ENSINAMENTOS DE JESUS PARA UM CURSO EM MILAGRES









ENSINAMENTOS DE JESUS


LIÇÃO 233 - 21/08/2018

Hoje dou a minha vida a Deus para que Ele a guie.

1. Pai, hoje Te dou todos os meus pensamentos. Não quero nenhum deles para mim. No seu lugar, dá-me os Teus. Também entrego a Ti todos os meus atos, para que eu possa fazer a Tua Vontade ao invés de buscar metas que não podem ser conquistadas e perder tempo com imaginações vãs. Hoje, eu venho a Ti. Eu recuarei e simplesmente Te seguirei. Que Tu sejas o Guia e eu o seguidor que não questiona a sabedoria do Infinito, nem o amor cuja ternura eu não posso compreender, mas que é, no entanto, a Tua dádiva perfeita para mim.

2. Hoje temos um Guia para conduzir-nos adiante. E, ao caminharmos juntos, daremos esse dia a Ele absolutamente sem reservas. Esse é o Seu dia. E, assim, é um dia de incontáveis dádivas e graças para nós.

LIÇÃO 232 - 20/08/2018

Que estejas em minha mente, meu Pai, durante todo o dia.

1. Que estejas em minha mente, meu Pai, quando eu acordar e ilumina-me durante todo o dia de hoje. Que cada minuto seja um momento no qual habito contigo. E que eu não esqueça, a cada hora, de dar graças por teres permanecido comigo e por que estarás sempre presente para ouvir e responder ao meu chamado. Quando a noite vier, que todos os meus pensamentos ainda estejam Contigo e com o Teu Amor. E que eu adormeça certo da minha segurança, do Teu cuidado e com a feliz consciência de que sou Teu Filho.

2. Assim devem ser todos os dias. Hoje, pratica o fim do medo. tem fé Naquele que é o teu Pai. Confia-Lhe todas as coisa. Deixa-O revelar-te todas as coisas e sê destemido, pois tu és o Filho de Deus.
2. O que é a salvação?

1. A salvação é uma promessa, feito por Deus, de que encontrarias finalmente o teu caminho até Ele. Ela não pode deixar de ser cumprida. Ela garante que o tempo terá um fim e que todos os pensamentos nascidos do tempo também terão um fim. O Verbo de Deus é dado a todas as mentes que pensam ter pensamentos em separado e Ele substituirá esses pensamentos de conflito como o Pensamento da paz.

2. O Pensamento da paz foi dado ao Filho de Deus no instante em que a sua mente pensou em guerra. Antes disso, não havia necessidade de tal Pensamento, pois a paz era dada sem opostos e simplesmente existia. Mas quando a mente se dividiu, a cura se fez necessária. Assim. o Pensamento que tem o poder de curar a divisão tornou-se parte de cada fragmente da mente que, embora ainda permanecesse una, deixou de reconhecer a sua unicidade. Nesse momento, ela não mais se conhecia e pensou que havia perdido a própria Identidade.

3. A salvação é um "desfazer", no sentido de que nada faz por não apoiar o mundo de sonhos e malícia. E, assim, afasta as ilusões. Por não apoiá-las, as abandona simplesmente no pó. Assim, o que escondiam é agora revelado: um altar para o santo Nome de Deus, no qual está escrito o Seu Verbo com as dádivas do teu perdão depositadas diante dele e logo atrás, a memória de Deus.

4. Vamos diariamente a esse santo lugar para passarmos algum tempo juntos. Aqui compartilhamos o nosso sonho final. Um sonho em que não há tristezas, pois contém um indício de toda a glória que nos é dada por Deus. a relva desponta na terra, as árvores começam a brotar e os pássaros vêm viver em seus galhos. A terra renasce com uma nova perspectiva. A noite desapareceu e juntos chegamos até a luz.

5. Daqui, damos a salvação ao mundo, pois é aqui que a salvação foi recebida. A canção do nosso júbilo é o chamado para todo o mundo anunciando que a liberdade está de volta, que o tempo está quase no fim, que ao Filho de Deus só resta mais um instante de espera até que o seu Pai seja lembrado, os sonhos acabem e a eternidade brilhe afastando o mundo e só o Céu exista agora.


LIÇÃO 231 - 19/08/2018

Pai, a minha única vontade é lembrar-me de Ti.

1. Pai, o que posso buscar além do Teu Amor? Talvez eu pense que busco outra coisa, alguma coisa à qual dei muitos nomes. Mas o Teu Amor é a única coisa que busco ou já busquei algum dia. Pois nada mais há que eu realmente queira achar. Que eu me lembre de Ti. O que mais posso desejar além da verdade sobre mim mesmo?


2. Essa é a tua vontade, meu irmão. E compartilhas essa vontade comigo e com Aquele que é também nosso Pai. Lembrar-te Dele é o Céu. É isso que buscamos. E é só isso o que nos será dado achar.

LIÇÃO 230 - 18/08/2018

Agora quero buscar e achar a paz de Deus.

1. Na paz fui criado. E na paz permaneço. Não me é dado mudar o meu Ser. Quão misericordioso é Deus meu Pai Que, ao criar-me, me deu a paz eterna. Agora peço apenas para ser o que sou. E isso pode ser negado a mim, se é para sempre verdadeiro?

2. Pai, busco a paz que me deste na minha criação. O que foi dado então tem que existir agora, pois a minha criação foi à parte do tempo e ainda permanece além de qualquer mudança. A paz em que o Teu Filho nasceu em Tua Mente ainda brilha, inalterada. Eu sou como me criaste. Basta que eu Te invoque para achar a paz que me deste. Foi a Tua Vontade que a deu ao Teu Filho.

LIÇÃO 229 - 17/08/2018

O Amor, Que me criou, é o que eu sou.

1. Busco a minha própria Identidade e A acho nestas palavras: "O Amor, Que me criou, é o que eu sou." Agora não preciso mais buscar. O amor prevaleceu. Ele esperou tão quieto a minha volta para casa, que não me afastarei mais da santa face de Cristo. E tudo o que olho atesta a verdade da Identidade Que eu busquei perder, mas Que meu Pai manteve a salvo para mim.

2. Pai, ofereço-Te a minha gratidão pelo que eu sou; por teres mantido a minha Identidade intocada e sem pecado em meio a todos os pensamentos de pecado que a minha mente tola inventou. E obrigado por me teres salvo desses pensamentos. Amém.

LIÇÃO 228 - 16/08/2018

Deus não me condenou. Eu também não me condeno.

1. O meu Pai conhece a minha santidade. Negarei o Seu conhecimento e acreditarei naquilo que o Seu conhecimento e acreditarei naquilo que o Seu conhecimento torna possível? Aceitarei como verdadeiro aquilo que Ele proclama ser falso? Ou aceitarei o Seu Verbo quanto ao que eu sou, uma vez que Ele é o meu Criador e Aquele Que conhece as verdadeiras condições do Seu Filho?

2. Pai, eu estava errado em relação a mim mesmo, pois fracassei em reconhecer a Fonte de Onde vim. Não deixei essa Fonte para entrar num corpo e morrer. A minha santidade permanece como parte de mim, assim como eu sou parte de Ti. E os meus erros em relação a mim mesmo são sonhos. Hoje, eu os abandono. E estou pronto para receber apenas o Teu Verbo quanto ao que eu realmente sou.

LIÇÃO 227 - 15/08/2018

Esse é o meu instante santo de liberação.

1. Pai, sou livre hoje, porque a minha vontade é a Tua. Pensei em ter outra vontade. Mas nada do que pensei à parte de Ti existe. E sou livre porque estava errado e em nada afetei a minha própria realidade com as minhas ilusões. Agora renuncio a elas e as deposito aos pés da verdade para que sejam para sempre removidas da minha mente. Esse é o meu instante santo de liberação. Pai, sei que a minha vontade é una com a Tua.

2. E, assim encontramos, hoje, o nosso retorno alegre ao Céu, que nunca deixamos realmente. Nesse dia, o filho de Deus abandona os seus sonhos. Nesse dia, o filho de Deus volta para casa novamente, livre do pecado e revestido de santidade, com a sua mente certa enfim restaurada.

LIÇÃO 226 - 14/08/2018

O meu lar me espera. Eu me apresso para voltar a ele.

1. Se eu assim escolher, posso deixar esse mundo inteiramente. Não é a morte que torna isso possível, mas a mudança da mente em relação ao propósito do mundo. Se eu acreditar que ele tem valor, tal como o vejo agora, ele permanecerá assim para mim. Mas se, ao contemplá-lo, eu não vir nenhum valor no mundo, nada que eu queira guardar para mim ou almeje como uma meta, ele me deixará. Pois não terei buscado ilusões para substituir a verdade.

2. Pai, o meu lar aguarda o meu retorno alegre. Os Teus Braços estão abertos e eu ouço a Tua Voz. Que necessidade tenho eu de ficar num lugar de desejos vãos e de sonhos despedaçados, se o Céu pode ser meu com tanta facilidade?

LIÇÃO 225 - 13/08/2018

Deus é meu Pai e Seu Filho O ama.

1. Pai tenho que retribuir o Teu Amor por mim, pois dar e receber é a mesma coisa e Tu me deste todo o Teu Amor. Tenho que retribuí-lo, pois quero que seja meu em plena consciência consciência, resplandecendo em minha mente e mantendo-a ao alcance da luz benigna do Teu Amor, inviolada, amada, deixando o medo para trás e vislumbrando apenas a paz.  Como é quieto o modo como o Teu Filho amoroso é conduzido a Ti!

2. Irmão encontramos essa quietude agora. O caminho está aberto. Agora, nós o seguimos juntos e em paz. Tu estendeste a mão para mim e eu nunca hei de deixar-te. Somos um e essa unicidade é tudo o que buscamos ao completarmos estes últimos passos que terminam uma jornada que não começou.
LIÇÃO 224 - 12/08/2018

Deus é o meu Pai e Ele ama o Seu Filho

1. A minha verdadeira Identidade é tão segura, tão sublime, sem pecado, gloriosa e grande, inteiramente benéfica e livre de culpa, que o Céu volta-se para Ela para Lhe dar luz. Ela também ilumina o mundo. É a dádiva que o meu Pai me deu e que eu também dou ao mundo. Não há outra dádiva senão Essa que possa ser dada ou recebida. Essa é a realidade e apenas Essa. Ela é o fim da ilusão. Ela é a verdade.

2. O meu Nome, ó Pai, ainda Te é conhecido. Eu o esqueci e não sei aonde vou, quem sou, ou o que faço. Pai, lembra-me agora, pois estou cansado do mundo que vejo. Revela o que queres que eu veja no lugar disso.


LIÇÃO 223 - 11/08/2018

Deus é a minha vida. Não tenho outra vida, senão A Dele.

1. Eu estava errado quando pensava viver à parte de Deus, um entidade separada que se movia no isolamento, sem ligações, abrigada dentro de um corpo. Agora sei que a minha vida é A de Deus, que não tenho outro lar e que não existo à parte Dele. Ele não tem Pensamentos que não façam parte de mim e eu só tenho aqueles que são Dele.

2. Pai nosso, deixa-nos ver a face de Cristo no lugar dos nossos erros. Pois nós que somos o Teu Filho santo, não temos pecados. Queremos contemplar a nossa impecabilidade, pis a culpa proclama que não somos o Teu Filho. E não queremos esquecer-Te por mais tempo. Sentimo-nos sós aqui e ansiamos pelo Céu, onde estamos em casa. Queremos voltar hoje. O nosso nome é o Teu e reconhecemos que somos o Teu Filho.

LIÇÃO 222 - 10/08/2018

Deus está comigo. Eu vivo e me movimento Nele.

1. Deus está comigo. Ele é a minha Fonte de vida, a vida dentro de mim, o ar que respiro, o alimento que me sustenta, a água que me renova e me limpa. Ele é o meu lar, onde vivo e me movimento; o Espírito Que dirige as minhas ações, Que me oferece os Seus Pensamentos e Que garante a minha proteção de todas as dores. Ele me cobre com benignidade e cuidados e conserva no amor o Filho que Ele ilumina e que também O ilumina. Como é quieto aquele que conhece a verdade do que Ele diz hoje!

Pai, não temos outras palavras em nossos lábios e mente senão o Teu Nome ao virmos, em quietude, à Tua Presença agora e ao pedirmos para descansar por um momento Contigo em paz.

PARTE II

Introdução

1. Agora as palavras significarão pouco. Nós as usamos apenas como guias dos quais já não dependemos. Pois agora buscamos unicamente a experiência direta com a verdade. As lições que restam são meras introduções para os momentos em que deixaremos o mundo da dor e entraremos na paz. Agora começamos a alcançar a meta que esse curso estabeleceu e a encontrar o fim para o qual a nossa prática sempre esteve dirigida.

2. Agora procuramos deixar que o exercício seja apenas um começo. Pois esperamos em serena expectativa pelo nosso Deus e Pai. ele prometeu que Ele próprio daria o último passo. E temos certeza de que as Suas promessas são cumpridas. Já percorremos uma grande parte da estrada e agora esperamos por Ele. Continuaremos a passar algum tempo com Ele de manhã e à noite, tanto quanto nos fizer felizes. agora não consideraremos o tempo uma questão de duração. Nós usaremos o tempo de que precisaremos para o resultado que desejamos. Tampouco nos esqueceremos de pensar Nele a cada hora do dia, chamando a Deus quando precisarmos Dele nos momentos em que nos sentirmos tentado a esquecer a nossa meta.

3. Nos próximos dia continuaremos com um pensamento central e usaremos esse pensamento para dar início aos nossos momentos de descanso e para acalmar as nossas mentes quando necessário. Mas não nos contentaremos só com a simples prática nos instantes santos que restam para concluir o ano que demos a Deus. Diremos algumas palavras simples de boas-vindas e esperaremos que o nosso Pai Se revele, conforme prometeu. Nós O chamamos e Ele prometeu que o Seu Filho não ficaria sem resposta quando invocasse o Seu Nome.

4. Agora, vamos a Ele só com o Seu Verbo em nossas mentes e nossos corações e esperamos que Ele dê o passo em nossa direção que, através da Sua própria Voz, Ele disse que não deixaria de dar quando O convidássemos a fazê-lo. Ele não deixou o Seu Filho em toda a sua loucura, nem traiu a Sua confiança Nele. A Sua fidelidade não Lhe valeu o convite que Ele busca para nos fazer felizes? Nós faremos o convite e esse será aceito. E assim agora o nosso tempo será passado com Ele. Pronunciamos as palavras do convite que a Sua Voz sugere e esperamos que Ele venha a nós.

5. Agora, o momento da profecia é cumprido. Agora todas as antigas promessas são mantidas e plenamente cumpridas. Não há mais nenhum passo que o tempo separe da sua realização. Pois agora não podemos falhar. Senta-te silenciosamente e espera o teu Pai. Ele quer vir a ti quando tiveres reconhecido que essa é a tua vontade. E nunca poderias ter chegado até aqui se não tivesses visto, mesmo indistintamente, que essa é a tua vontade.

6. Estou tão perto de ti que não podemos fracassar. Pai, nós Te oferecemos estes momentos santos em gratidão Åquele que nos ensinou como deixar o mundo da tristeza em troca do seu substituto, que nos é dado por Ti. Já não olhamos para trás agora. Olhamos para frente, com os nossos olhos fixos no fim da jornada. Aceita estas nossas pequenas dádivas de gratidão, pois pela visão de Cristo contemplamos um mundo além daquele que fizemos e aceitamos esse mundo para substituir inteiramente o nosso.

7. E agora aguardamos em silêncio, sem medo e certos da Tua Vinda. buscamos encontrar o nosso caminho seguindo o Guia que nos enviaste. Não sabíamos o caminho, mas Tu não nos esqueceste. E sabemos que não nos esquecerás agora. Pedimos apenas que as Tuas antigas promessas sejam cumpridas, como é Tua Vontade cumpri-las. Ao pedirmos isso, a nossa vontade é a Tua. O Pai e o Filho, Cuja santa Vontade criou tudo o que existe, em nada podem fracassar. Com certeza, empreendemos estes últimos passos em Tua direção e descansamos confiantes no Teu Amor, que não fracassará junto ao Filho que Te invoca.

8. E assim damos início à última parte deste anos santo que passamos juntos em busca da verdade e de Deus, Que é o único Criador da verdade. Achamos o caminho que Ele escolheu para nós e escolhemos segui-lo como Ele queria que fizéssemos. A Sua Mão nos amparou. Os Seus Pensamentos iluminaram a escuridão das nossas mentes. O Seu Amor chamou por nós incessantemente desde o início dos tempos.

9. Desejamos que Deus fracassasse em ter o Filho que Ele criou para Si Mesmo. Quisemos que Deus Se modificasse e que Se transformasse no que queríamos fazer Dele. E acreditamos que os nossos loucos desejos fossem a verdade. Estamos felizes, agora, por tudo isso ter-se desfeito e já não pensamos que as ilusões sejam verdadeiras. A memória de Deus desponta nos vastos horizontes de nossas mentes. Mais um momento e ela surgirá outra vez. Mais um momento e nós, os Filhos de Deus, estaremos a salvo em casa, onde Ele quer que estejamos.

10. Agora, a necessidade da prática está quase no fim. Pois nesta parte final, passaremos a compreender que precisamos apenas chamar a Deus e todas as tentações desaparecerão. Ao invés de palavras basta sentirmos o Seu Amor. Ao invés de orações, basta invocarmos o Seu Nome. Ao invés de julgar, basta nos aquietarmos e deixarmos que todas as coisas sejam curadas. Aceitaremos o modo como o plano de Deus chegará ao fim, assim como recebemos o modo como começou. Agora ele está completo. Esse anos nos trouxe à eternidade.

