas e todos foram feitos para realizar esse propósito. São o meio pelo qual a mente assustada quer empreender a sua própria proteção, ao custo da verdade. Isso não é difícil de reconhecer em algumas das formas que toma o auto-engano, em que a negação da realidade é bem óbvia. No entanto, fazer planos não é frequentemente reconhecido como uma defesa.

15. A mente engajada em fazer planos para si mesma está ocupada em estabelecer um controle sobre acontecimentos futuros. Ela não pensa que as suas necessidades serão providas, a menos que  faça as suas próprias provisões. O tempo vem a ser uma ênfase no futuro, a ser controlado pelo aprendizado e pela experiência obtida em eventos passados e em crenças anteriores. Ela não vê o presente, pois repousa sobre a ideia de que o passado ensinou o suficiente para deixá-la dirigir o seu curso futuro.

16. A mente que planeja está, assim, recusando-se a permitir a mudança. Aquilo que aprendeu antes vem a ser a base para as suas metas futuras. A sua experiência passada dirige a sua escolha do que irá acontecer. E não vê que é aqui e agora que está tudo o que precisa para garantir um futuro que não é como o passado, sem a continuidade de qualquer uma das velhas ideias e crenças doentias. A antecipação não desempenha nenhum papel, pois a confiança presente dirige o caminho.

17. Defesas são os planos que empreendes contra a verdade. O seu objetivo é o de solucionar o que aprovas, e de ignorar o que consideras incompatível com as tuas crenças a respeito da tua realidade. Mas, o que fica é, de fato, sem significado. Pois a tua realidade é a "ameaça" que as tuas defesas querem atacar, obscurecer, fragmentar e crucificar.

18. O que deixarias de aceitar se apenas soubesses que tudo o que acontece, todos os eventos, passados, presentes e por vir, são gentilmente planejados por Aquele Cujo único propósito é o teu bem? Talvez tenhas entendido o Seu plano de forma equivocada, pois Ele nunca te ofereceria dor. Mas as tuas defesas não te deixaram ver a Sua bênção amorosa brilhando em cada passo que jamais deste. Enquanto fazias planos para a morte, Ele te conduzia gentilmente para a vida eterna.

19. A tua atual confiança Nele é a defesa que promete um futuro imperturbado, sem nenhum traço de pesar e com uma alegria que cresce constantemente, enquanto essa vida vem  ser um instante santo, estabelecido no tempo, mas ocupado apenas com a imortalidade. Não deixes que outras defesas senão a tua atual confiança dirija o futuro, e essa vida vem a ser um encontro significativo com a verdade que só as tuas defesas poderiam querer ocultar.

20. Sem defesas, tu vens a ser uma luz que o Céu, com gratidão reconhece como a sua própria luz. Ela te conduzirá pelos caminhos designados para a tua felicidade de acordo com o antigo plano, que começou com o início dos tempos. Os teus seguidores unirão as suas luzes à tua e ela aumentará até que o mundo seja iluminado com alegria. E os nossos irmão, com contentamento , deixarão de lado as suas incômodas defesas, que em nada lhes foram úteis e só podiam aterrorizar.

21. Vamos antecipar esse momento hoje, com confiança presente, pois isso faz parte do que foi planejado para nós. Estaremos certos de que  tudo o que precisamos nos é dado para a nossa realização no dia de hoje. Não vamos planejar como será feito, mas reconhecemos que o fato de nos despojarmos de todas as nossas defesas é tudo o que é preciso para que a verdade desponte com certeza sobre as nossas mentes.

22. Durante quinze minutos, duas vezes hoje, vamos descansar de planejamentos sem sentido e de todo pensamento que impede a verdade de penetrar nas nossas mentes. Hoje vamos receber ao invés de planejar, para que possamos dar ao invés de organizar. E algo nos é dado verdadeiramente ao dizermos:

Se eu me defendo, sou atacado. Mas despojando-me de todas as defesas serei forte, e aprenderei o que as minhas defesas escondem.

23. Nada mais do que isso. Se houver planos a serem feitos, eles te serão comunicados. Talvez não sejam os planos que pensavas serem necessários, ou as respostas para os problemas que pensavas estar enfrentando. Mas são respostas para um outro tipo de pergunta, que permanece sem resposta e precisa ser respondida até que a Resposta enfim venha a ti.

24. Todas as tuas defesas têm tido como objetivo não receber o que receberás hoje. E na luz e na alegria da simples confiança, não poderás deixar de perguntar a ti mesmo por que razão jamais chegaste a pensar que precisavas ser defendido da liberação. O Céu nada pede. É o inferno que faz exigências extravagantes de sacrifício. Tu não estás desistindo de nada nestes momentos de hoje quando te apresentas indefeso ao teu Criador, tal como realmente és.

25. Ele lembrou-Se de ti. Hoje nos lembraremos Dele. Pois esse é o momento da Páscoa na tua salvação. E tu te erguerás novamente do que parecia ser morte e desesperança. Agora a luz da esperança renasce em ti, pois agora vens sem defesas para aprender o papel que te compete no plano de Deus. Que pequenos planos ou crenças mágicas ainda podem ter valor, quando recebeste a tua função da Voz do próprio Deus?

26. Tenta não moldar esse dia como acreditas ser mais benéfico para ti. Pois não podes conceber toda a felicidade que vem a ti sem o teu planejamento. Aprende hoje. E o mundo inteiro dará esse passo gigantesco e celebrará a tua Páscoa contigo. Ao longo do dia à medida que pequenas coisas tolas surgirem para erguer a tua defensividade e para te tentar a te engajares em tecer planos, lembra-te que esse é um dia especial para o aprendizado e reconhece isso com o seguinte:

Essa é a minha Páscoa. Quero mantê-la santa. Não me defenderei porque o Filho de Deus não precisa de nenhuma defesa contra a verdade da sua realidade.



LIÇÃO 134 - 14/05/2018

Que eu perceba o perdão tal como é.

1. Revisemos o significado do "perdão", pois esse pode ser distorcido e percebido como algo que implica o sacrifício indevido de uma ira justa, uma dádiva injustificada e imerecida e a negação completa da verdade. Sob esse ponto de vista, o perdão tem que ser visto como uma mera loucura excêntrica e esse curso parece basear a salvação num capricho.

2. Essa perspectiva distorcida do que significa o perdão é facilmente corrigida quando podes aceitar o fato de que o perdão não é pedido para o que é verdadeiro. Ele tem que se limitar ao que é falso. É irrelevante em relação a tudo, exceto ilusões. A verdade é  a criação de Deus e perdoá-la nada significa. Toda a verdade pertence a Ele, reflete as Suas leis e irradia o Seu Amor. E isso precisa de perdão? como podes perdoar àqueles que não têm pecado e que são eternamente benignos?

3. A tua principal dificuldade em achar um perdão genuíno da tua parte é que ainda acreditas ter que perdoar a verdade e não ilusões. Concebes o perdão como uma vã tentativa de passar por cima do que existe, ignorar a verdade num esforço injustificado de enganar-te fazendo com que uma ilusão seja verdadeira. Esse ponto-de-vista distorcido reflete apenas o domínio que a ideia do pecado ainda tem sobre a tua mente, do modo como tu te consideras.

4. Por acreditares que os teus pecados são reais, olhas para o perdão como um engano. Pois é impossível pensar que o pecado é verdadeiro e não acreditar que o perdão é uma mentira. Assim realmente o perdão não passa de um pecado, como todo o resto. Ele diz que a verdade é falsa e sorri para os corruptos como se fossem tão irrepreensíveis quanto a grama, tão brancos quanto a neve. Ele é delusório naquilo que pensa poder realizar. Ele quer ver o que é claramente errado como certo, o desprezível como bom.

5. Desse ponto de vista, o perdão não é um modo de escapar. É apenas mais um sinal de que o pecado é imperdoável; na melhor das hipóteses a ser escondido, negado ou chamado por outro nome, pois o perdão é uma traição à verdade. A culpa não pode ser perdoada. Se pecas, a tua culpa é eterna. Aqueles que forem perdoados a partir do ponto de vista de que os seus pecados são reais; são deploravelmente ridicularizados e duplamente condenados; primeiro, por si mesmos. pelo que pensam terem feito e mais uma vez por aqueles que perdoam.

6. É a irrealidade do pecado que faz com que o perdão seja natural e totalmente são, um profundo alívio para aqueles que oferecem e uma bênção serena aonde é recebido. Ele não favorece ilusões, apenas as recolhe despreocupadamente, com um pequeno sorriso e as deposita gentilmente aos pés da verdade. E lá elas desaparecem por completo.

7. O perdão é a única coisa que representa a verdade nas ilusões do mundo. Ele vé a sua nulidade e olha através das milhares de formas nas quais podem aparecer. Ele olha a mentira, mas não é enganado. Não atende aos gritos auto-acusadores de pecadores enlouquecidos pela culpa. Ele olha para eles com olhos serenos e lhes diz apenas: "Meu irmão, o que pensas não é verdade."

8. A força do perdão está na honestidade que lhe é própria, tão incorrupta que vê as ilusões e não ilusões e não como verdade. É  por isso que ele vem a ser aquele que desfaz o engano diante das mentiras, o grande restaurador da simples verdade. Através da sua capacidade de não ver o que não existe, ele abre o caminho para a verdade que havia sido bloqueado por sonhos de culpa. agora és livre para seguir no caminho que o teu verdadeiro perdão abre para ti. Pois, se um irmão recebe essa dádiva tua, a porta está aberta para ti mesmo.

9. Há uma maneira muito simples de achar a porta do perdão verdadeiro e percebê-la aberta de para em par para dar boas-vindas. Quando te sentires tentado a acusar alguém de haver pecado em qualquer forma que seja, não deixes  tua mente se deter sobre o que pensas que ele fez, pois isso é auto-engano. ao invés disso, pergunta: "Eu me acusaria por fazer isso?"

10. Dessa forma, verás as alternativas para a escolha em termos que a tornam significativa e que mantêm a tua mente tão livre de culpa e de dor quanto o próprio  Deus pretendia que fosse, e como é na verdade. Só as mentiras querem condenar. Na verdade, a inocência é a única coisa que existe. O perdão está entre as ilusões e a verdade, entre o mundo que vês e o que está além, entre o inferno da culpa e a porta do Céu.

11. Através dessa ponte, tão poderosa quanto o Amor que depositou sobre ela a própria bênção, todos os sonhos do mal, de ódio e de ataque são silenciosamente trazidos à verdade. Ele não são mantidos para ser expandirem, provocarem tumultos e aterrorizarem o tolo sonhador que acredita neles. Esse foi gentilmente despertado do seu sonho pela compreensão de que o que ele pensava ter visto, nunca existiu. E agora não pode sentir que todas as possibilidades de escapar lhe foram negadas.

12. Ele não tem que lutar para se salvar. Não tem que matar os dragões que o perseguiam em seus pensamentos. E nem precisará erguer os pesados muros de pedra e as portas de ferro que o manteriam a salvo em seus pensamentos. Ele pode retirar a pesada e inútil armadura feita para acorrentar a sua mente ao medo e à miséria. O seu passo é leve e quando levanta o pé para avançar mais um passo, deixa uma estrela para trás, para indicar o caminho àqueles que o seguem.

13. O perdão tem que ser praticado, pois o mundo não pode perceber o seu significado, nem prover um guia para te ensinar as suas beneficências. Não existe em todo o mundo nenhum pensamento que conduza à menor compreensão das leis que ele segue e do Pensamento que ele reflete. Ele é tão alheio ao mundo quanto a tua própria realidade. E, no entanto, une a tua mente à realidade em ti.

14. Hoje praticamos o verdadeiro perdão para que não seja mais adiado o momento da união. Pois queremos nos encontrar com a nossa realidade em liberdade e em paz. A nossa prática vem a ser a marca dos nossos passos que iluminam o caminho para todos os nossos irmãos, que nos seguirão até a  realidade que compartilhamos com eles. Para que isso possa ser realizado, vamos dar quinze minutos por duas vezes hoje e passá-los com o Guia Que entende o significado do perdão e Que nos foi enviado para ensiná-lo. Vamos pedir-Lhe:

Que eu perceba o perdão tal como é.

15. Em seguida, escolhe um irmão conforme a orientação que Ele vai te dar e enumera os seus "pecados" um por um, à medida que passam pela tua mente. Certifica-te de não te deteres em nenhum, mas reconhece que só estás usando as suas "ofensas" para salvar o mundo de todas as ideias de pecado. Reflete brevemente sobre todas as coisas ruins que pensaste sobre ele e, a cada vez, pergunta a ti mesmo: "Eu me condenaria por fazer isso?"

16. Deixa que ele seja libertado de todos os pensamentos de pecado que tinhas em relação a ele. E agora estás preparado para a liberdade. Se, até esse momento, tiveres praticado com disponibilidade e honestidade, começarás a notar uma sensação de elevação, uma diminuição do peso sobre o teu peito, um sentimento de alívio nítido e profundo. O tempo remanescente deve ser dado a experimentar o fato de que escapaste de todas as pesadas  correntes que buscaste colocar sobre o teu irmão, mas que foram colocadas sobre ti mesmo.

17. O perdão deve ser praticado o dia todo, pois haverá ainda muitos momentos em que esquecerás o seu significado e atacarás a ti mesmo. Quando isso ocorrer, permite que a tua mente veja através dessa ilusão, ao dizeres a ti mesmo:

Que eu perceba o perdão tal como é. Eu me acusaria por fazer isso? Não colocarei essa corrente sobre mim mesmo.

Em tudo o que fizeres lembra-te disso:

Ninguém é crucificado sozinho, e no entanto ninguém pode entrar no Céu por si mesmo.




LIÇÃO 133 - 13/05/2018

Não darei valor àquilo que não tem valor.

1. Às vezes no ensino há benefício em trazer o aluno de volta a interesses práticos, particularmente depois de teres ensinado o que parece ser teórico e distante do que o aluno já prendeu. É o que faremos hoje. Não falaremos de elevadas ideias que abrangem o mundo, mas, ao invés disso, nos deteremos nos benefícios para ti.

2. Tu não pedes muito da vida, mas pouco demais. Quando deixas que tua mente seja atraída para o que concerne ao corpo, por coisas que compras, por prestígio tal como é valorizado pelo mundo, estás pedindo o pesar e não a felicidade. Esse curso não tenta tirar de ti o pouco que tens. Não tenta substituir as satisfações que o mundo contém com ideias utópicas. Não há nenhuma satisfação no mundo.

3. Hoje vamos enumerar os critérios reais pelos quais pode-se testar tudo aquilo que pensas querer. Se não preencherem esse requisitos básicos, não são dignos de serem desejados de forma alguma, pois só podem ocupar o lugar daquilo que oferece mais. Não podes fazer as leis que governam a escolha, da mesma forma que não podes inventar alternativas entre as quais escolher. O que podes fazer é escolher, aliás, é o que tens que fazer. Mas é sábio aprender as leis que pões em movimento ao escolheres e as alternativas entre as quais escolhes.

4. Já enfatizamos que só existem duas alternativas, independente de quantas pareçam haver. O raio de ação foi estabelecido e isso nós não podemos mudar. Seria muito pouco generoso para contigo deixar que as alternativas fossem ilimitadas e, assim, protelar a tua escolha final até que tivesses considerado todas elas no tempo, ao invés de seres trazido de forma tão clara ao lugar onde só há uma escolha que não pode deixar de ser feita.

5. Outra lei benigna relacionada a isso, é que não há transigências naquilo que a tua escolha necessariamente traz. Ela não pode te dar só um pouco, pois não há meio termo. Cada escolha que fazes te traz tudo ou nada. Portanto, se aprenderes os teste pelos quais podes distinguir o tudo do nada, farás a melhor escolha. 

6. Primeiro, se escolheres uma coisa que não vá durar para sempre, o que escolhes não tem valor. Um valor temporário não tem nenhum valor. O tempo nunca poderá tirar um valor que é real. Aquilo que murcha e morre nunca existiu e não faz nenhuma oferenda àquele que escolhe. Ele é enganado pelo nada sob uma forma da qual pensa gostar.

7. Em seguida, se escolheres tirar alguma coisa de alguém, não ficarás com nada. Isso porque ao negares o seu direito a todas as coisas, negaste o teu próprio. Portanto, não reconhecerás as coisas que realmente tens, negando que elas existam. Aquele que busca tirar foi enganado pela ilusão de que a perda pode oferecer o ganho. Mas a perda não pode deixar de oferecer perda, e nada mais.

8. A tua próxima consideração é aquela em que se baseiam as outras. Por que a escolha que fazes tem valor para ti? O que atrai a tua mente para ela? A que propósito ela serve? É aqui que se é mais facilmente enganado. Pois o ego falha em reconhecer o que quer. Ele nem diz a verdade tal como a percebe, pois precisa manter a auréola que usa para proteger as suas metas, não deixando que fiquem manchadas e enferrujadas para que possas ver o quanto ele é "inocente".

9. No entanto, a sua camuflagem é um verniz fino que só pode enganar àqueles que se contentam em ser enganados. As suas metas são óbvias para qualquer um que se dê ao trabalho de procurá-las. Aqui, o engano é duplo, pois aquele que é enganado não perceberá que apenas falhou em ganhar. Ele acreditará que serviu às metas ocultas do ego.

10. Mas, embora ele tente manter a auréola do ego com clareza na própria visão, não pode deixar de perceber as suas bordas manchadas e o seu núcleo enferrujado. Os seus equívocos sem efeito lhe parecerão pecados, pois olha para essa mancha como se fosse sua, e para a ferrugem como um sinal de uma profunda falta de valor dentro de si mesmo. Aquele que ainda preserva as metas do ego e as serve como suas, não comete equívocos segundo os ditames do seu guia. Esse guia ensina que é um erro acreditar que pecados não passam de equívocos, pois quem sofreria pelos seus pecados se assim fosse?

11. É assim, vimos ao critério de escolha mais difícil de se acreditar, pois a sua evidência está  encoberta por muitos níveis de obscuridade. Se sentes qualquer culpa pela tua escolha, permitiste que as metas do ego se interpusessem entre as alternativas reais. E, assim, não reconheces que só há duas e a alternativa que pensas ter escolhido te parece amedrontadora e por demais perigosa para ser o nada que, de fato, é.

12. Todas as coisas têm ou não valor, são ou não são dignas de serem buscadas seja como for; são inteiramente desejáveis ou não valem o menor esforço para obtê-las. Escolher é fácil só por causa disso. A complexidade nada mais é do que um véu de fumaça que esconde o fato muito simples de que nenhuma decisão pode ser difícil. O que ganhas aprendendo isso? Muito mais do que apenas te permitires fazer tuas escolhas com facilidade e sem dor.

13. O próprio Céu é alcançado com mãos vazias e mentes abertas que vêm sem nada para tudo achar, reivindicando tudo como seu. Hoje tentaremos alcançar esse estado, deixando o auto-engano de lado, com uma honesta disponibilidade para só dar valor ao que é verdadeiramente valioso e real. Os nossos dois períodos de prática prolongados, de quinze minutos cada um, começam com isso:

Não darei valor àquilo que não tem valor, e só busco o que tem valor, pois é só isso que desejo achar.

14. E então recebe aquilo que espera por todo aquele que alcança, sem cargas, a porta do Céu que se abre à medida que ele vem. Se começares a te permitir colecionar alguns fardos inúteis, ou acreditar que vês algumas decisões difíceis à tua frente, sê rápido em responder com esse simples pensamento:

Não darei valor àquilo que não tem valor, pois o que tem valor pertence a mim.


LIÇÃO 132 - 12/05/2018

Libero o mundo de tudo aquilo que eu pensava que fosse.

1. O que mantém o mundo acorrentado senão as tuas crenças? E, o que pode salvar o mundo, exceto o teu Ser? A crença é, de fato, poderosa. Os pensamentos que manténs são poderosos e as ilusões são tão fortes em seus efeitos quanto a verdade. Um louco pensa que o mundo que vê é real e não duvida disso. Ele não pode ser influenciado pelo questionamento dos efeitos de seus pensamentos. A esperança da liberdade só lhe vem quando finalmente a fonte de seus pensamentos é posta em questão.

2. No entanto, a salvação pode ser conseguida com facilidade, pois qualquer um é livre para mudar a sua mente e com ela mudar todos os seus pensamentos. Agora a fonte do pensamento foi deslocada, pois mudar a tua mente significa que mudaste a fonte de todas as ideias que pensas ou jamais pensaste ou ainda pensarás. Liberta o passado daquilo que pensavas anteriormente. Liberta o futuro de todos os antigos pensamentos de busca do que não queres achar.

3. Agora o único tempo que resta é o presente. É aqui, no presente, que o mundo é posto em liberdade. Pois, quando deixas que o passado se dissipe e liberas o futuro de todos os teus antigos medos, achas um modo de escapar e o dás ao mundo. Escravizaste o mundo com todos os teus medos, as tuas dúvidas e misérias, a tua dor e as tuas lágrimas e todos os teus pesares pressionam e mantêm o mundo prisioneiro de tuas crenças. A morte o ataca de todos os lados, porque manténs amargos pensamentos de morte dentro da tua mente.

4. O mundo, em si, não é nada. A tua mente tem que dar significado a ele. E o que contemplas nele são os teus desejos encenados para que possas olhar para eles e pensar que são reais. Talvez penses que não fizeste o mundo, mas que vieste contra a tua vontade ao que já havia sido feito, dificilmente esperando que os teus pensamentos pudessem lhe dar significado. Entretanto, na verdade, achaste exatamente aquilo que procuravas quando vieste.

5. Não há outro mundo à parte daquele que desejas e nisso está a tua liberação suprema. É só mudar a tua mente quanto ao que queres ver e todo o mundo tem que mudar em consequência. Ideias não deixam a sua fonte. Esse tema central é declarado como frequência no livro texto e tem que ser mantido em mente se quiseres compreender a lição para o dia de hoje. Não é o orgulho que te diz que fizeste o mundo  que vês e que ele muda à medida que mudas a tua mente.