11. Conservaremos ainda uma utilidade para as palavras. De vez em quando, instruções sobre um tema de especial pertinência introduzir-se-ão nas nossas lições diárias e nos períodos sem palavras de profunda experiência que se seguirão. Estes pensamentos especiais devem ser revisados a cada dia e cada um deve continuar até que te sejam dados os pensamentos seguintes. Deves lê-los com vagar e refletir sobre eles por algum tempo antes de um dos abençoados instantes santos do dia. Damos a primeira destas instruções agora.



O que é o perdão?

1. O perdão reconhece que o que pensaste que teu irmão fez a ti não ocorreu. Ele não perdoa pecados tornando-os reais. Ele vê que não há pecado. E, nesse modo de ver, todos os teus pecados são perdoados. O que é o pecado, senão uma ideia falsa sobre o Filho de Deus? O perdão simplesmente vê a sua falsidade e, portanto, a abandona. A Vontade de Deus passa, então, a ser livre para ocupar agora o espaço que lhe é devido.

2. U pensamento que não perdoa é um pensamento que faz um julgamento que ele não questionará, embora não seja verdadeiro. A mente está fechada e não será liberada. O pensamento protege a projeção, apertando as suas correntes de modo que as distorções se tornem mais veladas e mais obscuras; menos acessíveis à dúvida e mais afastadas da razão. O que poderia se interpor entre uma projeção fixa e o objetivo que ela escolheu como sua meta?

3. Um pensamento que não perdoa faz muitas coisas. Persegue a sua meta ativa e freneticamente, distorcendo e derrubando o que vê como interferências noa talho que escolheu. A deturpação é o seu propósito, assim como o meio pelo qual quer realizá-lo. Ele se lança nas suas tentativas furiosas de esmagar a realidade, sem se preocupar com o que quer que seja que aparentemente contradiga o seu ponto de vista.

4. O perdão, por sua vez, é quieto e na quietude nada faz. Não ofende nenhum aspecto da realidade, nem busca distorcê-la para encaixá-la em aparências que lhe agradem . Apenas olha e espera e não julga. Aquele que não quer perdoar tem que julgar, pois tem que justificar o seu fracasso em perdoar. Mas aquele que quer perdoar a si mesmo tem que aprender a dar boas-vindas à verdade exatamente como ela é.

5. Assim sendo, não faças nada e deixa o perdão te mostrar o que fazer através Daquele Que é o teu Guia, teu Salvador e Protetor, forte em esperança e certo do teu êxito final. Ele já te perdoou, pois essa é a Sua função, dada por Deus. Agora é preciso que compartilhes a Sua função e perdoes aqueles que Ele salvou, cuja impecabilidade Ele vê e a quem honra como o Filho de Deus.

LIÇÃO 221 - 09/08/2018

Que a paz esteja em minha mente. Que todos os meus pensamentos se aquietem.

1. Pai, venho hoje a Ti em busca da paz que só Tu podes dar. Venho em silêncio. Na quietude do meu coração, nos recantos mais profundos de minha mente, eu espero à escuta da Tua Voz. Meu Pai, fala comigo hoje. Venho para ouvir a Tua Voz em silêncio, com segurança e amor, certo de que ouvirás o meu chamado e me responderás.

2. Aguardamos em silêncio agora. Deus está aqui, pois esperamos juntos. Eu tenho certeza de que Ele falará contigo e ouvirás. Aceita a minha confiança, pois ela é tua. As nossas mentes estão unidas. Esperamos com uma só intenção: ouvir a resposta do nosso Pai ao nosso chamado, deixar que nossos pensamentos se aquietem e encontrem a Sua Paz para ouvi-Lo falar-nos do que somos e revelar-Se ao Seu Filho.

LIÇÃO 220 - 08/08/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (200) Não há paz, senão a paz de Deus.

Que eu não me desvie do caminho da paz, pois em outras estradas estou perdido. Que eu siga Aquele Que me conduz para casa, e a paz é tão certa quanto o Amor de Deus.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.


LIÇÃO 219 - 07/08/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (199) Eu não sou um corpo. Eu sou livre.

Sou o Filho de Deus. Aquieta-te, minha  mente, e pensa nisso por um momento. E depois, volta à terra, sem confusão quanto ao que meu Pai ama para sempre como Seu Filho.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.
LIÇÃO 218 - 06/08/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (198) Só a minha condenação me fere.

A minha condenação mantém a minha vista escura, e com os meus olhos cegos eu não posso ter a visão da minha glória. Mas hoje posso contemplar essa glória e me alegrar.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

LIÇÃO 217 - 05/08/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois sou como Deus me criou.

1. (197) O que ganho só pode ser a minha própria gratidão.

Quem deve agradecer pela minha salvação, senão eu mesmo? E de que modo, senão através da salvação, posso achar o Ser a Quem a minha gratidão é devida?

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois sou como Deus me criou.
LIÇÃO 216 - 04/08/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (196) Só posso crucificar a mim mesmo.

Tudo o que faço, faço a mim mesmo. Se ataco, sofro. Mas se perdoo, a salvação me será dada.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.
LIÇÃO 215 - 03/08/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (195) O Amor é o caminho que sigo com gratidão.

O Espírito Santo é o meu único Guia. Ele caminha contigo no Amor. E agradeço a Ele por me mostrar o caminho a seguir.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.


LIÇÃO 214 - 02/08/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (194) Entrego o futuro nas Mãos de Deus.

O passado se foi; o futuro ainda não existe. Agora estou livre de ambos. Pois o que Deus dá só pode ser para o bem. E aceito só o que Ele dá como o que me pertence.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.


LIÇÃO 213 - 01/08/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (193) Todas as coisas são lições que Deus quer que eu aprenda.

Uma lição é um milagre que Deus oferece a mim em lugar de pensamentos que fiz e que ferem. O que aprendo com Ele vem a ser o modo como sou libertado. E, assim, escolho aprender as Suas lições e esquecer as minhas.


Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

LIÇÃO 212 - 31/07/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (192) Tenho uma função que Deus quer que eu cumpra.

Busco a função que me libertará de todas as vãs ilusões do mundo. Só a função que Deus me deu pode oferecer a liberdade. Busco apenas essa função, e só essa aceitarei como a minha.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

LIÇÃO 211 - 30/07/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (191) Sou o próprio Filho santo de Deus.

Em silêncio e com verdadeira humildade busco a glória de Deus para contemplá-la no Filho que Ele criou como o meu Ser.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

LIÇÃO 210 - 29/07/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (190) Escolho a alegria de Deus ao invés da dor.

A dor é uma ideia minha. Não é um pensamento de Deus, mas um pensamento que tive à parte de Dele e da Sua Vontade.
A Sua Vontade é alegria, e apenas alegria para o Seu amado Filho. E é isso o que escolho ao invés do que eu fiz.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.


LIÇÃO 209 - 28/07/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Eu ainda sou como Deus me criou.

1. (189) Sinto o Amor de Deus dentro de mim agora.

O Amor de Deus me criou. O Amor de Deus é tudo o que eu sou. O Amor de Deus me proclamou Seu Filho. O Amor de Deus dentro de mim me liberta.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Eu ainda sou como Deus me criou.


LIÇÃO 208 - 27/07/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Ainda sou como Deus me criou.

1. (188) A paz de Deus está brilhando em mim agora.

Eu me aquietarei e deixarei que a terra se aquiete comigo. E nesta quietude nós acharemos a paz de Deus. Ela está dentro do meu coração, que dá testemunho do próprio Deus.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Ainda sou como Deus me criou.

LIÇÃO 207 - 26/07/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (187) Abençôo  o mundo pois abençôo a mim mesmo.

A bênção de Deus brilha sobre mim de dentro do meu coração onde Ele habita. Só preciso voltar-me para Deus e todo pesar se dissipa ao aceitar o Seu infinito Amor por mim.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

LIÇÃO 206 - 25/07/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (186) A salvação do mundo depende de mim.

As dádivas de Deus me foram confiadas porque sou Seu Filho. E quero dar as Suas dádivas aonde Ele quer que estejam.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

LIÇÃO 205 - 24/07/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (185) Quero a paz de Deus.

A paz de Deus é tudo o que eu quero. A paz de Deus é a minha única meta; o objetivo de toda a minha vida aqui, o fim que busco, meu propósito, minha função e minha vida, enquanto eu habitar onde não estou em casa.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

LIÇÃO 204 - 23/07/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (184) O Nome de Deus é minha herança.

O Nome de Deus me lembra que sou Seu Filho, não escravo do tempo, nem preso a leis que governam o mundo de ilusões doentias, mas livre em Deus, para todo o sempre um com Ele.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

LIÇÃO 203 - 22/07/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (183) Invoco o Nome de Deus e o meu próprio nome.

O Nome de Deus é a minha libertação de todo pensamento de mal e de pecado, porque é o meu próprio nome assim como o Seu.

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

LIÇÃO 202

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (182) Eu me aquietarei por um momento e irei para casa.

Por que eu escolheria ficar mais um momento onde não é o meu lugar, quando o próprio Deus Deu-me a Sua Voz para chamar-me de vota à casa?

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

REVISÃO VI - 20/07/2018

Introdução

1. Para essa revisão tomamos apenas uma ideia a cada dia e a praticamos com a maior frequência possível. Além do tempo que lhe deres pela manhã e à noite que não deverá ser inferior a quinze minutos e das lembranças a cada hora durante o dia, usa a ideia o mais frequentemente possível entre essas práticas. Cada uma destas ideias, por si só, seria suficiente para a salvação, se fosse verdadeiramente aprendida. Cada uma seria suficiente para liberar a ti e ao mundo de todas as formas de cativeiro e para convidar a memória de Deus a vir outra vez.

2. Com isso em mente, damos início à nossa prática, na qual revisamos com cuidado os pensamentos que o Espírito Santo nos concedeu nas nossas últimas vinte lições. Cada um contém todo o currículo se for compreendido, praticado, aceito e aplicado a todos os acontecimentos aparentes durante o dia. Um é suficiente. Mas, nele, não pode haver exceções. E assim precisamos usá-los todos e deixá-los fundirem-se em um só, à medida em que cada um contribui para o todo que estamos aprendendo.

3. Essas sessões de prática, como na nossa última revisão, giram em torno de um tema central com o qual começamos e terminamos cada lição. É esse:

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

O dia começa e termina com isso. E nós o repetimos a cada hora ou nos lembramos, nos intervalos, que temos uma função que transcende o mundo que vemos. Além disso e de uma repetição do pensamento especial que praticamos naquele dia, não será pedido nenhum tipo de exercício, a não ser um profundo abandono de tudo o que atravanca a mente e a torna surda à razão, à sanidade e à simples verdade.

4. Para essa revisão, procuraremos ir além de todas as palavras e formas especiais de prática. Pois, dessa vez, estamos tentando conseguir dar passos mais rápidos ao longo de um caminho mais curto para a serenidade e a paz de Deus. Simplesmente fechamos os olhos e esquecemos tudo o que pensávamos saber e compreender. Pois assim nos é dada a liberdade de tudo o que não sabíamos e falhamos em compreender.

5. Há apenas uma exceção a essa falta de estrutura. Não permitas que nenhum pensamento vão passe sem ser questionado. Se notares algum, nega o seu controle sobre ti e apressa-te em assegurar à tua mente que não é isso o que ela quer. Em seguida, gentilmente deixa que o pensamento que negaste seja abandonado e trocado segura e rapidamente pela ideia que praticamos nesse dia.

6. Quando fores tentado, apressa-te em proclamar a tua liberdade para com a tentação, dizendo:

Não quero esse pensamento. Escolho em lugar dele____________.


E, em seguida, repete a ideia do dia e deixa-a ocupar o lugar daquilo que pensaste. Além destas aplicações especiais da ideia de cada dia, acrescentaremos apenas algumas expressões formais ou pensamentos específicos para ajudar a prática. Em vez disso, damos esses momentos de quietude ao Professor Que ensina na quietude, Que fala da paz e Que dá aos nossos pensamentos qualquer significado que possam ter.

7. A Ele eu ofereço essa revisão por ti. Eu te coloco a Seu cargo e deixo que Ele te ensine o que fazer, dizer e pensar a cada vez que te voltares para Ele. Ele não falhará em estar disponível para ti toda vez que O invocares pedindo ajuda. Ofereçamos a Ele toda a revisão que iniciamos agora e também não esqueçamos a Quem ela foi dada ao praticarmos dia após dia, avançando em direção à meta que Ele estabeleceu para nós; deixando-O ensinar-nos como ir e confiando plenamente nele quanto à melhor maneira através da qual cada período de prática pode se tornar uma dádiva amorosa de liberdade para o mundo.

LIÇÃO 201

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.
Pois ainda sou como Deus me criou.

1. (181) Confio em meus irmãos, que são um comigo.

Não há ninguém que não seja meu irmão. Sou abençoado pela unicidade com o universo e com Deus, meu Pai, único Criador do todo que é o meu Ser, para sempre um comigo.
LIÇÃO 200 - 19/07/2018

Não há paz exceto a paz de Deus.

1. Não busques mais. Não acharás paz a não ser a paz de Deus. Aceita esse fato e poupa a ti mesmo a agonia de decepções ainda mais amargas, do desespero sombrio e da sensação da fria desesperança e da dúvida. Não busques mais. Nada mais há para achares exceto a paz de Deus, a menos que estejas buscando a miséria e a dor.

2. Esse é o ponto final ao qual todos devem enfim chegar para abandonar toda a esperança de encontrar a felicidade onde não há nenhuma, de ser salvo por algo que só pode ferir, de fazer a paz a partir do caos, a alegria da dor e o Céu do inferno. Não tentes mais ganhar pela perda ou morrer para viver. Tu estás pedindo apenas a derrota.

3. Mas podes, com a mesma facilidade, pedir amor, felicidade e vida eterna numa paz infinita. Pede isso e só poderás ganhar. Pedir o que já tens não pode deixar de ter êxito. Pedir que o falso seja verdadeiro só pode fracassar. Perdoa-te pelas imaginações vãs e não busques mais aquilo que não podes achar. Pois o que poderia ser mais tolo do que buscar e buscar e buscar de novo o inferno, quando precisas apenas olhar com os olhos abertos para descobrir que o Céu se estende diante de ti através de uma porta que se abre facilmente para acolher-te?

4. Volta para casa. Não encontraste a tua felicidade em lugares estranhos e em formas alheias que nada significam para ti, embora tenhas buscado torná-los significativos. Não pertences a esse mundo. És um estranho aqui. Mas te é dado achar os meios pelos quais o mundo deixará de parecer uma prisão ou uma cela para cada um.

5. a liberdade te é dada ali onde contemplaste apenas correntes e portas de ferro. Mas é preciso que mudes de ideia em relação ao propósito do mundo, se quiseres achar a saída. Permanecerás preso enquanto o mundo inteiro não for visto como um lugar abençoado e todos não forem libertados dos teus erros e honrados pelo que são. Tu não os fizeste, nem fizeste a ti mesmo. E quando libertares um, o outro é aceito pelo que é.

6. O que faz o perdão? Na verdade, não tem função e nada faz. Pois é desconhecido no Céu. Ele só é necessário no inferno, onde tem que cumprir uma função poderosa. A libertação do amado Filho de Deus dos sonhos maus que ele imagina, mas que acredita serem verdadeiros, não é um propósito de valor? Quem poderia esperar mais, quando parece haver uma escolha a ser feita entre o sucesso e o fracasso, o amor e o medo?

7. Não há paz exceto a paz de deus porque Ele tem um filho que não pode fazer um mundo em oposição à Vontade de Deus e à sua própria, que é igual a Sua. O que poderia ele esperar encontrar em tal mundo? ele não pode ter realidade porque nunca foi criado. É aqui que ele quer buscar paz? Ou é preciso que veja, ao olhar o mundo, que o mundo só pode enganar? No entanto, ele pode aprender a olhar para ele de outro modo e achar a paz de Deus.

8. A paz é a ponte que todos atravessarão para deixar esse mundo para trás. Mas a paz começa no interior do mundo percebido de modo diferente, que a partir dessa nova percepção leva à porta do Céu e ao caminho que está além. A paz é a resposta para metas conflitantes, jornadas sem sentido, atividades frenéticas e inúteis e esforços vãos. Agora o caminho é fácil, ligeiramente inclinado em direção à ponte onde no interior da paz de Deus.

9. Não nos deixemos perder o nosso caminho novamente hoje. Vamos para o Céu e o caminho é reto. só haverá atraso se tentarmos vagar por ele ou perdermos tempo inutilmente em atalhos espinhosos. Só Deus é certo e Ele guiará os nossos passos. Ele não desertará o Seu Filho em necessidade, nem deixará que se perca de sua casa para sempre. O Pai chama, o Filho ouvirá. E isso é tudo o que existe naquilo que parece ser um mundo à parte de Deus, onde corpos têm realidade.

10. Agora, há silêncio. Não busques mais. Vieste ao ponto onde a estrada é atapetada com as folhas dos falsos desejos, caídas das árvores da desesperança que antes buscavas. Agora elas estão embaixo dos teus pés. E olhas para cima, em direção ao Céu com os olhos do corpo que só vão servir por mais um instante. A paz foi finalmente reconhecida e sentes o seu suave abraço cercar o teu coração e a tua mente com consolo e amor.

11. Hoje, não buscamos ídolos. A paz não pode ser achada neles. A paz de Deus é nossa e é só isso que aceitaremos e quereremos. Que a paz esteja conosco hoje. Pois achamos um modo simples e feliz de deixar o mundo da ambiguidade e de substituir as nossas metas frívolas e sonhos solitários pelo propósito único e pelo companheirismo. Pois paz é união, se for de Deus. Não buscamos mais. Estamos perto de casa e nos aproximamos ainda mais, a cada vez que dissermos:

Não há paz exceto a paz de Deus,
e estou alegre e grato por ser assim.

LIÇÃO 199 - 18/07/2018

Eu não sou um corpo. Eu sou livre.

1. A liberdade tem que ser impossível enquanto perceberes a ti mesmo como um corpo. O corpo é um limite. Aquele que quer buscar a liberdade num corpo está procurando-a onde não é possível achá-la. A mente pode ser libertada quando deixar de se ver dentro de um corpo, firmemente ligada a ele e protegida pela sua presença. Se isso fosse a verdade, a mente seria, de fato, vulnerável!