6. Mas é o orgulho que argumenta que vieste a um mundo que é bastante separado de ti mesmo, impermeável àquilo que pensas e bem à parte do que possas pensar que ele seja. Não há nenhum mundo! Esse é o pensamento central que o curso tenta ensinar. Nem todos estão prontos para aceitá-lo e cada um tem que ir tão longe quanto possa se permitir ser conduzido ao longo da estrada para a verdade. Ele voltará e irá ainda mais adiante, ou talvez recue por um momento para retornar outra vez.

7. Mas a cura é a dádiva daqueles que estão preparados para aprender que não existe nenhum mundo e que podem aceitar a lição agora. A sua prontidão para isso lhes trará a lição sob alguma forma que possam compreender e reconhecer. Alguns a vêem subitamente, à beira da morte, e erguem-se para ensiná-la. Outros acham-na em uma experiência que não é desse mundo, que lhes mostra que o mundo não existe porque o que contemplam tem que ser a verdade e, no entanto, contradiz claramente o mundo.

8. E alguns achá-la-ão nesse curso e nos exercícios que fazemos hoje. A ideia de hoje é verdadeira, porque o mundo não existe. E se, de fato, o mundo for a tua própria imaginação, então podes soltá-lo de todas as coisas que jamais pensaste que ele fosse, apenas mudando todos os pensamentos que lhe deram essas aparências. Os doentes são curados quando abandonas todos os pensamentos de doença e os mortos ressuscitam quando deixas pensamentos de vida substituírem todo os pensamentos de morte que jamais tiveste.

9. Uma lição anterior já repetida uma vez tem que ser novamente enfatizada agora, pois contém o sólido fundamento para a ideia de hoje. Tu és como Deus te criou. Não há lugar algum onde possas sofrer, nem tempo algum que possa trazer qualquer mudança ao teu estado eterno. Como pode existir um mundo de tempo e lugar, se tu permaneces tal como Deus te criou?

10. O que é a lição para o dia de hoje, senão um outro modo de dizer que conhecer o teu Ser é a salvação do mundo? Libertar o mundo de todo tipo de dor é apenas mudar a tua mente sobre ti mesmo. Não existe nenhum mundo à parte das tuas ideias porque as ideias não deixam a sua fonte e tu manténs o mundo dentro da tua mente em pensamento.

11. No entanto, se és tal como Deus te criou, não podes pensar à parte Dele, nem fazer o que não compartilhe da Sua intemporalidade e do Seu Amor. Estas coisas são inerentes ao mundo que vês? Esse mundo cria como Ele? Se não o fizer, não é real e não pode ser em absoluto. Se tu és real, o mundo que vês é falso, pois o mundo não é como a criação de Deus em todos os seus aspectos. E do mesmo modo como foste criado pelo Seu Pensamento, foram os teus pensamentos que fizeram o mundo e têm que libertá-lo para que possas conhecer os Pensamentos que compartilhas com Deus.

12. Libera o mundo! As tuas criações reais esperam por essa liberação para te dar a paternidade, não de ilusões, mas como Deus na verdade. Deus compartilha a Sua Paternidade contigo, que és o Seu Filho, pois Ele não faz distinções entre o que é Ele Mesmo e o que ainda é Ele. O que Ele cria não está à parte Dele, e em lugar algum o Pai chega ao fim para dar início ao filho como algo separado de Si Mesmo.

13.Não existe nenhum mundo porque ele é um pensamento à parte de Deus, feito para separa o Pai e o Filho e arrancar uma parte do próprio Deus para assim destruir a Sua Integridade. Um mundo vindo dessa ideia pode ser real? Pode estar em algum lugar? Nega as ilusões, mas aceita a verdade. Nega que sejas uma sombra deixada por um momento sobre um mundo agonizante. Libera a tua mente e contemplarás um mundo liberado.

14. O nosso propósito hoje é o de libertar o mundo de todos os pensamentos vãos que jamais mantivemos a respeito dele e de todas as coisas vivas que vemos sobre ele. Não podem estar aí. E nós também não podemos. Pois estamos no lar que o nosso Pai estabeleceu para nós, junto com elas. E nós, que somos como Ele nos criou, nesse dia queremos liberar o mundo de cada uma das nossas ilusões para que possamos ser livre.

15. Começa os períodos de quinze minutos nos quais hoje praticamos por duas vezes com isso:

Eu, que permaneço tal como Deus me criou, quero liberar o mundo de tudo o que eu pensei que ele fosse. Pois sou real porque o mundo não o é, e quero conhecer a minha própria realidade.

Em seguida, apenas descansa, atento mas sem tensão, e deixa a tua mente ser mudada em quietude para que o mundo seja libertado junto contigo.

16. Não precisas reconhecer que a cura vem a muitos irmãos do outro lado do mundo, assim como àqueles que vês por perto quando envias estes pensamentos para abençoar o mundo. Mas sentirás a tua própria liberação, embora ainda não possas compreender inteiramente que nunca poderias ser liberado sozinho.

17. Ao longo do dia, aumenta a liberdade transmitida a todo o mundo através das tuas ideias e dize sempre que te sentires tentado a negar o poder da simples mudança da tua mente:

Libero o mundo de tudo o que eu pensava que fosse, e em vez disso escolho a minha própria realidade.


LIÇÃO 131 - 11/05/2018

Aquele que busca alcançar a verdade não pode falhar.

1. O fracasso está em tudo à tua volta quando buscas metas que não podem ser conseguidas. Procuras permanência no impermanente, o amor onde não há nenhum, a segurança em meio ao perigo, a imortalidade dentro da escuridão do sonho da morte. Quem poderia ter sucesso onde a contradição é o cenário da sua busca e o lugar aonde vem para achar estabilidade?

2. Metas sem significado não são atingidas. Não há nenhum modo de alcançá-las, pois os meios pelos quais lutas por elas são tão sem significado quanto elas próprias. Quem pode usar tais meios sem sentido e esperar ganhar alguma coisa através deles? Aonde podem conduzir? E o que poderiam conseguir que oferecesse qualquer esperança de ser real? A procura do imaginado conduz à morte, porque é a busca do nada e enquanto buscas a vida pedes a morte. Procuras estar a salvo e em segurança, enquanto em teu coração rezas pelo perigo e pela proteção do pequeno sonho que fizeste.

3. No entanto, a busca é inevitável aqui. Foi para isso que vieste e certamente farás o que é a razão da tua vinda. Mas o mundo não pode ditar a meta que buscas, a menos que lhe dês o poder de fazê-lo. Caso contrário, ainda és livre para escolher uma meta que esteja além do mundo e de todo pensamento mundano e que te venha de uma ideia que abandonaste, mas que ainda é lembrada, uma ideia velha e no entanto nova, um eco de uma herança esquecida, mas que contém tudo o que realmente queres.

4. Fica contente por teres que buscar. Fica contente também por aprenderes que estás em busca do Céu e que não podes deixar de achar a meta que realmente queres. Ninguém pode falhar ao querer essa meta e alcançá-la no final. O Filho de Deus não pode buscar em vão, embora ele tente forçar um atraso, enganar a si mesmo e pensar que é o inferno que ele busca. Quando está errado, ele acha a correção. quando se desvia, é conduzido de volta à tarefa que lhe foi designada.

5. Ninguém permanece no inferno, pois ninguém pode abandonar o Seu Criador, nem afetar o Seu Amor perfeito, intemporal e imutável. Acharás o Céu. Tudo o que buscas se perderá, menos isso. Mas não por ter sido tirado de ti. Desaparecerá porque não o queres. É tão certo que alcançarás a meta que realmente queres, quanto é certo que Deus te criou na impecabilidade.

6. Por que esperar pelo Céu? Ele está aqui hoje. O tempo é a grande ilusão, ele é passado ou futuro. Mas isso não pode ser assim, se é onde a Vontade de Deus estar no passado ou ainda por acontecer? O que a Vontade de Deus determina é agora, sem um passado e totalmente sem futuro. Está tão distante do tempo quanto a distância que há entre um diminuta vela e uma estrela longínqua ou entre o que escolheste e o que realmente queres.

7. O Céu permanece como a tua única alternativa para esse estranho mundo que fizeste e todos os seus caminhos, os seus padrões mutáveis e suas metas incertas, seus prazeres dolorosos e suas alegrias trágicas. Deus não fez nenhuma contradição. Aquilo que nega a própria existência e ataca a si mesmo não vem Dele. Ele não fez duas mentes, com o Céu como o feliz resultado de uma delas e a terra a triste consequência da outra, que é em tudo o oposto do Céu.

8. Deus não sofre nenhum conflito. A Sua criação tampouco está dividida em duas. como poderia o Seu Filho estar no inferno, se o próprio Deus o estabeleceu no Céu? Poderia ele perder o que a Vontade Eterna lhe deu para ser o seu lar para sempre? Não tentemos mais impor uma vontade alheia ao propósito único de Deus. Ele está aqui porque é Sua Vontade estar e aquilo que é a Vontade de Deus está presente agora, além do alcance do tempo.

9. Hoje não escolheremos um paradoxo em lugar da verdade. Como poderia o Filho de Deus fazer o tempo para afastar a Vontade de Deus? Assim ele nega a si próprio e contradiz aquilo que não tem oposto. ele pensa que fez um inferno em oposição ao Céu e acredita que habita no que não existe, enquanto o Céu é o lugar que ele não pode achar.

10. Hoje deixa para trás pensamentos tolos como esses e, em vez disso, volta a tua mente para ideias verdadeiras. Aquele que busca alcançar a verdade não pode falhar, e é a verdade que buscamos alcançar nesse dia. Dedicaremos dez minutos a essa meta por três vezes hoje, e pediremos para ver a ascenção do mundo real substituir as tolas imagens que valorizamos por ideias verdadeiras que se erguem no lugar de pensamentos que não têm significado, nem qualquer efeito e nem sequer fonte ou substância na verdade.

11. Reconhecemos isso ao iniciarmos os nossos períodos de prática. Começa com isso:

Peço para ver um mundo diferente e ter um tipo de pensamento diferente daqueles que fiz. Não fiz sozinho o mundo que busco, os pensamentos que quero ter não são os meus.

Durante alguns minutos vigia a tua mente e vê, embora os teus olhos estejam fechados, o mundo sem sentido que pensas ser real. Revê também os pensamentos que são compatíveis com tal mundo, os quais pensas serem verdadeiros. Então, abandona-os e mergulha abaixo deles, em um lugar santo aonde não podem entrar. Abaixo deles há uma porta na tua mente que não podes trancar por completo para esconder o que está além.

12. Busca essa porta e acha-a. Mas, antes de tentar abri-la, lembra-te de que aquele que busca alcançar a verdade não pode falhar. E é esse o pedido que fazes hoje. Nada além disso tem qualquer significado agora, nenhuma outra meta tem valor ou é buscada, nada já antes da porta que tu realmente queiras e só buscas o que está depois dela.

13. Estende a tua mão e vê como essa porta se abre facilmente, apenas com a tua intenção de ir além. Anjos iluminam o caminho de modo que a escuridão se desvanece e tu te achas numa luz tão brilhante e clara que podes compreender todas as coisas que vês. Talvez um momento diminuto de surpresa fará com que pares antes de reconhecer que o mundo que vês na luz, diante de ti, reflete a verdade que conhecias e não esqueceste totalmente nas tuas divagações em sonhos.

14. Hoje não podes falhar. Lá, o Espírito que o Céu te enviou para que pudesses aproximar-te dessa porta algum dia, caminha contigo e com a sua ajuda podes passar por ela sem esforço, para a luz. Hoje esse dia veio. Hoje Deus cumpre a Sua antiga promessa feita a Seu Filho santo, assim como o Seu Filho lembra-Se daquela que fez a Ele. Esse é um dia de contentamento, pois viemos à hora e ao local marcados onde acharás a meta de toda a tua procura aqui e de toda a busca do mundo que, juntas, chegam ao fim quando passas além dessa porta.

15. Lembra-te com frequência que hoje deve ser um dia de especial contentamento e evita pensamentos sombrios e lamentações sem significado. O tempo da salvação veio. O próprio Céu estabeleceu o dia de hoje como um tempo de graças para ti e para o mundo. Se te esqueceres deste fato feliz, lembra a ti mesmo com isso:

Hoje busco e acho tudo o que eu quero.
O meu único propósito me oferece isso.
Aquele que busca alcançar a verdade não pode falhar.


LIÇÃO 130 - 10/05/2018

É impossível ver dois mundos.

1. A percepção é consistente. O que vês reflete o teu pensamento. E o teu pensamento apenas reflete a tua escolha do que queres ver. Os teus valores são determinantes disso, pois não podes deixar de querer ver o que valorizas, acreditando que o que vês existe realmente. Ninguém pode ver um mundo ao qual a sua mente não tenha dado valor. E ninguém pode falhar em contemplar aquilo que acredita querer.

2. Mas quem pode realmente odiar e amar ao mesmo tempo. Quem pode desejar o que não quer que tenha realidade? E quem pode escolher ver um mundo do qual tenha medo? O medo necessariamente cega, pois essa é a sua arma: aquilo que tens medo ver, tu não podes ver. Assim o amor e a percepção vão de mãos dadas, mas o medo obscurece o que existe com a escuridão.

3. Assim sendo, o que pode o medo projetar sobre o mundo? O que pode ser visto na escuridão que seja real? A verdade é eclipsada pelo medo e o que permanece é apenas imaginado. Mas o que pode ser real nas cegas imaginações nascidas do pânico? O que poderias querer para que isso te seja mostrado? O que poderias desejar conservar em tal sonho.

4. O medo tem feito tudo o que pensas ver. Toda separação, todas as distinções e a multidão de diferenças que fazem o mundo segundo as tuas crenças. Elas não existem. O inimigo do amor as inventou. Mas o amor não pode ter nenhum inimigo e assim elas não têm causa, não são nada, nem têm consequência. Podem ser valorizadas, mas permanecem irreais. Podem ser buscadas, mas não podem ser achadas. Hoje não as buscaremos, nem desperdiçaremos esse dia em busca do que não pode ser achado.

5. É impossível ver dois mundos que não coincidem de modo algum. Busca um deles, o outro desaparece. Mas um permanece. Eles constituem o raio de escolha, além do qual a tua decisão não pode ir. Só há o real e o irreal entre os quais escolher e nada mais.

6. Hoje tentaremos não fazer transigências onde nenhuma é possível. O mundo que vês é uma prova de que já fizeste uma escolha tão abrangente quanto o seu oposto. O que queremos aprender hoje é mais do que apenas a lição de que não podes  ver dois mundos. Ela também ensina que o mundo que vês é bastante consistente do ponto de vista do qual o vês. Todo ele é uma peça única pois brota de uma única emoção e reflete a sua fonte em tudo o que vês.

7. Hoje, por seis vezes, em agradecimento e gratidão, damos com contentamento cinco minutos ao pensamento que pões fim a toda transigência e toda dúvida e vamos além de todas elas como se fossem uma só. Não faremos mil distinções sem significado, nem tentaremos trazer conosco uma pequena parte da irrealidade ao dedicarmos as nossas mentes a achar apenas o que é real.

8. Dá início à tua busca do outro mundo pedindo uma força além da tua e reconhecendo o que é que buscas. Não queres ilusões. E vens para estes cinco minutos esvaziando as tuas mãos de todos os tesouros mesquinhos desse mundo. Tu esperas que Deus te ajude, ao dizeres:

É impossível ver dois mundos. Que eu aceite a força que Deus me oferece e não vejo nenhum valor nesse mundo para que eu possa achar a minha liberdade e liberação.

9. E Deus estará presente. Pois invocaste o grande Poder infalível Que dará esse passo gigantesco contigo em gratidão. E não falharás em ver os Seus agradecimentos expressos em tangível percepção e verdade. Não duvidarás daquilo que contemplares, pois embora seja percepção, não é do tipo que os teus olhos jamais tenham visto antes por si mesmos. E saberás que a força de Deus te amparou quando fizeste essa escolha.

10. Hoje descarta a tentação com facilidade toda vez que ela surgir simplesmente lembrando-te dos limites da tua escolha. O irreal ou o real, o falso ou o verdadeiro, é o que vês e só o que vês. A percepção é consistente com a tua escolha e o inferno ou o Céu vem a ti em unidade com ela.

11. Aceita uma pequena parte do inferno como real e terás condenado os teus olhos e amaldiçoado a tua vista e o que contemplarás é, de fato, o inferno. Mas a liberação do Céu ainda permanece dentro do teu raio de escolha, para tomar o lugar de tudo o que o inferno quer te mostrar. Tudo o que precisas dizer a qualquer parte do inferno, seja qual for a forma que tome, é simplesmente isso:

É impossível ver dois mundos. Busco a minha liberdade e liberação, e isso não faz parte do que eu quero.


LIÇÃO 129 - 09/05/2018

Além desse mundo há um mundo que eu quero.

1. Esse é o pensamento que se segue àquele que praticamos ontem. Tu não podes deter-te na ideia de que o mundo é sem valor, pois se não vires que existe algo mais por que esperar, só ficarás deprimido. A nossa ênfase não está em desistir do mundo mas em trocá-lo pelo que é muito satisfatório, cheio de alegria e capaz de te oferecer paz. Pensas que esse mundo pode te oferecer isso?

2. Talvez valha a pena dedicares um breve período de tempo para pensar uma vez mais sobre o valor desse mundo. Talvez admitas que não há perda em abandonar qualquer pensamento de valor aqui. O mundo que vês é de fato sem misericórdia, instável, cruel, indiferente a ti, rápido na vingança e implacável em seu ódio. Ele só dá para tirar e leva embora todas as coisas que te foram caras por um momento. Nenhum amor duradouro é encontrado, pois não há nenhum aqui. Esse é o mundo do tempo, em que todas as coisas chegam ao fim.

3. Será uma perda achar, ao invés desse, um mundo em que é impossível perder? Em que o amor dura para sempre, o ódio não pode existir e a vingança não tem significado? Será uma perda achar todas as coisas que realmente queres e saber que elas não têm fim e que permanecerão exatamente como as queres através do tempo? Porém, até mesmo estas coisas serão finalmente trocadas por algo de que não podemos falar, pois daí em diante vais para um lugar em que as palavras fracassam inteiramente, para um silêncio no qual a linguagem não é falada mas certamente compreendida.

4. A comunicação, sem ambiguidades e clara como o dia, permanece ilimitada por toda a eternidade. E o próprio Deus fala com o Seu Filho como o Seu Filho fala com Ele. A Sua linguagem não tem palavras, pois o que dizem não pode ser simbolizado. O Seu conhecimento é direto, totalmente compartilhado e totalmente uno. Como tu, que permaneces preso a esse mundo, estás longe disso! E, no entanto, como estás perto quando o trocas pelo mundo que queres.

5. Agora, o último passo é certo, agora, estás a um instante da intemporalidade. Daqui só podes olhar para frente, nunca mais para trás, para ver de novo o mundo que não queres. Aqui está o mundo que vem tomar o lugar do outro, à medida que soltas a tua mente das pequenas coisas que o mundo apresenta para manter-te prisioneiro. Não lhes dês valor e desaparecerão. Estima-as e te parecerão reais.

6. Tal é a escolha. O que podes perder ao escolheres não dar valor ao nada? Esse mundo não contém nada do que realmente queres, mas o que escolhes em seu lugar é o que, de fato, queres! Deixa que ele te seja dado hoje. Ele só está à espera de que o escolhas, para tomar o lugar de todas as coisas que buscas, mas não queres.

7. Pratica a tua disponibilidade para fazer essa troca durante dez minutos pela manhã e à noite e uma vez mais entre uma e outra.
Começa com isso:

Além desse mundo há um mundo que eu quero. Escolho ver esse outro mundo ao invés desse, pois aqui não há nada do que eu realmente quero.

Em seguida, fecha os teus olhos sobre o mundo que vês e na escuridão silenciosa observa as luzes que não são desse mundo iluminarem-se, uma por uma, até que o lugar onde uma começa e a outra termina perca todo o significado à medida que elas se fundem em uma só.

8. Hoje, as luzes do Céu se inclinam para ti, para brilhar sobre as tuas pálpebras enquanto descansas além do mundo da escuridão. Aqui está a luz que os teus olhos não podem contemplar. E, no entanto, a tua mente pode vê-la com clareza e pode compreender. Hoje, um dia de graça te é dado e nós agradecemos. Nesse dia reconhecemos que aquilo que temias perder era apenas a perda.

9. Agora compreendemos que não há perda. Pois enfim vimos o seu oposto e estamos gratos porque foi feita a escolha. Lembra-te da tua decisão a cada hora e reserva um momento para confirmar a tua escolha, deixando de lado quaisquer pensamentos que tenhas e considerando brevemente apenas isso:

O mundo que vejo não contém nada do que quero.
Além desse mundo há um mundo que eu quero.


LIÇÃO 128 - 08/05/2018

O mundo que eu vejo não contém nada do que eu quero.

1. O mundo que vês não te oferece nada do que precisas, nada que te possa ser de algum modo útil a ti e absolutamente nada que sirva para te dar alegria. Acredita nesse pensamento e serás salvo de anos de miséria, de inúmeros desapontamentos e de esperanças que se tornam amargas cinzas de desespero. Ninguém pode deixar de aceitar esse pensamento como verdadeiro, se quiser deixar o mundo para trás e elevar-se acima de suas mesquinhas dimensões e de seus caminhos curtos.

2. Aqui, cada coisa que valorizas não passa de uma corrente que te prende ao mundo e não servirá a nenhum outro fim senão esse. Pois tudo não pode deixar de servir ao propósito que tu lhe dás, até que vejas um propósito diferente. O único propósito digno da tua mente que o mundo contém é o de que passes por ele sem te deteres para perceber alguma esperança onde não há nenhuma. Não te enganes mais. O mundo que vês não contém nada do que queres.