2. A mente que serve ao Espírito Santo é para sempre ilimitada sob todas as formas, está além das leis do tempo e do espaço, desligada de qualquer preconceito, com força e poder para fazer tudo o que lhe é pedido. Pensamentos de ataque não podem entrar nesta mente, porque ela foi dada à Fonte do amor e o medo jamais pode entrar na mente que tenha se ligado ao amor. Ela descansa em Deus. E quem pode ter medo, se vive na Inocência e apenas ama?

3. É essencial para o teu progresso nesse curso que aceites a ideia de hoje e a valorizes muito. Não te preocupes se, para o ego, ela for bastante insana. O ego dá valor ao corpo porque vive dentro dele, unido à casa que construiu. O corpo faz parte da ilusão que protegeu o ego, não deixando que ele se achasse, ele próprio, ilusório.

4. É aqui que ele se esconde e é aqui que é possível vê-lo tal como é. Declara a tua inocência e tu és livre. O corpo desaparece porque não precisas dele a não ser para a necessidade que o Espírito Santo vê para ele. Nesse sentido, o corpo parecerá uma forma útil àquilo que a mente precisa fazer. Torna-se, assim, um veículo que ajuda o perdão a ser estendido à meta toda abrangente que ele precisa alcançar de acordo com o plano de Deus.

5. Acalenta a ideia deste dia e pratica-a hoje e todos os dias. Torna-a parte de todos os teus períodos de prática. Não há pensamento que não ganhe com isso mais poder para ajudar o mundo e mais dádivas para ti também. Nós damos voz ao chamado da liberdade em todo o mundo com essa ideia. E tu, queres te isentar da aceitação das dádivas que dás?

6. O Espírito Santo é o lar das mentes que buscam a liberdade. Nele acharam o que buscavam. Agora, o propósito do corpo fica claro. E ele vem a ser perfeito na capacidade de servir a uma meta não-dividida. Em resposta à mente sem conflitos ou equívocos, que tem apenas o pensamento da liberdade como sua meta, o corpo serve e serve bem ao propósito da mente. Sem o poder de escravizar, é um digno servidor da liberdade que a mente no interior do Espírito Santo busca.

7. Sê livre hoje. E carrega a liberdade como uma dádiva uma àqueles que ainda acreditam que estão escravizados dentro de um corpo. Sê livre, de modo que o Espírito Santo possa fazer uso do teu escape do cativeiro para pôr em liberdade muitos que se percebem presos, impotentes e com medo. Deixa que, através de ti, o amor substitua os seus medos. Aceita a salvação agora e dá a tua mente Àquele Que chama por ti para que faças a Ele essa dádiva. Pois Ele quer te dar a liberdade perfeita, a alegria perfeita e a esperança que encontra a sua realização plena em Deus.

8. Tu és o Filho de Deus. Na imortalidade, vives para sempre. Não queres voltar a tua mente para isso? Nesse caso, pratica bem o pensamento que o Espírito Santo te dá para o dia de hoje. Nele os teus irmão estão liberados contigo, o mundo é abençoado junto contigo,o Filho de Deus não chorará mais e o Céu agradece pela alegria maior que a tua prática traz até mesmo a Ele. E o próprio Deus estende o Seu Amor e felicidade a cada vez que disseres:

Eu não sou um corpo. Eu sou livre. Ouço a Voz Que Deus me deu, e a minha mente obedece apenas a ela.

LIÇÃO 198 - 17/07/2018

Só a minha condenação me fere.

1. Ferir é impossível. Mas ilusão faz ilusão. Se podes condenar, também podes ser ferido. Pois acreditaste que podes ferir e o direito que estabeleceste para ti pode agora ser usado contra ti, até que o descartes como sem valor, indesejado e irreal. Nesse momento a ilusão deixará de ter efeitos e os que parecia ter serão desfeitos. Então estás livre, pois a liberdade é a tua dádiva e podes agora receber a dádiva que deste.

2. Condena e és feito prisioneiro. Perdoa e serás libertado. Assim sendo, condenar é na verdade impossível. Aquilo que parece ser a sua influência e os seus efeitos nunca aconteceram de forma alguma. No entanto, por algum tempo temos que lidar com eles como se tivessem acontecido. A ilusão faz mais ilusão. Contudo, há uma exceção. O perdão é a ilusão que responde a todas as demais.

3. O perdão varre todos os outros sonhos e embora seja, ele mesmo, um sonho, não dá origem a outros. Todas as ilusões, com exceção dessa, multiplicam-se mil vezes. Mas é aqui que as ilusões chegam ao fim. O perdão é o fim dos sonhos, porque é o sonho do despertar. Em si, não é a verdade. Mas aponta para onde a verdade necessariamente está e orienta com a certeza do próprio Deus. É um sonho no qual o Filho de Deus desperta para o seu Ser e para o seu Pai, sabendo que são um só.

4. O perdão é a única estrada que conduz para longe do desastre para além de todo sofrimento e, enfim, para longe da morte. Como poderia haver outro caminho, se esse é o plano do próprio Deus? E por que te oporias a ele, brigarias com ele, buscarias achar mil maneiras de provar que está errado, mil outras possibilidades?

5. Não é mais sábio te alegrares por deteres a solução dos teus problemas nas tuas mãos? Não é mais inteligente agradeceres Àquele Que dá a salvação e aceitares a Sua dádiva com gratidão? E não é benigno para contigo mesmo ouvir a Sua Voz e aprender as lições simples que Ele quer ensinar, ao invés de tentar ignorar as Suas palavras e substituí-las pelas tuas? 

6. As Sua palavras terão êxito. As Suas palavras salvarão. As Suas palavras contêm toda a esperança, toda a bênção e toda a alegria que jamais podem ser achadas sobre essa terra. As Suas palavras nasceram em Deus e vêm a ti trazendo com elas o amor do Céu. Aqueles que ouvem as Suas palavras ouviram a canção do Céu. Pois estas são as palavras em que, enfim, tudo se funde em um só. E quando essa única palavra desaparecer, o Verbo de Deus virá tomar tomar o lugar dela pois, então, será lembrado e amado.

7. Esse mundo tem muitos lugares assombrados, aparentemente separados, em que a misericórdia nada significa e o ataque parece justificar-se. No entanto, são todos um só: um lugar em que a morte é oferecida ao Filho de Deus e ao Seu Pai. Talvez penses que Eles a aceitaram. Mas se olhares novamente para o lugar aonde contemplaste o sangue do Pai e do Filho perceberás um milagre. Que tolice acreditar que Eles poderiam morrer! Que tolice acreditar que tu podes atacar! Que loucura pensar que poderias ser condenado e que o Filho santo de Deus pode morrer!

8. A serenidade do teu Ser permanece igual, intocada por pensamentos como esses e inconsciente de qualquer condenação que pudesse precisar de perdão. Todos os tipos de sonhos são estranhos e alheios à verdade. E o que mais, senão a verdade, poderia ter um Pensamento que constrói uma ponte que leva as ilusões para o outro lado?

9. Hoje, praticamos deixar que a liberdade venha construir o seu lar contigo. A verdade concede estas palavras à tua mente para que possas achar a chave da luz e permitir que a escuridão chegue ao fim:

Só a minha condenação me fere.
Só o meu próprio perdão me liberta.

Hoje não esqueças que não é possível haver nenhuma forma de sofrimento que não esteja escondendo um pensamento sem perdão. E que também não pode haver uma forma de dor que o perdão não cure.

10. Aceita a única ilusão que afirma que não há condenação no Filho de Deus e o Céu é instantaneamente lembrado, o mundo esquecido, todas as crenças estranhas do mundo esquecidas com ele, à medida em que a face de Cristo aparece enfim desvendada nesse único sonho. Essa é a dádiva que o Espírito Santo tem para te dar da parte de Deus, teu Pai. Que o dia de hoje seja lembrado tanto na terra quanto na tua casa santa. Sê benigno para com ambas, ao perdoares as ofensas pelas quais pensavas que eram culpadas e vê a tua inocência brilhando a partir da face de Cristo sobre ti.

11. Agora o mundo todo está em silêncio. Agora há serenidade aonde havia uma torrente frenética de pensamentos que não faziam sentido. Agora há uma luz tranquila sobre a face da terra que se aquietou em um sono sem sonhos. E agora só ficou o Verbo de Deus na terra. Só isso pode ser percebido por mais um instante. Nesse momento, os símbolos desapareceram e tudo o que pensaste ter feito sumiu por completo da mente que Deus sabe ser o Seu único Filho para sempre.

12. Não há condenação nele. Ele é perfeito em sua santidade. Não precisa de pensamentos de misericórdia. Quem poderia lhe dar dádivas quando tudo é seu? E quem poderia sonhar em oferecer o perdão ao Filho da própria Impecabilidade, tão parecido com Aquele de Quem é Filho que contemplar o Filho é não perceber nada mais e conhecer apenas o Pai? Nesta visão do Filho, tão breve que nem um instante decorre entre essa única visão e a própria intemporalidade, tens a visão de ti mesmo e, então, desapareces para sempre em Deus.

13. Hoje nos aproximamos ainda mais do fim de todas as coisas que ainda se interpõem entre essa visão e o nosso modo de ver. E estamos alegres por termos vindo até aqui e reconhecido que Aquele Que nos trouxe aqui não nos abandonará agora. Pois Ele quer dar-nos a dádiva que Deus nos deu por Seu intermédio no dia de hoje. Agora é a hora da tua libertação. A hora já veio. A hora veio hoje.

LIÇÃO 197 - 16/07/2018

O que eu ganho só pode ser minha própria gratidão.

1. Eis o segundo passo que damos para libertar a tua mente da crença segundo a qual há uma força externa que se opõe à tua. Tentas ser bom e perdoar. Mas fazes com que as tuas tentativas virem ataque outra vez se não encontras gratidão externa e agradecimentos profusos. As tuas dádivas têm que ser recebidas com honra, para que não sejam retiradas. Por isso, pensas que as dádivas de Deus são, no máximo, um empréstimo e no mínimo enganos que te roubariam as tuas defesas a fim de garantir que quando Ele te atacar, não falhe em matar-te.

2. Como Deus e culpa são facilmente confundidos por aqueles que não sabem o que os seus próprios pensamentos podem fazer. Nega a tua força e a fraqueza tem que vir a ser salvação para ti. Vê a ti mesmo preso e as grades vêm a ser o teu lar. E tampouco sairás da prisão, ou reivindicarás a tua força, enquanto a culpar e a salvação forem vistas como uma só e a liberdade e a salvação não forem percebidas como unidas e apoiadas pela força, para serem procuradas e reivindicadas, achadas e inteiramente reconhecidas.

3. O mundo tem que te agradecer quando lhe ofereces a liberação das tuas ilusões. Mas os teus próprios agradecimentos também pertencem a ti, pois a sua liberação apenas reflete a tua. A tua gratidão é tudo o que as tuas dádivas requerem para que sejam uma oferta duradoura de um coração agradecido, para sempre livre do inferno. É isso que queres desfazer ao tomar de volta as tuas dádivas por não terem sido honradas? Quem as honra és tu e lhes dás a gratidão que lhes é devida, pois quem recebe as dádivas és tu.

4. Não importa se alguém acha as tuas dádivas sem valor. Há uma parte da sua mente que se une à tua para agradecer a ti. Não importa se as tuas dádivas parecem perdidas e ineficazes. São recebidas onde são dadas. Na tua gratidão são aceitas universalmente e reconhecidas com gratidão pelo Coração do próprio Deus. E tu queres tomá-la de volta, quando Ele as aceitou com gratidão?

5. Deus abençoa toda dádiva que tu Lhe dás e todas as dádivas Lhe são dadas, pois só podem ser dadas a ti mesmo. E aquilo que pertence a Deus tem que ser propriamente Seu. Mas nunca reconhecerás que as Suas dádivas são seguras, eternas, imutáveis, sem limites, que nunca deixam de dar; que estendem o amor e acrescentam à tua alegria inesgotável, enquanto perdoares apenas para atacar outra vez.

6. Retira as tuas dádivas e pensarás que o que te é dado te foi retirado. Mas aprende a deixar o perdão afastar os pecados que pensas ver fora de ti mesmo e nunca pensarás que as dádivas de Deus só te são emprestadas por um momento, antes que Ele as arranque de volta na morte. Pois, então, a morte não terá significado para ti.

7. E com o fim dessa crença, o medo acaba para sempre. Agradece ao teu Ser por isso, pois Ele só é grato a Deus e agradece a si Mesmo por ti, Cristo ainda virá a todos aqueles que vivem, pois todos têm que viver e se mover Nele. O Que Ele É está seguro no Seu Pai, pois as Suas vontades são uma só. A Sua gratidão tudo o que Eles criaram não tem fim, pois a gratidão continua sendo uma parte do amor.

8. Obrigado a ti, Filho santo de Deus. Pois, tal como foste criado, todas as coisas estão contidas no teu Ser. Pois ainda és como Deus te criou. e não podes turvar a luz da tua perfeição. No teu coração está o coração de Deus. Tu Lhe és caro porque és Ele Mesmo. Toda gratidão te pertence devido ao que tu és. 

9. Agradece ao receber  gratidão. Liberta-te de toda a ingratidão para com todo aquele que torna pleno o teu Ser. E deste Ser ninguém é excluído. Agradece por todos os incontáveis canais que estendem esse Ser. Tudo o que fazes é dado a Ele. Tudo o que pensas só pode ser os Seus Pensamentos, compartilhando com Ele os santos Pensamentos de Deus. Recebe agora a gratidão que negaste a ti mesmo quando esqueceste a função que Deus te deu. Mas jamais penses que Ele tenha em algum momento cessado de te agradecer.

LIÇÃO 196 - 15/07/2018

Só posso crucificar a mim mesmo.

1. Quando isso for bem compreendido e mantido em plena consciência, não tentarás prejudicar-te, nem fazer do teu corpo um escravo da vingança. Não atacarás  a ti mesmo e reconhecerás que atacar um outro é atacar a ti mesmo. Ficarás livre da crença insana de que atacar um irmão te salva. E compreenderás que a sua segurança é a tua e através da sua cura, tu és curado.

2. Talvez, a princípio, não compreendas como a misericórdia, que é ilimitada e que mantém todas as coisas sob a sua proteção segura, pode ser achada na ideia que praticamos hoje. De fato, ela pode parecer um sinal de que é impossível escapar ao castigo, porque o ego, diante do que vê como uma ameaça, não demora em citar a verdade para salvar as suas mentiras. Entretanto, ele não pode deixar de fracassar em compreender a verdade que usa desse modo. Mas tu podes aprender a ver essas tolas aplicações e negar o significado que parecem ter.

3. Assim, também ensinas a tua mente que não és ume go. Pois as formas com as quais o ego procura deturpar a verdade não te enganarão mais. Não acreditarás que és um corpo a ser crucificado. E verás na ideia de hoje a luz da ressurreição, olhando para o que está além de todos os pensamentos de crucificação e de morte, que são pensamentos de libertação e de vida.

4. A ideia de hoje é um passo que damos para sair do cativeiro para o estado da liberdade perfeita. Vamos dar esse passo hoje, para que possamos seguir rapidamente o caminho que a salvação nos mostra, dando cada passo na sequência estabelecida, à medida em que a mente renuncia aos seus fardos um a um. Não precisamos de tempo para isso. Precisamos apenas de disponibilidade. Pois o que parecia levar mil anos pode facilmente ser feito em um só instante pela graça de Deus.

5. O lúgubre e desesperançado pensamento de que podes atacar os outros e salvar a ti mesmo te pregou à cruz. Talvez parecesse ser a salvação. Mas representou apenas a crença segundo a qual o teu medo de Deus é real. E o que é isso, senão o inferno? Quem poderia acreditar que o seu Pai é um inimigo mortal, separado de si e à espreita para destruir a sua vida e riscá-lo do universo sem ter o medo do inferno no coração?

6. Tal é a forma da loucura em que acreditas, se aceitares o pensamento amedrontador de que podes atacar um outro e ficar libre. Enquanto essa forma não for mudada, não há esperança. Enquanto não vires que isso tem que ser, pelo menos, inteiramente impossível, como poderias escapar? O medo de Deus é real para todo aquele que considerar esse pensamento como verdadeiro. E ele não perceberá a sua tolice e nem chegará a ver que ela existe para que seja possível questioná-la.

7. Para questioná-la é preciso que, primeiro, a sua forma seja mudada, pelo menos um mínimo que seja para permitir que o medo da punição diminua e que a responsabilidade te seja, até certo ponto, devolvida. A partir daí, podes, pelo menos, refletir se desejas seguir esse caminho doloroso. Enquanto essa mudança não se realizar, não será possível para ti perceber que o que te amedronta são os teus próprios pensamentos e que a tua libertação depende de ti mesmo.

8. Os nossos próximos passos serão fáceis se deres esse passo hoje. A partir daí, avançamos com bastante rapidez. Pois uma vez que compreendas que é impossível que sejas ferido exceto pelos teus próprios pensamentos, o medo de Deus tem que desaparecer. Não poderás, então, acreditar que o medo é causado por algo exterior. E Deus, Que pensaste em expulsar, pode ser acolhido de volta no interior da mente santa que Ele nunca deixou.

9. É certamente possível ouvir a canção da salvação na ideia que praticamos hoje. Se só podes crucificar a ti mesmo, não feriste o mundo e não precisas ter medo da sua vingança e da sua perseguição. Nem precisas esconder-te, aterrorizado, do medo mortal de Deus que a projeção esconde atrás de si. O que mais temes é a tua salvação. Tu és forte, e é força o que queres. E és livre e feliz pela liberdade. Buscaste ser fraco e cativo, porque temias  tua força e liberdade. No entanto, nelas está a salvação.