3. Hoje, escapa das correntes que colocas na tua mente quando percebes a salvação aqui. Pois aquilo que valorizas, fazes com que seja parte de ti na tua percepção de ti mesmo. Todas as coisas que buscas para fazer com que o teu valor seja maior aos teus olhos te limitam ainda mais, escondem de ti o teu próprio valor e acrescentam mais um obstáculo diante da porta que conduz à verdadeira consciência do teu Ser.

4. Não deixes que nada que se relacione com pensamentos do corpo detenha o teu progresso em direção à salvação, nem permitas a tentação de acreditar que o mundo contém algo que queiras a fim de deter-te. Não há nada aqui para apreciar. Nada aqui vale um instante de atraso e de dor, um momento de incerteza e de dúvida. Aquilo que não tem valor nada oferece. A certeza acerca do que tem valor não pode ser achada onde não há valor algum.

5. Hoje praticamos abandonar todos os pensamentos acerca dos valores que temos dado ao mundo. Vamos deixá-lo livre  dos propósitos que demos aos seus aspectos, suas fases e seus sonhos. Vamos mantê-los sem propósito dentro de nossas mentes e soltá-lo de tudo o que desejamos que fosse. Assim erguemos as correntes que obstruem a porta pela qual temos que passar para que possamos nos libertar do mundo e vamos além de todos os pequenos valores e metas menores.

6. Aquieta-te e fica em paz por um momento, e vê o quanto te ergues acima do mundo quando liberas a tua mente das correntes e a deixas buscar o nível em que se acha em casa. Ela ficará agradecida por ser livre por algum tempo. Ela conhece o seu lugar. Apenas liberta as suas asas e voará na certeza e na alegria para unir-se ao seu santo propósito. Deixa-a descansar no seu Criador para que seja restaurada à sanidade, à liberdade e ao amor.

7. Dá-lhe dez minutos de descanso por três vezes hoje. E depois quando os teus olhos se abrirem, não valorizarás coisa alguma do que vires tanto quanto da última vez que olhaste para ela. Toda a tua perspectiva do mundo se deslocará um pouco mais a cada vez que deixares a tua mente escapar de suas correntes. O mundo não é o seu lugar. E o teu lugar é onde ela quer estar, aonde vai descansar quando a liberas do mundo. O teu Guia é seguro. Abre a tua mente para Ele. Aquieta-te e descansa.

8. Protege a tua mente ao longo do dia também. E quando pensares que vês algum valor em um aspecto ou em uma imagem do mundo, recusa-te a colocar essa corrente sobre a tua mente, mas dize a ti mesmo com serena certeza.

Não serei tentado a me atrasar por isso.
O mundo que vejo não contém nada do que eu quero.

LIÇÃO 127 - 07/05/2018

Não há nenhum amor exceto o de Deus.

1. Talvez penses que diferentes tipos de amor são possíveis. Talvez penses que há um tipo de amor para isso, outro para aquilo, um modo de amar uma pessoa e ainda um outro modo de amar uma outra. O amor é um. O amor não tem partes separadas nem intensidades diferentes, nele não há tipos ou níveis, divergências ou distinções. Ele é como ele mesmo, inteiramente imutável. Nunca se altera com uma pessoa ou uma circunstância. Ele é o Coração de Deus e também o de Seu Filho.

2. O significado do amor é obscuro para aquele que pensa que o amor pode mudar. Ele não vê que um amor mutável tem que ser impossível. E assim, pensa que pode amar às vezes e às vezes odiar. Ele também pensa que o amor pode ser dado a um e negado  a outros e ainda assim permanecer sendo o que é. Acreditar nessas coisas sobre o amor é não compreendê-lo. Se o amor pudesse fazer tais distinções, teria que julgar entre o justo e o pecador e perceber o filho de Deus em partes separadas.

3. O amor não pode julgar. Sendo um em si mesmo, ele olha para tudo como um só. O seu significado está na unicidade. e tem que eludir a mente que o considera parcial ou em partes. Não há outro princípio que domine onde o amor não está. O amor é uma lei sem opostos. A sua integridade é o poder que mantém todas as coisas unas, o elo entre o Pai e o Filho que mantém a Ambos para sempre como o mesmo.

4. Nenhum curso cujo propósito seja o de te ensinar a lembrar-te do que realmente és, poderia falhar em enfatizar que nunca poderia haver nenhuma diferença entre o que realmente és e o que é o amor. O significado do amor é o teu próprio, e é compartilhado pelo próprio Deus. Pois o que tu és, é o que Ele é. Não há nenhum amor a não ser o de Deus e o que Ele é, é tudo o que há. Nenhum limite é imposto a Ele e, assim, tu também és ilimitado.

5. Nenhuma lei que o mundo obedeça pode ajudar-te a apreender o significado do amor. O que o mundo acredita foi feito para esconder o significado do amor e para mantê-lo no escuro e secreto. Não há nenhum princípio que o mundo defenda que não viole a verdade do que é o amor e também do que tu és.

6. Não busques achar o teu Ser dentro desse mundo. O Amor não pode ser achado na escuridão e na morte. No entanto, ele é perfeitamente aparente aos olhos que vêem e aos ouvidos que ouvem a Voz do amor. Hoje, praticamos fazer com que a tua mente seja livre de todas as leis que pensas ter que obedecer, de todos os limites sob os quais vives e de todas as mudanças que pensas serem parte do destino humano. Hoje, vamos dar o maior passo que esse curso requer no teu avanço em direção à meta que ele estabelece. 

7. Hoje, se conseguires o menor vislumbre que seja do que o amor significa, terás percorrido uma distância imensurável e avançado no tempo mais do que se pode contar em anos para a tua liberação. Vamos juntos, então, ficar contentes em dar algum tempo à Deus hoje, e compreender que o tempo não pode ser melhor utilizado.

8. Hoje por duas vezes, durante quinze minutos, escapa de todas as leis nas quais acreditas agora. Abre a tua mente e descansa.  O mundo que parece manter-te prisioneiro não pode prender todo aquele que não lhe dá valor. Retira todo o valor que tens dado às suas parcas oferendas e às sua dádivas sem sentido, e deixa que a dádiva de Deus substitua as todas.

9. Chama pelo teu Pai, certo de que a Sua Voz responderá. Ele próprio prometeu isso. E Ele próprio depositará uma centelha de verdade no interior da tua mente toda vez que desistires de uma crença falsa, de uma ilusão escura a respeito da tua própria realidade e do que o amor significa. Ele brilhará hoje através dos teus pensamentos vãos e ajudar-te-á a compreender a verdade do amor. Com amorosa gentileza ele habitará contigo à medida em que permitires que a Sua Voz ensine o significado do amor à tua mente limpa e aberta. E Ele abençoará a lição com o Seu Amor.

10. Hoje, a legião dos futuros anos de espera pela salvação desaparece diante da intemporalidade do que aprendes. Vamos dar graças hoje, por estarmos sendo poupados de um futuro como o passado. Hoje, deixamos o passado para trás, para nunca mais ser lembrado. E erguemos os olhos para um presente diferente, no qual desponta um futuro diverso do passado em todos os aspectos.

11. Na infância o mundo é recém-nascido. E vigiaremos para que ele cresça em saúde e força, para distribuir a sua bênção a todos aqueles que vêm aprender a pôr de lado o mundo que pensavam ter sido feito no ódio para ser o inimigo do amor. Agora, todos eles são libertados junto conosco. Agora, todos são nossos irmãos no Amor de Deus.

12. Lembrar-nos-emos deles ao longo do dia, pois não podemos deixar uma parte de nós fora do nosso amor se quisermos conhecer o nosso Ser. Pelo menos três vezes a cada hora, pensa em alguém que faz a jornada contigo e que veio para aprender o que tu tens que aprender. E quando ele vier à tua mente, dá a ele essa mensagem do teu Ser.

Eu te abençôo, irmão, com o Amor de Deus, que eu quero compartilhar contigo. Pois eu quero aprender a lição feliz de que não há nenhum amor a não ser o de Deus e o teu e o meu e o de todos.


LIÇÃO 126 - 06/05/2018

Tudo o que dou é dado a mim mesmo.

1. A ideia de hoje, completamente alheio ao ego e ao pensamento do mundo, é crucial para a reversão de pensamento que esse curso trará. Se acreditasses nesta declaração, o perdão completo, a certeza da meta e a orientação segura não seriam nenhum problema. Compreenderias o meio pelo qual a salvação vem a ti e não hesitarias em usá-la agora.

2. Vamos considerar o que acreditas no lugar dessa ideia. Parece-te que as outras pessoas estão à parte de ti e que são capazes de comportarem-se de maneira que não têm relação com os teus pensamentos, e nem os seus com os teus. Portanto, as tuas atitudes não têm nenhum efeito sobre elas e os seus pedidos de ajuda não têm nenhuma relação com os teu. Pensas também que elas podem pecar sem que isso afete a tua percepção de ti mesmo, enquanto tu podes julgar o seu pecado e ainda assim permanecer à parte da condenação e em paz.

3. Quando "perdoas" um pecado, não há nenhum ganho para ti diretamente. Fazes caridade para alguém que é indigno, apenas para indicar que tu és melhor e que te achas num plano superior ao daquele a quem estás perdoando. ele não ganhou a tua tolerância caridosa, que concedes a alguém que não é digno da dádiva, pois os seus pecados o reduziram a uma condição abaixo da verdadeira igualdade contigo. Ele não tem direito ao teu perdão. Esse oferece a ele uma dádiva, mas nada para ti mesmo.

4. Dessa forma, o perdão é basicamente falho; é um capricho caridoso, benevolente mas imerecido, uma dádiva ora concedida, ora negada. Como ele é imerecido é justo negá-lo e não é justo que devas sofrer quando ele é negado. O pecado que perdoas não é o teu próprio. Alguém à parte de ti o cometeu. E se fores indulgente para com ele, dando-lhe o que ele não merece, a dádiva não é tua, assim como não era teu o seu pecado.

5. Se isso for verdadeiro, o perdão não tem base em que se apoiar com confiança e segurança. É uma excentricidade na qual tu, às vezes, escolhes dar indulgentemente uma trégua imerecida. Entretanto, ficas com o teu direito de não deixar que o pecador escape ao pagamento que é justificado pelo seu pecado. Pensas que o Senhor do Céu permitiria que a salvação do mundo dependesse  disso? O Seu cuidado por ti não seria, de fato, pequeno, se a tua salvação se baseasse num capricho?

6. Tu não compreendes o perdão. Tal como o vês, ele é apenas uma repressão do ataque aberto, sem exigir correção na tua mente. Tal como o percebes, ele não pode te dar paz. Não é um meio para liberar-te daquilo que vês em alguém que não é o que tu és. Não tem o poder de restaurar a tua unidade com ele na tua consciência. Não é o que Deus pretendia que fosse para ti.

7. Não tendo Lhe dado a dádiva que Ele te pede, não podes reconhecer as Suas dádivas e pensas que Ele não as deu. Mas , pedir-te-ia Ele uma dádiva a menos que ela fosse para ti? Poderia Ele contentar-Se com gestos vazios e avaliar essas dádivas tão mesquinhas como dignas do Seu Filho? A salvação é uma dádiva melhor do que essa. E o verdadeiro perdão, como o meio pelo qual é obtida, tem que curar a mente que dá, pois dar é receber. Aquilo que permanece sem ser recebido não foi dado, mas o que foi dado não pode deixar de ser recebido.

8. Hoje, tentamos compreender a verdade segundo a qual o doador e o receptor são o mesmo. Precisarás de ajuda para fazer com que isso seja significativo, por ser tão alheio aos pensamentos aos quais estás acostumado. Mas a Ajuda de que precisas está aqui. Hoje, dá-Lhe a tua fé e pede-Lhe que compartilhe da tua prática da verdade. E se apenas captares um diminuto vislumbre da liberação que há na ideia que praticamos hoje, esse será um dia de glória para o mundo.

9. Dá quinze minutos duas vezes hoje à tentativa de compreender a ideia deste dia. É o pensamento através do qual o perdão toma o seu lugar entre as tuas prioridades. É o pensamento que liberará a tua mente de todas as barreiras contra o significado do perdão e o deixará que reconheças o seu valor para ti.

10. Em silêncio, fecha os olhos sobre o mundo que não compreende o perdão e busca o santuário no lugar quieto em que os pensamentos são mudados e as falsas crenças postas de lado. Repete a ideia de hoje e pede ajuda para compreenderes o que ela realmente significa. Que estejas disposto a ser ensinado. Fica contente por ouvir a Voz da verdade e da cura falar contigo e compreenderás as palavras que Ele diz e reconhecerás que Ele te diz as tuas próprias-palavras.

11. Lembra-te sempre que puderes que hoje tens uma meta, um objetivo que faz com que esse dia seja especialmente valioso para ti e para todos os teus irmãos. Não deixes a tua mente esquecer-se dessa meta por muito tempo, mas dize a ti mesmo:

Tudo o que dou é dado a mim mesmo. A Ajuda que preciso para aprender que isso é verdadeiro está comigo agora. E confiarei Nele.


Em seguida, passa um momento em quietude, abrindo a tua mente para a sua correção e o Seu Amor. E o que ouvires Dele, tu acreditarás, pois o que Ele dá será recebido por ti.


LIÇÃO 125 - 05/05/2018



Em quietude recebo hoje o Verbo de Deus.



1. Que esse dia seja um dia de serenidade e de silenciosa escuta. Hoje, é Vontade de teu Pai que ouças o Seu Verbo. Ele te chama das profundezas da tua mente onde Ele habita. Ouve-O, hoje. Nenhuma paz é possível até que o Seu Verbo seja ouvido por todo o mundo, até que a tua mente, escutando silenciosamente, aceite a mensagem que o mundo tem que ouvir para introduzir o quieto tempo da paz.



2. Esse mundo mudará através de ti. Nenhum outro meio pode salvá-lo, pois o Plano de Deus é simplesmente esse: O filho de Deus é livre para salvar-se; o Verbo de Deus lhe foi dado para ser o seu Guia, para estar sempre na sua mente e ao seu lado para conduzi-lo com segurança à casa de seu Pai pela sua própria vontade, para sempre tão livre quanto a de Deus. Ele não é conduzido pela força, mas só pelo amor. Ele não é julgado, apenas santificado.



3. Em serenidade hoje, ouviremos a Voz de Deus sem a intrusão de nossos pensamentos mesquinhos, sem nossos desejos pessoais e sem qualquer julgamento do Seu santo Verbo. Não nos julgaremos hoje, pois o que somos não pode ser julgado. Estamos à parte de todos os julgamentos que o mundo impôs sobre o Filho de Deus. O mundo não o conhece. Hoje não escutaremos o mundo, mas esperaremos em silêncio pelo Verbo de Deus.



4. Ouve, santo Filho de Deus, o teu Pai falar. A Sua Voz quer te dar o Seu santo Verbo, para espalhar pelo mundo as boas-novas da salvação e do tempo santo da paz. Reunímo-nos hoje no trono de Deus, o sereno lugar no interior da mente em que Ele habita para sempre, na santidade que Ele criou e que nunca deixará.



5. Ele não esperou até que tu Lhe devolvesses a tua mente para te dar o Seu Verbo. Ele não Se escondeu de ti, enquanto passaste algum tempo vagando longe Dele. Ele não alimenta as ilusões que tu manténs sobre ti mesmo. Ele conhece o Seu Filho e a Sua Vontade é que esse permaneça como parte Dele, a despeito dos seus sonhos, a despeito da loucura de achar que a sua própria vontade não lhe pertence.



6. Hoje, Ele fala contigo. A Sua Voz aguarda o teu silêncio, pois o Seu Verbo não pode ser ouvido enquanto a tua mente não se aquietar por um momento e os teu desejos sem significado não se calarem. Espera pelo Seu Verbo em quietude. Há em ti a paz a ser invocada hoje, para ajudar a aprontar a tua mente mais santa para ouvir a Voz pelo Criador.



7. Três vezes hoje, nos momentos mais adequados para o silêncio dá dez minutos que estarão à parte do tempo em que escutas o mundo, e ao invés disso, escolhe escutar gentilmente o Verbo de Deus. Ele te fala de um lugar mais próximo de ti do que o teu coração. A Sua Voz está mais perto do que a tua mão. O Seu Amor é tudo o que tu és e o que Ele é, o mesmo que tu e tu o mesmo que Ele.



8. É a tua voz que escutas quando Ele te fala. É o teu Verbo que Ele diz. É o Verbo da liberdade e da paz, da unidade da vontade e de propósito, sem nenhuma separação ou divisão na Mente única do Pai e do Filho. Em quietude escuta o teu Ser hoje e deixa-O dizer-te que Deus nunca deixou o Seu Filho e que tu nunca deixaste o teu Ser. 



9. Apenas fica quieto. Não precisarás de nenhuma regra, a não ser essa: deixar que a tua prática de hoje te eleve acima do pensamento do mundo e liberte a tua visão dos olhos do corpo. Apenas aquieta-te e escuta. Tu ouvirás o Verbo no qual a vontade de Deus Filho se une à Vontade de seu Pai, em unidade com ela, sem ilusões que se interpõem entre o que é totalmente indivisível e verdadeiro. Hoje, à passagem de cada hora, aquieta-te por um momento e lembra a ti mesmo de que tens um propósito especial para esse dia: receber em quietude o Verbo de Deus.





LIÇÃO 124 - 04/03/2018



Que eu me lembre que sou um com Deus.



1. Hoje, damos graças mais uma vez pela nossa Identidade em Deus. A nossa casa está em segurança, a proteção nos é garantida em tudo o que fazemos, o poder e a força estão ao nosso alcance em todos os nossos empreendimentos. Não podemos falhar em nada. Tudo o que tocamos se reveste de uma luz brilhante que abençoa e cura. Em unidade com Deus e com o universo continuamos o nosso caminho, regozijando-nos com o pensamento de que o próprio Deus vai conosco a toda parte.



2. Como são santas as nossas mentes! E tudo o que vemos reflete a santidade dentro da mente que está em unidade com Deus e consigo mesma. Como os erros desaparecem com facilidade e a morte dá lugar à vida que dura para sempre. As marca brilhantes dos nossos passos indicam o caminho para a verdade, pois Deus é o nosso Companheiro enquanto caminhamos pelo mundo ainda um pouco mais. E aqueles que vêm para nos seguir reconhecerão o caminho, pois a luz que carregamos fica atrás de nós, embora também permaneça conosco à medida que caminhamos.



3. O que recebemos é a nossa dádiva eterna para aqueles que nos seguem, para aqueles que foram antes de nós, ou que ficaram algum tempo conosco. E Deus Que nos ama a todos com amor igual, aquele no qual fomos criados, sorri para nós e nos oferece a felicidade que demos.



4. Hoje, não duvidaremos do Seu Amor por nós, nem questionaremos a Sua proteção e o Seu cuidado. Nenhuma ansiedade sem significado pode vir para interferir na nossa fé e na nossa consciência da Sua Presença. Somos um com Ele, hoje, em reconhecimento e lembrança. Nós O sentimos em nossos corações. Nossas mentes contêm os Seus pensamentos, nossos olhos contemplam a Sua beleza em tudo o que olhamos. Hoje, vemos apenas o que é amoroso e amável.



5. Vemos isso nas aparências da dor e a dor dá lugar à paz. Vemos isso nos frenéticos, nos tristes e nos aflitos, nos solitários e nos medrosos que são restaurados à tranquilidade e à paz da mente na qual foram criados. É o que vemos nos moribundos e nos mortos também, restaurando-os à vida. Vemos tudo isso porque o vimos primeiro dentro de nós mesmos.



6. Nenhum milagre jamais pode ser negado àqueles que sabem que são um com Deus. Nenhum dos seus pensamentos deixa de ter o poder de curar todas as formas de sofrimento em qualquer pessoa, nos tempos que já passaram e nos tempos que ainda estão por vir, com a mesma facilidade com que curam aqueles que atualmente caminham ao seu lado. Os seus pensamentos são intemporais e estão à parte da distância e à parte do tempo.



7. Nós nos unimos nesta consciência ao dizermos que somos um com Deus. Pois, nestas palavras, também estamos dizendo que estamos salvos e curados e como consequência podemos salvar e curar. Aceitamos e agora queremos dar. A razão disso é queremos conservar as dádivas que nosso Pai nos deu. Hoje queremos vivenciar a nós mesmos em unidade com Ele para que o mundo possa compartilhar o nosso reconhecimento da realidade. Em nossa experiência, o mundo é libertado. Ao negarmos a nossa separação do nosso Pai, o mundo é curado junto conosco.



8. Que a paz esteja contigo hoje. Assegura a tua paz praticando a consciência de que és um com o teu Criador, assim como Ele é um contigo. Em algum momento, hoje quando te parecer melhor, dedica meia-hora ao pensamento de que és um com Deus. Essa é a nossa primeira tentativa de empreender um período prolongado de prática para o qual não damos regras nem palavras especiais para guiar a tua meditação. Confiaremos que, hoje, a Voz de Deus falará assim como Ele achar melhor, certos de que ele não falhará. Permanece com Ele durante essa meia-hora. Ele fará o resto.



9. O teu benefício não será menor se acreditares que nada acontece. Podes não estar pronto para aceitar o que ganhaste no dia de hoje. entretanto, em algum momento, em algum lugar, isso virá a ti e não deixarás e reconhecê-lo quando despontar com certeza na tua mente. Essa meia-hora será emoldura em ouro e cada minuto será como um diamante cravado em volta do espelho que esse exercício te oferecerá. E nele verás a face de Cristo refletindo a tua.



10. Talvez hoje, talvez amanhã, verás a tua própria transfiguração no vidro que essa santa meia-hora te oferecerá para que contemples a ti mesmo. Quando estiveres pronto, o acharás lá dentro da tua mente, esperando para ser achado. Então, lembrarás o pensamento ao qual deste essa meia-hora e estarás ciente, com gratidão, de que nunca o tempo foi melhor aproveitado.



11. Talvez hoje, talvez amanhã, olharás para esse vidro e entenderás que a luz sem pecado que vês pertence a ti, que a beleza que contemplas é a tua própria. Conta essa meia-hora como uma dádiva tua para Deus, na certeza de que o que Ele devolverá será um senso de amor que não podes entender, uma alegria por demais profunda para a tua compreensão, uma vista por demais santa para que os olhos do corpo a vejam. Entretanto, podes ter certeza de que algum dia, talvez hoje, talvez amanhã, tu entenderás, compreenderás e verás.



12. Adiciona outras jóias à moldura dourada que enquadra o espelho que te é oferecido hoje, repetindo para ti mesmo a cada hora:



Que eu me lembre que sou um com Deus, em unidade com todos os meus irmãos e com o meu Ser, na santidade e na paz que duram para sempre.





LIÇÃO 123 - 03/05/2018



Agradeço ao meu Pai por Suas dádivas para mim.



1. Hoje, sejamos gratos. Chegamos a atalhos mais suaves e a estradas mais planas. Não pensamos em voltar atrás e não há nenhuma resistência implacável à verdade. Um pouco de indecisão permanece, algumas pequenas objeções e um pouco de hesitação mas podes muito bem ser grato pelos teus ganhos, que são muito maiores do que reconheces.



2.Agora, um dia dedicado à gratidão acrescentará o benefício de algum discernimento acerca da real extensão de tudo o que tens ganho, das dádivas que tens recebido. Fica contente hoje em gratidão amorosa, o teu Pai não te abandonou a ti mesmo, nem te deixou a vagar sozinho no escuro. Sê grato por Ele te ter salvo do ser que pensaste ter feito para ocupar o Seu lugar e o da Sua criação. Hoje, dá-Lhe graças.



3. Dá-Lhe graças por Ele não ter te abandonado e pelo Seu amor permanecer para sempre brilhando sobre ti, para sempre imutável. Dá-Lhe graças também por seres imutável, pois o Filho que Ele ama é tão imutável quanto Ele próprio. Sê grato por estares salvo. Fica contente por teres uma função a ser cumprida na salvação. Sê grato por teu valor transcender em muito as tuas poucas dádivas e os teus julgamentos mesquinhos sobre aquele que Deus estabeleceu como Seu Filho.



4. Hoje, em gratidão elevamos os nossos corações acima do desespero e erguemos os nossos olhos agradecidos que não olham mais para baixo, para o pó. Hoje, entoamos a canção do agradecimento em honra ao Ser Que segundo a Vontade de Deus é a nossa verdadeira Identidade Nele. Hoje, sorrimos para todos aqueles que vemos e caminharmos com passos leves ao fazermos o que nos foi designado fazer.



5. Não vamos sozinhos. E damos graças porque na nossa solidão um Amigo veio para nos falar do Verbo salvador de Deus. E agradecemos a ti por tê-Lo ouvido. O Verbo de Deus não tem som, se não for ouvido. Ao agradeceres a Ele, os agradecimentos são teus também. Uma mensagem que não é ouvida não salvará o mundo, por mais poderosa que seja a Voz que a diz, por mais amorosa que a mensagem possa ser. 



6. Graças sejam dadas a ti que ouviste, pois vens a ser o mensageiro traz consigo a Sua Voz e a deixa ecoar por todo o mundo. Hoje recebe os agradecimentos de Deus ao dar graças a Ele. Pois Ele quer te oferecer os agradecimentos que tu Lhe dás, já que Ele recebe com amorosa gratidão as tuas dádivas e as devolve mil vezes, cem mil vezes maiores do que quando foram dadas. Ele abençoará as tuas dádivas compartilhando-as contigo. E assim elas crescem em poder e força até que encham o mundo com contentamento e gratidão.



7. Recebe o Seu agradecimento e oferece-Lhe o teu durante quinze minutos duas vezes hoje. E compreenderás a Quem ofereces a tua gratidão e a Quem Ele agradece quando estás Lhe agradecendo. Essa santa meia-hora dada a Ele te será desenvolvida na proporção de anos para cada segundo e poder para salvar o mundo com rapidez aumentada de muitas eras graças ao teu agradecimento a Ele.



8. Recebe os Seus agradecimentos e compreenderás o quão amorosamente Ele te guarda na Sua Mente, quão profundo e ilimitado é o Seu cuidado para contigo, quão perfeita é a Sua gratidão a ti. Lembra-te de pensar Nele a cada hora e dá-Lhe graças por tudo o que Ele deu ao Seu Filho para que ele possa erguer-se acima do mundo lembrando-se do seu Pai e do seu Ser.





LIÇÃO 122 - 02/05/2018



O perdão oferece tudo o que eu quero.



1. O que poderias querer que o perdão não possa dar? Queres paz? O perdão a oferece. Queres felicidade, uma mente serena, certeza acerca do teu propósito e um senso de valor e beleza que transcende o mundo? Queres atenção, segurança e o calor da proteção garantida para sempre. Queres uma quietude que não possa ser perturbada, uma gentileza que jamais possa ser ferida, um consolo profundo e duradouro e um descanso tão perfeito que jamais possa ser transtornado?



2. O perdão te oferece tudo isso, e mais. Ele brilha nos teus olhos quando acordas e te dá alegria para saudar o dia. Conforta a tua fronte enquanto dormes e repousa sobre as tuas pálpebras para que não tenhas sonhos de medo e mal, malícia e ataque. E quando acordas de novo, ele te oferece um outro dia de felicidade e paz. O perdão te oferece tudo isso, e mais.



3. O perdão permite que seja erguido o véu que esconde a face de Cristo daqueles que olham para o mundo com olhos sem perdão. Permite que reconheças o Filho de Deus e limpes a tua memória de todos os pensamentos mortos, para que a lembrança do teu Pai possa surgir no limiar da tua mente. O que poderias querer que o perdão não possa dar? Que outras dádivas além destas são dignas de serem buscadas? Que valor imaginário, que efeito trivial, que promessa fugaz que nunca será cumprida pode conter mais esperança do que aquilo que o perdão traz?



4. Por que buscarias uma outra resposta, além da resposta que responde a tudo? Eis aqui a resposta perfeita, dada a perguntas imperfeitas, a pedidos sem significado, à pouca disponibilidade para ouvir, a menos da metade do zelo que poderias dar e a uma confiança parcial. Eis aqui a resposta! Não a busques mais. Não acharás nenhuma outra em vez dela.



5. O plano de Deus para a tua salvação não pode mudar nem pode falhar. Sê grato por ele permanecer exatamente como Deus o planejou. Imutável, ele está diante de ti como uma porta aberta, ele te chama de além do umbral com boas-vindas calorosas, pedindo-te que entres e sinta-te em casa onde é o teu lugar.



6. Eis aqui a resposta! Preferirias ficar do lado de fora, quando o Céu inteiro espera por ti do lado de dentro? Perdoa e sê perdoado. Como dás, assim receberás. Não há outro plano senão esse para a salvação do Filho de Deus. Regozijemo-nos hoje por ser assim, pois aqui temos uma resposta clara e simples, além do engano na sua simplicidade. Todas as complexidades que o mundo teceu com frágeis teias de aranha desaparecem diante do poder e da majestade dessa declaração extremamente simples da verdade.



7. Eis aqui a resposta! Não vires as costas para novamente vagar sem rumo. Aceita a salvação agora. É a dádiva de Deus e não do mundo. O mundo não pode oferecer nenhuma dádiva de qualquer valor à mente que tenha recebido como seu o que Deus lhe deu. É Vontade de Deus que a salvação seja recebida hoje e que os labirintos dos teus sonhos não mais escondam de ti que nada são.



8. Abre os teus olhos, hoje, e olha para um mundo feliz, de segurança e paz. O perdão é o meio pelo qual ele vem tomar o lugar do inferno. Na quietude, ele surge para saudar os teus olhos abertos e encher o teu coração de profunda tranquilidade, à medida que verdades antigas, eternamente recém-nascidas surgem na tua consciência. O que vais lembrar nesse momento nunca poderá ser descrito. No entanto, o teu perdão te oferece isso.



9. Lembrando-nos das dádivas do perdão, empreendemos a nossa prática de hoje com esperança e fé de que esse será o dia em que a salvação será nossa. Nós a buscaremos hoje com ardor e alegria, cientes de que seguramos a chave em nossas mãos, aceitando a resposta do Céu ao inferno que fizemos, mas no qual não mais queremos permanecer.



10. De manhã e à noite, oferecemos com alegria um quarto de hora à busca na qual o fim do inferno está garantido. Começa com esperança pois alcançaremos o ponto de mutação, em que a estrada vem a ser muito mais fácil. E agora o caminho que ainda temos que percorrer é curto. De fato, estamos bem próximos do final estabelecido para o sonho.



11. Mergulha na felicidade ao começar estes períodos de prática, pois oferecem as infalíveis recompensas de perguntas respondidas e do que resulta da tua aceitação da resposta. Hoje te será dado sentir a paz que o perdão oferece e a alegria que o levantar do véu descortina para ti.



12. Diante da luz que receberás hoje, o mundo se desvanecerá até desaparecer e verás surgir um outro mundo e não terás palavras para retratá-lo. Caminhamos agora diretamente para a luz e recebemos as dádivas que nos foram reservadas desde o início dos tempos, à espera do dia de hoje.



13. O perdão oferece tudo o que queres. Hoje, todas as coisas que queres te são dadas. Não deixes que as tuas dádivas sumam da tua vista durante o dia, quando voltares a encontrar um mundo de mudanças passageiras e aparências desoladoras. Conserva as tuas dádivas na tua consciência com clareza ao ver o imutável no coração da mudança, a luz da verdade por trás das aparências.



14. Não sejas tentado a deixar que as tuas dádivas passem despercebidas e caiam no esquecimento, mas mantêm-nas com firmeza em tua mente através das tuas tentativas de pensar nelas pelo menos por um minuto a cada quarto de hora que passa. Lembra-te do quanto estas dádivas são preciosas com esse lembrete, que tem o poder de mantê-las na tua consciência ao longo do dia:



O perdão oferece tudo o que eu quero.

Hoje, aceitei isso como verdadeiro.

Hoje, recebi as dádivas de Deus.





LIÇÃO 121 - 01/05/2018

O perdão é a chave da felicidade.

1. Eis aqui a resposta para a tua busca de paz. Eis aqui a chave do significado em um mundo que parece não fazer sentido. Eis aqui o caminho para a segurança nos perigos aparentes que parecem ameaçar-te a cada esquina, trazendo a incerteza para toda as tuas esperanças de jamais achar a quietude e a paz. Aqui, todas as perguntas são respondidas, aqui está finalmente assegurado o fim de toda incerteza.

2. A mente que não perdoa é cheia de medo e não oferece espaço ao amor para ser ele mesmo, nenhum lugar onde ele possa estender as suas asas em paz e elevar-se acima do tumulto do mundo. A mente que não perdoa é triste, sem esperança de descanso e de liberar-se da dor. Ela sofre e habita a miséria, espreitando a escuridão sem ver, mas certa do perigo que lá a ronda.

3. A mente que não perdoa é dilacerada pela dúvida, confusa a respeito de si mesma e de tudo o que vê; medrosa e com raiva, fraca e ameaçadora, com medo de seguir adiante, com medo de ficar; com medo de acordar ou de adormecer, com medo de qualquer som, todavia com mais medo ainda do silêncio; aterrorizada ainda com a aproximação da luz. O que pode a mente que não perdoa perceber, senão a sua própria perdição? O que pode contemplar, senão a prova de que todos o seus pecados são reais?

4. A mente que não perdoa não vê equívocos, só pecados. Olha para o mundo com olhos que não vêem e grita ao ver as suas próprias projeções erguerem-se para atacar a sua miserável paródia da vida. Ela quer viver, mas deseja estar morta. Quer o perdão, mas não vê esperança alguma. Quer escapar, mas não pode conceber nenhuma saída, porque vê o pecado em toda parte.

5. A mente que não perdoa está em desespero, sem a perspectiva de um futuro que possa lhe oferecer alguma coisa que não seja mais desespero. No entanto, considera o seu julgamento do mundo como irreversível e não vê que ela própria se condenou a esse desespero. Pensa que não pode mudar, pois o que vê dá testemunho de que o seu julgamento é correto. Não pergunta, porque pensa que sabe. Não questiona, pois tem certeza de que está certa.

6. O perdão é adquirido. Não é inerente à mente que não pode pecar. Como o pecado é uma ideia que ensinaste a ti mesmo, o perdão também tem que ser aprendido por ti, mas com um Professor diferente de ti, Aquele que representa o outro Ser em ti. Através Dele, aprendes a perdoar o ser que pensas que fizeste e a deixá-lo desaparecer. Assim, devolves a tua mente unificado Aquele Que é o teu Ser e Que jamais pode pecar.

7. Cada mente que não perdoa te apresenta uma oportunidade de ensinar à tua própria mente como perdoar a si mesma. Cada uma delas espera a liberação do inferno por teu intermédio e se volta para ti implorando-te o Céu aqui e agora. Ela não tem esperança, mas vens a ser a sua esperança. E sendo a sua esperança vens a ser a tua própria. A mente que não perdoa tem que aprender através do teu perdão que foi salva do inferno. E, ao ensinares a salvação, aprenderás. No entanto, todo o teu ensino e o teu aprendizado não virão de ti, mas do Professor Que te foi dado para mostrar-te o caminho.

8. Hoje, praticaremos aprender a perdoar. Se estiveres disposto hoje podes aprender a pegar a chave da felicidade e usá-la a favor de ti mesmo. Dedicaremos dez minutos pela manhã e mais dez à noite ao aprendizado de dar o perdão e também de recebê-lo.

9. A mente que não perdoa não acredita que dar e receber são a mesma coisa. Mas hoje tentaremos aprender que são uma só, praticando o perdão em relação a alguém que considerar como um amigo. E ao aprender a vê-los como um só, entenderemos a lição a ti mesmo e veremos que no seu escape estava incluído o teu.

10. Dá início aos períodos de prática mais longos pensando em alguém de quem não goste, que pareça irritar-te ou que te cause contrariedade se vieres a encontrá-lo; alguém que de fato desprezes ou apenas tentes ignorar. Não importa a forma que tome a tua raiva. Provavelmente já o escolheste. Ele servirá.

11. Agora, fecha os olhos e vendo-o na tua mente, olha para ele por um momento. Tenta perceber nele alguma luz em algum lugar, um pequeno lampejo que nunca havias notado. Tenta achar uma pequena centelha de luz brilhando através do freio retrato que manténs dele. Olha para esse retrato até que vejas uma luz em algum ponto e em seguida tenta deixar que essa luz se estenda até cobri-lo, fazendo com que o retrato seja bonito e bom.

12. Olha por um momento para essa percepção mudada e volta a tua mente para aquele a quem chamas de amigo. Procura transferir para ele a luz que aprendeste a ver em torno do teu antigo "inimigo". Perceba-o agora como mais do que um amigo para ti, pois nesta luz, a sua santidade te mostra o teu salvador, salvo e pronto a salvar, curado e íntegro.

13. Então, deixa que ele ofereça a ti a luz que vês nele e deixa que o "inimigo" e o teu amigo se unam, abençoando-te com o que deste. Agora, és um com eles e eles contigo. Agora foste perdoado por ti mesmo. Não esqueças, ao longo do dia, o papel que o perdão desempenha em trazer felicidade a cada mente que não perdoa, incluindo entre ela a tua. Dize a ti mesmo a cada hora:

O perdão é a chave da felicidade. Despertarei do sonho de que sou mortal, falível e cheio de pecado, e saberei que sou um Filho perfeito de Deus.



LIÇÃO 120 - 30/04/2018

Para revisão pela manhã e à noite:

1. (109) Eu descanso em Deus.

Eu descanso em Deus hoje e deixo que Ele trabalhe em mim e através de mim, enquanto descanso Nele em quietude e em perfeita certeza.

2. (110) Eu sou como Deus me criou.

Eu sou o Filho de Deus. Hoje deixo de lado todas as ilusões doentias sobre mim mesmo e permito que meu Pai me diga. Quem eu realmente sou.

3. Para a hora:

Eu descanso em Deus.

Para a meia-hora:


Eu sou como Deus me criou.


LIÇÃO 119 - 29/04/2018

Para a revisão pela manhã e à noite:

1. (107)  A verdade corrigirá todos os erros na minha mente.

Estou equivocado quando penso que posso ser ferido de qualquer modo. Eu sou o Filho de Deus, cujo Ser descansa com segurança na Mente de Deus.

2. (108) Dar e receber são um só na verdade.

Perdoarei todas as coisas hoje para que eu possa aprender como aceitar a verdade em mim e venha a reconhecer a minha impecabilidade.

3. Para a hora:

A verdade corrigirá todos os erros na minha mente.

Para a meia-hora:


Dar e receber são um só na verdade.

LIÇÃO 118 - 28/04/2018

Para a revisão pela manhã e à noite:

1. (105) A paz e a alegria de Deus são minhas.

Hoje aceitarei a paz e a alegria de Deus trocando-as com contentamento por todos os substitutos que tenho feito para a felicidade e a paz.

2. (106) Que eu me aquiete e escute a verdade.

Que a minha fraca voz se cale e permita-me ouvir a poderosa Voz pela própria Verdade assegurar-me que eu sou o Filho perfeito de Deus.

3. Para a hora:

A paz e a alegria de Deus são minhas.

Para a meia-hora:

Que eu me aquiete e escute a verdade.

LIÇÃO 117 - 27/04/2018

Para a revisão pela manhã e à noite:

1. (103) Deus, sendo Amor, é também felicidade.

Que eu me lembre que amor é felicidade, e nada mais traz alegria. Então escolho não receber nenhum substituto para o amor.

2. (104) Eu busco apenas o que pertence a mim na verdade.

O Amor é minha herança, e com ele a alegria. Estas são as dádivas que meu Pai me deu. Eu quero aceitar tudo que é meu na verdade.

3. Para a hora:

Deus, sendo Amor, é também felicidade.

Para a meia-hora:

Eu busco apenas o que pertence a mim na verdade.

LIÇÃO 116 - 26/04/2018

Para revisão pela manhã e à noite:

1. (101)  A Vontade de Deus para mim é a felicidade perfeita.

A Vontade de Deus é a felicidade perfeita para mim.
E eu só posso sofrer se acreditar que há outra vontade à parte da Dele.

2. (102) Eu compartilho a Vontade de Deus de felicidade para mim.

Eu compartilho a Vontade de Deus para mim, seu Filho. O que Ele me deu é tudo o que eu quero. O que Ele me deu é tudo o que existe.


3. Para a hora:
A Vontade de Deus para mim é a felicidade perfeita.

Para a meia-hora:
Eu compartilho a Vontade de Deus de felicidade para mim.


LIÇÃO 115 - 25/04/2018

Para a revisão pela manhã e à noite:

1. (99) A salvação é a minha única função aqui.

A minha função aqui é perdoar o mundo por todos os erros que tenho feito. Pois assim sou liberado de todos eles com todo o mundo.

2. (100)  A minha parte é essencial no plano de Deus para a salvação.

Eu sou essencial ao plano de Deus para a salvação do mundo. Pois Ele me deu o Seu plano para que eu possa salvar o mundo.

3. Para a hora:
A salvação é a minha única função aqui.

Para a meia-hora:
A minha parte é essencial no plano de Deus para a salvação.


LIÇÃO 114 - 24/04/2018

Para a revisão pela manhã e à noite:

1. (97) Eu sou espírito.

Eu sou o Filho de Deus. Nenhum corpo pode conter meu espírito, nem me impor uma limitação que Deus não criou.

2. (98) Vou aceitar a minha parte no plano de Deus para a salvação.
O que pode ser minha função senão aceitar o Verbo de Deus, Que me criou quanto ao que eu sou e serei para sempre?


3. Para a hora:
Eu sou espírito

Para a meia-hora:
Vou aceitar a minha parte no plano de Deus para a salvação.


LIÇÃO 113 - 23/04/2018

Para a revisão pela manhã e à noite:

1. (95) Eu sou um único Ser, unido ao meu Criador.

A serenidade e a paz perfeita são minhas, porque eu sou um Ser completamente íntegro, em unidade com toda a criação e com Deus.

2. (96) A Salvação vem do meu único Ser.

Do meu único Ser, Cujo conhecimento permanece ainda dentro da minha mente, eu vejo o plano perfeito de Deus para a minha salvação perfeitamente cumprido.

Para a hora:
Eu sou um único Ser, unido ao meu Criador.

Para a meia-hora:

A Salvação vem do meu único Ser.

LIÇÃO 112 - 21/04/2018

Para a revisão pela manhã e à noite:

1. (93) A luz, a alegria e a paz habitam em mim.

Eu sou o lar da luz, da alegria e da paz. Eu lhes dou boas-vindas no lar que compartilho com Deus, porque eu sou uma parte Dele.

2. (94) Eu sou como Deus me criou.

Permanecerei para sempre como fui, criado pelo Imutável como Ele Mesmo. Eus ou um com Ele e Ele comigo.

3. Para a hora:
A luz, a alegria e a paz habitam em mim.

Para a meia-hora:
Eu sou como Deus me criou.


REVISÃO III

Introdução

1. A nossa próxima revisão começa hoje. Revisaremos duas das lições recentes a cada dia durante dez dias sucessivos de prática. Observaremos uma forma especial para estes períodos de prática, e a ti é recomendado com insistência que a sigas o mais fielmente possível.

2. Compreendemos, é claro, que talvez te seja impossível empreender o que é sugerido aqui como o melhor a cada dia e a cada hora do dia. O aprendizado não ficará prejudicado se perderes um período de prática por ser impossível para ti na hora indicada. Também não é necessário que faças esforços excessivos para certificar-te de que estás acompanhando em termos de números. Rituais não são o nosso objetivo e derrotariam a nossa meta.