10. Há um instante em que o terror parece dominar a tua mente de modo tão total, que parece não haver nenhuma esperança de escapar. Quando reconheceres de uma vez por todas que é a ti mesmo que temes, a mente se perceberá dividida. E isso havia sido ocultado enquanto acreditavas que o ataque podia ser dirigido para fora e retornar de fora para dentro. O inimigo que devias temer parecia vir do exterior. E assim, um deus fora de ti veio a ser o teu inimigo mortal, a fonte do medo.

11. Agora, por um instante, um assassino é percebido dentro de ti, ansioso pela tua morte, ocupado em planejar castigos para ti até a hora em que puder enfim matar-te. Entretanto, esse instante é também o momento em que vem a salvação. Pois o medo de Deus desapareceu. E podes chamá-Lo para te salvar das ilusões através do Seu Amor, chamando-O de Pai e a ti mesmo de Filho. Reza para que o momento possa ser logo-hoje. Afasta-te do medo e avança para o amor.

12. Não há Pensamento de Deus que não te acompanhe para ajudar-te a alcançar esse instante e superá-lo rapidamente, com segurança e para sempre. Quando o medo de Deus tiver desaparecido, não existirá mais nenhum obstáculo que ainda permaneça entre tu e a santa paz de Deus. Como é benigna e misericordiosa a ideia que praticamos! Dá-lhe boas-vindas como deverias, pois é a tua liberação. De fato, a tua mente só pode tentar crucificar a ti mesmo. Mas, a tua redenção também virá de ti.

LIÇÃO 195 - 14/07/2018

O Amor é o caminho que sigo com gratidão.

1. A gratidão é uma lição difícil para aqueles que olham para o mundo equivocadamente. O máximo que podem fazer é achar que se saíram melhor do que os outros. E procuram contentar-se, porque um outro parece sofrer mais do que eles. Como são deploráveis e dignos de piedade tais pensamentos! Pois quem tem razão para agradecer quando os outros têm menos razão? E quem pode sofrer menos porque vê um outro sofrer mais? A tua gratidão só é devida Àquele Que fez com que todas as causas de pesar desaparecessem através de todo mundo.

2. É insano oferecer agradecimentos pelo sofrimento. Mas é igualmente insano deixar de ser grato Àquele Que te oferece os meios certos pelos quais toda a dor é curada e o sofrimento é substituído pelo riso e pela felicidade. E nem aqueles que são apenas parcialmente sãos poderiam recusar-se a dar os passos que Ele indica e seguir o caminho que Ele lhes apresenta para escaparem de uma prisão que pensavam não ter nenhuma porta para a libertação que agora percebem.

3. O teu irmão é teu "inimigo", porque vês nele o rival da tua paz, um espoliador que tira a sua própria alegria de ti, nada te deixando senão um negro desespero, tão amargo e implacável que nenhuma esperança permanece. Agora, a vingança é tudo o que tens a desejar. Agora só te resta tentar trazê-lo para repousar na morte junto contigo, tão inútil quanto tu, com tão pouco entre os dedos sequiosos quanto tu nos teus.

4. Não ofereces a tua gratidão a Deus porque o teu irmão é mais escravo do que tu e também não poderias ter razão de zangar-te se ele parecesse ser mais livre. O amor não faz comparações. E a gratidão só pode ser sincera unida ao amor. Oferecemos a nossa gratidão a Deus nosso Pai porque todas as coisas encontrarão a sua liberdade em nós. Nunca acontecerá que algumas sejam libertadas e outras continuem presas. Pois quem pode barganhar em nome do amor?

5. Portanto, dá graças, mas com sinceridade. E deixa a tua gratidão dar espaço a todos aqueles que se libertarão contigo: os doentes, os fracos, os necessitados e os que têm medo e aqueles que choram uma perda aparente ou sentem o que parece ser dor; que sofrem frio ou fome ou que andam no caminho do ódio e no atalho da morte. todos esses vão contigo. Não nos comparemos com eles, pis assim nós os afastamos da nossa percepção da unidade que compartilhamos com eles, assim como eles têm que compartilhá-la conosco.

6. Agradecemos ao nosso Pai por uma só coisa: não estarmos separados de nada que viva e, portanto, sermos um com Ele. E nos alegremos por jamais ser possível haver exceções que reduzam a nossa totalidade ou que debilitem ou mudem a nossa função de tornar pleno Aquele Que é a plenitude em Si Mesmo. Damos graças por todas as coisas vivas, pois do contrário não damos graças por nada e fracassamos em reconhecer as dádivas de Deus para nós.

7. Então, deixemos os nossos irmãos recostarem as suas cabeças cansadas em nossos ombros, enquanto descansam por um momento. E agradecemos por eles. Pois se nos é possível orientá-los para a paz que queremos achar, o caminho enfim está aberto para nós. Uma porta antiga abre-se novamente; um Verbo, há muito esquecido, ecoa de novo em nossa memória e ganha clareza à medida em que nos dispomos a ouvir outra vez.

8. Portanto, segue o caminho do amor com gratidão. Pois o ódio é esquecido quando deixamos de lado as comparações. Que outros obstáculos restam contra a paz? Agora o medo de Deus está, enfim, desfeito e perdoamos sem fazer comparações. Assim, não podemos escolher ignorar certas coisas e ao mesmo tempo ainda manter algumas outras trancadas como "pecados". Quando o teu perdão for completo, sentirás uma gratidão total, pois verás que todas as coisas conquistaram o direito de serem amadas por serem amorosas, assim como o teu Ser.

9. Hoje aprendemos a pensar em gratidão, ao invés de pensar em raiva, malícia e vingança. Tudo nos foi dado. Se nos recusamos a reconhecer isso não temos, portanto, direito à nossa amargura e à auto-percepção que nos vê num lugar de perseguição impiedosa, em que somos incessantemente rotulados e empurrados sem um pensamento ou cuidado por nós ou pelo nosso futuro. A gratidão vem a ser o único pensamento com que substituímos essas percepções insanas. Deus tomou conta de nós e nos chama de Filho. Pode haver algo mais do que isso?

10. A nossa gratidão pavimentará o caminho para Ele e reduzirá o nosso tempo de aprendizado mais do que jamais poderias sonhar. A gratidão anda de mãos dadas com o amor e onde uma está, o outro tem que ser encontrado. Pois a gratidão é apenas um aspecto do Amor que é a Fonte de toda a criação. Deus agradece a ti, Seu Filho, por seres o que és: Aquele que O completa e a Fonte do amor, junto com Ele. A tua gratidão para com Ele é una com a Sua para contigo. Pois o amor não pode seguir nenhuma estrada senão o caminho da gratidão e nele andamos nós que seguimos o caminho para Deus.


LIÇÃO 194 - 13/07/2018

Entrego o futuro nas Mãos de Deus.

1. A ideia de hoje é outro passo em direção à salvação rápida e, de fato, é um passo gigantesco! A distância que ele cobre é tão grande, que te coloca às portas do Céu, com a meta à vista e os obstáculos para trás. Os teus pés alcançaram os jardins que te dão as boas-vindas às portas do Céu, o sereno lugar de paz, onde  esperas com certeza o passo final de Deus. Como estamos nos afastando da terra! Como estamos nos aproximando da nossa meta! Como é curto o caminho que ainda temos a percorrer!

2. Aceita a ideia de hoje e terás ultrapassado toda ansiedade, todos os abismos do inferno, todo o negror da depressão, os pensamentos de pecado e a devastação gerada pela culpa. Aceita a ideia de hoje e terás liberado o mundo de toda prisão, soltando as pesadas correntes que trancavam a porta para a liberdade. Estás salvo e a tua salvação vem a ser assim a dádiva que dás ao mundo, porque a recebeste.

3. Em nenhum momento a depressão é sentida, a dor experimentada ou perda percebida. Em nenhum momento a tristeza pode ser posta obre um trono e fielmente idolatrada. Em nenhum momento alguém pode sequer morrer. E assim, cada momento dado a Deus ao passar, com o próximo já Lhe tendo sido oferecido, é o tempo da tua liberação da tristeza, da dor e da própria morte.

4. Deus mantém o teu futuro, assim como Ele mantém o teu passado e o presente. São um só para Ele e, portanto, também deveriam ser um só para ti. No entanto, nesse mundo, o progresso temporal ainda parece real. E assim, não te é pedido que compreendas que realmente não há nenhuma sequência no tempo. Só te é pedido que soltes o futuro e o coloques nas Mãos de Deus. E verás por experiência própria que também puseste o passado e o presente nas Suas Mãos, pois o passado deixará de punir-te e o medo do futuro será agora sem significado.

5. Libere o futuro. Pois o passado se foi e o que é presente, livre do seu legado de pesar e miséria, de dor e de perda, vem a ser o instante em que o tempo escapa da sujeição às ilusões, onde ele segue o seu curso impiedoso e inevitável. Então, cada instante que era antes escravo do tempo transforma-se num instante santo, em que a luz até agora oculta no Filho de Deus é libertada para abençoar o mundo. Agora ele é livre e toda a sua glória brilha sobre um mundo libertado junto com ele, para compartilhar a sua santidade.

6. Se puderes ver a lição de hoje como a libertação que realmente é, não hesitarás em esforçar-te ao máximo, de forma consistente para fazer com que ela seja parte de ti. À medida em que se torna um pensamento que domina a tua mente, um hábito no teu repertório de resoluções de problemas, um meio para reagir rapidamente à tentação, estendes o teu aprendizado ao mundo. E a medida em que aprenderes  a ver a salvação em todas as coisas, o mundo também perceberá que está salvo.

7. Que preocupação pode ter aquele que entrega o seu futuro às amorosas Mãos de Deus? O que pode ele sofrer? O que pode causar-lhe dor ou trazer-lhe a experiência de perda? O que pode temer? E o que pode olhar sem amor? Pois aquele que escapou de todo o medo da dor futura encontrou o seu caminho para a paz no presente e uma certeza de ajuda que o mundo jamais pode ameaçar. Ele tem certeza de que a sua percepção pode errar, mas que a correção nunca lhe faltará. É livre para escolher de novo quando tiver sido enganado, para mudar a sua mente quando tiver cometido erros.

8. Entrega, então, o teu futuro nas Mãos de Deus. Pois assim estás pedindo que a Sua memória volte novamente, substituindo todos os teus pensamentos de pecado e de mal pela verdade do amor. Pensas tu que o mundo poderia deixar de ganhar com isso e que todas as criaturas vivas deixariam de responder com uma percepção curada? Aquele que se entrega a Deus também põe o mundo nas Mãos que ele próprio procurou para achar consolo e segurança. Ele deixa de lado as ilusões doentes do mundo juntamente com as suas e oferece paz a ambos.

9. Agora estamos realmente salvos. Pois nas Mãos de Deus nós descansamos imperturbados, certos de que só o bem pode vir a nós. Se esquecermos, seremos gentilmente tranquilizados. Se aceitarmos um pensamento que não perdoa, ele será rapidamente substituído pelo reflexo do amor. E se nos sentirmos tentados a atacar, apelaremos para Aquele Que protege o nosso descanso, para que faça por nós a escolha que deixa para trás a tentação. O mundo não é mais nosso inimigo, pois escolhemos ser o seu Amigo.


LIÇÃO 193 - 12/07/2018

Todas as coisas são lições que Deus quer que eu aprenda.

1. Deus nada sabe do aprendizado. Mas a Sua vontade se estende ao que Ele não compreende, no sentido de que é Sua Vontade que a felicidade que é a Sua herança para Seu Filho se mantenha imperturbada, eterna e para sempre crescente; expandindo-se eternamente na alegria da criação plena, eternamente aberta e totalmente ilimitada Nele. Essa é a Sua Vontade. E assim a Sua Vontade provê os meios para garantir que isso seja feito.

2. Deus não vê contradições. Mas o Seu Filho acredita vê-la, Por isso, precisa Daquele Que lhe dá a visão que o conduzirá de volta aonde termina a percepção. Deus não percebe nada. No entanto, é Ele Quem dá os meios pelos quais a percepção se faz verdadeira e suficientemente bela para deixar que a luz do Céu a ilumine. É Ele Quem responde ao que o Seu Filho quer contradizer e mantém a sua impecabilidade eternamente segura.

3. Estas são as lições que Deus quer que tu aprendas. A Sua Vontade as reflete e elas refletem a Sua benignidade amorosa para com o Filho que Ele ama. Cada lição tem um pensamento central, o mesmo em todas elas. Só a forma se modifica, com as diferentes circunstâncias e eventos; com personagens e temas aparentemente diferentes mas irreais. São todas iguais em seu conteúdo fundamental. Esse é o seguinte:

Perdoa e verás isso de modo diferente.

4. É verdade que nem toda aflição parece ser apenas falta de perdão. Mas esse é o conteúdo por baixo da forma. É essa uniformidade que faz com que o aprendizado seja garantido, pois a lição é tão simples que não pode ser rejeitada no final. Ninguém pode esconder-se para sempre de uma verdade tão óbvia que aparece sob inúmeras formas e que ainda é facilmente reconhecida em todas elas, se ele apenas quiser ver a simples lição que contêm.


5. Perdoa e verás isso de modo diferente.

Estas são as palavras que o Espírito Santo pronuncia em todas as tuas tribulações, tuas dores, teus sofrimentos, independente de suas formas. Através destas palavras, toda tentação chega ao fim e a culpa, abandonada, não é mais cultivada. Estas são as palavras que acabam com o sonho do pecado e libertam a mente do medo. Estas são as palavras pelas quais a salvação vem ao mundo inteiro.

6. E nós, não aprenderemos a dizer estas palavras quando nos sentirmos tentados a acreditar que a dor é real, e quando escolhemos a morte ao invés da vida? Não aprenderemos a dizer estas palavras, quando tivermos compreendido o seu poder de liberar todas as mentes do cativeiro? Estas são palavras que te dão poder sobre todos os eventos que parecem ter recebido poder sobre ti. Tu os vês corretamente quando manténs estas palavras em plena consciência e não esqueces que se aplicam a tudo o que vês ou a tudo o que qualquer irmão contempla de modo equivocado.

7. Como podes saber se estás vendo de forma errada ou quando alguém não está percebendo a lição que deveria aprender? A dor parece real na percepção? Se parece, podes ter certeza de que a lição não foi aprendida. E lá, escondida no interior da mente existe ainda uma falta de perdão que vê a dor com olhos dirigidos pela mente.

8. Deus não quer que sofras desse modo. Ele quer ajudar-te a perdoar a ti mesmo. O Seu Filho não se lembra de quem ele é. E Deus não quer ele esqueça o Seu Amor e todas as dádivas que o Seu Amor traz consigo. Renunciarias à tua própria salvação agora? Deixarias de aprender as simples lições que o Professor do Céu coloca diante de ti, para que toda dor possa desaparecer e Deus possa ser lembrado pelo Seu Filho?

9. Todas as coisas são lições que Deus quer que aprendas. Ele não quer deixar sem correção nenhum pensamento que não perdoa e nenhum espinho ou cravo que, de algum modo, possa ferir o Seu Filho santo. Ele quer assegurar que o seu descanso santo permaneça imperturbado e sereno, sem nenhuma preocupação em um lar eterno que cuida dele. E Ele quer que todas as lágrimas sejam enxugadas, que nenhuma ainda permaneça para derramar-se. Pois é a Vontade de Deus que o riso substitua cada uma delas e que o Seu Filho seja livre novamente.

10. Hoje, tentaremos em um só dia superar mil obstáculos aparentes contra a paz. Deixa que a misericórdia venha a ti mais rápido. Não tentes adiá-la por mais um dia, um minuto, ou um instante. O tempo foi feito para isso. Hoje, usa-o para o que é o seu propósito. Pela manhã e à noite, dedica o tempo que puderes para servir ao objetivo que lhe é próprio e não deixes o tempo ser menor do que o necessário para satisfazer a tua necessidade mais profunda.

11. Dá tudo o que puderes e dá um pouco mais. Pois agora queremos nos levantar rapidamente e ir até a casa de nosso Pai. Estivemos ausentes por muito tempo e não queremos mais ficar parados aqui. E, ao praticarmos, pensemos em todas as coisas que guardamos para resolvermos sozinhos e que mantivemos à parte da cura. Vamos dá-las todas Àquele Que sabe como olhar para elas de modo que desapareçam. A verdade é a Sua mensagem, a verdade é o Seu ensinamento. São Suas as lições que Deus quer que aprendamos.

12. A cada hora hoje e nos próximos dias, passa um momento praticando a lição do perdão sob a forma estabelecida para o dia. E tenta aplicá-la aos acontecimentos de cada hora, para que a hora seguinte se liberte da hora anterior. As correntes do tempos são facilmente afrouxadas deste modo. Não deixes que nenhuma hora lance as suas sombras sobre a hora seguinte e quando essa passar, deixa que tudo o que tiver acontecido em seu decorrer passe com ela. Assim continuarás sem limites, em eterna paz no mundo do tempo.

13. Essa é a lição que Deus quer que tu aprendas: há um modo de olhar para todas as coisas que permite que cada uma seja mais um passo na direção de Deus e da salvação do mundo. a tudo o que te falar de terror, responde assim:

Perdoarei e isso desaparecerá.

A cada apreensão, cada preocupação e cada forma de sofrimento, repete estas mesmas palavras. E, então, terás a chave que abre a porta do Céu e enfim traz o Amor de Deus Pai à terra para erguê-la até o Céu. O próprio Deus dará o último passo. Não negues os pequenos passos que Ele te pede que dês até Ele.

LIÇÃO 192 - 11/07/2018

Tenho uma função que Deus quer que eu cumpra.

1. É a Vontade santa do teu Pai que tu O completes e que o teu Ser seja o Seu Filho sagrado para sempre puro como Ele, criado do Amor e no amor preservado, estendendo o amor e criando em seu Nome, para sempre um com Deus e com o teu Ser. Mas, o que pode tal função significar em um mundo de inveja, ódio e ataque?