3. Mas o aprendizado será prejudicado se pulares um período de prática por não estares disposto a dedicar a isso o tempo que se pede que dês. Não te enganes a esse respeito. A falta de disponibilidade pode estar cuidadosamente escondida por trás de um disfarce feito de situações que não podes controlar. Aprende a distinguir as situações pouco favoráveis para a tua prática daquelas que estabeleces para manter uma camuflagem para a tua falta de disponibilidade.

4. Os períodos de prática que perdeste porque não quiseste fazê-los, qualquer que tenha sido a razão, devem ser feitos assim que tiveres mudado a tua mente quanto à tua meta. Não terás vontade de cooperar na prática da salvação somente se ela interferir com metas que valorizas mais. Quando retirares o valor que lhes deste, deixa que os teus períodos de prática substituam as tuas litanias a elas. elas nada te deram. Mas a tua prática pode te oferecer tudo. Assim, aceita o que ela te oferece e fica em paz.

5. A forma que deves usar para estas revisões é essa: dedica cinco minutos duas vezes por dia ou mais se preferires, a considerar os pensamentos que são indicados. Lê as ideias e os comentários que estão escritos para o exercício de cada dia. Em seguida, começa a pensar sobre eles, deixando que a tua mente os relacione com as tuas necessidades, os teus problemas aparentes e todas as tuas preocupações.

6. Põe as ideias na tua mente e deixa-a usá-las como ela escolher. Deposita a tua fé de que ela as usará com sabedoria, pois nas suas decisões terá a ajuda Daquele Que deu os pensamentos a ti. Em que mais podes confiar, senão no que está na tua mente? Tem fé nestas revisões, o meio que o Espírito Santo usa não falhará. A sabedoria da tua mente virá em teu auxílio. Dá a direção no início, em seguida recosta-te em quietude e com fé e deixa a tua mente empregar os pensamentos que tu lhe deste, pois eles te foram dados para que ela os use.

7. Eles te foram dados em perfeita confiança, com perfeita segurança de que farás bom uso deles, com fé perfeita de que verás as suas mensagens e as usarás para ti mesmo. Oferece-as à tua mente com o mesmo crédito, confiança e fé. Ela não falhará. Ela é o meio escolhido pelo Espírito Santo para a tua salvação. Uma vez que ela tem o Seu crédito, não há dúvida de que o Seu meio tem que merecer o teu também.

8. Enfatizamos os benefícios que terás se dedicares os primeiros cinco minutos do dia às tuas revisões e também lhes deres os últimos cinco minutos de vigília de seu dia. Se isso não for possível, tenta pelo menos dividi-los de tal forma que empreendas uma revisão pela manhã e a outra durante a última hora antes de ires dormir.

9. Os exercícios a serem feitos ao longo do dia são igualmente importantes e talvez até de maior valor. Tens estado inclinado a praticar apenas nos horários indicados e depois seguir o teu caminho para outras coisas sem aplicar a elas o que aprendeste. Como resultado, os reforços que ganhaste foram poucos e não deram ao teu aprendizado uma chance justa para provar o quanto é grande o seu potencial de dádivas para ti. Eis aqui um outra chance para fazeres bom uso dele.

10. Nestas revisões, enfatizamos a necessidade de não deixares que o teu aprendizado seja em vão entre os teus períodos de prática mais prolongados. Tenta dar às tuas duas ideias diárias uma revisão breve, mas séria a cada hora. Usa uma delas exatamente na hora e a outra meia hora mais tarde. Não é preciso dar mais do que apenas um momento a cada uma. Repete-a e deixa a tua mente descansar por pouco tempo em silêncio e em paz. Em seguida, volta-te para outras coisas, mas tenta conservar o pensamento contigo e deixa-o servir também para ajudar-te a manter a tua paz ao longo do dia.

11. Se ficares perturbado, pensa nele novamente. Estes períodos de prática são planejados para ajudar-te a formar o hábito de aplicar o que aprendes a cada dia a tudo o que fazes. Não repitas o pensamento para deixá-lo de lado. A sua utilidade é sem limites para ti. E ele se destina a servir-te de todos as maneiras, em todos os momentos e lugares e sempre que precisares de qualquer tipo de ajuda. Portanto, tenta levá-lo contigo durante as tuas atividades do dia, fazendo com que ele seja santo, digno do Filho de Deus, aceitável para Deus e para o teu Ser.

12. As tarefas para a revisão de cada dia serão concluídas com uma reafirmação do pensamento a ser usado a cada hora, e também daquele a ser aplicado na meia-hora seguinte. Não os esqueças. Essa segunda chance para cada uma destas ideias trará enormes avanços e sairemos destas revisões com benefícios de aprendizado tão grandes que continuaremos em terreno mais sólido, com passos mais firmes e com a fé mais forte.

Não esqueças quão pouco tens aprendido.
Não esqueças o quanto podes aprender agora.
Não esqueças que o Teu Pai precisa de ti ao revisares estes pensamentos que Ele te deu.


LIÇÃO 111 - 21/04/2018

Para revisão pela manhã e à noite:

1. (91) Milagre são vistos na luz.

Eu não posso ver na escuridão. Que a luz da santidade e da verdade ilumine a minha mente e me permita ver a inocência interior.

2. (92) Milagres são vistos na luz, e a luz e a força são uma só.

Eu vejo através da força, a dádiva de Deus para mim.
A minha fraqueza é a escuridão que a dádiva de Deus dissipa, dando-me a Sua força para tomar o seu lugar.

3. Para a hora:
Milagres são vistos na luz.

Para a meia-hora:
Milagres são vistos na luz, e a luz e a força são uma só.


LIÇÃO 110 - 20/04/2018

Eu sou como Deus me criou.

1. Repetiremos essa ideia de hoje de vez em quando. A razão disso é que esse único pensamento seria suficiente para salvar a ti e ao mundo, se acreditasses que é verdadeiro. Essa verdade significaria que não fizeste nenhuma mudança em ti mesmo que tenha realidade, e nem mudaste o universo de forma que o que Deus criou seja substituído pelo medo e pelo mal, pela miséria e pela morte. Se permaneces tal como Deus te criou, o medo não tem significado, o mal não é real, a miséria e a morte não existem.

2. A ideia de hoje é, portanto, tudo o que precisas para deixar que a completa correção cure a tua mente e te dê a visão perfeita que curará todos os equívocos que qualquer mente tenha cometido, em qualquer tempo ou lugar. Ela basta para curar o passado e fazer com que o futuro seja livre. Basta para deixar que o presente seja aceito tal como é. Basta para deixar que o tempo seja o meio pelo qual todo mundo aprende a escapar do tempo e de todas as mudanças que o tempo parece trazer ao passar.

3. Se permaneces tal como Deus te criou, as aparências não podem tomar o lugar da verdade, a saúde não pode virar doença nem a morte pode substituir a vida, ou o medo o amor. Tudo isso não ocorreu, se tu permaneces tal como Deus te criou. Não precisas de nenhum pensamento, a não ser esse, para deixar que a redenção venha iluminar o mundo e libertar-te do passado.

4. Com esse único pensamento, todo o passado é desfeito; o presente é salvo para estender-se em quietude até um futuro intemporal. Se tu és tal como Deus te criou, então não houve separação entre a tua mente e a Sua, nem divisão entre a tua e as outras mentes e, dentro da tua própria mente, só há unidade.

5. O poder curativo da ideia de hoje é sem limites. É o berço de todos os milagres, a grande restauradora da verdade à consciência do mundo. Pratica a ideia de hoje com gratidão. Essa é a verdade que vem para libertar-te. Essa é a verdade que Deus te prometeu. Esse é o Verbo no qual todo o pesar chega ao fim.

6. Para os teus períodos de prática de cinco minutos, começa com essa citação do texto:

Eu sou como Deus me criou. O Seu Filho nada pode sofrer. E eu sou o Seu Filho.

7. Em seguida, com essa declaração bem firme em tua mente, tenta descobrir em tua mente o Ser Que é o filho santo de Deus em Si Mesmo.

8. Busca dentro de ti Aquele que é o Cristo em ti, o Filho de Deus e o irmão do mundo, o Salvador Que foi salvo para sempre, com o poder de salvar todo aquele que O tocar por mais levemente que seja pedindo o Verbo que lhe diz que ele é um irmão para com Ele.

9. Tu és como Deus te criou. Hoje, honra o teu Ser. Não deixes que as imagens de escultura que fizeste para que fossem o Filho de Deus em lugar do que ele é sejam adoradas no dia de hoje. No fundo da tua mente, o Cristo santo em ti está à espera de que O reconheças como tu mesmo. E estás perdido e não conheces a ti mesmo enquanto Ele permanece sem reconhecimento e não é conhecido.

10. Busca-O hoje e acha-O. Ele será o teu Salvador de todos os ídolos que tens feito. Pois quando O achares, compreenderás quão sem valor são os teus ídolos e quão falsas as imagens que acreditavas que eras. Hoje avançamos muito em direção à verdade, abandonando os ídolos e abrindo as nossas mãos, os nossos corações e as nossas mentes para Deus nesse dia.

11. Lembraremos Dele ao longo do dia com corações agradecidos e com pensamentos de amor por todos aqueles que encontrarmos hoje. Pois é assim que nos lembramos Dele. E diremos, para que sejamos lembrados do Seu Filho, o nosso Ser Santo, o Cristo em cada um de nós.

Eu sou como Deus me criou.

Vamos declarar essa verdade com a maior frequência possível. Esse é o Verbo de Deus que te liberta. Essa é a chave que abre a porta do Céu e te deixa entrar na paz de Deus e na Sua eternidade.


LIÇÃO 109 - 19/04/2018

Eu descanso em Deus.

1. Pedimos descanso, hoje, e uma quietude inabalada pelas aparências do mundo. Pedimos paz e serenidade em meio a todo o tumulto que nasce de sonhos em conflito. Pedimos segurança e felicidade, embora pareçamos olhar para o perigo e pesar. E temos o pensamento que responderá ao nosso pedido com o que estamos pedindo.

2. "Eu descanso em Deus." Esse pensamento te trará o descanso e a quietude, a paz e a calma, a segurança e a felicidade que buscas. "Eu descanso em Deus." Esse pensamento tem o poder de despertar a verdade adormecida em ti, cuja visão vê, além das aparências, essa mesma verdade em todos e em tudo o que existe. Eis aqui o fim do sofrimento para o mundo todo, para todos os que jamais vieram ou ainda virão para passar algum tempo aqui. Eis aqui o pensamento que o Filho de Deus nasce de novo para reconhecer a si mesmo.

3. "Eu descanso em Deus." Completamente imperturbável, esse pensamento te carregará através das tempestades e da discórdia, além da miséria e da dor, além da perda e da morte, e mais adiante em direção a certeza de Deus. Não há sofrimento que ele não possa curar. Não há problema que ele não possa resolver. Não há nenhuma aparência que não se volte para a verdade diante dos teus olhos, pois tu és aquele que descansa em Deus.

4. Esse é o dia da paz. Descansas em Deus, e enquanto o mundo é dilacerado por ventos de ódio, o teu descanso é o da verdade. As aparências não podem interferir em ti. Chamas para que todos se unam a ti no teu descanso e todos ouvirão e virão a ti, pois descansas em Deus. Eles não ouvirão outra voz senão a tua, porque deste a tua voz a Deus e agora descansas Nele e deixa-O falar através de ti.

5. Nele, não tens cuidados nem preocupações, não tens fardos, ansiedade ou dor, medo do futuro ou arrependimentos passados. Descansas na intemporalidade enquanto o tempo passa sem deixar seu toque sobre ti, pois o teu descanso nunca pode mudar de modo algum. Hoje, descansas. E, ao fechares os olhos, afunda na serenidade. Deixa que estes períodos de descanso e pausa reassegurem à tua mente que todas as tuas fantasias frenéticas não passavam de sonhos febris que se foram. Deixa a tua mente ficar serena e aceitar com gratidão a sua cura. Nenhum sonho amedrontador virá, agora que descansas em Deus. Reserva tempo hoje para passar dos sonhos à paz.

6. Hoje, a cada hora que descansas, uma mente cansada subitamente se faz contente, um pássaro de asas quebradas começa a cantar, um rio seco há muito tempo voltará a fluir. O mundo renasce a cada vez que descansas e te lembras a cada hora que vieste para trazer a paz de Deus ao mundo para que ele possa descansar junto contigo.

7. Com cada cinco minutos de descanso hoje, o mundo estará mais próximo do despertar. E o momento em que o descanso será a única coisa que existe vem para mais perto de todas as mentes desgastadas e cansadas, por demais exauridas para seguirem os seus caminhos sozinhas. E elas ouvirão o pássaro começar a cantar e verão o rio fluir novamente com renascida esperança e com a energia restaurada para andar com passos leves ao longo da estrada que, de súbito, parece fácil à medida em que a percorrem.

8. Hoje, descansas na paz de Deus e, do teu descanso, chamas os teus irmãos para atraí-los ao descanso junto contigo. Hoje serás fiel à tua confiança, sem esquecer ninguém, trazendo todos ao círculo sem limites da tua paz, o santuário sagrado onde descansas. Abre as portas do templo e deixa-os vir do outro lado do mundo e de perto também; os teus irmãos distantes e os teus amigos mais íntimos; convida-os todos a entrar aqui e a descansar contigo.

9. Hoje, descansas na paz de Deus, quieto e sem medo. Cada irmão vem para descansar e oferecer o descanso a ti. Descansamos juntos aqui, pois é assim que o nosso descanso se faz completo, e já recebemos o que estamos dando hoje. O tempo não é o guardião do que damos hoje. Estamos dando àqueles que ainda não nasceram e àqueles que já passaram, a cada Pensamento de Deus e à Mente na qual estes Pensamentos nasceram e onde descansam. E nós lembraremos a eles do seu lugar de descanso toda vez  que dissermos a nós mesmos: "Eu descanso em Deus." 


LIÇÃO 108 - 18/04/2018

Dar e receber são um só na verdade.

1. A visão depende da ideia de hoje. A luz está nela pois reconcilia todos os opostos aparentes. E o que é a luz, senão a resolução nascida da paz, de todos eles um só conceito que é totalmente verdadeiro? Até mesmo esse virá a desaparecer, porque o Pensamento por trás dele aparecerá para tomar o seu lugar. E agora estás em paz para sempre pois o sonho acabou.

2. A luz verdadeira que faz com que a visão verdadeira seja possível não é a luz que os olhos do corpo contemplam. É um estado da mente que veio a ser tão unificado que a escuridão não pode ser percebida de forma alguma. E assim o que é o mesmo é visto como um só, enquanto o que não é o mesmo permanece despercebido, pois não existe.

3. Essa é a luz que não mostra opostos e a visão, tendo sido curada, tem o poder de curar. Essa é a luz que traz a tua paz a outras mentes para compartilharem dela e ficarem contentes por serem unas contigo e com elas mesmas. Essa é a luz que cura porque traz a única percepção baseada num só ponto de referência do qual vem um só significado.

4. Aqui, tanto o dar quanto o receber são vistos como aspectos diferentes de um só Pensamento, cuja verdade não depende de qual é visto como o primeiro, ou qual parece estar em segundo lugar. Aqui compreende-se que ambos ocorrem juntos para que o Pensamento permaneça completo. E nesta compreensão está a base na qual todos os opostos são reconciliados por serem percebidos do mesmo ponto de referência, aquele que unifica esse Pensamento. 

5. Um só pensamento, completamente unificado, servirá para unificar todos os pensamentos. Isso é o mesmo que dizer que uma só correção será suficiente para todas as correções ao que uma só correção será suficiente para todas as correções ou que perdoar totalmente um irmão é suficiente para trazer a salvação as todas mentes. Pois estes não passam de casos especiais de uma só lei que se mantém para todo tipo de aprendizado, se for dirigido por Aquele Que conhece a verdade.

6. Aprender que dar e receber são a mesma coisa tem uma utilidade específica, pois pode-se tentar isso com muita facilidade e ver que é verdade. E quando esse caso específico tiver provado que isso sempre funciona, em todas as circunstâncias que é feita essa tentativa, o pensamento por trás dele pode ser generalizado a outras áreas de dúvida e de dupla visão. E, a partir daí ele se estenderá para finalmente chegar ao único Pensamento que é a base de todos os outros.

7. Hoje, praticaremos o caso específico de dar e receber. Usaremos essa simples lição naquilo que é óbvio, pois tem resultados que não podemos perder. Dar é receber. Hoje, tentaremos oferecer paz a todos e ver quão rapidamente ela retorna a nós. Luz é tranquilidade e é nesta paz que a visão nos é dada e podemos ver.

8. Assim, começaremos os períodos de prática com a instrução do dia, dizendo:

Dar e receber são um só na verdade.
Hei de receber o que estou dando agora. 

Em seguida, fecha os olhos e pensa durante cinco minutos no que queres oferecer a todos para  que seja teu. Poderias dizer, por exemplo:

A todos eu ofereço quietude.
A todos eu ofereço a paz da mente.
A todos eu ofereço gentileza.

9. Dize cada uma destas frases lentamente, em seguida faze uma pequena pausa esperando para receber a dádiva que deste. E ela virá a ti na mesma medida em que a deste. Descobrirás que tens um retorno exato, pois é isso que pediste. Talvez também seja útil pensares em alguém para dar as tuas dádivas. Ele representa os outros e, através dele, dás a todos.

10. Nossa lição é muito simples para o dia de hoje te ensinará muito. Efeito e causa passarão a ser bem mais compreendidos a partir deste momento e progrediremos muito mais rapidamente. Pensa nos exercícios para o dia de hoje como rápidos avanços no teu aprendizado, ainda mais rápidos e mais seguros a cada vez que disseres: "Dar e receber são um só na verdade."


LIÇÃO 107 - 17/04/2018

A verdade corrigirá todos os erros na minha mente.

1. O que pode corrigir ilusões senão a verdade? E o que são os erros senão ilusões que permanecem sem ser reconhecidas pelo que são? Onde entra a verdade, desaparecem os erros. Eles simplesmente se desvanecem, sem deixar qualquer traço pelo qual possam ser lembrados. Eles se vão porque, sem crença, não têm vida. Assim, desaparecem no nada, voltando ao lugar de onde vieram. Vão e vêm do pó para o pó, pois só a verdade permanece.

2. Podes imaginar o que é um estado mental sem ilusões? Qual seria o sentimento? Tenta lembrar-te daquele tempo,- talvez um minuto, talvez menos - em que nada vinha interromper a tua paz, quando estavas certo de ser amado e de estar em segurança. Depois, tenta fazer um retrato em tua mente de como seria se esse momento fosse estendido até o final dos tempos e até a eternidade. E, então, deixa que a sensação de quietude que sentiste seja cem vezes multiplicada e em seguida multiplicada cem vezes mais.

3. Agora, tens uma ideia, nada mais do que um leve indício do estado em que a tua mente descansará quando a verdade vier. Sem ilusões, não poderia haver nem medo, nem dúvida, nem ataque. Quando a verdade vem, toda dor acaba, pois não há espaço para que pensamentos transitórios e ideias mortas se detenham na tua mente. A verdade ocupa a tua mente por completo, liberando-te de todas as crenças no efêmero. Essas não têm lugar porque, com a vinda da verdade, elas não estão em lugar algum. Não podem ser achadas, porque agora a verdade está em todo o lugar para sempre.

4. Quando a verdade vem, não fica só por um momento, para desaparecer ou transformar-se em outra coisa. Ela não se desloca e nem altera a sua forma, não vai e vem, nem vem e vai de novo. Fica exatamente tal como sempre foi e pode-se contar com ela a cada necessidade, ter perfeita confiança nela em todas as aparentes dificuldades e dúvidas geradas pelas aparências que o mundo apresenta. Essas meramente se desvanecerão quando a verdade corrigir os erros na tua mente.

5. Quando a verdade vem abriga sob as suas asas a dádiva da perfeita constância e do amor que não vacila diante da dor, mas olha para o que está além com firmeza e segurança. Aqui está a dádiva da cura, pois a verdade não precisa de defesa, portanto, nenhum ataque é possível. As ilusões podem ser trazidas à verdade para serem corrigidas. Mas a verdade está muito além das ilusões e não pode ser trazida até elas para transformá-las em verdade.

6. A verdade não vai, nem vem, nem se desloca, nem muda, ora tomando essa aparência, ora aquela, fugindo da captura ou mantendo-se fora de alcance. Ela não se esconde. Está na luz obviamente acessível. É impossível que alguém possa buscá-la verdadeiramente sem ter sucesso. O dia de hoje pertence à verdade. Dá à verdade o que lhe é devido e ela te dará o que te é devido. Não foste feito para sofrer e para morrer. É a Vontade do teu Pai que esses sonhos desapareçam. Deixa que a verdade corrija todos eles.

7. Não pedimos aquilo que não temos. Meramente pedimos o que nos pertence, para que possamos reconhecer o que é nosso. Hoje, vamos praticar no tom feliz da certeza que nasceu da verdade. Os passos trêmulos e vacilantes da ilusão não são a nossa abordagem de hoje. Estamos tão certos do sucesso quanto estamos certos de que vivemos, e esperamos, e respiramos e pensamos. Não temos dúvidas de que caminharmos com a verdade hoje e contamos com ela para participar de todos os exercícios que fizermos nesse dia.

8. Começa pedindo Àquele Que vai contigo nesse empreendimento, que ele permaneça na tua consciência à medida em que vais com Ele. Tu não és feito de carne, sangue e ossos, mas foste criado pelo mesmo Pensamento que também deu a Ele a dádiva da vida. Ele é o teu Irmão, e tão igual a ti que o teu Pai sabe que ambos são o mesmo. É ao teu Ser que estás pedindo para ir contigo e como poderia Ele estar ausente de onde estás?

9. A verdade corrigirá todos os erros na tua mente que te dizem que poderias estar à parte Dele. Hoje, falas com Ele e fazes a promessa de deixar que a Sua função seja cumprida através de ti. Compartilhar a Sua função é compartilhar a Sua alegria. A Sua confiança está contigo, enquanto dizes:

A verdade corrigirá todos os erros na minha mente, e eu descansarei Naquele Que É o meu Ser.