2. Portanto, tens uma função no mundo nos próprios termos do mundo. Pois  quem pode compreender uma linguagem muito além do seu simples entendimento? O perdão representa a tua função aqui. Ele não é a criação de Deus, pois é o meio pelo qual é desfeita a inverdade. E quem perdoaria o Céu? No entanto, na terra, precisas de meios para abandonar as ilusões. A criação apenas espera que reconheças o teu retorno, não que ele se complete.

3. A criação não pode sequer ser concebida no mundo. Aqui, ela não tem significado. O perdão é a sua forma mais próxima da terra. Pois tendo nascido no Céu, ela não tem forma. Ainda assim, Deus criou Aquele Que tem o poder de traduzir em forma o que é totalmente sem forma. O que Ele faz são sonhos, mas de um tipo tão próximo ao despertar que a luz do dia já brilha sobre eles e olhos que já estão se abrindo contemplam as cenas felizes que as suas oferendas contêm.

4. O perdão olha gentilmente para todas as coisas desconhecidas no Céu, as vê desaparecer e deixa o mundo como uma lousa limpa e sem marcas, em que o Verbo de Deus pode agora substituir os símbolos sem sentido lá escritos anteriormente. O perdão é o meio pelo qual o medo da morte é superado, porque já não contém nenhuma atração arrebatadora e a culpa desapareceu. O perdão faz com que o corpo seja percebido tal como é: um simples recurso de ensino a ser deixado de lado quando o aprendizado for completo, mas que de nenhum modo muda aquele que aprende.

5. A mente sem o corpo não pode cometer erros. Não pode pensar que vai morrer ou que será vítima de ataques impiedosos. Quando a raiva se torna  impossível, onde estará o terror? Que medo poderia ainda tomar aqueles que perderam a fonte de todo ataque, o núcleo da angústia e a sede do medo? Só o perdão é capaz de aliviar a mente do pensamento de que o corpo é a sua casa. Só o perdão é capaz de restaurar a paz que Deus pretendia para o Seu Filho santo. Só o perdão é capaz de persuadir o Filho a olhar de novo para a sua santidade.

6. Sem a ira, tu de fato perceberás que nenhum sacrifício foi pedido em troca da visão de Cristo e da dádiva de poder ver, que só a dor foi retirada da mente doente e torturada. Isso não é bem-vindo? Deve-se ter medo disso? Ou deve-se ter esperança que isso aconteça, receber isso com gratidão e aceitar com alegria? Somos um e, portanto, não renunciamos a nada. Pelo contrário, tudo nos foi dado por Deus.

7. Entretanto, precisamos do perdão para percebermos que isso é assim. Sem a sua luz suave, tateamos no escuro, usando a razão apenas para justificarmos a nossa raiva e o nosso ataque. A nossa compreensão é tão limitada que o que pensamos compreender não passa de uma confusão nascida do erro. Estamos perdidos em névoas de sonhos transitórios e de pensamentos amedrontadores, com os olhos fechados contra a luz e as nossas mentes ocupadas em idolatrar o que não existe.

8. Quem pode nascer novo em Cristo, senão aquele que perdoou a todos que vê, todos aqueles em quem pensa ou imagina? Quem pode ser libertado enquanto estiver aprisionando alguém? O carcereiro não é livre, pois está preso junto com seu prisioneiro. Ele precisa garantir que o outro não escape e assim passa o tempo vigiando-o. As barras que limitam o prisioneiro vem a ser o mundo em que vive o carcereiro junto com ele. E o caminho da liberdade para ambos depende da liberdade dele.

9. Portanto, não mantenhas ninguém prisioneiro. Libera-os ao invés de prendê-los, pois assim tu és libertado. O caminho é simples. Cada vez que sentires uma punhalada de raiva, reconhece que seguras uma espada sobre tua própria cabeça. E ela cairá ou será desviada, segundo a tua própria escolha de ser condenado ou livre. Assim, todo aquele que parece te tentar a sentir raiva representa teu salvador da prisão da morte. E por isso, tu lhe deves gratidão e não dor.

10. Sê misericordioso hoje. O Filho de Deus merece a tua misericórdia. É ele quem te pede que aceites agora o caminho para a liberdade. Não o recuses. O Amor do seu Pai por ele pertence a ti. A tua única função aqui na terra é perdoá-lo para que possas aceitá-lo de volta com a tua Identidade. Ele é como Deus o criou. E tu és o que ele é. Perdoa-lhe os seus pecados agora e verás que tu és um com ele.

LIÇÃO 191 - 10/07/2018

Eu sou o próprio Filho santo de Deus.

1. Eis a declaração da tua liberação da prisão do mundo. E aqui o mundo todo também é liberado. Não vê o que fizeste quando deste ao mundo o papel de carcereiro do Filho de Deus. O que mais ele poderia ser, senão perverso e temeroso, cheio de medo das sombras, punitivo e selvagem, irracional, cego e insano de ódio?

2. O que fizeste para que este fosse o teu mundo? O que fizeste para que não seja isso o que vês? Nega a tua própria Identidade e isso é o que resta. Olhas para o caos e declaras que ele é o que tu és. Nada do que vês deixa de testemunhar isso a ti. Não há sons que não falem da tua fragilidade, interna e externa, não há ar que respires que não pareça aproximar-te da morte, não tens esperança alguma que não dissolvas em lágrimas.

3. Nega a tua própria Identidade e não escaparás da loucura que induziu a esse pensamento estranho, ante-natural e fantasmagórico que escarnece da criação e ri de Deus. Nega a tua própria Identidade e estarás investindo sozinho contra o universo, sem um amigo, uma diminuta partícula de pó contra as legiões dos teus inimigos. Nega a tua própria Identidade e olharás para o mal, o pecado e a morte; observarás o desespero arrancar de suas mãos toda a migalha de esperança, nada te deixando a não ser o desejo de morrer.

4. No entanto, o que é isso, senão um jogo teu em que a identidade pode ser negada? Tu és como Deus te criou. É loucura acreditar em qualquer coisa além disso. Através deste único pensamento, todos são libertados. Através desta única verdade, todas as ilusões desaparecem. Através deste único fato, a impecabilidade é proclamada como parte de tudo para sempre, o núcleo central da existência de tudo e a garantia de imortalidade para todas as coisas.

5. Mas deixa que a ideia de hoje encontre o lugar entre os teus pensamentos e terás erguido a ti mesmo além do mundo e de todos os pensamentos mundanos que o mantêm prisioneiro. E deste lugar de segurança e liberdade, voltarás e o libertarás. Pois aquele que pode aceitar a sua verdadeira Identidade está verdadeiramente salvo. E a sua salvação é a dádiva que ele dá a todos em reconhecimento para com Aquele Que indicou o caminho para a felicidade que mudou toda a sua perspectiva do mundo.

6. Um pensamento santo como esse e tu estás livre: tu és o próprio Filho santo de Deus. E com esse santo pensamento também aprendes que libertaste o mundo. Não é preciso usá-lo com crueldade, para então perceber nele essa selvagem necessidade. Tu o libertas da tua própria prisão. Não verás uma imagem devastadora de ti mesmo andando aterrorizada por um mundo que se contorce em agonia porque os teus medos depositaram a marca da morte no seu coração.

7. Alegra-te, hoje, por ser tão fácil desfazer o inferno. É preciso dizer apenas a ti mesmo:

Eu sou o próprio Filho santo de Deus. Não posso sofrer, não posso sentir dor; não posso sofrer nenhuma perda e nem fracassar em fazer tudo o que a salvação pede.

E com esse pensamento tudo o que olhas muda totalmente. 

8. O milagre iluminou todas as antigas e escuras cavernas, onde os ritos da morte ecoaram desde o início dos tempos. Pois o tempo perdeu o controle que tinha sobre o mundo. O Filho de Deus veio em glória para redimir os perdidos, salvar os impotentes e dar ao mundo a dádiva de seu perdão. Quem poderia ver o mundo como se fosse escuro e cheio de pecado quando o Filho de Deus veio novamente para enfim libertá-lo?

9. Tu, que te percebes fraco e frágil, com esperanças inúteis e sonhos devastados; tu, que nasceste apenas para morrer, chorar e sofrer dor, ouve isso: a ti todo o poder é dado na terra e no Céu. Nada é impossível para ti. Jogas o jogo da morte, como se fosses impotente, miseravelmente atado a dissolução em um mundo que não te demonstra nenhuma misericórdia. Mas, quando fores misericordioso para com ele, a sua misericórdia brilhará sobre ti.

10. Então, deixa o Filho de Deus despertar do seu sono e abrindo os seus olhos santos, voltar mais uma vez para abençoar o mundo que fez. O mundo começou no erro, mas terminará no reflexo da sua própria santidade. E ele não mais dormirá e nem sonhará com a morte. Então, une-te a mim hoje. A tua glória é a luz que salva o mundo. Não detenhas a salvação por mais tempo. Olha o mundo à tua volta e vê o sofrimento que está lá. O teu coração não está disposto a trazer o descanso aos teus irmãos fatigados?

11. Eles terão que esperar pela tua própria liberação. Ficam acorrrentados até que sejas livre. Não conseguirão ver a misericórdia do mundo enquanto tu não a achares em ti mesmo. Eles sofrerão dor até que negues o seu domínio sobre ti. Morrerão até  que aceites a tua própria vida eterna. Tu és o próprio Filho santo de Deus. Lembra-te disso e o mundo inteiro será livre. Lembra-te disso e a terra e o Céu serão um só. 


LIÇÃO 190 - 09/07/2018

Escolha a alegria de Deus ao invés da dor.

1. A dor é uma perspectiva errada. quando experimentada, sob qualquer forma, é uma prova de auto-engano. Absolutamente não é um fato. Não há nenhuma forma que ela tome que não desapareça se for vista corretamente. Pois a dor proclama que Deus é cruel. Como poderia ser real, qualquer que seja a sua forma? Ela é um testemunho do ódio de Deus Pai pelo Seu Filho, do pecado que Deus vê nele e do Seu desejo insano por vingança e morte.

2. Podem tais projeções serem testemunhadas? Podem ser algo mais do que totalmente falsas? A dor não passa de um testemunho dos equívocos do Filho em relação ao que ele pensa que é. É um sonho de uma punição severa por um crime que não poderia ser cometido, por atacar o que é totalmente inatacável. É um pesadelo dentro do qual ele foi abandonado pelo Amor Eterno, Que não poderia deixar o Filho que Ele criou do amor.

3. A dor é um sinal de que as ilusões reinam no lugar da verdade. Demonstra que Deus é negado, confundido com o medo, percebido como louco e visto como traidor para com Ele Mesmo. Se Deus é real, não há dor. Se a dor é real, não há Deus. Pois a vingança não faz parte do amor. E o medo, negando o amor e usando a dor para provar que Deus está morto, demonstrou que a morte é dona da vitória sobre a vida. O corpo é o filho de Deus, corruptível na morte, tão mortal quanto o Pai que ele matou.

4. Paz a tal tolice! Veio o momento de rir de tais ideias insanas. Não é preciso pensar nelas como se fossem crimes selvagens ou pecados secretos com pesadas consequências. Quem, senão um louco, poderia concebê-las como causa de qualquer coisa? a sua testemunha, a dor, é tão louca quanto elas e não deve ser mais temida do que as loucas ilusões que ela protege e tenta demonstrar que não podem deixar de ser verdadeiras.

5. Só os teus pensamentos te causam dor. Nada exterior à tua mente pode ferir-te ou machucar-te de modo algum. Além de ti mesmo, não há causa que possa te atingir e trazer a opressão. Ninguém, além de ti mesmo, te afeta. Nada do mundo tem o poder de deixar-te doente ou triste, fraco ou frágil. Mas tu és aquele que tem o poder de dominar todas as coisas que vês, meramente reconhecendo o que és. Quando perceberes o quanto são inofensivas, elas aceitarão a tua santa vontade como se fosse a sua. E o que era visto como amedrontador se transforma agora numa fonte de inocência e santidade.

6. Meu irmão santo, pensa nisso por um momento: o mundo que vês nada faz. Não tem efeitos em absoluto. Representa apenas os teus pensamentos. E mudará inteiramente quando escolheres mudar a tua mente e optar pela alegria de Deus como o que realmente queres. O teu Ser é radiante nesta alegria santa, inalterado e inalterável para todo o sempre. E negarias a um pedacinho da tua mente a herança que lhe é própria. E negarias a um pedacinho da tua mente a herança que lhe é própria, mantendo-a como um hospital para a dor, um lugar doentio ao qual as coisas vivas têm que vir para morrer no final?

7. O mundo pode parecer causar-te dor. Mas, como ele mesmo não tem causa, o mundo não tem poder de causar. Como um efeito, não pode produzir efeitos. Como uma ilusão, ele é o que desejas. Teus anseios vãos representam as suas dores. Os teus estranhos desejos trazem a ele sonhos maus. Os teus pensamentos de morte o envolvem no medo, enquanto no teu perdão benigno, ele vive.

8. A dor é o pensamento do mal tomando forma e operando danos na tua mente santa. A dor é o resgate que alegremente pagante para não ser livre. Na dor, nega-se a Deus o Filho que Ele ama. Na dor, o medo parece triunfar sobre o amor e o tempo substituir a eternidade e o Céu. E o mundo torna-se um lugar amargo e cruel, onde reina a tristeza e as pequenas alegrias desaparecem diante da investida da dor selvagem que aguarda para pôr um fim a todas as alegrias na miséria.

9. Desiste das tuas armas e vem sem defesas ao lugar quieto onde a paz do Céu enfim mantêm todas as coisas serenas. Desiste de todos os pensamentos de perigo e de medo. Não deixes nenhum ataque entrar contigo. Desiste da cruel espada do julgamento que estás apontando para a tua própria garganta e deixa de lado os agonizantes atos de agressão com os quais buscas esconder a tua santidade.

10. Aqui compreenderás que não há dor. Aqui a alegria de Deus te pertence. Esse é o dia em que te é dado compreender a lição que contém todo o poder da salvação. É essa: a dor é ilusão; a alegria, realidade. A dor é apenas sono; a alegria é despertar. A dor é engano; só a alegria é verdade.

11. E assim, mais uma vez fazemos a única escolha que jamais pode ser feita; escolhemos entre as ilusões e a verdade, a dor e a alegria, o inferno e o Céu. Deixa que a nossa gratidão pelo nosso Professor nos encha os corações ao estarmos livres para escolher a nossa alegria ao invés da dor, a nossa santidade no lugar do pecado, a paz de Deus ao invés do conflito e a luz do Céu em troca da escuridão do mundo. 


LIÇÃO 189 - 08/07/2018

Sinto o Amor de Deus dentro de mim agora.

1. Há, em ti, uma luz que o mundo não pode perceber. E com os olhos do mundo não verás essa luz, pois estás cego pelo mundo. No entanto, tens olhos para vê-la. Ela está aí, para que a contemples. Não foi colocada em ti para ser mantida oculta da tua vista. Essa luz é um reflexo do pensamento que praticamos agora. Sentir o Amor de Deus dentro de ti é ver o mundo com novos olhos, brilhando em inocência, vivo em esperança e abençoado com perfeita caridade e amor.

2. Quem poderia sentir medo em um mundo tal como esse? Ele te acolhe, regozija-se por teres vindo e canta louvores a ti enquanto te mantém à salvo de qualquer forma de perigo e dor. Oferece-te um lar quente e gentil para passares algum tempo. Abençoa-te durante o dia e à noite vela por ti como um guardião silencioso do teu sono santo. Ele vê a salvação em ti e protege a luz em ti, na qual vê a sua própria. Oferece-te as suas flores e a sua neve, em agradecimento pela tua benevolência.

3. Esse é o mundo que o Amor de Deus revela. É tão diferente do mundo que vês através dos olhos escurecidos pela malícia e pelo medo, que um desmente o outro. Só é possível perceber um deles. O outro é totalmente sem significado. Um mundo em que o perdão brilha sobre todas as coisas e a paz oferece a sua luz gentil a todas as pessoas é inconcebível para aqueles que vêem surgir do ataque um mundo de ódio, pronto para vingar, assassinar e destruir.

4. No entanto, o mundo do ódio é igualmente invisível e inconcebível para aqueles que sentem em si o Amor de Deus. O mundo que vêem reflete a quietude e a paz que brilham neles, a gentileza e a inocência que vêem ao seu redor, a alegria com que olham para fora a partir dos inesgotáveis mananciais de alegria no seu interior. Eles olham para o que sentem dentro de si e em toda parte vêem o seu reflexo seguro.

5. O que queres ver? A escolha te é dada. Mas aprende e nunca permitas que a tua mente esqueça essa lei que rege o que tu vês: contemplarás o que sentes por dentro. Se o ódio acha um lugar dentro do teu coração, perceberás um mundo amedrontador, cruelmente preso entre os ossudos e afiados dedos da morte. Se sentes o Amor de Deus dentro de ti, olharás para fora e verás um mundo de misericórdia e de amor.

6. Hoje, ultrapassamos as ilusões ao buscarmos alcançar o que é verdadeiro em nós e sentirmos a sua ternura que envolve todas as coisas, o seu Amor que nos conhece tão perfeitos como ele mesmo e o seu modo de ver, que é a dádiva que nos é concebida pelo seu próprio Amor ao qual nos transporta. Pois a sua simplicidade evita as armadilhas que as tolas acrobacias do aparente raciocínio do mundo só servem para esconder.

7. Faze simplesmente isso: aquieta-te e deixa de lado todos os pensamentos sobre o que és e  o que Deus é; todos os conceitos que aprendeste sobre o mundo; todas as imagens que tens de ti mesmo. Esvazia a tua mente de tudo o que ela pensa ser verdadeiro ou falso, bom ou mau, de todo pensamento que julga digno e de todas as ideias das quais se envergonha. Não retenhas nada. Não tragas contigo nenhum pensamento que o passado tenha te ensinado e nenhuma crença que tenhas aprendido com qualquer coisa anteriormente. Esquece-te desse mundo, esquece-te deste curso e vem com as mãos totalmente vazias ao teu Deus.

8. Não é Ele Aquele Que conhece o caminho que leva a ti? Não precisas conhecer o caminho para Ele. A tua parte consiste apenas em permitires que todos os obstáculos que interpuseste entre o Filho e Deus Pai sejam quietamente removidos para sempre. Deus fará a Sua parte te respondendo imediatamente com alegria. Pede e recebe. Mas não faças exigências, nem indiques a Deus a estrada pela qual Ele deveria aparecer a ti. O modo de alcançá-Lo é simplesmente deixá-Lo ser. Pois deste modo a tua realidade também é proclamada.

9. E assim, hoje não escolhemos o caminho pela qual vamos a Ele. Mas, de fato, escolhemos deixá-Lo vir. E com essa escolha descansamos. E em nossos corações serenos e mentes abertas, o Seu Amor abrirá o caminho por si mesmo. Aquilo que não foi negado está lá com toda a certeza se for verdadeiro, e certamente pode ser alcançado. Deus conhece Seu Filho e conhece o caminho para ele. Não precisa que o Seu Filho Lhe mostre como achar o Seu caminho. Através de cada porta aberta, o Seu Amor brilha refletindo-se no exterior a partir da sua morada interna e ilumina o mundo em inocência.


10. Pai, não conhecemos o caminho para Ti. Mas chamamos e Tu nos respondeste. Não interferiremos. Os caminhos da salvação não são os nossos, pois pertencem a Ti. E é em Ti que procuramos por eles. Nossas mãos estão abertas para receberem as Tuas dádivas. Não temos pensamentos separados de Ti e não alimentamos crenças a respeito do que somos ou de Quem nos criou. O caminho que queremos encontrar e seguir é o Teu. E pedimos apenas que a Tua Vontade, que é também a nossa, seja feita em nós e no mundo para que ele se torne uma parte do Céu agora. Amém.

LIÇÃO 188 - 07/07/2018

A paz de Deus está brilhando em mim agora.

1. Por que esperar pelo Céu? Aqueles que buscam a luz estão apenas cobrindo seus olhos. A luz está neles agora. A iluminação é apenas um reconhecimento e não uma mudança em absoluto. A luz não é desse mundo, mas tu, que és portador da luz, também és um estranho aqui. A luz veio contigo do lar onde nasceste e ficou contigo porque é tua. É a única coisa que trazes contigo Daquele Que é a tua Fonte. Ela brilha em ti porque ilumina o teu lar e te conduz de volta ao lugar de onde ela veio e onde tu estás em casa.

2. Essa luz não pode ser perdida. Por que esperar para achá-la no futuro ou acreditar que já foi perdida ou que nunca esteve presente? Ela é tão facilmente contemplada que os argumentos que provam que ela não está presente tornam-se ridículos. Quem pode negar a presença do que contempla em si mesmo? Não é difícil olhar para dentro, pois é lá que começa toda visão. Não se vê nada, seja em sonhos ou à partir de uma Fonte mais verdadeira, que não seja apenas a sombra do que é visto através da visão interior. É lá que a percepção começa, e lá chega ao fim. Ela não tem outra fonte senão essa.

3. A paz de Deus está brilhando em ti agora e do teu coração se estende ao mundo todo. Ela pára para acariciar cada coisa viva e deixa uma bênção que permanece para todo o sempre. Aquilo que ela dá tem que ser eterno. Remove todos os pensamentos do que é efêmero e sem valor. Traz a renovação a todos os corações cansados e, ao passar, ilumina toda a visão. Todas as suas dádivas são dadas a todos e todos se unem para agradecer a ti, que dás e a ti, que recebes.

4. O brilho em tua mente lembra ao mundo aquilo que ele esqueceu e o mundo restaura a memória a ti também. De ti, a salvação se irradia, com dádivas incomensuráveis, dadas e retribuídas. O próprio Deus agradece a ti, que és o doador da dádiva. E, com a Sua bênção, a luz em ti brilha mais intensamente, somando-se às dádivas que tens para oferecer ao mundo.

5. A paz de Deus nunca pode ser contida. Aquele que a reconhece dentro de si mesmo tem que dá-la. E os meios para dá-la estão em sua própria compreensão. Ele perdoa porque reconheceu a verdade em si. A paz de Deus está brilhando em ti agora e em todas as coisas vivas. Na quietude, ela é reconhecida universalmente. Pois o que a tua visão interna contempla é a tua percepção do universo.

6. Senta-te quieto e fecha os olhos. A luz dentro de ti é suficiente. Só ela tem o poder de te dar a dádiva da vista. Exclui o mundo exterior e deixa que teus pensamentos voem para a paz interna. Eles conhecem o caminho. Pois  pensamentos honestos, intocados pelo sonho das coisas do mundo exterior a ti, tornam-se os santos mensageiros do próprio Deus.

7. Estes pensamentos, tu pensas com Ele. Eles reconhecem a sua própria casa. E apontam com segurança para a sua Fonte, onde Deus Pai e o Filho são um. A paz de Deus está brilhando sobre eles, mas eles têm que permanecer contigo também, pois nasceram dentro da tua mente, assim como a tua mente nasceu da de Deus. Eles te levam de volta à paz, de onde vieram, apenas para lembrar-te como tens que retornar.

8. Eles atendem à Voz do teu Pai quando te recusas a escutar. E eles te incitam gentilmente a aceitar o Seu Verbo quanto ao que tu és ao invés de fantasias e sombras. Eles te lembram que és o co-criador de todas as coisas que vivem. Pois assim como a paz de Deus está brilhando em ti, tem que brilhar sobre elas.

9. Hoje praticamos aproximar-nos da luz em nós. Tomamos os nossos pensamentos dispersos e os trazemos gentilmente de volta ao lugar em que se alinham com todos os pensamentos que compartilhamos com Deus. Não os deixaremos extraviarem-se. Deixamos a luz dentro de nossas mentes orientá-los para que voltem para casa. Nós os traímos, ordenando-lhes que se afastassem de nós. Mas agora, nós os chamamos de volta e os limpamos de estranhos desejos e de anseios desordenados. Nós lhes restauramos a santidade da herança que receberam.

10. Assim as nossas mentes são restauradas com eles e reconheceremos que a paz de Deus ainda brilha em nós, e a partir de nós brilha sobre todas as coisas vivas que compartilham a nossa vida. Nós as perdoaremos todas, absolvendo o mundo inteiro pelo que pensamos que ele fez conosco. Pois somos nós que fazemos o mundo tal como o queremos. Agora, escolhemos que ele seja inocente, isento de pecado e aberto à salvação. E depositaremos a nossa bênção salvadora sobre ele, ao dizermos:

A paz de Deus está brilhando em mim agora.
Que todas as coisas brilhem sobre mim nesta paz, 
e que eu as abençoe com a luz que há em mim.


LIÇÃO 187 - 06/07/2018

Abençôo o mundo pois abençôo a mim mesmo.

1. Ninguém  pode dar sem ter. De fato dar é uma prova de ter. Já estabelecemos esse ponto. Não é isso que parece ser difícil de acreditar. Ninguém pode duvidar de que primeiro é preciso possuir o que queres dar. É na segunda fase que o mundo e a verdadeira percepção divergem. Quando tens e dás, o mundo afirma que perdeste o que possuías. A verdade mantém que dar aumentará o que temos.

2. Como isso é possível? Pois é certo que se deres uma coisa finita, os olhos do corpo não a perceberão como tua. No entanto aprendemos que as coisas apenas representam os pensamentos que as fazem. E não a perceberão como tua. No entanto, aprendemos que as coisas apenas representam os pensamentos que as fazem. E não te faltam provas de que quando dás ideias, tu as fortaleces na tua própria mente. Talvez a forma na qual o pensamento parece se manifestar se modifique ao ser dado. Mas ele deve voltar àquele que dá. E a forma que toma não pode ser menos aceitável. Tem que ser mais.

3. Em primeiro lugar, é preciso que as ideias pertençam a ti antes que as dês. Se quiseres salvar o mundo, primeiro aceita a salvação para ti mesmo. Mas não acreditarás que o tenhas feito até que vejas os milagres que ela traz a todos aqueles para quem olhas. Assim a ideia de dar é esclarecida e torna-se significativa. Agora podes perceber que ao dar as tuas posses aumentam.

4. Protege todas as coisas que valorizas através do ato de dá-las e, assim, estarás certo de que jamais as perderás. Comprova-se através disso que o que pensaste não ter, é teu. Mas não dês valor à forma das coisas. Pois essa se modificará e se tornará irreconhecível com o tempo. Por mais que tentes mantê-la à salvo. Nenhuma forma perdura. É o pensamento por trás da forma das coisas que vive imutavelmente.

5. Dá com alegria. Só assim podes ganhar. O pensamento permanece e cresce em força quando é reforçado ao ser dado. Os pensamentos estendem-se quando compartilhados, pois não podem ser perdidos. Não existem aqueles que dão e aqueles que recebem no sentido que o mundo os concebe. Existe um que dás e retém; outro que também dará. E ambos não podem deixar de ganhar nesta troca, pois cada um terá o pensamento da forma que lhe forma mais útil. O que ele parece perder é sempre algo que ele valorizará menos do que aquilo que certamente lhe será devolvido.

6. Nunca esqueças de que só dás a ti mesmo. Aquele que compreende o significado de dar tem que rir da ideia do sacrifício. E não pode deixar de reconhecer as muitas formas que o sacrifício pode tomar. Ele também ri da dor e da perda, da doença e do sofrimento, da pobreza, da fome e da morte. Ele reconhece que o sacrifício permanece sendo a única ideia que está por trás de tudo isso e, com o seu riso gentil, tudo é curado.

7. Uma vez reconhecida, a ilusão tem que desaparecer. Não aceites o sofrimento e removes o pensamento do sofrimento. A tua bênção repousa sobre todos os que sofrem, quando escolhes ver todo sofrimento tal como é. O pensamento do sacrifício dá origem a todas as formas que o sofrimento parece tomar. E sacrifício é uma ideia tão louca, que a sanidade a elimina imediatamente.

8. Nunca acredites que podes sacrificar. Naquilo que tem qualquer valor não há lugar para o sacrifício. Se o pensamento ocorre, a sua própria presença prova que surgiu o erro e que a correção tem que ser feita. A tua bênção o corrigirá. Dada a ti mesmo em primeiro lugar, agora é tua para que também a dês. Nenhuma forma de sacrifício e sofrimento pode durar muito tempo diante da face daquele que perdoou e abençoou a si mesmo.

9. Os lírios que o teu irmão te oferece são colocados sobre o teu altar, junto com aqueles que ofereces a ele. Quem poderia ter medo de contemplar tão bela santidade? A grande ilusão do medo de Deus se reduz a nada diante da pureza que contemplarás aqui. Não tenhas medo de olhar. A bem-aventurança que contemplarás afastará todo pensamento de forma e no seu lugar deixará a dádiva perfeita para sempre, para que sempre aumente, seja sempre tua, para ser sempre dada.

10. Agora somos um em pensamento, pois o medo se foi. E aqui, diante do altar do único Deus, único Pai, único Criador e único Pensamento, estamos juntos como um único Filho de Deus. Não separados Daquele Que é a nossa Fonte; e não estando distantes de nenhum irmão que é parte do nosso Ser uno, cuja inocência uniu-nos a todos em um só, permanecemos em bem-aventurança e damos como recebemos. O Nome de Deus está em nossos lábios. E ao olharmos para dentro, vemos a pureza do Céu brilhar sobre o nosso reflexo do Amor de nosso Pai.

11. Agora somos abençoados e agora abençoamos o mundo. Queremos estender o que contemplamos, pois queremos vê-lo em toda parte. Queremos contemplá-lo brilhando com a graça de Deus em cada um. Não queremos que seja negado a nada daquilo que contemplamos. Em para assegurarmo-nos de que essa santa visão é nossa, nós a oferecemos a tudo o que vemos. Pois onde a virmos, ela nos será devolvida sob a forma de lírios que podemos colocar sobre o nosso altar, fazendo dele um lar para a própria Inocência, Que habita em nós e nos oferece a Sua Santidade como nossa.

LIÇÃO 186 - 05/07/2018

A salvação do mundo depende de mim.

1. Aqui está a afirmação que um dia removerá completamente a arrogância de todas as mentes. Aqui está o pensamento da verdadeira humildade, que não te confere nenhuma outra função, a não ser a que te foi dada. Ele oferece a tua aceitação da parte que te foi designada, sem insistir em outro papel. Ele não julga o papel que te é devido. Apenas reconhece que a Vontade de Deus  é feita na terra como no Céu. Ela une todas as vontades sobre a terra no plano do Céu para salvar o mundo, restaurando-o à paz do Céu.

2. Não lutemos contra a nossa função. Não fomos nós que a estabelecemos. Não é ideia nossa. Os meios pelos quais ela será perfeitamente cumprida nos são dados. Tudo o que nos é pedido é aceitar a nossa parte com genuína humildade e não negar que somos dignos com arrogância auto-enganadora. Temos a força para fazer o que nos é dado fazer. Nossas mentes são perfeitamente adequadas para assumir a parte que nos é designada por Aquele Que nos conhece tão bem.

3. A ideia de hoje pode parecer bastante grave, até que vejas o seu significado. Tudo o que ela diz é que o teu Pai ainda se lembra de ti e te oferece a confiança perfeita que tem em ti, que és o Seu Filho. Não pede que sejas de nenhum modo diferente do que és. O que poderia a humildade requerer senão isso? E o que poderia a arrogância negar senão isso? Hoje não nos esquivaremos da nossa tarefa sob a alegação capciosa de que a modéstia está sendo ultrajada. É o orgulho que quer negar o Chamado do próprio Deus.

4. Hoje deixamos de lado toda a falsa humildade, para que possamos escutar a Voz de Deus revelar-nos o que Ele quer que façamos. Não duvidaremos da nossa adequação para a função que Ele nos oferecerá. Teremos certeza apenas de que Ele conhece as nossas forças, a nossa sabedoria e a nossa santidade. E se Ele nos considera dignos, nós o somos. Só a arrogância julga o contrário.

5. Há um caminho e apenas um de te liberares da prisão que o teu plano de provar que o falso é verdadeiro te trouxe. Ao invés disso aceita o plano que não fizeste. Não julgues o teu valor para o plano. Se a Voz de Deus te assegura que a salvação precisa da tua parte e que o todo depende de ti, estejas certo de que é assim. O arrogante tem que agarrar-se às palavras, amedrontado de ir além para experimentar aquilo que poderia afrontar a sua posição. Mas os humildes são livres para ouvir a Voz Que lhes diz o que são e o que devem fazer.

6. A arrogância faz uma imagem de ti que não é real. É essa imagem que se intimida e recua aterrorizada quando a Voz por Deus te assegura que tens a força, a sabedoria para ir além de todas as imagens. Tu não és fraco, como é a imagem de ti mesmo. Não és ignorante e indefeso. O pecado não pode manchar a verdade em ti e a miséria não pode aproximar-se da santa casa de Deus.

7. A Voz por Deus te relata tudo isso. E, à medida que Ele fala, a imagem treme e busca atacar a ameaça que não conhece, sentindo as suas bases desmoronarem-se. Solta-a. A salvação do mundo depende de ti e não desse montinho de pó. O que pode ele dizer ao Filho santo de Deus? Por que precisa sequer preocupar-Se com isso?

8. E assim, achamos a nossa paz. Aceitaremos a função que Deus nos deu, pois todas as ilusões baseiam-se na estranha crença de que podemos fazer outra para nós mesmos. Os papéis que nós mesmos fizemos são mutáveis, parecem passar do desconsolo ao sublime êxtase do amor e de amar. Podemos rir ou chorar e saudar o dia com boas-vindas ou com lágrimas. O nosso próprio ser parece mudar ao experimentarmos mil alterações de humor e as nossas emoções, de fato, nos remontam às alturas ou nos atiram ao chão em desespero.

9. É esse o Filho de Deus? Poderia Ele criar tal instabilidade e chamá-la de Filho? Aquele Que é imutável compartilha os Seus atributos com a Sua criação. Todas as imagens que o Seu Filho parece fazer não têm efeito sobre o que ele é. Atravessam a sua mente como folhas varridas pelo vento, que por um instante formam um padrão, depois separam-se para novamente agruparem-se e desaparecem. Ou como miragens vistas num deserto, surgindo do pó. 

10. Essas imagens sem substância irão embora e deixarão a tua mente desanuviada e serena, quando aceitares a função que te é dada. As imagens que fazes só dão origem à metas conflitantes, vagas e temporárias, incertas e ambíguas. Quem poderia ser constante em seus esforços ou dirigir suas energias e concentrar as forças em direção a metas como essas? As funções que o mundo estima são tão incertas que no mais seguro dos casos mudam dez vezes por hora. Que esperança de benefício pode se basear em metas como essas?

11. Em belo contraste, tão certo como a volta do sol que dissipa a noite a cada manhã, a função que te foi verdadeiramente dada sobressai clara e totalmente sem ambiguidade. Não há nenhuma dúvida da sua validade. Ela vem Daquele que desconhece o erro e a Sua Voz tem certeza das Suas mensagens. Estas não se alterarão, nem entrarão em conflito. Todas indicam uma única meta, a qual podes atingir. O teu plano pode ser impossível, mas o plano de Deus jamais pode falhar, pois Ele é a sua Fonte.

12. Faze conforme a Voz de Deus te indicar. E se Ela te pedir algo que pareça impossível, lembra-te Quem é Aquele Que está pedindo e quem estaria negando. Em seguida considera isso: quem tem mais probabilidade de estar certo? A Voz Que fala pelo Criador de todas as coisas, Que conhece todas as coisas exatamente como são ou uma imagem distorcida de ti mesmo, confusa, desnorteada, inconsistente e insegura de todas as coisas? Não deixes que essa voz te dirija. Ao invés disso, ouve uma Voz segura, Que te fala de uma função dada a ti pelo teu Criador, Que Se lembra de ti e Que insiste para que agora te lembres Dele.