Deixa então que Ele te conduza gentilmente à verdade, que te envolverá e te dará uma paz tão profunda e tranquila que terás relutância em voltar ao mundo que te é familiar.

10. E, no entanto, ficarás contente em olhar para esse mundo novamente. A razão disso é que trarás contigo a promessa das mudanças que  a verdade que vai contigo levará para o mundo. Elas aumentarão com cada dádiva de cinco breves minutos que lhe deres e os erros que cercam o mundo serão corrigidos à medida em que deixas que sejam corrigidos na tua mente.

11. Hoje não esqueças a tua função. Toda vez que dizes a ti mesmo, com confiança: "A verdade corrigirá todos os erros na minha mente", estarás falando por todo mundo e por Aquele Que Quer liberar o mundo assim como quer liberar a ti.



LIÇÃO 106 - 16/04/2018

Que eu me aquiete e escute a verdade.

1. Se deixares a voz do ego de lado, por mais alto que pareça ser o seu chamado, se não aceitares as suas dádivas mesquinhas que nada te dão do que realmente queres; se escutares com uma mente aberta, que não tenha te dito o que é a salvação, então, ouvirás a poderosa Voz da verdade, quieta em poder, forte em serenidade e completamente certa em Suas mensagens.

2. Escuta e ouve o teu Pai te falar através da Voz que Ele designou, Que silencia o trovão daquilo que não tem significado e indica o caminho da paz para aqueles que não podem ver. Fica quieto hoje e escuta a verdade. Não te deixes enganar pelas vozes dos mortos, que te dizem ter achado a fonte da vida e a oferecem para que acredites. Não dês atenção a eles, mas escuta a verdade.

3. Hoje não tenhas medo de desviar-te das vozes do mundo. Caminha com leveza passando pela sua persuasão sem significado. Não lhes dês ouvidos. Fica quieto hoje e escuta a verdade. Passa por todas as coisas que não falam Daquele Que tem a tua felicidade em Suas Mãos e que a oferece a ti com boas-vindas e amor. Dá ouvidos só a Ele hoje, e não espera mais para alcançá-Lo. Hoje, ouve uma única Voz.

4. Hoje, a promessa do Verbo de Deus é cumprida. Ouve e fica em silêncio. Ele quer te falar. Ele vem com milagres mil vezes mais felizes e maravilhosos do que jamais sonhaste ou desejaste nos teus sonhos. Os Seus milagres são verdadeiros. Eles não se desvanecerão quando o sonho acabar. Em vez disso, eles acabam com o sonho e duram para sempre, pois vêm de Deus para o Seu querido Filho, cujo outro nome é o teu. Hoje, prepara-te para milagres. Hoje, deixa que se cumpra a antiga promessa que teu Pai fez a ti e a todos os teus irmãos.

5. Escuta-O, hoje, e ouve o Verbo que ergue o véu que cobre a terra e desperta todos aqueles que dormem e não podem ver. Através de ti, Deus chama por eles. Ele precisa da tua voz para falar com eles, pois quem poderia alcançar o filho de Deus senão o Pai, chamando através do teu Ser? Ouve-O hoje e oferece-Lhe a tua voz para falar a toda a multidão que espera para ouvir o Verbo que Ele pronunciará hoje.

6. Que estejas pronto para a salvação. Ela está aqui e te será dada no dia de hoje. E aprenderás a tua função Daquele Que a escolheu para ti em Nome do teu Pai. Escuta hoje e ouvirás uma Voz Que ressoará pelo mundo inteiro através de ti. O Portador de todos os milagres precisa que os recebas primeiro, tornando-te assim o feliz doador daquilo que recebeste. 

7. Assim começa a salvação e assim termina, quando tudo for teu e tudo for dado, ela permanecerá contigo para sempre. E a lição terá sido aprendida. Hoje, estamos praticando o ato de dar, não da forma como o compreendes agora, mas tal como é. Os exercícios de cada hora devem começar com esse pedido para a tua iluminação:

Que eu me aquiete e escute a verdade.
O que significa dar e receber?

8. Pergunta e espera uma resposta. Essa é uma pergunta cuja resposta tem estado esperando há muito tempo para ser recebida por ti. Ela dará início ao ministério para o qual vieste e libertará o mundo do pensamento de que dar é um modo de perder. E assim o mundo vem a estar pronto para compreender e receber.

9. Fica quieto e escuta a verdade hoje. Para cada cinco minutos passados a ouvir, mil mentes se abrem para a verdade e ouvirão o Verbo santo que tu ouves. E, passada a hora, novamente liberarás mais mil mentes, que se deterão para pedir que a verdade lhes seja dada, junto contigo.

10. Hoje, o santo Verbo de Deus é cumprido através do teu recebimento para que possas dá-lo, de modo que possas ensinar ao mundo o que significa dar, escutando e aprendendo com ele. Não esqueças de reforçar a tua escolha de ouvir e receber o Verbo com esse lembrete, que darás a ti mesmo com a maior frequência possível hoje:

Que eu me aquiete e escute a verdade.

Hoje sou o mensageiro de Deus, a minha voz é a Sua, para dar o que recebo.

LIÇÃO 105 - 15/04/2018

A paz e a alegria de Deus são minhas.

1. A paz e a alegria de Deus são tuas. Hoje nós aceitaremos sabendo que nos pertencem. E tentaremos compreender que estas dádivas aumentam à medida que as recebemos. Elas não se assemelham às dádivas que o mundo pode dar, em que o doador perde ao dar e aquele que recebe se enriquece com a sua perda. Tais não são dádivas, mas barganhas feitas com culpa. O que é verdadeiramente dado não acarreta nenhuma perda. É impossível que alguém possa ganhar porque o outro perde. Isso implica em limitação e insuficiência.

2. Nenhuma dádiva é feita dessa forma. Tais "dádivas" não passam de uma oferta visando um retorno maior, um empréstimo com juros a serem pagos integralmente; um  empréstimo temporário, significando um compromisso de dívida a ser pago com muito mais do que foi recebido por aquele que aceitou a dádiva. Essa estranha distorção do que significa dar permeia todos os níveis do mundo que vês. Despoja de todo significado as dádivas que dás e não te deixa nada naquelas que recebes.

3. Uma das metas principais do aprendizado que esse curso estabeleceu é o de reverter a tua opinião sobre o que é dar, de modo que possas receber. Pois dar veio a ser uma fonte de medo e, assim, queres evitar o único meio pelo qual podes receber. Aceita a paz e a alegria de Deus e aprenderás um modo diferente de olhar para uma dádiva. As dádivas de Deus nunca diminuirão ao serem dadas. Pelo contrário, só aumentam com isso.

4. Assim como a paz e a alegria do Céu se intensificam quando tu as aceitas como dádivas de Deus para ti, assim também a alegria do teu Criador cresce quando aceitas a Sua alegria e a Sua paz como tuas. Dar verdadeiramente é criação. Estende o que é sem limite ao ilimitado, a eternidade à intemporalidade e o amor a si próprio. Acrescenta a tudo o que já é completo, não simplesmente em termos de acrescentar mais, pois isso implicaria que antes era menos. Acrescenta permitindo que aquilo que não pode conter cumpra o seu objetivo de dar tudo o que tem, assegurando tudo o que tem para si mesmo eternamente.

5. Hoje aceita a paz e a alegria de Deus como tua. Deixa que ele complete a Si Mesmo assim como ele define a completeza. Compreenderás que aquilo que O completa tem que completar o Seu Filho também. Ele não pode dar através da perda. Tu também não podes. Recebe hoje a Sua dádiva de alegria e paz e Ele te agradecerá pela tua dádiva para Ele.

6. Hoje, os nossos períodos de prática começarão de modo um pouco diferente. Começa o dia pensando naqueles irmãos a quem tens negado a paz e a alegria às quais eles têm direito segundo as leis iguais de Deus. Aqui as negaste a ti próprio. E aqui tens que retornar para reivindicá-las como tuas.

7. Pensa nos teus "inimigos" por um momento e dize a cada um deles, à medida que te ocorrem:

Meu irmão, eu te ofereço paz e alegria, para que a paz e a alegria de Deus possam ser minhas.

Assim, tu te preparas para reconhecer as dádivas de Deus para ti e deixar a tua mente livre de tudo o que impediria o teu sucesso hoje. Agora, estás pronto para aceitar a dádiva de paz e alegria que Deus tem dado a ti. Agora estás pronto para experimentar a alegria e a paz que tens negado a ti mesmo. Agora podes dizer "A paz e a alegria de Deus são minhas", pois deste aquilo que queres receber.

8. Tens que ter sucesso hoje, se preparares a tua mente como sugerimos. Pois terá permitido que todas as barreiras para a paz e a alegria sejam erguidas, e o que é teu finalmente pode vir a ti. Assim, dize a ti mesmo: "A paz e a alegria de Deus são minhas", e fecha os teus olhos por um momento e deixa que a sua Voz te assegure que as palavras que proferes são verdadeiras.

9. Passa os teus cinco minutos com Ele dessa forma toda vez que puderes no dia de hoje, mas não penses que menos do que isso não terá valor quando não puderes Lhe dar mais. Pelo menos lembra-te de dizer a cada hora as palavras que O invocam para te dar o que é Sua Vontade dar e o que é Sua Vontade que recebas. Determina-te hoje a não interferir com o que é Sua Vontade. E se um irmão parecer tentar-te a negar a dádiva de Deus para ele, vê isso apenas como mais uma chance para deixar que recebas as dádivas de Deus como tuas. Então, abençoa o teu irmão com gratidão e dize:


Meu irmão, eu te ofereço paz e alegria, para que a paz e a alegria de Deus possam ser minhas.


LIÇÃO 104 - 14/04/2018

Eu busco apenas o que pertence a mim na verdade.

1. A ideia de hoje continua com o pensamento de que a alegria e a paz não são apenas sonhos vãos. Elas são o teu direito devido ao que és. Elas vêm de Deus Que não pode falhar em te dar o que é a Sua Vontade. Mas, é preciso que haja um lugar que tenha sido aprontado para receber as Suas dádivas. Elas não são bem-vindas com contentamento pela mente que, ao invés disso, recebeu para substituí-las as dádivas que ela mesma fez aonde as Suas devem estar.

2. Hoje queremos remover todas as dádivas auto-fabricadas e sem significado que colocamos sobre o altar santo aonde as dádivas de Deus devem estar. Suas são as dádivas que são nossas na verdade. Suas são as dádivas que herdamos antes que o tempo fosse  e que ainda serão nossas quando o tempo tiver passado para a eternidade. Suas são as dádivas que estão dentro de nós agora, pois são intemporais. E não precisamos esperar para tê-las. Elas pertencem a nós no dia de hoje.

3. Portanto, escolhemos tê-las agora sabendo que, ao escolhê-las no lugar daquelas que fizemos, estamos apenas unindo a nossa vontade à Vontade de Deus e reconhecendo que a mesma é uma só. Os nossos períodos de prática mais prolongados de hoje, os cinco minutos a cada hora dados à verdade para a tua salvação, devem começar com o seguinte.

Eu busco apenas o que me pertence na verdade, e a alegria e a paz são a minha herança.

Então, deixa de lado os conflitos do mundo que oferecem outras dádivas e outras metas feitas de ilusões, testemunhadas por elas e só buscadas num mundo de sonhos.

4. Deixamos tudo isso de lado e buscamos, em vez disso, o que é verdadeiramente nosso à medida que pedimos para reconhecer o que Deus nos deu. Abrimos um espaço santo diante do Seu altar em nossas mentes, onde as Suas dádivas de paz e alegria são bem-vindas e ao qual vimos a fim de achar o que nos foi dado por Ele. Hoje, vimos com confiança, cientes de que o que na verdade nos pertence é o que Ele nos dá. E nada mais desejamos, pois nada além disso nos pertence na verdade.

5. Assim, hoje abrimos o caminho para Ele simplesmente reconhecendo que a Sua Vontade já foi feita, e que a alegria e a paz nos pertencem como Suas dádivas eternas. Não nos permitimos perdê-las de vista entre os momentos em que vimos para buscá-las onde Ele as depositou. E traremos à mente com toda a frequência possível esse lembrete:

Eu busco apenas o que pertence a mim na verdade.
As dádivas de Deus de alegria e paz são tudo o que eu quero.


LIÇÃO 103 - 13/04/2018

Deus, sendo Amor, é também felicidade.

1. A felicidade é um atributo do amor. Não pode estar à parte dele. Nem pode ser experimentada onde o amor não existe. O amor não tem limites, estando em todos os lugares. Portanto, a alegria também está em todo o lugar. Mas, a mente pode negar que isso é assim, acreditando que há brechas no amor nas quais o pecado pode entrar trazendo dor ao invés de alegria. Essa estranha crença quer limitar a felicidade, redefinindo o amor como algo limitado e introduzindo uma oposição naquilo que não tem limites, nem opostos.

2. Assim, o medo é associado ao amor e os seus resultados vêm a ser a herança de mentes que pensam ser real o que têm feito. Essas imagens, que na verdade não têm nenhuma realidade, dão testemunho do medo de Deus, esquecendo de que sendo Amor, Deus tem que ser alegria. Hoje tentaremos mais uma vez trazer esse erro básico à verdade, ensinando a nós mesmos:

Deus, sendo amor, é também felicidade.
Temê-Lo é ter medo da alegria.

Começa os teus períodos de prática de hoje com essa associação, que corrige a falsa crença de que Deus é medo. Ela também enfatiza que a felicidade te pertence devido ao que Ele é.

3. Permite que essa única correção seja colocada na tua mente a cada hora de vigília no dia de hoje. E dá boas-vindas a toda a felicidade que ela traz à medida que a verdade substitui o medo e a alegria vem a ser aquilo que esperas para tomar o lugar da dor. Como Deus é Amor, ela te será dada. Reforça essa expectativa muitas vezes ao longo do dia e aquieta todos os teus medos com essa garantia, benigna e totalmente verdadeira:

Deus, sendo Amor, é também felicidade.
E é felicidade que eu busco hoje.
Não posso falhar porque busco a verdade.

LIÇÃO 102 - 12/04/2018

Eu compartilho a Vontade de Deus de felicidade para mim.

1. Tu não queres sofrer. Podes pensar que o sofrimento te compra alguma coisa, talvez ainda acredites um pouco que ele te compra o que queres. Mas agora essa crença certamente já está abalada, pelo menos o suficiente para deixar que tu a questiones e suspeites que, na realidade, não faz sentido. Ainda não desapareceu por completo, mas te faltam as raízes que outrora a mantinham firme nos lugares secretos, ocultos e escuros da tua mente.

2. Hoje, tentamos soltar ainda mais o seu jugo enfraquecido e reconhecemos que a dor não tem propósito, não tem causa e nenhum poder para realizar coisa alguma. Ela não pode comprar absolutamente coisa alguma. Não oferece nada e não existe. E tudo o que pensas que ela te oferece carece de existência assim como ela. Tens sido escravo do nada. Sê livre, hoje, para unir-te à feliz Vontade de Deus.

3. Durante vários dias, continuaremos a dedicar os nossos períodos de prática a exercícios planejados para ajudar-te a alcançar a felicidade que a Vontade de Deus colocou em ti. Aqui é o teu lar e aqui está a tua segurança. Aqui está a tua paz, aqui o medo não existe. Aqui está a salvação. Aqui está enfim o descanso.

4. Começa os períodos de prática de hoje com essa aceitação da Vontade de Deus para ti:

Eu compartilho a Vontade de Deus de felicidade para mim, e a aceito como minha função agora.

Em seguida busca essa função no fundo da tua mente, pois ela está lá, esperando apenas a tua escolha. Não podes falhar em achá-la quando aprenderes que ela é tua escolha e que compartilhas a Vontade de Deus.

5. Sê feliz, pois a tua única função aqui é a felicidade. Não tens nenhuma necessidade de ser menos amoroso Para com o Filho de Deus do que Aquele Cujo Amor o criou tão amoroso quanto Ele Mesmo. Além destes períodos de repouso de cinco minutos a cada hora, faze pausas frequentes, hoje, para dizer a ti mesmo que agora aceitaste a felicidade como tua única função. E estejas certo de que, ao fazê-lo, estás te unindo à Vontade de Deus.



LIÇÃO 101 - 11/04/2018

A Vontade de Deus para mim é a felicidade perfeita.

1. Hoje continuaremos com o tema da felicidade. Essa é uma ideia-chave na compreensão do que significa a salvação. Tu ainda acreditas que a salvação pede sofrimento como penitência pelos teus "pecados". Isso não é assim. No entanto, não podes deixar de pensar assim, enquanto acreditas que o pecado é real e que o Filho de Deus pode pecar.

2. Se o pecado é real, então a punição é justa e não se pode escapar. Dessa forma, a salvação só pode ser comprada através do sofrimento. Se o pecado é real, a felicidade tem que ser uma ilusão, pois ambos não podem ser verdadeiros. Os pecadores só autorizam a morte e a dor e é isso o que pedem. Pois sabem que isso espera por eles e os buscará e os achará em algum lugar, em algum momento, de alguma forma que saldará a dívida que têm para com Deus. No medo que sentem querem escapar de Deus. Mas mesmo assim, Deus os perseguirá e não podem escapar. 

3. Se o pecado é real, a salvação tem que ser dor. A dor é o custo do pecado e não se pode nunca escapar do sofrimento, se o pecado é real. A salvação tem que ser temida, pois ela matará, porém lentamente, privando-te de tudo antes de consentir em oferecer o privilégio bem-vindo da morte à vítimas que são pouco mais do que ossos antes da salvação ser aplacada. A sua ira é sem limites, sem misericórdia, mas totalmente justa.

4. Quem buscaria tão selvagem punição? Quem não fugiria da salvação e não tentaria de todas as maneiras abafar a Voz Que a oferece? Por que alguém tentaria escutar e aceitar a Sua oferta? Se o pecado é real, a oferta da salvação é a morte, imposta de forma cruel à altura dos perversos desejos nos quais o pecado nasceu. Se o pecado é real, a salvação veio a ser o teu amargo inimigo, a maldição de Deus sobre ti que tem crucificado o Seu Filho.

5. Hoje precisas dos períodos de prática. Os exercícios ensinam que o pecado não é real, e tudo o que acreditas que não pode deixar de vir do pecado nunca acontecerá pois não tem nenhuma causa. Aceita a Expiação com a mente aberta que não alimenta nenhuma crença remanescente de que tens feito um demônio do Filho de Deus. O pecado não existe. Hoje praticaremos esse pensamento com a maior frequência possível, pois é a base da ideia para o dia de hoje.

6. A Vontade de Deus para ti é a felicidade perfeita, porque o pecado não existe e o sofrimento não tem causa. a alegria é justa e a dor é apenas o sinal de que tens te compreendido equivocadamente. Não tenhas medo da Vontade de Deus. Mas volta-te para ela, confiante de que ela te libertará de todas as consequências que o pecado forjou na tua imaginação febril. Dize:

A Vontade de Deus para mim é a felicidade perfeita.
O pecado não existe, ele não tem consequências.

É assim que deves iniciar os teu períodos de prática e, em seguida, tentar achar mais uma vez a alegria que estes pensamentos introduzirão na tua mente.

7. Dá estes cinco minutos com contentamento a fim de remover a pesada carga que depositaste sobre ti mesmo com a crença insana de que o pecado é real. Hoje escapa da loucura. Estás na estrada da liberdade, e agora a ideia de hoje te dá asas para que avances com maior velocidade e com esperança de ires ainda mais rápido em direção à meta da paz que te espera. Não existe nenhum pecado. Lembra-te disso hoje e dize a ti mesmo sempre que puderes:

A Vontade de Deus para mim é a felicidade perfeita.

Essa é a verdade porque o pecado não existe.

LIÇÃO 100 - 10/04/2018

A minha parte é essencial no plano de Deus para a salvação.

1. Da mesma forma que o Filho de Deus completa seu Pai, a tua parte completa o plano do teu Pai. A salvação tem que reverter a crença insana em pensamentos separados e corpos separados que levam vidas separadas e seguem seus caminhos separados. Uma função compartilhada por mentes separadas as une num único propósito, pois cada uma é igualmente essencial para todos.

2. A Vontade de Deus para ti é a felicidade perfeita porque deverias tu escolher ir contra a Sua Vontade? A parte que Ele guardou para assumires na execução de Seu Plano ti é dada para que possas ser restaurada aquilo que é a Sua Vontade. Essa parte é tão essencial para o Seu plano quanto para a tua felicidade. A tua alegria tem que ser completa para deixar que Seu plano seja compreendido por aqueles a quem Ele te envia. Eles verão a sua própria função no teu rosto resplandecente e ouvirão o chamado de Deus pelo teu riso feliz.

3. Tu, de fato, és essencial para o plano de Deus. Sem a tua alegria, a Sua alegria é incompleta. Sem o teu sorriso, o mundo não pode ser salvo. enquanto estás triste, a luz que o próprio Deus designou como o meio para salvar o mundo fica fraca e sem brilho, e ninguém ri porque todo riso só pode ecoar o teu. 

4. Tu, de fato, és essencial para o plano de Deus. Da mesma forma que a tua luz aumenta todas as luzes que brilham no Céu, a tua alegria na terra chama todas as mentes para que deixem suas tristezas e tomem os seus lugares ao teu lado no plano de Deus. Os mensageiros de Deus são alegrias e sua alegria cura o pesar e o desespero. Eles são a prova de que a felicidade perfeita é a Vontade de Deus para todos aqueles que aceitarão como as dádivas do seu Pai. 

5. Não nos deixaremos ficar tristes hoje. Pois se o fizermos, falharemos em assumir a parte que é essencial ao plano de Deus assim como a nossa visão. A tristeza é o sinal de que tu queres desempenhar outro papel em lugar aquele que te foi designado por Deus. Assim, falhas em mostrar ao mundo como é grande a felicidade que é a Sua Vontade para ti. E assim não reconheces que ela é tua.