13. A Sua Voz gentil está te chamando do conhecido ao desconhecido. Ele quer consolar-te, embora desconheça a tristeza. Quer fazer uma restituição, embora seja completo; uma dádiva para ti, embora tenha o conhecimento de que já tens tudo. Ele tem Pensamentos que respondem a todas as necessidades que o Seu Filho percebe, embora Ele não os veja. Pois o Amor tem que dar e aquilo que é dado em Seu Nome assume a forma mais útil num mundo de formas.

14. Estas são as formas que jamais podem enganar, pois vêm da própria Ausência de Forma. O perdão é uma forma terrena de amor que, assim como é no Céu, não tem forma. Mas o que é necessário aqui é dado aqui na medida em que for necessário. Dessa forma podes realizar a tua função até mesmo aqui, embora o amor vá significar muito mais para ti quando a ausência de forma tiver sido restaurada em ti. A salvação do mundo depende de ti que podes perdoar. Essa é a tua função aqui.


LIÇÃO 185 - 04/07/2018

Quero a paz de Deus.

1. Dizer estas palavras não é nada. Mas dizê-las com real intenção é tudo. Se tu pudesses dizê-las dessa forma por um só instante, não haveria mais nenhuma tristeza possível para ti de maneira alguma, em lugar ou tempo algum. O céu seria completamente devolvido à plena consciência, a memória de Deus inteiramente restaurada e a ressurreição de toda a criação plenamente reconhecida.

2. Ninguém pode dizer intencionalmente estas palavras e não ser curado. Ele não pode brincar com sonhos, nem pensar que ele mesmo é um sonho. Não pode fazer um inferno e pensar que é real. Quer a paz de Deus e ela lhe é dada. Pois isso é tudo o que quer e isso é tudo o que receberá. Muitos disseram estas palavras. Mas poucos na verdade as disseram com real intenção. Basta contemplar o mundo que vês ao teu redor para teres certeza de quão pouco, de fato, são. O mundo mudaria completamente se duas pessoas concordassem que estas palavras expressam a única coisa que querem.

3. Duas mentes com um só intento tornam-se tão fortes que aquilo que é a sua vontade vem a ser a Vontade de Deus. Pois as mentes só podem unir-se na verdade. Em sonhos, dois não podem compartilhar o mesmo intento. Para cada um, o herói do sonho é diferente, o resultado que se quer não é o mesmo para ambos. Perdedor e ganhador meramente se revezam em padrões alternados, à medida que a relação de ganho para perda e de perda para ganho assume um aspecto diferente ou uma outra forma.

4. No entanto, um sonho só pode trazer concessões. Às vezes toma a forma de união, mas só a forma. O significado necessariamente escapa ao sonho, pois a concessão é a meta dos sonhos. As mentes não podem unir-se em sonhos. elas apenas barganham. E que barganha pode lhes dar a paz de Deus? Ilusões vêm para tomar o Seu lugar. E o que Ele significa se perde para mentes adormecidas, empenhadas em concessões, cada uma para o seu próprio benefício ao custo da perda do outro.

5. Dizer que tu queres a paz de Deus com real intenção é renunciar a todos os sonhos. Pois ninguém que queira ilusões e, portanto, busque os meios que trazem ilusões pronuncia estas palavras com real intenção. Ele as examinou e as achou insuficientes. Agora busca ir além, reconhecendo que um outro sonho não ofereceria nada mais do que todos os outros. Os sonhos são um só para ele. E aprendeu que a única diferença entre eles é a forma, pois cada um trará o mesmo desespero e miséria que o resto.

6. A mente que diz com real intenção que tudo o que quer é paz, tem que unir-se com outras mentes, pois é assim que se obtém a paz. E quando o desejo de paz é genuíno, os meios para achá-la são dados numa forma em que cada mente que a busque com honestidade possa compreender. Seja qual for a forma da lição, ela é planejada para cada uma de tal maneira que não possa confundi-la, se o seu pedido for sincero. Mas se pedir sem sinceridade, não haverá nenhuma forma em que a lição venha a ser recebida com aceitação e verdadeiramente aprendida.

7. Dediquemos hoje a nossa prática ao reconhecimento de que realmente dizemos estas palavras com real intenção. Queremos a paz de Deus. Esse não é um desejo em vão. Estas palavras não solicitam que um outro sonho nos seja dado. Não pedem concessões, nem tentam fazer uma outra barganha na esperança de que ainda possa haver alguma que possa obter êxito onde todo o resto já fracassou. Ao dizer estas palavras com real intenção, reconhecemos que as ilusões são vãs e podemos o eterno no lugar de sonhos inconstantes que parecem mudar naquilo que oferecem, mas que são um só em nulidade.

8. Hoje, dedica os teus períodos de prática a uma busca cuidadosa na tua mente para achar os sonhos que ainda aprecias. O que pedes no teu coração? Esquece as palavras que usas ao fazer os teus pedidos. Considera apenas aquilo que acreditas que vá confortar-te e trazer-te felicidade. Mas não fiques consternado diante de ilusões remanescentes, pois agora as suas formas não são o que importa. Não deixes que alguns sonhos sejam mais aceitáveis, reservando outros à  vergonha e ao sigilo. Eles são um só. E sendo um, deve-se fazer a todos uma única pergunta: "É isso o que eu quero ter, em lugar do Céu e da paz de Deus?"

9. Essa é a escolha que fazes. Não te enganes pensando que é diferente. Nenhuma concessão é possível nisso. Tu escolhes a paz de Deus ou pedes sonhos. E sonhos virão como os pediste. Mas a paz de Deus virá com a mesma certeza e para permanecer contigo para sempre. Não desaparecerá em cada volta ou curva da estrada, para reaparecer, irreconhecida, em formas que se alteram e mudam com cada passo que dás.

10. Queres a paz de Deus. E assim querem todos aqueles que parecem buscar sonhos. Tanto para eles como para ti mesmo, pedes somente isso quando fazes esse pedido com profunda sinceridade. Pois assim alcanças o que eles realmente querem e juntas o teu próprio intento àquilo que buscam acima de todas as coisas, talvez desconhecido para eles, mas certo para ti. Algumas vezes foste fraco, incerto em teu propósito, inseguro do que querias, de onde procurar isso e aonde dirigir-te para obter ajuda na tentativa. A ajuda te foi dada. E não queres usufruir dela compartilhando-a?

11. Ninguém que verdadeiramente busque a paz de Deus pode falhar em achá-la. Pois meramente pede que não se engane mais, negando a si mesmo aquilo que é a Vontade de Deus. Quem pode ficar insatisfeito se pede aquilo que já tem? Quem poderia ficar sem resposta se pede uma resposta que já é sua para dar? A paz de Deus é tua.

12. A paz foi criada para ti, e te foi dada pelo seu Criador e estabelecida como a Sua própria dádiva eterna. Como podes falhar, quando só estás pedindo o que é a Sua Vontade para ti? E como poderia o teu pedido limitar-se só a ti? Nenhuma dádiva de Deus deixa de ser compartilhada. É esse atributo que coloca as dádivas de Deus à parte de cada sonho que algum dia pareceu tomar o lugar da verdade.

13. Ninguém pode perder e todos têm que ganhar toda vez que qualquer dádiva de Deus for pedida e recebida por alguém. Deus dá só para unir. Tirar não tem significado para ele. E quando também não tiver significado para ti, podes ter certeza de que compartilhas uma só Vontade com Ele e Ele contigo. E também terás o conhecimento de que compartilhas uma só Vontade com todos os teus irmãos, cujos intentos são teus.

14. É esse único intento que buscamos hoje, unindo os nossos desejos às necessidades de cada coração, ao apelo de cada mente, à esperança que está além do desespero, ao amor que o ataque quer ocultar, à irmandade que o ódio buscou apartar, mas que ainda permanece tal como Deus a criou. Com uma ajuda como essa ao nosso lado, podemos hoje falhar ao pedirmos que nos seja dada a paz de Deus?


LIÇÃO 184 - 03/07/2018

O Nome de Deus é minha herança.

1. Tu vives através de símbolos. Inventaste nomes para tudo o que vês. Cada coisa torna-se uma entidade separada, identificada pelo seu próprio nome. Desse modo, tu a esculpes separando-a da unidade. Desse modo, lhe conferes seus atributos especiais e a isolas das outras coisas, enfatizando o espaço que a cerca. Colocas esse espaço entre todas as coisas às quais dás um nome diferente, todos os acontecimentos em termos de lugar e tempo, todos os corpos que são saudados com um nome.

2. Esse espaço que vês isolando todas as coisas uma das outras é o meio pelo qual é alcançada a percepção do mundo. Tu vês algo onde não há nada onde há unidade; um espaço entre todas as coisas, entre todas as coisas e tu. Assim, pensas que deste a vida na separação. Através dessa divisão pensas que estás estabelecido como uma unidade que funciona com uma vontade independente.

3. Que nomes são esses, através dos quais o mundo se torna uma série de eventos distintos, de coisas desunidas, de corpos mantidos à parte, que contêm pedaços da mente como se fossem consciências separadas? Tu lhes deste esses nomes, estabelecendo a percepção como desejavas que fosse. Às coisas sem nome formam dados nomes e assim também lhes foi dada realidade. Pois aquilo que recebe um nome, recebe também um significado e será visto então como significativo; uma causa de um efeito verdadeiro, com uma consequência inerente em si mesma.

4. É assim que a realidade é feita através de uma visão parcial, estabelecida propositadamente contra a verdade que foi dada. O seu inimigo é a integridade. Ela concebe pequenas coisas e as contempla. E a ausência de espaço, o sentido de unidade ou a visão que vê de modo diferente tornam-se as ameaças que ela tem que vencer, com as quais não pode deixar de ter conflitos e de negar.

5. No entanto, essa outra visão ainda constitui uma direção natural para a mente canalizar a própria percepção. É difícil ensinar à mente milhares e milhares de nomes estranhos. No entanto, acreditas que é isso o que o aprendizado significa; que é a meta essencial pela qual se realiza a comunicação e os conceitos podem ser compartilhados de modo significativo.

6. Essa é a soma da herança que o mundo lega. E todos aqueles que aprendem a pensar que isso é assim, aceitam os sinais e símbolos que declaram que o mundo é real. É isso o que representam. Não deixam nenhuma dúvida de que o que tem nome esteja presente. Pode ser visto, tal como foi antecipado. Aquilo que nega que isso é verdadeiro é apenas ilusão, pois essa é a realidade suprema. Questioná-lo é loucura; aceitar a sua presença é prova de sanidade.

7. Assim é o ensinamento do mundo. É uma fase do aprendizado pela qual todo aquele que vem tem que passar. Mas, quanto mais rápido percebe em que ele se baseia, quão questionáveis são as suas premissas, quão duvidosos os seus resultados, mais rápido questiona os seus efeitos. O aprendizado que pára com o que o mundo ensinaria, pára por lhe faltar significado. Posto em seu devido lugar, serve apenas como ponto-de-partida do qual pode-se iniciar um outro tipo de aprendizado, ganhar uma nova percepção e todos os nomes arbitrários que o mundo oferece podem ser retirados à medida que são questionados.

8. Não penses que tu fizeste o mundo. As ilusões, sim! Mas aquilo que é verdadeiro na terra assim como no Céu está além dos nomes que dás. Quando chamas um irmão, é ao seu corpo que tu apelas. A sua verdadeira identidade está escondida para ti por aquilo que acreditas que ele realmente é. O corpo do teu irmão responde ao que usas para chamá-lo, pois a sua mente consente em aceitar para si mesma o nome que tu lhe dás. E assim, a sua unidade é duplamente negada, pois o percebes separado de ti e ele aceita esse nome separado para si mesmo.

9. Seria, de fato, estranho se te fosse pedido para ir além de todos os símbolos do mundo, esquecendo-os para sempre; e que ainda assim te fosse pedido que aceitasses a função de ensinar. Tu precisas usar os símbolos do mundo por algum tempo. Mas não te deixes também ser enganado por eles. Não representam nada em absoluto e, na tua prática, é esse pensamento que te liberará. Tornam-se apenas meios pelos quais podes te comunicar de modo que o mundo possa compreender, mas reconheces que não são a unidade na qual a verdadeira comunicação pode ser achada.

10. Assim, precisas de intervalos a cada dia em que o aprendizado do mundo se torne uma fase transitória, uma prisão da qual sais para a luz do sol e esqueces a escuridão. Aqui tu compreendes o Verbo, o Nome Que Deus te deu; a única Identidade Que todas as coisas compartilham; o único reconhecimento do que é verdadeiro. E, então, dá um passo para trás, para a escuridão, não porque penses que ela seja real, mas apenas para proclamares a sua irrealidade em termos que ainda têm significado para o mundo que a escuridão governa.

11. Usa todos  os pequenos nomes e símbolos que delineiam o mundo da escuridão. Mas não os aceites como tua realidade. O Espírito Santo usa todos eles, Mas Ele não se esquece de que a criação tem um único Nome, um Significado e uma única Fonte Que unifica todas as coisas em Si Mesma. Usa todos os nomes que o mundo lhes dá, apenas por conveniência, mas não te esqueças de que eles compartilham o Nome de Deus junto contigo.

12. Deus não tem nome. E, no entanto, o Seu Nome torna-se a lição final de que todas as coisas são uma só, e nesta lição todo o espaço preenchido com o reflexo da verdade. Toda brecha é fechada e a separação curada. O Nome de Deus é a herança que Ele deu àqueles que escolheram que o ensinamento do mundo tomasse o lugar do Céu. Na nossa prática, o nosso propósito é o de deixar que as nossas mentes aceitem o que Deus lhes deu como resposta à lamentável herança que fizeste, como uma homenagem apropriada ao Filho Que Ele ama.

13. Ninguém que busque o significado do Nome de Deus pode falhar. A experiência tem que vir para suplementar o Verbo. Mas primeiro, é preciso que aceites o Nome para toda a realidade e reconheças que os muitos nomes que deste aos seus aspectos distorceram o que tu vês, mas de nenhum modo interferiram com a verdade. Trazemos um único Nome à nossa prática. Usamos um único Nome para unificar a nossa vista.

14. E embora usemos um nome diferente para cada conscientização de um aspecto do Filho de Deus, compreendemos que eles só têm um Nome, O Que Deus lhes deu. É esse Nome Que usamos ao praticarmos. E usando-O desaparecem todas as tolas separações que nos mantinham cegos. E nos é dada a força para ver o que está além delas. Agora, a nossa vista é abençoada com bênçãos que podemos dar como recebemos.

15. Pai, o nosso Nome é o Teu. Nele estamos unidos com todas as coisas vivas e Contigo, Que és o único Criador. Aquilo que fizemos e chamamos de nomes diferentes não passa de uma sombra que tentamos lançar sobre a Tua própria Realidade. E estamos alegres e gratos porque estávamos errados. Nós te damos todos os nossos erros, para que possamos ser absolvidos de todos os efeitos que os nossos erros pareciam ter. E, aceitamos a verdade que nos dás, no lugar de cada um deles. O Teu Nome é a nossa salvação e libertação daquilo que fizemos. O Teu Nome nos une na unicidade que é a nossa herança e nossa paz. Amém.

LIÇÃO 183 - 02/07/2018

Invoco o Nome de Deus e o meu próprio.

1.O Nome de Deus é santo, mas não é mais santo do que o teu. Invocar o Nome de Deus é apenas invocar o teu próprio nome. Um pai dá o seu nome ao filho e assim identifica o filho com ele. Os irmãos compartilham do nome e assim são unidos por um laço ao qual se voltam para se identificarem. O Nome do teu Pai te lembra quem és, mesmo num mundo que não conheces; mesmo que não te lembres disso.

2. O Nome de Deus não pode ser ouvido sem resposta, nem dito sem um eco na mente que te convida a te lembrares. Dize o Nome de Deus e estarás convidando os anjos a rodearem a terra que pisas e a cantarem para ti enquanto estendem as asas para manter-te à salvo e abrigar-te de todo pensamento mundano que interferiria na tua santidade.

3. Repete o Nome de Deus e todo o mundo responde deixando de lado as ilusões. Todos os sonhos que o mundo valoriza desaparecem subitamente, e onde pareciam estar, achas uma estrela, um milagre de graça. Os enfermos se levantam, curados de seus pensamentos doentios. Os cegos podem ver; os surdos podem ouvir. Os pesarosos se desfazem das suas lamentações e as lágrimas de dor secam quando o riso feliz vem para abençoar o mundo.

4. Repete o Nome de Deus e nomes pequenos perdem o significado. Todas as tentações tornam-se coisas inomináveis e indesejadas diante do Nome de Deus repete o Seu Nome e vê quão facilmente esquecerás os nomes de todos os deuses que valorizaste. Eles perderam o nome de deus que tu lhes deste. Tornam-se anônimos e sem valor para ti, embora antes de deixar que o Nome de Deus substituisse os teus pequenos nomes, tenhas permanecido perante eles em adoração chamando-os de deuses.

5. Repete o Nome de Deus e invocas o teu Ser, Cujo Nome é o Seu. Repete o Seu Nome e todas as diminutas coisas sem nome da terra entram rapidamente em perspectiva certa. Aqueles que invocam o Nome de Deus não podem confundir o sem nome pelo Nome, nem o pecado pela graça e nem corpos pelo Filho santo de Deus. E se te unires a um irmão enquanto sentas com ele em silêncio e repetires o Nome de Deus junto com ele no interior da tua mente quieta, lá terás estabelecido um altar que alcança o próprio Deus e o Seu Filho.

6. Pratica apenas isso hoje; repete lentamente o Nome de Deus mais uma vez e ainda outra vez. Relega ao esquecimento todos os nomes, menos o Seu. Não ouças mais nada. Deixa que todos os teus pensamentos se ancorem Nisso. Não usamos nenhuma outra palavra, a não ser  no começo, quando pronunciamos a ideia  de hoje apenas uma vez. E depois o Nome de Deus torna-se o nosso único pensamento, a nossa única palavra, a única coisa que ocupa as nossas mentes, o único desejo que temos, o único som que tem qualquer significado e o único Nome de tudo o que desejamos ver; de tudo o que chamaríamos de nosso.

7. Assim, fazemos um convite que nunca pode ser recusado. E Deus virá e Ele próprio te responderá. Não penses que Ele ouve as pequenas preces daqueles que O invocam com os nomes dos ídolos que o mundo tem em grande estima. Eles não podem alcançá-Lo desse modo. Ele não pode ouvir pedidos nos quais Ele não seja Ele Mesmo, ou Seu Filho receba outro nome que não é o Seu.

8. Repete o Nome de Deus e tu O reconheces como o único Criador da realidade. E também reconheces que o Seu Filho é parte Dele, criando em Seu Nome. Senta-te silenciosamente e deixa que o Seu Nome torne-se a ideia toda abrangente que ocupa a tua mente por completo. Deixa que todos os pensamentos se aquietem menos esse. E a todos os outros pensamentos responde com esse e vê o Nome de Deus tomar o lugar dos milhares de pequenos nomes que deste aos teus pensamentos, sem reconhecer que há apenas um Nome para tudo o que é e tudo o que será.


9. Hoje podes alcançar um estado em que experimentarás a dádiva da graça. Podes escapar de toda a escravidão do mundo e dar ao mundo a mesma liberação que achaste. Podes lembrar-te do que o mundo esqueceu e oferecer-lhe a tua própria memória. Hoje, podes aceitar o papel que desempenhas na salvação do mundo e na tua própria também. E ambas podem ser perfeitamente realizadas.

10. Volta-te para o Nome de Deus para a tua liberação e ela te é dada. Nenhuma outra prece senão essa é necessária, pois contém em si todas as preces. As palavras são insignificantes e todos os pedidos desnecessários quando o filho de Deus invoca o Nome do seu Pai. Os pensamentos do seu Pai tornam-se os seus  próprios. Ele reivindica o próprio direito a tudo o que o seu Pai deu, ainda está dando e dará para sempre. Ele O invoca para deixar que todas as coisas que pensou ter feito sejam sem nome agora, e no seu lugar o santo Nome de Deus torne-se o seu julgamento sobre a falta de valor de todas as coisas.

11. Todas as pequenas coisas estão em silêncio. Agora, os pequenos sons são inaudíveis. As pequenas coisas da terra desapareceram. O universo não consiste de nada além do Filho de Deus, que invoca o seu Pai. E a Voz do seu Pai dá a resposta no santo Nome do seu Pai. Nesse relacionamento eterno e sereno, em que a comunicação transcende de longe todas as palavras e ainda assim excede em profundidade e altura tudo o que as palavras possam jamais transmitir, está a paz eterna. Em Nome do nosso Pai, hoje, queremos experimentar essa paz. E em Seu Nome, ela nos será dada.

LIÇÃO 182 - 01/07/2018

Eu me aquietarei por um momento e irei para casa.

1. Esse mundo, em que pareces viver, não é a tua casa. E, em algum lugar da tua mente, tens o conhecimento de que isso é verdadeiro. A memória de casa continua te perseguindo, como se houvesse um lugar que te chamasse de volta, embora não reconheças a voz e nem o que essa voz te lembra. Mesmo assim continuas te sentindo como um estranho aqui, vindo de algum lugar  completamente desconhecido. Nada tão definido que possas dizer, com certeza, que és um exilado aqui. Apenas um sentimento persistente, em alguns momentos pouco mais do que uma diminuta pulsação, em outros vagamente relembrado, ativamente descartado, mas algo que com certeza vai voltar de novo à tua mente.

2. Não há ninguém que não saiba do que estamos falando. No entanto, alguns tentam deixar de lado os seus sofrimentos em jogos para ocuparem o seu tempo e afastarem a sua tristeza. Outros negarão estar tristes e nem reconhecem em absoluto as próprias lágrimas. Outros, ainda, insistirão que aquilo de que falamos é ilusão, que não deve ser considerado como nada além de um sonho. No entanto, quem, em simples honestidade, sem defensividade e auto-engano, negaria que compreende as palavras que estamos proferindo?

3. Falamos por cada um que caminha por esse mundo, pois ele não está em casa. Vai incerto numa busca sem fim, buscando na escuridão o que não pode achar, sem reconhecer o que é que está buscando. Constrói mil casas, mas nenhuma satisfaz a sua mente inquieta. Não compreende que está construindo em vão. A casa que busca não pode ser feita por ele. Não há nenhum substituto para o Céu. O inferno foi tudo o que ele jamais fez.

4. Talvez penses que é a tua casa de infância que queres achar novamente. A infância do teu corpo e aquele lugar que o abrigava, é agora uma memória tão distorcida que apenas seguras um retrato de um passado que nunca aconteceu. Entretanto, há uma Criança em ti Que busca a casa do Seu Pai e sabe que é uma estranha aqui. Essa infância é eterna, com uma inocência que durará para sempre. Aonde quer que essa Criança vá, a terra é santa. É a Sua santidade que ilumina o Céu e que traz à terra o puro reflexo da luz do alto, em que a terra e o Céu estão unidos como um só.

5. É essa Criança em ti que o teu Pai conhece como o Seu próprio Filho. É essa Criança Que conhece o Seu Pai. Ela deseja ir para casa tão profunda e incessantemente, que a Sua voz, te implora que A deixes descansar por um momento. Não pede mais do que alguns instantes de alívio; apenas um intervalo em que possa voltar a respirar o ar santo que enche a casa do Seu Pai. Tu também és a Sua casa. ela voltará. Mas dá-Lhe um pouco de tempo para ser ela Mesma, na paz que é a Sua casa, descansando no silêncio, na paz e no amor.

6. Essa Criança precisa da tua proteção. Está longe de casa. ela é tão pequenina que parece que pode ser facilmente excluída: sua vozinha pode ser prontamente abafada, seu chamado por socorro pode passar quase despercebido em meio aos sons ásperos e ruídos dissonantes do mundo. Mas Ela sabe que em ti ainda habita a Sua proteção segura. Tu não A decepcionarás. Ela irá para casa e tu irás com Ela.

7. Essa Criança é a tua ausência de defesas, a tua força. Ela confia em ti. Veio porque sabia que não falharias. Ela te fala baixinho e incessantemente da sua casa. Pois quer levar-te de volta com Ela, para que Ela própria possa ficar e não retornar mais uma vez aonde não é o Seu lugar e onde vive como um pária num mundo de pensamentos alheios. A Sua paciência não tem limites. Ela esperará até que ouças a sua Voz terna dentro de ti, chamando-te para deixá-La ir em paz, junto contigo, ao lugar em que está em cassa e tu junto com Ela.

8. Quando te aquietas por um instante, quando o mundo se afasta de ti, quando as ideias sem valor cessam de ser valorizadas em tua mente inquieta, então ouvirás a Sua Voz. Ela te chama de modo tão tocante que não resistirás mais. Naquele instante, Ela te levará para casa e tu ficarás com Ela em perfeita quietude, silêncio e paz, além de todas as palavras, intocado pelo medo e pela dúvida, com a certeza sublime de que estás em casa.

9. Descansa com Ela frequentemente hoje. Pois Ela se dispõe a tornar-Se uma Criancinha para que pudesses aprender com Ela o quanto é forte aquele que vem sem defesas, oferecendo apenas mensagens de amor àqueles que pensam que ela é o inimigo. Ela tem nas Suas mãos o poder do Céu e os chama de amigos e lhes dá a Sua força para que possam ver que quer ser Amiga para com eles. ela lhes pede que A protejam, pois a Sua casa está muito longe e não voltará para lá sozinha.

10. Cristo renasce como uma Criancinha a cada vez que um peregrino quer deixar a própria casa. Pois ele tem que aprender que aquilo que quer proteger é apenas essa Criança, Que vem sem defesas e Que está protegida pela ausência de defesas. Vai para casa com Ela de vez em quando hoje. Tu, aqui, és tão estranho quanto Ela.

11. Hoje, toma tempo para deixar de lado o teu escudo, que não te traz nenhum proveito, e abaixa a lança e a espada que ergueste contra um inimigo inexistente. Cristo te chamou de amigo e irmão. Veio até pedir a tua ajuda para deixá-Lo ir para casa hoje, completo e completamente. Ele veio como vem uma criança que precisa implorar a proteção e o amor de seu pai. Ele domina o universo e, no entanto te pede incessantemente que volte com Ele e que não tomes mais ilusões por teus deuses.

12. Não perdeste a tua inocência. É por isso que anseias. É esse o desejo do teu coração. Essa é a voz que ouves, e esse é o chamado que não pode ser negado. A Criança santa permanece contigo. A Sua casa é a tua. Hoje, Ela te dá a Sua ausência de defesas e tu a aceitas em troca de todos os brinquedos de combate que fizeste. E agora, o caminho está aberto e o fim da jornada finalmente à vista. Aquieta-se por um instante e vai para casa com Ela e, por algum tempo, está em paz.


Introdução às Lições 181 - 200

1. As nossas próximas lições têm a finalidade especial de fortalecer a tua disponibilidade para tornar mais firme o teu fraco comprometimento e unir as tuas metas esparsas em uma única intenção. Uma constante e total dedicação ainda não te é pedida. Mas te é pedido agora que pratiques com o intuito de alcançar a sensação de paz que esse comprometimento unificado te proporcionará, ainda que de modo intermitente. É a experiência disso que garante que dedicarás toda a tua vontade a seguir o caminho que o curso propõe.

2. Agora, as nossas lições são orientadas especificamente para ampliar horizontes e abordar de forma direta os bloqueios especiais que mantêm a tua visão estreita e por demais limitada para deixar-te ver o valor da nossa meta. Procuramos, agora, erguer esses bloqueios ainda que por breves momentos. As palavras, por si só, não podem transmitir a sensação de liberação que o fato de erguê-los te trará. Mas a experiência de liberdade e de paz que vem quando desistes do rigoroso controle daquilo que vês, fala por si mesma. A tua motivação se intensificará de tal forma que as palavras passarão a ter pouca importância. Terás certeza do que queres e do que não tem valor.

3. E assim, iniciamos a nossa jornada para além das palavras, concentrando-nos em primeiro lugar naquilo que ainda impede o teu progresso. A experiência do que existe além da defensividade permanece fora de alcance enquanto for negada. Ela pode estar presente, mas não podes aceitar a sua presença. Por isso, agora tentamos ultrapassar todas as defesas durante alguns momentos a cada dia. Nada mais do que isso é pedido, pois nada mais é necessário. Isso será suficiente para garantir que o restante virá.


LIÇÃO 181 - 30/06/2018

Confio em meus irmãos, que são um comigo.

1. Confiar nos teus irmãos é essencial para estabelecer e manter a tua fé na tua capacidade de transcender a dúvida e a falta de convicção em ti mesmo. Quando atacas um irmão, proclamas que ele é limitado pelo que percebeste nele. Tu não olhas além dos erros que ele faz. Pelo contrário, esses erros são ampliados e tornam-se bloqueios que obstruem para ti a tua conscientização do Ser Que está além dos teus próprios equívocos e além dos seus pecados aparentes assim como dos teus.

2. A percepção tem um enfoque. É isso que dá consistência ao que vês. Apenas muda esse enfoque e o que contemplas mudará consequentemente. A tua visão agora se deslocará para apoiar  a intenção que substituiu aquela que tinhas antes. Retira o teu enfoque dos pecados do teu irmão e experimentarás a paz que vem da fé na impecabilidade. Essa fé recebe o seu único apoio seguro daquilo que vês nos outros além dos pecados. Pois os equívocos que eles cometem, se focalizados, são testemunhos dos pecados em ti. E não transcenderás esse modo de vê-los e não verás impecabilidade que está além.

3. Portanto, ao praticarmos no dia de hoje, primeiro deixaremos todos esses pequenos enfoques darem lugar à nossa grande necessidade de permitir que a nossa impecabilidade se torne aparente. Instruímos as nossas mentes de que é isso o que buscamos e só isso, por apenas um momento. Não nos importamos com as nossa metas futuras. E o que vimos no instante anterior nos é  indiferente durante esse intervalo de tempo em que praticamos mudar a nossa intenção. Buscamos a inocência e nada mais. Nós a buscamos sem outra preocupação senão o agora.

4. Um dos maiores obstáculos ao êxito tem sido o envolvimento com as tuas metas passadas e futuras. Tu tens te preocupado bastante reconhecendo o quão extremamente diferentes são as metas propostas por esse curso em relação àquelas que tinhas antes. E também ficaste consternado diante do pensamento deprimente e restritivo, de que, mesmo que venhas a ter êxito, inevitavelmente perderás o teu caminho de novo.

5. Como isso poderia ter importância? Pois o passado se foi; o futuro é apenas imaginário. Essas preocupações não passam de defesas contra uma mudança no atual enfoque da percepção. Nada mais. Deixamos essas limitações sem sentido de lado por um momento. Não olhamos para crenças passadas e aquilo em que acreditaremos não interferirá em nós agora. Entramos no tempo da nossa prática com uma única intenção: contemplar a impecabilidade interior.

6. Reconheceremos que perdemos essa meta se, de alguma forma, a raiva bloquear o nosso caminho. E se os pecados de um irmão nos ocorrerem, o nosso enfoque estreito restringirá a nossa vista e voltaremos os olhos para os nossos próprios equívocos, que magnificaremos e chamaremos de nossos "pecados". Assim, por um momento, sem considerarmos passado ou futuro, se esses bloqueios surgirem, nós os transcenderemos instruindo as nossas mentes a mudarem de enfoque, dizendo:

Nõ é para isso que eu quero olhar.
Confio em meus irmãos, que são um comigo.

7. Também usaremos esse pensamento para nos manter a salvo durante o dia. Não buscamos metas a longo prazo. À medida que cada obstrução parecer bloquear a visão da nossa impecabilidade, buscamos apenas fazer cessar, por um instante, a miséria que o enfoque sobre o pecado trará, a qual, se não for corrigido, permanecerá.

8. Também não pedimos fantasias. Pois o que buscamos contemplar está verdadeiramente presente. À medida em que o nosso enfoque vai além dos equívocos, contemplaremos um mundo totalmente sem pecado. Quando tudo o que quisermos ver for apenas isso, quando isso for tudo o que buscamos em nome da verdadeira percepção, os olhos de Cristo serão inevitavelmente nossos. E o Amor Que Ele sente por nós também se tornará nosso. Isso será a única coisa que veremos refletida no mundo e em nós mesmos.

9. O mundo que outrora proclamou os nossos pecados torna-se a prova de que somos sem pecado. E o nosso amor por todos aqueles para os quais olhamos atesta a nossa memória do santo Ser Que desconhece o pecado e que nada poderia conceber fora da Sua impecabilidade. Buscamos essa memória ao voltarmos as nossas mentes para a prática de hoje. Não olhamos nem para frente, nem para trás. Olhamos diretamente para o presente. E depositamos a nossa confiança na experiência que pedimos agora. A nossa impecabilidade é apenas a Vontade de Deus. Nesse instante, a nosso vontade é una com a Sua.




LIÇÃO 180 - 29/06/2018

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

1. (169) Pela graça vivo. Pela graça sou liberado.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

2. (170) Não há crueldade em Deus e nem em mim.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

LIÇÃO 179 - 28/06/2018

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

1. (167) Só existe uma vida e eu a compartilho com Deus.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

2. (168) A Tua graça me é dada. Eu a reivindico agora.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

LIÇÃO 178 - 27/06/2018

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

1. (165) Que minha mente não negue o Pensamento de Deus.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

2. (166) As dádivas de Deus me são confiadas.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

LIÇÃO 177 - 26/06/2018

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

1. (163) Não há morte. O Filho de Deus é livre.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

2. (164) Agora somos um com Aquele Que é a nossa Fonte.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

LIÇÃO 176 - 25/06/2018

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

1. (161) Dá-me a tua bênção, Filho santo de Deus.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

2. (162) Eu sou como Deus me criou.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.


LIÇÃO 175 - 24/06/2018

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

1. (159) Dou os milagre que tenho recebido.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

2. (160) Estou em casa. O medo é o estranho aqui

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

LIÇÃO 174 - 23/06/2018

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

1. (157) Quero entrar na sua Presença agora.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.

2. (158) Hoje aprendo a dar como recebo.

Deus é só Amor e, portanto, eu também.






















































































































Mensagem do Mestre Jesus para as 3 primeiras lições do Um Curso em Milagres.

Canalizada em 3.1.2018

Por Tânia Morena Luz


A forma como olhas o mantém em uma determinada frequência.
Se faz necessário revisar seu olhar, se o teu ser possui o intuito de viver a Realidade Real, Divina.
Teu olhar está viciado, pois estás em uma experiência na densidade.
Estás aprendendo e notando o que o olhar da densidade lhe traz, no que faz que acredites.
Verás que a forma de teu olhar não foi uma escolha efetuada pelo teu ser de forma consciente, ele, teu ser, simplesmente repete inconscientemente a forma de olhar.
Como dar-se conta deste olhar em teu ser, senão da forma que estou lhe mostrando? Conduzindo-te?
Se acalmares teu ser verás inúmeras ideias cruzando sua mente, determinando seu destino sem ao menos teres consciência até então.
Este é o objetivo inicial, que comeces a contestar teu sistema de crenças (e não defendê-lo) e verificar o quanto que ele lhe domina.
Trabalha a parte do teu ser verdadeiro, aquele que sente e está conectado as suas necessidades reais.
Vives o distanciamento do teu querer verdadeiro, real.
Dé tempo, Amor e Compaixão ao seu ser verdadeiro. Tenham Fé, acreditem em Minha condução pelo Amor e pelo Real.
Mantenham-se trabalhando com honestidade em seus seres, convidando para que seus seres expressem-se e ouçam a Voz interior de seus corações.
Confiem!


Sou Mestre Jesus
Namastê