6. Hoje procuraremos compreender que a alegria é nossa função aqui. Se estás triste a tua parte não é cumprida e assim o mundo todo fica privado da alegria junto contigo. Deus te pede que sejas feliz para que o mundo possa ver o quanto Ele ama o Seu Filho e que é Sua Vontade que nenhum pesar surja abater a sua alegria, que nenhum medo o assalte para perturbar a sua paz. Hoje, és um mensageiro de Deus. Trazes a Sua felicidade a todos aqueles que contemplas, a sua paz a todos aqueles que olham para ti e vêem a Sua mensagem no teu rosto feliz.

7. Vamos nos preparar para isso hoje durante nossos períodos de prática de cinco minutos, sentindo surgir a felicidade em nós de acordo com a Vontade de nosso Pai e a nossa. Começa os exercícios com pensamento que a ideia de hoje contém. Então, reconhece que a tua parte é ser feliz. Apenas isso é pedido a ti ou a qualquer um que queira assumir o próprio lugar entre os mensageiros de Deus. Pensa sobre o que isso significa. Tu, de fato, tens errado por acreditares que te é pedido qualquer sacrifício. No plano de Deus, tu só recebes e nunca perde, nem te sacrificas, nem morres. 

8. Agora vamos tentar achar aquela alegria que prova a nós e ao mundo todo a Vontade de Deus para nós. É a tua função achá-la aqui e achá-la agora. Para isso tu vieste. Que esse seja o dia em que terás sucesso! Olha profundamente dentro de ti, sem perturbar-te por todos os pequenos pensamentos e tolas metas pelas quais tu passas na tua ascenção para encontrar o Cristo em ti. 

9. Ele estará lá. E podes alcançá-Lo agora. O que preferirias contemplar em lugar Daquele Que espera para que possas olhar para Ele? Que pequeno pensamento terá o poder de deter-te? Que meta tola poderá impedir-te de ter sucesso quando Aquele Que te chama é próprio Deus?

10. Ele estará lá. Tu és essencial ao Seu plano. Hoje tu és o Seu mensageiro. E tens que achar o que Ele quer que dês. Não esqueças da ideia para o dia de hoje nos intervalos entre os períodos de prática de cada hora. É o teu Ser Que te chama hoje e é a ele que respondes toda vez que disseres a ti mesmo que és essencial ao plano de Deus para a salvação do mundo.

LIÇÃO 99 - 09/04/2018

A salvação é a minha única função aqui.

1. Salvação e perdão são a mesma coisa. Ambos sugerem que algo saiu errado, alguma coisa da qual é preciso ser salvo, alguma coisa pela qual é preciso ser perdoado; algo que está errado e precisa de uma mudança corretiva, algo à parte ou diferente da Vontade de Deus. Portanto, ambos os termos sugerem uma coisa impossível, mas que no entanto tem ocorrido resultando num estado de conflito visto entre o que é e o que nunca poderia ser.

2. Agora, a verdade e as ilusões são iguais, pois ambas têm acontecido. O impossível vem a ser aquilo de que precisas ser perdoado, aquilo de que precisas ser salvo. A salvação agora vem a ser a fronteira entre a verdade e a ilusão. Ela reflete a verdade porque é o meio pelo qual podes escapar das ilusões. No entanto ainda não é verdade, porque desfaz o que nunca foi feito.

3. Como poderia haver algum ponto de encontro onde a terra e o Céu pudessem ser reconciliados dentro de uma mente na qual ambos existem? A mente que vê ilusões pensa que são reais. Elas têm existência no sentido de que são pensamentos. E, no entanto, não são reais, porque a mente que pensa esses pensamentos é separada de Deus.

4. O que une a mente e os pensamentos separados com a Mente e o Pensamento que são para sempre unos? Que plano poderia manter a verdade inviolada e ainda assim reconhecer as necessidades que as ilusões trazem e oferecer os meios para desfazê-las sem ataque e sem nenhum toque de dor? O que mais poderia ser esse plano senão o Pensamento de Deus, pelo qual o que nunca foi feito deixa de ser visto e os pecados que nunca foram reais são esquecidos?

5. O Espírito Santo mantém esse plano de Deus exatamente como foi recebido, dentro da Mente de Deus e da tua. Ele está à parte do tempo, porque a sua Fonte é intemporal. No entanto, ele opera no tempo devido à tua crença segundo a qual o tempo é real. Inabalável, o Espírito Santo olha para o que tu vês: pecado, dor e morte, pesar, separação e perda. Mas Ele sabe que uma coisa ainda tem que ser verdadeira: Deus ainda é Amor, e isso não é a Sua Vontade.

6. Esse é o Pensamento que lhe traz as ilusões à verdade e as vê como aparências por trás das quais se encontra o que é imutável e o que é certo. Esse é o Pensamento que salva e perdoa, pois não deposita nenhuma fé no que não foi criado pela única Fonte que conhece. Esse é o Pensamento cuja função é salvar dando-te a função que ele tem como tua. A salvação é a tua função com Aquele a Quem o plano foi dado. Agora esse plano foi confiado a ti, junto com ele. Ele tem uma resposta para as aparências, independentemente de sua forma, tamanho, profundidade ou de qualquer atributo que pareçam ter:

A salvação é a minha única função aqui.
Deus ainda é Amor, e isso não é a Sua Vontade.

7. Tu, que ainda haverás de trabalhar em milagres, certifica-te de praticar bem a ideia para o dia de hoje. Tenta perceber a força no que dizes, pois estas são palavras nas quais está a tua liberdade. O teu Pai te ama. Todo o mundo da dor não é a Sua Vontade. Perdoa-te pelo pensamento de que Ele tenha querido isso para ti. Em seguida, deixa que o Pensamento com o qual Ele substitui todos os teus equívocos entre nos lugares escuros da tua mente que teve os pensamentos que nunca forma a Sua Vontade.

8. Essa parte pertence a Deus assim como o resto. Ela não pensa os teus pensamentos solitários e faz com que sejam reais escondendo-os Dele. Deixa entrar a luz e não olharás para nenhum obstáculo àquilo que é a Sua Vontade para ti. Abre os teus segredos à Sua luz benigna e vê com que intensidade essa luz ainda brilha em ti.

9. Pratica o Seu Pensamento hoje e deixa a Sua luz buscar e iluminar todos os pontos escuros, e brilhar através deles para uni-los ao resto. É a Vontade de Deus que a tua mente seja una com a Sua. É a Vontade de Deus não ter senão um Filho. É a Vontade de Deus que tu sejas o Seu único Filho. Pensa nesta coisas ao praticares hoje, e começa a lição que aprendemos hoje com essa instrução no caminho da verdade:

A salvação é a minha única função aqui.
A salvação e o perdão são a mesma coisa.

Em seguida, volta-te para Aquele Que compartilha a tua função aqui e deixa-O ensinar-te o que precisas aprender para deixares de lado todo o medo e conheceres o teu Ser como o amor que não tem nenhum oposto em ti.

10. Perdoa todos os pensamentos que querem se opor à verdade da tua completeza, unidade e paz. Tu não podes perder as dádivas que o teu Pai te deu. Tu não queres ser outro ser. Não tens outra função que não seja a de Deus. Perdoa-te pela função que tu pensas que fizeste. O perdão e a salvação são a mesma coisa. Perdoa o que tens feito e tu és salvo.

11. Há uma mensagem especial para o dia de hoje que tem o poder de remover para sempre da tua mente todas as formas de dúvida e de medo. Se fores tentado  a acreditar que são verdadeiras, lembra-te de que as aparências não podem resistir à verdade que estas palavras poderosas contêm:

A salvação é a minha única função aqui.
Deus ainda é Amor, e isso não é a Sua Vontade.

12. A tua única função te diz que tu és um só. Lembra-te disso nos intervalos entre os cinco minutos que dás para serem compartilhados com Aquele Que compartilha o plano de Deus contigo. 
Lembra-te:

A salvação é a minha única função aqui.

Assim tu colocas o perdão na tua mente e permites que todo o medo seja gentilmente posto de lado, para que o Amor possa achar o seu lugar de direito em ti e mostrar-te que tu és o Filho de Deus.


LIÇÃO 98 - 08/04/2018

Vou aceitar a minha parte no plano de Deus para a salvação.

1. Hoje é um dia dedicado a algo especial. Tomaremos um só partido hoje. Estamos do lado da verdade e soltamos as ilusões. Não vacilaremos entre as duas, mas nos posicionaremos firmemente em favor da Única. Hoje nos dedicamos à verdade e à salvação, assim como Deus planejou que fosse. Não argumentaremos que é outra coisa. Não a buscaremos onde não está. Com contentamento, nós a aceitamos tal como é e assumimos a parte que nos foi designada por Deus.

2. Que felicidade é ter certeza! Hoje, deixamos todas as nossas dúvidas de lado e tomamos o nosso partido com certeza de propósito, agradecidos porque a dúvida se foi e a certeza veio. Temos um grandioso propósito a cumprir e tudo o que precisamos para alcançar a meta nos foi dado. Nem um único equívoco obstrui o nosso caminho. Isso porque fomos absolvidos de erros. Todos os nossos pecados foram lavados e sumiram por compreendermos que eram apenas equívocos.

3. Aqueles que são sem culpa não têm medo, pois estão seguros e reconhecem sua segurança. Não apelam para a mágica, nem inventam escapatórias de ameaças imaginárias sem realidade. Eles descansam na quieta certeza de que farão o que lhes for dado fazer. Não duvidam da sua própria capacidade porque sabem que a sua função será cumprida completamente no tempo e no lugar perfeitos. Eles tomaram o partido que tomaremos hoje para que possamos compartilhar da sua certeza e assim aumentá-la aceitando-a nós mesmos.

4. Eles estarão conosco, todos aqueles que tomaram o partido que estamos tomando hoje, e alegremente nos oferecem tudo o que aprenderam e todos os ganhos que realizaram. Aqueles que ainda estão incertos também se juntarão a nós e, tomando emprestada a nossa certeza, a tornarão ainda mais forte. Enquanto isso, aqueles que ainda não nasceram ouvirão o chamado que ouvimos e responderão quando vierem para fazer a sua escolha outra vez. Hoje nós não escolhemos só por nós mesmos.

5. Será que não vale cinco minutos de cada hora do teu tempo ser capaz de aceitar a felicidade que Deus te deu? Será que não vale cinco minutos de cada hora reconhecer a tua função especial aqui? Cinco minutos não é apenas um pequeno pedido para se ganhar uma recompensa tão grande que não tem medida? Tu já fizeste pelo menos mil barganhas nas quais saiste perdendo.

6. Aqui está uma oferta que te garante a plena liberação de todo tipo de dor e a alegria que o mundo não contém. Podes trocar um pouco do teu tempo pela paz da tua mente e certeza de propósito com a promessa de sucesso completo. E, uma vez que o tempo não tem significado, não se está pedindo nada em troca de tudo. Eis uma barganha que não podes perder. E o que ganhas é, de fato, sem limites!

7. A cada hora, hoje, dá-Lhe a tua diminuta dádiva de apenas cinco minutos. Ele dará às palavras que usares ao praticar a ideia de hoje a profunda convicção e a certeza que te faltam. As Suas palavras se unirão às tuas e farão de cada repetição da ideia de hoje uma oferenda total, feita com uma fé tão perfeita e segura quanto a Sua em ti. A Sua confiança em ti trará luz a todas as palavras que disseres, e irás além do seu som até o que elas realmente significam. Praticas com Ele hoje ao dizeres:

Vou aceitar a minha parte no plano de Deus para a salvação.

8. Em cada cinco minutos que passares com Ele, Ele aceitará as tuas palavras e as devolverá a ti, reluzindo com uma fé e uma confiança tão fortes e constantes que iluminarão o mundo com esperança e contentamento. Não percas uma única chance de ser o feliz destinatário das Suas dádivas para que possas dá-las ao mundo hoje.

9. Dá-Lhe as Suas palavras e Ele fará o resto. Ele te tornará capaz de compreender a tua função especial. Ele abrirá o caminho para a felicidade, e a paz e a confiança serão as suas dádivas, a Sua resposta às tuas palavras. Ele responderá que o que dizes é verdade com toda a Sua fé, alegria e certeza. E então terás a convicção Daquele Que sabe qual é a tua função tanto na terra quanto no Céu. Ele estará contigo a cada período de prática que compartilhares com Ele, dando-te a intemporalidade e a paz em troca de cada instante que Lhe ofereceres.

10. Durante a hora, deixa que teu tempo passe preparando-te com alegria para os próximos cinco minutos que voltarás a passar com Ele. Repete a ideia de hoje enquanto esperas que o momento de contentamento venha a ti mais uma vez. Repete-a com frequência e não esqueças que a cada vez que o fazes, deixas a tua mente ser preparada para o feliz momento que virá.

11. E quando a hora passar e Ele estiver aí mais uma vez para passar um pouco de tempo contigo, sê grato e deixa de lado todas as tarefas terrenas, todos os pequenos pensamentos e ideias limitadas e de novo passa um momento feliz com Ele. Dize-Lhe mais uma vez que aceitas a parte que Ele quer que assumas e Ele te ajudará a cumpri-la, e fará com que estejas certo de que queres essa escolha que Ele fez contigo e tu com Ele.


LIÇÃO 97 - 07/04/2018

Eu sou espírito.

1. A ideia de hoje te identifica com teu único Ser. Não aceita nenhuma identidade dividida, nem tenta tecer fatores opostos na unidade. Apenas declara a verdade. Pratica essa verdade hoje com a maior frequência possível, pois ela trará a tua mente do conflito aos quietos campos da paz. Nenhum calafrio de medo pode entrar, pois a tua mente foi absolvida da loucura soltando as ilusões de uma identidade dividida.

2. Declaramos mais uma vez a verdade sobre o teu Ser, o santo Filho de Deus Que descansa em ti, Cuja mente foi restaurada à sanidade. Tu és o espírito amorosamente dotado de todo o Amor da paz e da alegria do teu Pai. Tu és o espírito que completa  a Ele Mesmo e que compartilha a Sua função como Criador. Ele está contigo sempre, assim como tu estás com Ele.

3. Hoje, tentamos trazer a realidade para mais perto ainda da tua mente. A cada vez que praticas a consciência é trazida para um pouco mais perto pelo menos; às vezes mil anos ou mais são poupados. Os minutos que dás são multiplicados muitas vezes, pois o milagre faz uso do tempo, mas não é regido por ele. A salvação é um milagre, o primeiro e o último, o primeiro que é o último, pois é um só.

4. Tu és o espírito em cuja mente habita o milagre no qual todo o tempo pára, o milagre no qual um minuto passado usando estas ideias vem a ser um tempo que não tem limites e não tem fim. Dá, então, estes minutos com boa vontade e conta com Aquele Que prometeu depositar a intemporalidade ao lado deles. Ele oferecerá toda a Sua força para cada pequeno esforço que fizeres. Dá-Lhe os minutos de que Ele precisa hoje para ajudar-te a compreender com Ele que tu és o espírito que habita Nele e, através da Sua Voz, chama todas as coisas viventes, oferece a Sua vista a todos aqueles que pedem e substitui o erro pela simples verdade.

5. O Espírito Santo ficará contente em tomar cinco minutos de cada hora das tuas mãos e carregá-los através desse mundo sofredor, onde a dor e a miséria parecem dominar. Ele não deixará de ver nem uma mente aberta que queira aceitar as dádivas da cura que estes minutos trazem, e Ele as depositará em todos os lugares onde sabe que serão bem-vindas. E elas aumentarão em seu poder de cura a cada vez que alguém as aceita como os seus próprios pensamentos e as usa para curar.

6. Assim, cada dádiva oferecida a Ele será multiplicada mil vezes e dez mil vezes mais. E quando te for devolvida, ultrapassará em força a pequena dádiva que tu deste tanto quanto a radiância do sol ultrapassa o diminuto lampejo que o vagalume faz por um momento incerto e depois se apaga. O constante brilho dessa luz permanece e te conduz para fora da escuridão e não serás capaz de esquecer o caminho outra vez.

7. Começa estes alegres exercícios com as palavras que o Espírito Santo te diz e deixa-as ecoar pelo mundo afora através Dele:

Eu sou espírito, um Filho santo de Deus, livre de todos os limites, seguro, curado e íntegro, livre para perdoar e livre para salvar o mundo.

Expressa através de ti, o Espírito Santo aceitará essa dádiva que recebeste Dele, aumentará o seu poder e a devolverá a ti.

8. Hoje, oferece alegremente cada período de prática a Ele. E Ele falará contigo, lembrando-te que tu és espírito, um com Ele e com Deus, com teus irmãos e com teu Ser. Escuta a Sua confirmação a cada vez que disseres as palavras que Ele te oferece hoje e deixa-O dizer à tua mente que são verdadeiras. Usa-as contra a tentação e escapa das suas tristes consequências se cederes à crença de que és alguma outra coisa. Hoje o Espírito Santo te dá paz. Recebe as Suas palavras e oferece-as a Ele.


LIÇÃO 96 - 06/04/2018

A salvação vem do meu único Ser.

1. Embora sejas um único Ser, tu te vivencias como dois: como bom e mau, amoroso e cheio de ódio, mente e corpo. Esse senso de estares dividido em opostos induz a sentimentos de conflito agudos e constantes e conduz a frenéticas tentativas de conciliar os aspectos contraditórios dessa auto-percepção. Tens buscado muitas soluções desse tipo, mas nenhuma delas funcionou. Os opostos que vês em ti mesmo jamais serão compatíveis. Apenas um existe.

2. Se queres ser salvo tens que aceitar o fato de que a verdade e a ilusão não podem ser reconciliadas, independentemente de como tentes, dos meios que usas e de onde vês o problema. Até aceitares isso, tentarás uma série infindável de metas que não podes alcançar, uma série de dispêndios sem sentido de tempo e esforço, de esperanças e dúvidas, cada uma tão fútil quanto a anterior e destinada ao fracasso como a próxima certamente há de ser.

3. Problemas que não têm significado não podem ser resolvidos dentro da estrutura em que estão situados. Dois seres em conflito não têm resolução e o bem e o mal não têm ponto de encontro. O ser que tu fizeste nunca pode ser o teu Ser e o teu Ser não pode ser dividido em dois, e ainda ser o que Ele é e o que tem que ser para sempre. Uma mente e um corpo não podem ambos existir. Não faças nenhuma tentativa para reconciliar os dois, pois um nega que o outro possa ser real. Se és físico, a tua mente desapareceu do teu conceito de ti mesmo, pois não há nenhum lugar no qual ela possa realmente ser parte de ti. Se és espírito, então o corpo tem que ser sem significado para a tua realidade.

4. O Espírito faz uso da mente como meio de achar a expressão do próprio Ser. E a mente que serve ao espírito está em paz e cheia de alegria. O seu poder vem do espírito e ela está cumprindo com felicidade a sua função aqui. Entretanto, a mente também pode se ver divorciada do espírito e se perceber no interior de um corpo que ela confunde consigo mesma. Então, sem a sua função, ela não tem paz e a felicidade é alheia aos seus pensamentos.

5. No entanto, a mente à parte do espírito não pode pensar. Ela negou a sua fonte de força e vê a si mesma como impotente, limitada e fraca. Agora, dissociada de sua função, pensa estar só e separada, atacada por exércitos reunidos contra ela e esconde-se por trás do frágil amparo do corpo. Agora, tem que reconciliar o desigual com o igual, pois pensa que é para isso que serve.

6. Não desperdices mais tempo nisso. Quem pode resolver os conflitos sem sentido que um sonho apresenta? O que a resolução poderia significar na verdade? A que propósito poderia servir? Para que serve? a salvação não pode fazer com que as ilusões sejam reais, nem resolver um problema que não existe. Talvez esperes que possa. No entanto, quererias que o plano de Deus para a liberação do Seu querido Filho lhe trouxesse dor e falhasse em libertá-lo?

7. O teu Ser retém os Seus pensamentos e estes permanecem dentro da tua mente e na Mente de Deus. O Espírito Santo mantém a salvação na tua mente e oferece a ela o caminho para a paz. A salvação é um pensamento que compartilhas com  Deus, porque a Sua Voz a aceitou para ti e respondeu em teu nome que estava realizada. Assim a salvação está guardada entre os pensamentos que o teu Ser valoriza e nutre por ti.

8. Hoje tentaremos achar esse pensamento, cuja presença na tua mente é garantida por Aquele Que te fala do teu único Ser. A nossa prática de cinco minutos por hora será buscá-Lo no interior da tua mente. a salvação vem deste único Ser através Daquele Que é a ponte entre a tua mente e Ele. Espera pacientemente e deixa-O falar-te sobre o teu Ser e sobre o que a tua mente pode fazer restaurada a Ele e livre para servir à Sua Vontade.

9. Começa dizendo isso:

A salvação vem do meu único Ser. Os Seus pensamentos são meus para que eu os possa usar.

Em seguida, busca os Seus pensamentos e reivindica-os como teus. Estes são os teus próprios pensamentos reais que tens negado e deixaste a tua mente se dispersar num mundo de sonhos para achar ilusões em seu lugar. Eis aqui os teus pensamentos, os únicos que tens. A salvação está entre eles; acha-a lá.

10. Se tiveres sucesso, os pensamentos que virão a ti te dirão que estás salvo e que a tua mente achou a função que buscava perder. O teu Ser te dará as boas-vindas e a paz. Com as forças restauradas, ela fluirá novamente do espírito para o espírito em todas as coisas criadas pelo Espírito como Ele Mesmo. A tua mente abençoará todas as coisas. Finda a confusão, tu és restaurado pois achaste o teu Ser.

11. O teu Ser sabe que hoje não podes falhar. Talvez a tua mente permaneça insegura ainda por pouco tempo. Não fiques consternado por isso. O teu Ser guardará para ti a alegria que Ele experimenta e essa ainda será a tua plena consciência. Toda vez que passares cinco minutos de cada hora buscando Aquele Que une a tua mente ao teu Ser, estarás Lhe oferecendo mais um tesouro para ser guardado para ti.

12. A cada vez que disseres no dia de hoje à tua mente frenética que a salvação vem do teu Ser, estás depositando mais um tesouro na tua reserva crescente. E ela é dada por inteiro a quem pedir e aceitar a dádiva. Pensa, então, no quanto te é dado para dar nesse dia, para que seja dado a ti! 

LICÃO 95 - 05/04/2018

Eu sou um só Ser, unido ao meu Criador.

1. A ideia de hoje te descreve com precisão tal como Deus te criou. Tu és dentro de ti mesmo e um com Ele. A unidade de toda a criação é tua. A tua perfeita unidade faz com  que a mudança em ti seja impossível. Não aceites isso e falhas em reconhecer que não pode deixar de ser assim apenas porque acreditas que já mudaste a ti mesmo.

2. Tu te vês como uma paródia ridícula da criação de Deus: fraco, perverso, feio e pecador, miserável e tomado pela dor. Tal é a tua versão de ti mesmo, um ser dividido em muitas partes em guerra entre si mesmas, separado de Deus e mantido sem qualquer segurança por um autor volúvel e cheio de caprichos ao qual fazes as tuas preces. Ele não as ouve, pois é surdo. Ele não vê a unicidade em ti, pois é cego. Ele não compreende que tu és o Filho de Deus, pois é insensato e nada compreende.

3. Hoje, procuraremos estar cientes só do que pode ouvir e ver e faz perfeito sentido. Mais uma vez dirigiremos os nossos exercícios para alcançar o teu único Ser, Que está unido ao Seu Criador. Com paciência e esperança, tentamos mais uma vez no dia de hoje.

4. O uso dos primeiros cinco minutos de cada hora de vigília para a prática da ideia para o dia oferece vantagens especiais na fase de aprendizado em que te encontras no momento. A essa altura, é difícil não deixar que a mente se disperse se empreende uma prática mais prolongada. Agora certamente já reconheceste isso. Já viste a extensão da tua falta de disciplina mental e da tua necessidade de treinar a mente. É necessário que estejas ciente disso pois, de fato, representa um obstáculo ao teu avanço.

5. Períodos de prática mais curtos e frequentes te oferecem outras vantagens a essa altura. Além de reconheceres as tuas dificuldades em manter atenção prolongada, também não podes deixar de ter notado que, a menos que sejas frequentemente lembrado de teu propósito, tendes a esquecê-lo por longos períodos de tempo. Frequentemente falhas em lembrar das aplicações mais curtas da ideia do dia e ainda não formaste o hábito de usá-la como uma reação automática à tentação.

6. Portanto, uma estrutura se faz necessária para ti nesse momento, planejada para incluir frequentes lembretes da tua meta, promovendo regularmente tentativas para alcançá-la. A regularidade em termos de tempo não é o requisito ideal para a forma mais benéfica de prática da salvação. Mas é proveitosa para aqueles cuja motivação é inconsistente e que permanecem fortemente defendidos contra o aprendizado.

7. Portanto, por enquanto manteremos os cinco minutos de prática por hora e te exortamos a omitir o menor número possível de períodos. O uso dos primeiros cinco minutos de cada hora será particularmente útil, pois impõe uma estrutura mais firme. Mas não uses os teus lapsos nesse horário como um pretexto para não voltares a ele assim que puderes. É bem possível que haja uma tentação de considerares o dia perdido, uma vez que falhaste em fazer o que te é requerido. Contudo isso deverá ser meramente reconhecido pelo que é: uma recusa em permitir que o teu equívoco seja corrigido e uma falta de disponibilidade para tentar de novo.

8. O Espírito Santo não é detido em Seu ensinamento pelos erros que cometes. ele só pode ser retido pela tua vontade que não está disposta a soltá-los. Que estejamos determinados, portanto, principalmente na próxima semana ou mais um pouco, a estarmos dispostos a perdoar os lapsos na nossa diligência e nossas falhas em seguir as instruções para a prática da ideia do dia. Essa tolerância para com a fraqueza fará com que sejamos capazes de não vê-la ao invés de dar-lhe o poder de atrasar o nosso aprendizado. Se lhe dermos o poder de fazer isso, estamos considerando-a como uma força e confundindo força com fraqueza.

9. Quando falhas em cumprir os requisitos deste curso estás meramente cometendo um erro. Isso pede correção e nada mais. permitir que um equívoco perdure é cometer equívocos adicionais, que se baseiam no primeiro e o reforçam. É esse processo que tem que ser posto de lado, pois não passa de outra maneira através da qual queres defender as ilusões contra a verdade.

10. Solta todos esses erros reconhecendo-os pelo que são. São tentativas de fazer com que fiques sem saber que és um só Ser, unido ao seu Criador em unidade com todos os aspectos da criação, ilimitado em poder e paz. Essa é a verdade e nada mais é verdadeiro. Hoje, reafirmaremos essa verdade e procuraremos alcançar o lugar em ti onde não há dúvidas de que só isso é verdadeiro.

11. Começa os períodos de prática de hoje com essa garantia, oferecida à tua mente com toda a certeza que podes lhe dar:

Eu sou um só Ser, unido ao meu Criador, em unidade com todos os aspectos da criação, e ilimitado em poder e paz.

Em seguida, fecha os teus olhos e dize a ti mesmo mais uma vez de modo lento e refletido, tentando deixar que o significado das palavras afunde em tua mente substituindo ideias falsas:

Eu sou um só Ser.

Repete isso várias vezes e depois procura sentir o significado que as palavras transmitem.

12. Tu és um só Ser, unido e seguro na luz, na alegria e na paz. Tu és o Filho de Deus, um Ser, com um Criador e uma meta: trazer a consciência dessa unicidade a todas as mente para que a verdadeira criação possa estender a Universalidade e a Unidade de Deus. Tu és um Ser, completo e curado e íntegro com o poder de erguer o véu da escuridão do mundo e deixar que a luz em ti venha para ensinar ao mundo a verdade sobre ti mesmo.

13. Tu és um só Ser em perfeita harmonia com tudo o que há e tudo o que haverá. Tu és um só Ser, o santo Filho de Deus, unido aos teus irmãos nesse Ser, unido ao teu Pai na Sua Vontade. Sente esse único Ser em ti e deixa que Ele brilhe afastando todas as tuas ilusões e dúvidas. Esse é o teu Ser, o Filho do próprio Deus, impecável como o próprio Criador, com a Sua Força dentro de ti e o Seu Amor para sempre teu. Tu és um só Ser e te é dado sentir esse Ser dentro de ti e banir todas as tuas ilusões da Mente única que é esse Ser, a santa verdade em ti.

14. Não esqueças hoje. Precisamos da tua ajuda, da tua pequena parte para trazer felicidade a todo o mundo. E o Céu olha para ti confiante de que hoje tu vais tentar. Compartilha, então, dessa certeza pois ela é tua. Sê vigilante. Não esqueças hoje. Ao longo do dia não esqueças a tua meta. Repete a ideia de hoje com a maior frequência possível e compreende que a cada vez que o fazes, alguém ouve a voz da esperança, o despertar da verdade fazes, alguém ouve a voz da esperança, o despertar da verdade dentro da sua mente, o suave sussurro das asas da paz.

15. O teu próprio reconhecimento de que és um só Ser, unido ao teu Pai, é um chamado para o mundo todo estar em unidade contigo. Certifica-te de dar a promessa da ideia de hoje a todos aqueles que encontrares nesse dia, dizendo-lhes:

Tu és um único Ser comigo, estamos unidos ao nosso Criador nesse Ser. Eu te honro pelo Que eu sou, e pelo Que é Aquele Que nos ama como um só.

LIÇÃO 94 - 04/04/2018

Eu sou como Deus me criou.

1. Hoje continuamos com a única ideia que traz salvação completa, a única declaração que faz com que todas as formas de tentação não tenham nenhum poder, o único pensamento que silencia e desfaz inteiramente o ego. Tu és como Deus te criou. Os sons desse mundo estão em silêncio, as cenas desse mundo desaparecem e todos os pensamentos que esse mundo jamais conteve são eliminados para sempre por essa única ideia. Aqui se realiza a salvação. Aqui se restaura a sanidade.

2. A verdadeira luz e força é impecabilidade. Se permaneces tal como Deus te criou, tens que ser forte e a luz tem que estar em ti. Aquele Que assegurou a tua impecabilidade tem que ser a garantia da força e da luz também. Tu és como Deus te criou. A escuridão não pode obscurecer a glória do Filho de Deus. Tu estás na luz, forte na impecabilidade em que foste criado e na qual permanecerás por toda a eternidade.

3. Hoje, mais uma vez dedicaremos os primeiros cinco minutos de cada hora em que estiveres acordado à tentativa de sentir a verdade em ti. Começa estes momentos de busca com estas palavras.

Eu sou como Deus me criou.
Sou Seu Filho por toda a eternidade.

Agora tenta alcançar o Filho de Deus em ti. Esse é o Ser Que nunca pecou, nem fez uma imagem para substituir a realidade. Esse é o Ser Que nunca deixou a sua casa em Deus para andar incerto pelo mundo. Esse é o Ser Que desconhece o medo e para Quem a perda, o sofrimento e a morte são inconcebíveis.

4. Para alcançar essa meta nada te é requerido, exceto deixar todos os ídolos e auto-imagens de lado, ultrapassar a lista de atributos bons ou maus que atribuíste a ti mesmo e esperar pela verdade em silenciosa expectativa. O próprio Deus prometeu que ela seria revelada à todos aqueles que a pedissem. Tu estás pedindo agora. Não podes falhar porque Ele não pode falhar.

5. Se não cumprires o requisito de praticar durante os primeiros cinco minutos de cada hora, pelo menos lembra-te de hora em hora:

Eu sou como Deus me criou.
Sou Seu Filho por toda a eternidade.

Hoje dize a ti mesmo frequentemente que tu és como Deus te criou. E certifica-te de responder a todo aquele que parecer irritar-te com estas palavras:

Tu és como Deus te criou.
Tu és Seu Filho por toda a eternidade.

Esforça-te o máximo possível para fazer os exercícios de hoje a cada hora. Cada um que fizeres será um passo gigantesco em direção à tua liberação e um marco no aprendizado do sistema de pensamento que esse curso propõe.


LIÇÃO 93 - 03/04/2018

A luz, a alegria e a paz habitam em mim.

1. Tu pensas que és o lar do mal, da escuridão e do pecado. Pensas que se alguém pudesse ver a verdade sobre ti ficaria repugnado e recuaria como se estivesse diante de uma cobra venenosa. Pensas que se o que é verdadeiro sobre ti mesmo te fosse revelado, serias abatido por um horror tão intenso que te precipitarias para a morte pela tua própria mão, pois continuar vivendo depois de ver isso seria impossível.

2. Essas são crenças tão firmemente fixadas que é difícil ajudar-te a ver que se baseiam no nada. Que tenhas cometido equívocos é óbvio. Que tenhas buscado a salvação de maneiras estranhas, que tenhas sido enganado, enganando aos outros e tendo medo de tolas fantasias e sonhos selvagens, que tenhas te inclinado diante de ídolos feitos de pó-tudo isso é verdadeiro de acordo com o que acreditas agora.

3. Hoje, vamos questionar isso, não do ponto de vista do que pensas, mas de um ponto de referência muito diferente, do qual esses pensamentos vãos são sem significado. Esses pensamentos não estão de acordo com a Vontade de Deus. Ele não compartilha essas crenças estranhas contigo. Isso é suficiente para provar que estão erradas, mas tu não percebes que seja assim.

4. Por que não ficarias cheio de alegria sendo assegurado que todo o mal que pensas que fizestes nunca foi feito, que todos os teus pecados não são nada, que és tão puro e santo quanto foste criado e que a luz e a alegria e a paz habitam em ti? A tua imagem de ti mesmo não pode resistir à Vontade de Deus. Pensas que isso é a morte, mas é a vida. Pensas que és destruído, mas és salvo.

5. O ser que tu fizeste não é o Filho de Deus. Portanto, esse ser não existe de forma alguma. E tudo o que ele parece fazer ou pensar nada significa. Não é nem bom, nem mau. É irreal, nada mais. Não luta contra o Filho de Deus. Não o fere, nem ataca a sua paz. Ele não mudou a criação, nem reduziu a eterna impecabilidade ao pecado e ao amor ao ódio. Que poder esse ser que tu fizeste pode possuir se ele quer contradizer a Vontade de Deus?

6. A tua impecabilidade é garantida por Deus. Será preciso repetir isso muitas e muitas vezes até que seja aceito. Isso é verdadeiro. A tua impecabilidade é garantida por Deus. Nada pode tocá-la ou mudar o que Deus criou eterno. O ser que tu fizeste, maus e cheio de pecado, não tem significado. A tua impecabilidade é garantida por Deus, e a luz e a alegria e a paz habitam em ti.

7. A salvação necessita da aceitação de um só pensamento: - tu és tal como Deus te criou, e não o que fizeste de ti mesmo. Qualquer que seja o mal que penses ter feito, tu és como Deus te criou. Quaisquer que sejam os equívocos que cometeste, a verdade sobre ti não foi mudada. A criação é eterna e imutável. A tua impecabilidade é garantida por Deus. Tu és e sempre serás exatamente como foste criado. A luz, a alegria e a paz habitam em ti porque Deus aí as colocou.

8. Nos nossos períodos de prática mais longos de hoje, que serão mais proveitosos se empreendidos nos primeiros cinco minutos de cada hora que estiveres acordado, começa afirmando a verdade sobre a tua criação:

A luz, a alegria e a paz habitam em mim.
A minha impecabilidade é garantida por Deus.

Em seguida, deixa as tuas tolas auto-imagens de lado e passa o resto do período de prática tentando experimentar o que Deus te deu no lugar do que decretaste para ti mesmo.

9. Ou bem tu és o que Deus criou, ou bem o que fizeste de ti mesmo. Um Ser é verdadeiro, o outro não existe. Tenta experimentar a união do teu único Ser. Tenta apreciar a sua santidade e o Amor do Qual Ele foi criado. Tenta não interferir no Ser Que Deus criou como tu mesmo, escondendo a sua majestade atrás dos diminutos ídolos do mal e do pecado que fizeste para tomar o Seu lugar. Deixa-O entrar na posse do que Lhe pertence. Aqui estás, Isso és Tu. E a luz, a alegria e a paz habitam em ti porque isso é assim.

10. Pode ser que não estejas disposto ou mesmo que não te seja possível usar os primeiros cinco minutos de cada hora para estes exercícios. Contudo, tenta fazê-lo quando puderes. Pelo menos, lembra-te de repetir estes pensamentos a cada hora:

A luz, a alegria e a paz habitam em mim.
A minha impecabilidade é garantida por Deus.

Em seguida, tenta dedicar pelo menos um minuto, mais ou menos, a fechar os olhos e reconhecer que essa é uma declaração da verdade sobre ti mesmo.

11. Se surgir alguma situação que te pareça perturbadora, dissipa rapidamente a ilusão do medo repetindo estes pensamentos mais uma vez. Se fores tentado a ficar com raiva de alguém, dize-lhe silenciosamente:

A luz, a alegria e a paz habitam em ti.
A tua impecabilidade é garantida por Deus.


Hoje podes fazer muito pela salvação do mundo. Podes fazer muito para aproximar-te do papel que Deus te designou na salvação. E podes fazer muito para trazer à tua mente a convicção de que a ideia para esse dia é, de fato, verdadeira.

LIÇÃO 92 - 02/04/2018

Milagres são vistos na luz, e a luz e a força são uma só.

1. A ideia para o dia de hoje é uma extensão da anterior. Tu não pensas na luz em termos de força e na escuridão em termos de fraqueza. Isso é assim porque a tua ideia do que significa ver está presa ao corpo, aos olhos do corpo e ao cérebro. Assim, acreditas que podes mudar o que vês pondo pedacinhos de vidro diante dos teus olhos. Essa é uma das muitas crenças mágicas que vêm da convicção de que és um corpo e de que os olhos do corpo podem ver.

2. Também acreditas que o cérebro do corpo pode pensar. Se apenas compreendesses a natureza do pensamento, poderias apenas rir dessa ideia insana. É como se pensasses que tens nas mãos o fósforo que ilumina o sol e lhe dá todo o calor; ou que manténs o mundo dentro da tua mão, bem preso, até que o deixes ir. No entanto, isso não é mais tolo do que acreditar que os olhos do corpo podem ver e o cérebro pensar.

3. É a força de Deus em ti que é a luz na qual vês, assim como é com a Sua Mente que pensas. A Sua força nega a tua fraqueza. É a tua fraqueza que vê através dos olhos do corpo e espreita na escuridão para contemplar algo que lhe seja semelhante: o pequeno, o fraco, o doentio e o moribundo, o necessitado, o desvalido e o que tem medo, o triste, o pobre, o faminto e o que não tem alegria. Esses são vistos através de olhos que não podem ver e não podem abençoar.

4. A força ignora todas essas coisas vendo além das aparências. Mantém o seu olhar constante sobre a luz que está além. Ela se une à luz, da qual faz parte. ela vê a si mesma. Ela traz a luz na qual o teu Ser aparece. Na escuridão, percebes um ser que não existe. A força é a verdade sobre ti, a fraqueza é um ídolo falsamente venerado e adorado para que a força possa ser dissipada e a escuridão reine onde Deus designou que houvesse luz.

5. A força vem da verdade e brilha com a luz que a sua Fonte lhe deu, a fraqueza reflete a escuridão daquele que a fez. Ela é doente e olha para a doença que é como ela mesma. A verdade é um salvador e só pode exercer a vontade em favor da felicidade e da paz para todos. Ela dá a sua força a todo aquele que pede, suprindo a todos sem limites. Ela vê que o que falta em qualquer um seria uma falta em todos. E, assim, dá a sua luz para que todos possam ver e beneficiar-se como um só. A sua força é compartilhada para que possa trazer a todos o milagre no qual eles se unirão em propósito, em perdão e em amor.

6. A fraqueza, que olha na escuridão, não pode ver o propósito no perdão e no amor. Vê a todos como diferentes de si mesma e nada no mundo que ela queira compartilhar. Julga e condena, mas não ama. Permanece na escuridão para esconder-se e sonha que é forte e conquistadora, uma vitoriosa sobre limitações que apenas crescem na escuridão em enormes proporções.

7. Ela tem medo, ataca e se odeia e a escuridão cobre tudo o que vê, deixando os seus sonhos tão amedrontadores quanto ela própria. Aqui não há milagres, só ódio. Ela se separa do que vê, enquanto a luz e a força se percebem como uma só. A luz da força não é a luz que tu vês. Não muda, não vacila e não se apaga. Não passa da noite para o dia, e de volta à escuridão até que a manhã venha outra vez.

8. A luz da força é constante, tão segura quanto o amor, eternamente feliz em se dar, pois só pode dar a si mesma. Ninguém pode pedir em vão para compartilhar da sua vista e nenhum daqueles que entrar na sua morada pode partir sem um milagre diante dos seus olhos e força e luz habitando no seu coração.

9. A força em ti te oferecerá a luz e guiará a tua vista, de modo que não habites nas sombras vãs que os olhos do corpo provêem para o auto-engano. A força e a luz se unem em ti e onde se encontram está o teu Ser pronto para abraçar-te como o que Lhe é próprio. Tal é o ponto de encontro que tentamos achar hoje e nele descansar, pois a paz de Deus está onde o teu Ser, o Seu Filho, está agora esperando para se encontrar Consigo Mesmo outra vez e ser um só.

10. Hoje, por duas vezes, vamos dar vinte minutos para nos unirmos a essa reunião. Deixa-te levar até o teu Ser. A Sua força será a luz na qual a dádiva da vista te será dada. Então, deixa o escuro por um momento hoje e praticaremos ver na luz, fechando os olhos do corpo e pedindo à verdade que nos mostre como achar esse ponto de encontro do ser com o Ser, onde a luz e a força são uma só.


11. Praticaremos assim de manhã e à noite. Após o encontro da manhã, usaremos o dia em preparação para o momento à noite em que nos encontraremos novamente em confiança. Vamos repetir a ideia para o dia de hoje com a maior frequência possível e reconhecer que estamos sendo introduzidos à visão, e conduzidos para longe da escuridão em direção à luz onde só milagres podem ser percebidos.



























































Mensagem do Mestre Jesus para as 3 primeiras lições do Um Curso em Milagres.

Canalizada em 3.1.2018

Por Tânia Morena Luz


A forma como olhas o mantém em uma determinada frequência.
Se faz necessário revisar seu olhar, se o teu ser possui o intuito de viver a Realidade Real, Divina.
Teu olhar está viciado, pois estás em uma experiência na densidade.
Estás aprendendo e notando o que o olhar da densidade lhe traz, no que faz que acredites.
Verás que a forma de teu olhar não foi uma escolha efetuada pelo teu ser de forma consciente, ele, teu ser, simplesmente repete inconscientemente a forma de olhar.
Como dar-se conta deste olhar em teu ser, senão da forma que estou lhe mostrando? Conduzindo-te?
Se acalmares teu ser verás inúmeras ideias cruzando sua mente, determinando seu destino sem ao menos teres consciência até então.
Este é o objetivo inicial, que comeces a contestar teu sistema de crenças (e não defendê-lo) e verificar o quanto que ele lhe domina.
Trabalha a parte do teu ser verdadeiro, aquele que sente e está conectado as suas necessidades reais.
Vives o distanciamento do teu querer verdadeiro, real.
Dé tempo, Amor e Compaixão ao seu ser verdadeiro. Tenham Fé, acreditem em Minha condução pelo Amor e pelo Real.
Mantenham-se trabalhando com honestidade em seus seres, convidando para que seus seres expressem-se e ouçam a Voz interior de seus corações.
Confiem!


Sou Mestre Jesus
Namastê